Categoria(s) do post: Blog

Eu não gosto de incentivar a compra desenfreada na Black Friday. Acho importante que cada um aproveite para pagar menos por aquilo que já estava a fim de comprar. Muitos leitores me perguntaram se eu faria alguma promoção de Black Friday, então resolvi fazer. 🙂 Durante toda essa sexta-feira (até 23h59), todos os cursos online do blog disponíveis na nossa ferramenta EAD da Oficina VO estarão com 50% (!) de desconto. Alguns leitores não conseguiram aproveitar a promoção e pediram para estender, então deixarei até domingo. Obrigada. <3

[button color=”green” size=”” type=”square_outlined” target=”blank” link=”http://oficina-vida-organizada.eadbox.com/cursos”]Clique aqui para acessar[/button]

ead-oficina

Espero que esse presente ajude quem gostaria de fazer um curso do VO mas não tinha como pagar com o preço cheio. Mesmo com desconto, é possível pagar parcelado pelo PagSeguro. Basta clicar e ver as condições oferecidas para a sua conta.

[button color=”green” size=”” type=”square_outlined” target=”blank” link=”http://oficina-vida-organizada.eadbox.com/cursos”]Clique aqui para acessar[/button]

Mas corra! É uma promoção limitada.

Obrigada por tudo, pessoal. 🙏🏻

Categoria(s) do post: Diário da Thais

livros-novembro

Mesmo que eu não tenha mais projetos e metas literárias (por hora), ler é algo sempre presente na minha vida, especialmente em períodos mais introspectivos ou de inspiração. Este mês, gostaria de compartilhar com vocês o que tenho lido e dizer por que quis lê-los.

desperte-seu-gigante-interior

Tony Robbins é coach. Para conhecer um pouco do seu trabalho, veja o documentário “Eu não sou o seu guru”, no Netflix. Meu trabalho com o coaching tem me inspirado a estar sempre lendo algo relacionado, e esse livro (que é enorme, um calhamaço!) tem me acompanhado ao longo do mês e trazido uma série de insights legais. Se você se interesse pelo assunto coaching, motivação, encontrar propósito de vida etc, este livro pode te agradar.

recalculando-rota

O livro vale pelo capítulo final. Ele tem uma pegada mais autobiográfica e não me identifiquei com a autora em diversos momentos, o que pode ter tirado o brilho da obra para mim (mas vejam: trata-se de identificação, o que muda de pessoa para pessoa e você pode adorar!). Mas a autora acabou se encontrando e hoje trabalha ajudando as pessoas a se encontrarem também. Eu recomendaria esse livro para pessoas que sentem que já fizeram um monte de coisas na vida e ainda não encontraram um norte, mas estão buscando. Se você gosta de viajar, vai curtir bastante os relatos da autora.

rita-lee-livro

Comprei assim que o vi na livraria (antes do lançamento oficial) e li até acabar. Adoro a Rita Lee, adoro biografias de músicos (meu gênero preferido) e, nesse livro, ela manda a real sobre muitos acontecimentos e eu adorei, especialmente porque meu pai era “roqueiro da Pompeia” e eu conhecia (e cresci) no meio de um monte de pessoas que ela cita no livro. O que eu acho legal de indicar para quem tem interesse é mostrar como você vai deixando um legado com tudo o que você faz e a importância de se respeitar, trazendo inspiração para o seu dia a dia, deixando a criatividade aflorar, como modo de vida mesmo.

rick-bonadio-livro

Bom, e continuando com a biografia de músicos e falando sobre criatividade e inspiração, eis outro livro que comprei assim que vi, antes mesmo do lançamento oficial. O Rick Bonadio vira e mexe faz sucesso na tv porque está participando de algum programa (no momento, é o X-Factor), mas eu sou fã dele desde quando ouvi, há uns 20 anos, que ele “foi o cara que descobriu os Mamonas Assassinas”. Desde então, passei a me interessar pelo assunto produção musical e a acompanhar o seu trabalho. Eu ainda tenho na minha lista de algum dia / talvez fazer um curso de produção musical, assunto pelo qual continuo apaixonada, e ele certamente foi uma das minhas maiores influências. Gostei muito do livro dele, mas acho que ele poderia ter escrito mais sobre a produção em si.

o-poder-dos-inquietos-1418560478-184x273

Esse livro foi sugerido e emprestado por um amigo meu (obrigada, Victor!), que disse que eu adoraria. Ele estava certo! um livro que tem muito a ver com propósito, objetivos, projetos, fazer acontecer, de modo geral. Se você é crazy maker como eu, cheio de ideias, tenho absoluta certeza que irá adorar esse livro também!

