Categoria(s) do post: Diário da Thais

Bom dia. 🌞

O meu mês de agosto parece ter durado muito mais de 31 dias. Quando olho para o início do mês, a sensação é de que muitos marcos aconteceram, tanto na vida pessoal quanto na vida profissional.

💨💧 O acontecimento mais importante do mês sem dúvida foi ter participado do Festival de Verão, um retiro virtual de 15 dias promovido pelo @manjushrikmc Era um sonho participar desse retiro há pelo menos oito anos, então foi a realização de um grande objetivo que realmente fez diferença na minha vida e no meu caminho como budista.

📚 O mês também ficou marcado como a volta às aulas tanto minhas (Doutorado) quanto do filhote. Eu avancei bastante em questões teóricas da minha tese, obtendo mais clareza.

🏥 Precisei realizar alguns exames médicos e iniciar um tratamento de saúde.

📝 Transformei minha dissertação do mestrado em artigo e ele foi aceito para apresentar na @intercomnacional – o maior evento de Comunicação do país. Me senti gente grande.

💻 Participei de vários eventos e aulas este mês, além de encontros de Mentoria. Iniciativas legais no trabalho, além de mudanças inesperadas (que fazem parte!).

⛰ Realizamos nosso evento Caminho da Rotina Tranquila e ele trouxe muitas pessoas novas para cá. Oi! 🙋🏻‍♀️

🗓 Iniciamos a Turma 10 do nosso curso do Método Vida Organizada. ❤️

🧘🏻‍♀️ Voltei ao curso no Centro Budista @cmk_mahabodhi , ainda na versão virtual.

🌴 Tirei alguns dias de férias nesta última semana do mês. 🙌🏻

Que setembro seja legal! 🥰

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais

Queridos leitores e amigos,

Esta semana estarei de férias.

Preciso de alguns dias para descansar e ficar com a minha família.

Quem me acompanha há pouco mais de um ano sabe como 2020 e 2021 foram de intensa dedicação ao trabalho.

Preciso desse tempinho para mim.

Não teremos live na quarta-feira.

Nos vemos em breve. Obrigada!

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Tecnologia

Ontem eu estava revisando as minhas caixas de entrada de mensagens (sempre uma boa prática) para cada vez mais reduzir onde eu recebo mensagens e, com isso, otimizar meu tempo, atender melhor as pessoas e encaminhar as mensagens que não sejam direcionadas a mim.

Eu já fiquei um tempo sem What’sApp (e compartilhei no meu blog como foi essa experiência) e hoje eu tenho para conversar exclusivamente com quem não conversa em outros canais – de médicos à minha mãe. rs Mas não é a minha ferramenta preferida.

Telegram é a melhor ferramenta para se comunicar comigo, mas eu não converso com todo mundo lá – apenas “para os íntimos”. rs Mentorandos, amigos e pessoas mais próximas com as quais mantenho contato.

SMS é aquela coisa – tem que verificar porque tem mensagem que só chega por ali, geralmente de serviços, bancos etc.

Slack é a nossa ferramenta de troca de mensagens em equipe. Gente, que revolução na nossa vida! De um dia para o outro trocamos o e-mail e o Telegram por ela. Facilitou HORRORES a nossa vida.

Cada vez menos uso e-mail (ainda bem!), mas ele ainda é necessário para troca de mensagens com pessoas que não se comunicam comigo por outros meios, especialmente na vida acadêmica. O pessoal prefere e-mail.

O Messenger do Facebook apenas existe. Não gosto de receber mensagem por lá, sempre peço para me contatarem em outros canais, mas sei que muita gente só tem meu contato ali, então verifico ocasionalmente.

O Instagram Direct teve todo um percurso e cada vez mais se direciona para que eu faça o atendimento. Eu gosto! Mas, por hora, divido com a Andreia, que trabalha comigo, para garantir que nenhum contato urgente fique sem resposta (pois, como vocês sabem, eu não fico o dia inteiro no celular).

E o Zendesk é a ferramenta que utilizamos aqui no Vida Organizada para administrar os tickets de suporte aos alunos. Cada pessoa tem a sua conta e nós distribuímos os tickets de acordo com a área de atuação ou habilidade.

Ah, vale dizer que todas ficam com as notificações desligadas e eu olho ao longo do dia (checagem rápida para ver se tem algo urgente) e paro para responder e zerar de uma a duas vezes por dia.

Você já contabilizou suas caixas de entrada? Será que dá para reduzir? Como você lida com o fluxo de mensagens hoje em dia?

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Tecnologia, Dicas de produtividade, Vida Organizada

Existem práticas que se tornam hábitos e, como hábitos, podemos nos sentir tão seguros com elas que essa sensação de segurança nos deixa confortáveis para achar que elas não são mais tãooo necessárias.

