Categoria(s) do post: Ferramentas de organização

Hoje eu quero escrever sobre um dos principais recursos do método Bullet Journal: coleções. (Para saber mais sobre o método Bullet Journal, leia os posts anteriores do blog sobre o assunto ou vá direto na fonte, com o livro escrito pelo autor do método).

Para explicar o que são coleções, o autor do método compara o Bullet Journal a um jogo de Lego, e diz que as coleções são os blocos que compõem o brinquedo como um todo.

As coleções padrão do Bullet Journal são:

  • índice
  • registro futuro / log do futuro
  • registro mensal / log do mês
  • registro diário / lod do dia

Tudo o que for conteúdo que não entre nessas coleções acima é uma coleção à parte por si só, que você pode criar a qualquer momento e inserir no índice.

Exemplos de coleções:

  • planejamentos diversos
  • lista de compras
  • lista de coisas a levar na viagem de férias
  • etc!

Quando você migra de um caderno para o outro, você pode querer migrar algumas coleções com você, mas outras não. A vida muda, os projetos acontecem e são concluídos, e eles podem permanecer no caderno anterior, como registro daquela época.

Mesmo as coleções que você queira migrar podem sofrer atualizações e melhorias. Por exemplo, se você tiver uma lista de compras do mercado, quando for migrá-la, pode acrescentar ou tirar alguns itens.

Fora que a Internet é um espaço amplo e vasto para pesquisar ideias de coleções. No Pinterest você encontra de tudo. (Dê uma olhada)

Isso que é o legal do Bullet Journal: ele muda conforme a sua vida muda. Ele vai ter conteúdos que você criar, de acordo com o que você precisa, e não conteúdos prontos que não tenham nada a ver com você.

Alguns exemplos de coleções dos meus últimos Bullet Journals:

Quando você migra de um caderno para o outro, a ideia não é ter “retrabalho” nem “reescrever” nada, e sim elevar o nível dos seus registros. Se isso significar migrar uma ou outra coleção com você, então tudo bem. E você pode fazer aos poucos também, não de uma vez.

Quis escrever sobre coleções porque esse entendimento é fundamental para explicar como aplicar o método GTD™ no Bullet Journal, que virá na sequência.

Qualquer dúvida, por favor, deixe um comentário.