E você, leu algum livro legal ultimamente? Indique nos comentários!

Categoria(s) do post: Dicas de produtividade

Uma das habilidades existentes em produtividade é a habilidade de renegociar acordos. Tudo o que a gente coloca em uma lista e diz que vai fazer é um acordo que a gente fez consigo mesmo ou com outras pessoas. E, se não conseguimos cumprir esse acordo (ex: fazer determinada tarefa em determinado dia), isso gera frustração de todos os lados. Mais frustrante que não fazer, é a frustração por ter quebrado o acordo. Então, quando vemos que algo ficou atrasado de um dia para o outro ou que não vamos conseguir fazer dentro do prazo estipulado, o ideal é renegociar esse prazo e reagendar da maneira mais adequada e factível – avisando se outra pessoa estiver envolvida, é claro.

Quem usa o Todoist poderá ter uma mãozinha para fazer isso. O novo recurso, de reagendamento inteligente, usa a inteligência do aplicativo para sugerir novas datas de acordo com seus comportamentos anteriores. Ou seja: ele sugere datas que, de acordo com o que você já reagendou antes, podem funcionar para você.

smart_schedule_web2x

Ah, e você pode agendar uma a uma ou um bloco de várias tarefas ao mesmo tempo. Para fazer esse reagendamento, o Todoist se baseia em alguns critérios como:

  • Seus hábitos. Você costuma executar tarefas como “ler meus e-mails” na segunda de manhã? Ou “planejar o menu da semana” na quinta? O Todoist vai sugerir esse reagendamento de acordo com hábitos que você tenha.
  • Urgência da tarefa. Usando informação anônima de outros usuários do Todoist, uma data será sugerida para você.
  • Dias úteis X finais de semana. O Todoist entende que tipo de tarefa deve ser reagendada para um dia útil e que tarefas podem ser melhor reagendadas para os finais de semana.
  • Tarefas que estão chegando. Se você tiver uma segunda-feira lotada de tarefas já agendadas e uma terça-feira livre, o Todoist vai sugerir um equilíbrio.
  • Sua meta diária do carma. O Todoist vai ver qual sua meta diária de execução e usar essa informação também para sugerir uma data legal para você completar aquela tarefa que está atrasada.

Vale lembrar que nenhuma ferramenta faz milagres e que o principal fator para otimização da sua produtividade sempre será você mesmo(a). Porém, o que torna o Todoist tão fantástico são justamente esses recursos sendo implementados, pois eles nos ajudam justamente a pensar sobre os nossos hábitos, o que é urgente ou não, se estamos trabalhando aos finais de semana e outras reflexões do tipo. A nova data sugerida não é automática – você precisa aprová-la. Mas vale testar para ver como o seu Todoist se comporta, que sugestões ele te dá, porque ele pode dar sugestões certeiras. E, quem sabe, com o tempo, esse aprendizado não faça com que você não precise mais reagendar tanta coisa?

Ah, e olha só que interessante: você pode utilizar esse recurso mesmo se suas tarefas ainda não estiverem atrasadas. Se perceber que o prazo que você estipulou não é muito realista, você pode clicar para editar a data da tarefa e haverá a opção de reagendar mesmo assim.

android_single_swipe2x

Alguém aqui já testou? Deixe suas impressões nos comentários!

Todas as imagens deste post são oficiais do Todoist, retiradas no site da ferramenta.

Categoria(s) do post: Áreas da Vida

Quando eu paro para pensar no planejamento para 2017, é inevitável pensar que ainda temos algumas semanas antes do final deste ano e que é possível sim fazer um mundão de coisas antes da virada do ano. Por isso, o post de hoje é justamente para estimular essa análise: de tudo o que está em andamento ou que ainda não comecei, o que é factível terminar ainda este ano?

daprafazerem2016

Agenda

Comece revisando a sua agenda e todos os eventos que você tem até o final de dezembro. Há providências a tomar? O que você pode fazer para tirar os próximos compromissos da sua mente? O que pode ser antecipado? Existem prazos que vencerão e que você precisa trabalhar com um pouco de antecedência? Esse é o momento de analisar e coletar essas informações.

Ações, tarefas e demandas no geral

Revise suas listas de coisas a fazer. O que você efetivamente precisa fazer antes de o ano acabar. O que você pode desencanar um pouco (e parar de se preocupar) e deixar para o ano que vem? Com essa seleção, você consegue focar melhor naquilo que efetivamente precisa resolver ainda este ano. Quais são as pendências que você ainda tem que resolver? Será que conseguiria agrupar em listas como “assuntos para resolver no banco” ou “telefonemas que eu preciso dar” para facilitar a execução dessas ações? Isso se chama organizar por contexto e pode facilitar muito o aproveitamento de tempo no dia a dia.

Projetos em andamento

Quais são os projetos pessoais e profissionais que você está tocando no momento? Se não tem, comece fazendo uma lista com todos eles, para ter noção do volume. Depois, analise o que efetivamente precisa concluir ainda este ano. Seja compassiva(o) aqui. Não dá pra fazer tudo, mesmo que seja desejável. Por isso, olhe com critério e mantenha apenas aqueles que você realmente precisa concluir antes de o ano acabar. O restante, coloque em uma lista como “Projetos para fazer na sequência”. Caso conclua seus projetos antes e possa abrigar alguns deles, tudo bem. Mas aprenda a priorizar, até mesmo para conseguir concluir o que for necessário.

Coisas urgentes

Sim, elas existem. Geralmente são projetos e ações que você deveria ter feito quando ainda não eram tão urgentes, mas agora se tornaram. Analise friamente para verificar se a urgência denota importância de fato. Muitas coisas se tornam urgentes pelo calor da situação mas, se você comparar com outras iniciativas, podem ser renegociadas. Se necessário, converse com sua ou seu chefe, equipe, família, e renegocie as tais urgências. Assim você conseguirá ter uma noção de como conseguirá se planejar para fazer o que realmente precisar ser feito ainda este ano.

Objetivos para 2016

Se você fez uma lista de objetivos para 2016, é hora de analisar o que foi feito e o que não foi feito. Será que os objetivos foram factíveis? Será que faltam poucas coisas para concluir alguns deles? O que você pode aprender com esse aprendizado para melhorar sua definição de metas para 2017?

Planeje-se semanalmente até o final do ano

Uma vez por semana, revise seus compromissos, suas listas de ações, seus projetos em andamento, os que virão a seguir, seus objetivos, e planeje o seu tempo de acordo com o que precisa fazer. Uma dica de ouro para se planejar é respeitar a natureza do seu trabalho. Não adianta deixar o dia inteiro com atividades planejadas sendo que você é interrompida(o) o tempo todo pelo telefone no trabalho. Observe como é a sua rotina e deixe algumas horas livres todos os dias para atender essas atividades não planejadas. Lembre-se também de reservar tempo todos os dias para se organizar, o que incluir:

  • Fazer anotações e esclarecer as suas ideias, organizando-as em um lugar confiável (suas listas)
  • Planejar a sua semana
  • Ler e responder seus e-mails

Lembre-se também que a virada do ano é simplesmente um data e que muitas coisas não precisam ser concluídas até dezembro. Por isso, essa análise quase fria é fundamental para que você não perca a cabeça tentando atingir metas fora da realidade apenas para cumprir antes do fim do ano chegar. Verifique o que realmente precisa ser feito este ano e foque na conclusão dessas atividades. Boa sorte!

Você tem algo que precisa ser concluído ainda este ano? O quê? E como pretende chegar lá?

Categoria(s) do post: Áreas da Vida

Este post faz parte da série Planejamento 2017, onde vamos falar sobre maneiras de você revisar o ano que está acabando e se planejar para o ano que vem.

Hoje, quero recomendar, como parte desse planejamento, que você reflita sobre os seus aprendizados ao longo do ano.

2016 tem sido um ano não muito fácil, cheio de desafios. A ideia aqui é analisar o que você fez, o que você deixou de fazer, e o que você aprendeu com todas essas experiências.

Os aprendizados geram princípios de vida. E esses princípios são algumas das coisas mais elevadas que a gente pode ter, porque nos ajudam a tomar decisões.

Uma maneira de registrar esses aprendizados é mantendo um diário. Se você não tem um, pode ser algo a se considerar para o ano que vem. A ideia é registrar aprendizados diários, quando for o caso.

aprendizados

Sinceramente, muitos dos meus aprendizados acabam virando posts para o blog. Logo, uma maneira de avaliar meus próprios aprendizados é revisar o que eu postei aqui. E, quando faço isso, identifico aprendizados bem legais, como por exemplo:

  • O primeiro passo da organização é destralhar. Com isso em mente, desenvolvi com mais clareza o método de organização do Vida Organizada (com cinco passos), que direcionou até mesmo o meu segundo livro, o Casa Organizada (publicado este ano).
  • Algo que ficou extremamente claro para mim em 2016 foi que, uma vez que você tenha valores claros, você pode ter certeza das suas decisões e convicções. Isso se mostrou correto ao longo de diversos acontecimentos este ano. Independente do que é certo ou errado, o importante é ter a consciência tranquila de que sua vida está sendo vivida de acordo com os seus valores.
  • Aprendi a buscar a tranquilidade e a melhorar todos os meus processos tanto na vida pessoal quanto na vida profissional. É muito comum, na correria do dia a dia, a gente se perder fazendo o que for mais rápido e deixar algumas pontas soltas. Este ano, eu definitivamente aprendi a valorizar a qualidade das coisas. Por exemplo: quero efetivamente ter uma rotina adequada de sono. O que preciso fazer? Então fui atrás dessas coisas, melhorando desde processos básicos (como dormir a quantidade adequada de horas, descansar, me alimentar melhor) até mais complexos.
  • Diminuí completamente o ritmo de algumas atividades. O meu conceito de produtividade (que na verdade vem do GTD) diz respeito a saber aproveitar bem o tempo, seja descansando ou trabalhando. Isso me fez deixar de lado uma série de projetos que estavam apenas me sobrecarregando mentalmente e a pensar mais na minha experiência produtiva.
  • Simplifiquei e continuo em busca de simplificar cada vez mais o meu sistema do GTD. Simplicidade foi a palavra de ordem este ano, eu acredito. É uma construção constante.
  • Aprendi que, mais do que planejar a vida ou as coisas que eu quero conquistar com o Vida Organizada ou o GTD, é importante ter a noção de legado. O que eu quero ser responsável por? Que marca eu quero deixar? Como eu posso ajudar as pessoas? Qual é o meu papel neste mundo? Isso trouxe mais significado a tudo.
  • Também aprendi a respeitar meus sentimentos e quem eu sou de verdade. Das coisas mais simples às mais complexas no dia a dia. Por exemplo: se eu não gosto que me telefonem à noite para falar de trabalho, essa não é uma atitude que eu tenho que tolerar. Eu preciso impôr limites. Nesse sentido, eu aprendi que a organização nos ajuda a ter um certo empoderamento em frente a um mundo que perdeu completamente a noção e que cada um tem o que é certo ou errado para si.
  • Aprendi que as amizades de verdade vão incentivar o que há de melhor em você, não o pior. Também aprendi que nem todo mundo serve para ser meu amigo (e eu não sirvo para ser amiga de outras pessoas – aceitei esse fato e parei de insistir em algumas coisas).
  • Deixei de ter uma religião e voltei a focar na minha própria espiritualidade, sem um caminho formal mas abraçando aquilo que faz sentido para mim.
  • Meditar e usar GTD são duas habilidades básicas para a vida que deveriam ser ensinadas na escola.
  • Respeitar as energias da casa, do seu corpo e do universo faz diferença.
  • Aprendi que nem todo mundo consegue acompanhar a quantidade de posts do Vida Organizada. haha Então tentei diminuir um pouco, mas gosto do hábito diário da escrita.
  • Aprendi que não vale a pena deixar o que é seu de lado para cuidar apenas do que é dos outros. Dá pra equilibrar.
  • Aprendi que boas parcerias são importantes. E a ficar do lado e ajudar quem está precisando de você no momento. Fazer o certo é fazer o certo sempre, sem esperar recompensas. Algumas pessoas precisam de você mesmo que elas não tenham tanta certeza disso. Aprendi a olhar com perspectiva e colocar a situação como um todo acima das diferenças.
  • Buscar significado no dia a dia, de forma geral, faz toda a diferença. Como posso tornar cada dia meu vivido da melhor maneira possível? Como posso tornar cada dia especial para mim e para a minha família? Como posso aproveitar cada momento ao lado do nosso filho? São perguntas que me faço todos os dias, intuitivamente, e este ano aprendi a viver cada dia de forma mais significativa e intencional.
  • Aprendi que ter uma empresa não é fácil e que é importante você aprender como funcionam os tributos do seu país. Empreender não é tudo – pavimentar é preciso.
  • As pessoas vão copiar suas ideias, seus textos, suas iniciativas, seu trabalho e ainda vão construir carreira em cima disso. Eu aprendi a não me estressar com isso e, pelo contrário, usar para me dar uma chacoalhada e pensar em fazer coisas diferentes sempre, porque a fonte de quem cria nunca se esgota.
  • Também aprendi que, não é por que eu sou blogueira e “dou a cara a tapa” na Internet que eu preciso aceitar humilhações, ofensas e agressividade. Só posso fazer o meu melhor, dando valor a quem valoriza o que eu faço também. Mesmo assim, existem pessoas incríveis que fazem a vida valer a pena! <3
  • Aprendi que eu não preciso fazer tudo ou me preocupar com tudo e com todos. Isso sempre me sobrecarregou bastante, mas aprendi a “deixar ir” este ano, em alguns casos. Ainda estou exercitando, mas mantenho esse aprendizado em mente.
  • Aprendi que a sobrecarga só existe quando você não define o seu trabalho. E que isso é uma responsabilidade sua.
  • Apenas reforcei o que eu já sabia: cuidar dos prazos do dia até a hora do almoço é uma das melhores práticas de produtividade que se pode ter. Nunca se sabe o que pode acontecer de tarde (e este ano essa máxima se provou diversas vezes).
  • Aprendi a trazer as férias para o dia a dia. O prazer reside nas atividades do cotidiano, e não em um evento que acontece algumas vezes por ano.
  • A vida melhora se você melhora.
  • Estado mental é tudo.

Este texto foi muito sincero. Espero que gostem dos meus aprendizados e que eles possam ser úteis de alguma forma.

E você, o que aprendeu em 2016? Deixe nos comentários!

Categoria(s) do post: Áreas da Vida

O primeiro passo da organização, segundo o método do Vida Organizada, é destralhar. Destralhar significa tirar da sua vida aquilo que não faz mais sentido para você, mantendo o que tem significado. É um exercício constante de reavaliar pensamentos, sentimentos, atividades, projetos e até mesmo situações.

Faz parte desse Planejamento 2017, então, a gente parar para pensar um pouco na vida e ser honesto consigo mesmo sobre o que vale a pena ir com a gente para 2017 e o que vale a pena deixar para trás em 2016.

oquedeixarem2016

É claro que algumas coisas não podem ser simplesmente abandonadas. Leva tempo para a gente se desfazer. Mas a ideia aqui é justamente identificar e dar o primeiro passo. Ter uma vida organizada significa levar uma vida coerente com os seus valores, com o seu propósito, de modo que eles se reflitam em tudo o que você faz. E, aquilo que não tem nada a ver, pode ser interessante a gente reavaliar e ver se vale a pena manter.

Quando a gente fala em se planejar, é comum travar quando para para pensar “no que eu quero para o ano que vem”. Muitas vezes, o caminho inverso – pensar no que eu não quero – pode ser mais fácil, porque a repulsa é mais fácil de identificar.

Pare então e pense nos seus últimos meses, tanto em nível pessoal quanto profissional.

  • O que você não aguenta mais?
  • Qual é o maior problema da sua vida atualmente?
  • O que tem te causado mais preocupação?
  • Que pessoas você não quer mais que façam parte da sua vida?
  • Que problemas de saúde você não quer mais ter?
  • Que problemas em casa você não aguenta mais?
  • Que problemas no trabalho você não consegue mais suportar?
  • Que projetos não fazem mais sentido?
  • Que processos na sua rotina poderiam ser melhorados?

Tem situações que realmente já deram o que tinham que dar, mas mesmo assim você as suporta, ou carrega, durante ANOS, sem dar o primeiro passo para a mudança. Pode ajudar passar as respostas das perguntas acima para o papel, porque escrever ajuda a refletir. E, com esse papel, analise item a item, perguntando o que seria necessário para tirar aquilo da sua mente. O que você efetivamente pode fazer? Qual sua próxima ação?

Alguns exemplos: projetos que não têm mais nada a ver, sobrecarga no trabalho, abuso moral e físico, desânimo, casa cheia de tralha, amizades duvidosas, saúde se deteriorando, dívidas, problemas de sempre. Nada disso desaparece por acaso. Você precisa ter um plano de ação, e o primeiro é identificá-los.

Muita coisa você pode simplesmente fazer imediatamente. Uma amizade que não te faz bem pode simplesmente significar cortar relações com a pessoa. Uma mudança de emprego, no entanto, é algo um pouco mais complexo, mas você precisa começar de algum lugar. Defina a primeira coisa, o primeiro passo, e execute-o. Depois, defina outro passo. E assim vai. O que não dá é para ficar parado(a), esperando se resolver, adiando sua felicidade.

Se você tiver sentimentos que pretende deixar em 2016, pergunte-se o que é suficiente para fazer você deixá-los para trás efetivamente. E deixe que eles fiquem mesmo para trás. Você não precisa pensar duas vezes em uma mesma coisa, a não ser que você goste de pensar naquilo. Existe uma máxima budista que diz: se um problema tem solução, então não precisa se preocupar; se não tem, não precisa se preocupar também (apenas busque a solução).

Pare de adiar a sua felicidade. A organização serve justamente para termos mais qualidade de vida, e a qualidade de vida depende essencialmente da qualidade que você atribui a ela. Não é algo que acontece por acaso. Destralhe sua vida, sua casa, suas contas, seus projetos. Mantenha aquilo que faz sentido, que te deixa feliz, que te dá o sentimento de que a sua vida está seguindo adiante, para onde você quer.

“Ah, mas não é tão simples”. Algumas coisas são, outras não. Mas você precisa começar.

Deixe em 2016 o que “já deu”. 2017 é um novo ano. Aproveite esses últimos dois meses para deixar para trás aquilo que definitivamente não precisa mais estar com você.

Categoria(s) do post: Dicas de produtividade, Áreas da Vida

Quando se fala em planejamento, duas coisas vêm à mente: 1) afffff, dá trabalho e 2) não tenho o que precisa. Balela! Você já tem tudo o que você precisa: sua mente. E, é claro, papel e caneta, ou qualquer ferramenta que você normalmente utiliza para fazer anotações.

É importante entender que o planejamento não é um evento, ou algo que a gente faz só de vez em quando. Planejar as nossas atividades, com variadas frequências, faz parte da vida. Todo mundo já se obrigou a sentar e fazer uma lista de tarefas para se organizar em um dia cheio de coisas para fazer, assim como já fez uma lista de resoluções ou metas para o ano novo. Planejar faz parte da nossa vida e é tão importante quanto qualquer outro tipo de atividade. Não é algo para fazer “se der”. É algo para fazer justamente “para dar”! Para ter tempo, para antecipar as coisas, para não sair atropelando tudo e fazendo de qualquer jeito.

Existem diversos tipos de planejamentos e eu vou citar os que eu recomendo:

  • Planejamento por frequência: anual, mensal, diário etc.
  • Planejamento por situação ou projeto: viagem, volta às aulas, mudança etc.

O planejamento por situação é aquele que normalmente a gente faz quando sente necessidade de organizar alguma coisa. Quando uma equipe se junta para definir as fases de um projeto da empresa, ou quando você planeja o roteiro de uma viagem que irá fazer. Esses planejamentos dependem muito de cada situação e da complexidade da mesma. Você pode ter projetos simples (organizar a viagem do final de semana), assim como alguns mais complexos (implementar um novo sistema de intranet na empresa).

A coisa pode se aprofundar tanto que existe algo chamado gerência de projetos, com curso, certificação, especialização e muitos estudo envolvido. Caso você se interesse, é uma área profissional muito ampla para você curtir. E é claro que, para os seus projetos pessoais (seus como indivíduo, mesmo os projetos de trabalho, que você é responsável), você não precisa saber tudo isso. Para esses projetos, você pode usar algo mais simples, porém muito legal, chamado Planejamento Natural de Projetos, que vem do GTD (um método de produtividade criado por David Allen e que eu, Thais, utilizo há muitos anos).

O planejamento por frequência é o que deixa a vida mais interessante porque é uma maneira de manter a vida sob controle e com perspectiva. As prioridades ficam claras. Nada passa desapercebido. Você prevê situações, se antecipa, e consegue ter uma vida mais organizada.

Por que é importante, por exemplo, fazer um planejamento anual? Nós vamos ver em um post futuro como fazer exatamente, mas a ideia é ter uma visão geral do ano que está vindo, férias (suas e dos seus familiares ou colegas de trabalho, que impactam diretamente na sua vida), viagens, feriados, sazonalidades, grandes eventos, aniversários. Com isso, dá para ter um panorama do ano novo e prever alguns acontecimentos, ou até mesmo verificar que época seria legal para iniciar determinados projetos (ex: reforma da cozinha). Também serve para analisarmos nossos objetivos de médio e longo prazo e verificar se estamos no caminho certo.

Cada frequência de planejamento traz seus benefícios. O planejamento semanal, por exemplo, dá mais controle de prazos, compromissos e deslocamentos. Todos os planejamentos por frequência nos ajudam a ter uma vida mais tranquila e organizada.

planejar

Sobre ferramentas, repito o que falei lá no começo: você precisa apenas da sua mente, papel e caneta. Mas claro que você pode usar ferramentas tradicionais de organização, como agendas, cadernos fofos, post-its e canetas coloridas. Fique à vontade para usar aquilo que você curte mais, porque gostar do processo é parte importante desse planejamento. Nada de usar uma planilha se você detesta aquele visual. A efetividade da organização tem tudo a ver com a gente respeitar a nossa essência, porque só assim consegue fazer com ela se torne um hábito real.

Conte-me um pouco como são os seus hábitos de planejamento hoje aqui nos comentários. Você já costuma planejar os seus projetos? E esses planejamentos por frequência (mensal, anual), você já faz? Obrigada pela participação desde já!

Categoria(s) do post: Diário da Thais

Saudades de vocês! Como comentei em posts anteriores, enquanto não trocar o layout do blog, não me sinto tão inspirada para escrever, então peço um pouco de paciência. Estou aproveitando esse processo para trabalhar mais no backstage. Este post é para mostrar um pouco disso.

O que eu estou…

Fazendo: Profissionalmente, me dedicando a projetos já encaminhados e alguns novos. Dentre os encaminhados, é estudar cada um dos meus coachees, planejar suas sessões com qualidade, estudar bastante para esse processo de coaching como um todo. Além disso, estou traduzindo materiais para os cursos novos de GTD, capacitando os instrutores através de uma série de ações (coaching, treinamentos) e eu mesma ministrando treinamentos – em novembro e dezembro, estou com a agenda praticamente fechada. Que bom! No Vida Organizada, estou trabalhando no planejamento 2017, o que envolve não só a linha editorial do blog como os cursos, workshops, palestras e outras iniciativas que pretendo abraçar. 2016 foi um ano de muito aprendizado nesse sentido e tudo o que eu aprendi estou usando para fazer esse planejamento. No último final de semana, a Ana Soares e eu fizemos um workshop ótimo em Brasília e pudemos conversar mais sobre planos para o ano que vem. Está sendo então um momento de análise do ano que passou e refinamento da qualidade para o ano que vem, nas iniciativas que já estão em andamento, além do preparo de cursos novos. Pessoalmente, estou cuidando da minha saúde, extremamente envolvida com o projeto de feng shui na nossa casa e ensaiando músicas para uma nova banda.

A gente em Brasília - Novembro 2016
A gente em Brasília. Fotos melhores virão! – Novembro 2016

Cozinhando: Comidinhas do Tasty Demais! Gente, estou viciada nesse negócio. Pelo menos uma vez por semana eu faço alguma receita deles. Cozinhar é uma maneira de exercer a criatividade e, para mim, uma terapia.

Bebendo: Muita água.

Lendo: Acabei de ler a autobiografia da Rita Lee (recém-lançada) e agora estou lendo “O poder dos inquietos”, livro incrível emprestado por um amigo que disse que eu tinha que ler, e ele estava certo. Estou amando.

Procrastinando: Vou renovar meu passaporte, mas antes gostaria de fazer uma nova via do meu RG (com a minha nova assinatura). Aí fico protelando porque não sei se renovo o passaporte de uma vez (sem mudar a assinatura) ou se faço o novo RG. Ridículo, eu sei. Essa semana eu me decido.

Querendo: Um blazer de linho cru para fazer meus treinamentos no verão. Apesar de serem dias quentes, o ar condicionado acaba comigo. Preciso de uma peça leve, porém arrumadinha, para ministrar as aulas.

Procurando: Plantinhas para a casa toda – de suculentas a mini-árvores para o terraço.

Decidindo: Se vou tirar férias em fevereiro ou em março.

Desejando: Ir para a praia! Litoral norte de São Paulo.

Curtindo: Poder fazer mais coisas em casa. Tenho privilegiado mais esses momentos com o meu filho, meu marido, cozinhando, brincando com os cachorros. Tem dias que são bem cheios de compromissos, mas eu procuro sempre valorizar esses momentos.

Hora da massinha 😂💙

Uma foto publicada por Vida Organizada 🕐 (@blogvidaorganizada) em

Esperando: Instalar móveis no terraço. Não vejo a hora de ter um banco de madeira, mesa, churrasqueira em dia, mas tudo isso está na fila da priorização $$$.

Imaginando: Uma viagem que eu vou fazer com a minha avó.

Ponderando: Decisões para os próximos anos com relação à nossa casa.

Ouvindo: ‘In the blink of an eye’, a nova música do Paul McCartney.

Considerando: Compôr músicas novas também. Só que não assim! haha

Comprando: Menos.

Assistindo: “How I met your mother” pela segunda vez, desta vez com o meu marido. “Desperate Housewives” pela segunda vez, desta vez desde o início e em sequência. “Masterchef BR” profissionais.

Esperando: Que 2017 seja um ano mais legal. 2016 foi difícil. Mesmo assim, com muitas realizações.

Reclamando: De muita luz. Acabei desenvolvendo uma fotofobia chata nos últimos dois anos. Está sendo difícil até de dormir. Só consigo com aquelas máscaras para os olhos e, mesmo assim, a luz ainda passa e me atrapalha.

Agradecendo: Por todos os leitores que acompanham o blog e compartilham comigo como a organização os ajudou a ter uma vida mais legal. Cada vez que leio ou ouço isso, é um presente. Obrigada! <3

Precisando: Comprar camisetas fresquinhas para o Paul passar o verão.

Cheirando: Oleozinhos aromáticos que tenho espalhado por toda a casa. Estou viciada!

Usando: Pantacourt com camiseta de malha fresquinha – meu uniforme para trabalhar em casa quando está calor.

Seguindo: As transformações minimalistas na vida da Juliana Góes.

Descobrindo: Que não vale a pena deixar de lado nada do que seja somente seu.

Sabendo: Gerenciar as áreas de foco com carinho faz toda a diferença na vida de quem tem o mundo de coisas para fazer.

areas-de-foco-pessoal

Pensando: “Caramba, como faz diferença você dizer ‘não’ para o mundo e dar uma descansada ao longo da semana, especialmente depois de alguns dias de trabalho intenso”.

Deixando de gostar: De usar Uber. Está complicado e chato.

Rindo: A coisa mais engraçadinha que eu vi na última semana foi esse vídeo antigo do Silvio Santos enchendo o saco de um fã de 4 anos do grupo Raça Negra.

Sentindo: Um pouco esbaforida, mas isso está em resolução.

Celebrando: Como nosso filho está indo bem na escola. <3

Pretendendo: Descansar alguns dias com a família no feriado da semana que vem. \o/

Abraçando: A ideia de que urgente é a gente (obrigada, Ana).

E vocês, o que têm feito ultimamente?

Categoria(s) do post: Dicas de produtividade, Áreas da Vida

atividades-variadas

Ser uma pessoa produtiva não significa trabalhar o tempo inteiro, mas saber alternar com elegância momentos de trabalho árduo com relaxamento. O cérebro agradece! Por isso, seguem algumas dicas para você relaxar desde o momento que acorda, passando por um dia de trabalho e até a hora de ir dormir.

  • Espreguice-se quando acordar. Mas aquela espreguiçada gostosa! Nada de levantar correndo.
  • Tome uma bebida pela manhã. Café, chá, suco verde, água com limão, não importa – a ideia aqui é parar sem fazer qualquer outra coisa que não seja prestar atenção nos goles que você esteja dando.
  • Ao chegar no trabalho, ouça uma música com os fones de ouvido para entrar em um modo mais tranquilo – especialmente se você trabalhar em um ambiente estressante.
  • Faça uma pausa a cada 1h30 de trabalho para descansar, beber água e dar uma volta. Uma coisa particularmente relaxante é parar e olhar um pouco a paisagem pela janela.
  • Na hora do almoço, tome um pouco de sol.
  • Alterne atividades. Se trabalhou no computador, agora faço algo que não envolva a telinha – conversar com alguém, rascunhar o planejamento de um projeto no papel, arrumar a mesa etc.
  • Limpe a tralha da sua mesa. Jogue fora papéis perdidos.
  • Medite ao longo do dia. Não precisa parar 20 minutos durante um dia de trabalho para meditar no meio da sala – feche os olhos por dois ou três minutos e preste atenção à sua respiração.
  • Ao chegar em casa, troque de roupa e faça uma transição para o “ambiente casa”.
  • Converse com algum amigo ou parente pelo telefone, nem que seja através de mensagens de áudio.
  • Leia uma revista preferida quando for ao banheiro.
  • Veja sua agenda para os próximos três dias para ter uma ideia do cenário.
  • Beba um cálice de vinho ou uma caneca de chá quente.
  • Desligue celulares e computadores pelo menos uma hora antes de ir para a cama.
  • Se gostar de ler antes de dormir, leia livros agradáveis, e não horripilantes ou que vão deixar sua mente agitada.
  • Agradeça por algo que tenha acontecido no seu dia.