“Quando tudo vai mal, leia o manual” – já dizia um mentor meu.

E, no manual do MVO, tem um princípio bem básico, que é: desligue as notificações. Apenas desligue.

“Ah, mas eu não posso desligar o WhatsApp porque recebo chamadas de trabalho e sou freelancer.” Beleza – deixe o Whats ligado e desligue o resto. Deu pra sacar a recomendação? Mantenha o necessário e desligue as notificações do resto. Não é um máquina que te diz o que você deve fazer. É você que coloca limites e estabelece os horários que vai verificar as ferramentas no melhor horário para você.

Se você se sente sobrecarregada/o porque muitas pessoas te mandam mensagens, o erro não está na pessoa que trabalha no melhor horário para ela, mas no muro que você não estabeleceu para trabalhar no melhor horário PARA VOCÊ. Reflita sobre isso.

É claro que depende muito da sua autonomia e hierarquia da empresa como um todo. O post traz uma reflexão para você ver se pode se aplicar à sua realidade atual ou não, e como fazer isso. Se sentir que pode contribuir, deixa um comentário aqui embaixo dizendo como essa recomendação se aplica a você. Obrigada!

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Rotinas, Dicas de produtividade

Demorei, mas entendi que agendar qualquer coisa pela manhã não respeitava o meu nível de energia.

Gosto de acordar cedo, mas de fazer as coisas em silêncio e com calma.

Pela manhã, é meu período de ler, refletir, escrever. E, se eu faço qualquer outra coisa que não envolva esse tipo de contexto deep work, meu dia inteiro fica prejudicado.

Tenho feito alguns trabalhos de noite, quando necessário, mas de modo geral concentro “todo o meu trabalho” na parte da tarde. Trabalho que chamo de: fazer reunião, responder e-mails, gravar aulas etc. Ou seja, tudo o que envolve me abrir para outras pessoas.

Não ter a obrigação de fazer nada cedo que envolva qualquer tipo de agendamento reduziu minha ansiedade absurdamente, além de me dar espaço para viver a vida do jeito que eu quero.

Trabalhando em casa em um dia comum

Só para você entender como é a rotina aqui de manhã: filhote estuda de manhã, mas continua estudando em casa. Ele acorda por volta das 6h40 para a aula que começa 7h10.

Antes disso, eu consigo fazer todas as minhas “coisinhas” que gosto de fazer quieta e sozinha, como meditar, praticar yoga, ler um pouco e a minha rotina de autocuidado.

Quando ele acorda, é bem o meu horário da pausa então tomamos café da manhã juntos, conversamos, já combinamos (meu marido e eu) alguns esquemas do dia e, enquanto meu marido trabalha na sala (junto com o Paul na aula), eu consigo me fechar no escritório e trabalhar concentrada. É uma delícia.

No intervalo do filhote, eu paro também para descansar. E, na segunda parte da manhã, já trato as coisas como se estivesse “finalizando” um dia de trabalho, entendendo que farei a pausa para preparar meu almoço, descansar um pouco e ficar de boas até voltar a trabalhar na parte da tarde.

Eu sei que não é todo mundo que tem esse tipo de flexibilidade, LÓGICO. Compartilho aqui a minha vida como pode ser vivida no momento. Talvez você não consiga ter esse tempo pela manhã mas consiga ter à noite. Ou qualquer outra configuração diferente.

Sei que essa mudança foi decisiva para a minha qualidade de vida no momento. Tanto que, quando aparece algum tipo de compromisso que tenha que ser de manhã, soa até “errado”, sabe? Atrapalha pacas meu fluxo de trabalho logo cedo, então prefiro não fazer.

Fico muito feliz por ter construído um estilo de vida que me permita fazer escolhas assim.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Equilíbrio emocional, Vida Organizada

É incrível o que um mês pode fazer com a nossa percepção a respeito dos nossos papéis, da nossa importância e da nossa rotina.

Em agosto, meu lema tem sido SIMPLIFICAR. Simplificar tudo. Então estou olhando para todas as coisas com essas lentes e, com os meus papéis profissionais, não foi diferente.

Antes de acessar meu mapa mental onde costumo fazer essa organização, eu refleti com papel e caneta na mão, perguntando sinceramente a mim mesma quais são os diferentes “chapéus” que eu uso profissionalmente. E concluí que são quatro:

  • a Thais criadora de conteúdo;
  • a Thais professora;
  • a Thais empresária;
  • a Thais pesquisadora.

Esses quatro papéis representam os quatro chapéus que eu simplesmente preciso usar todos os dias para garantir que o meu trabalho seja bem feito. Então abri meu mapa mental e fiz essas alterações:

Mapa Mental Responsabilidades Profissionais / Mind Meister

Quando digo “usar todos os dias” significa que diariamente eu tenho coisas a fazer com relação a esses papéis. E, quando se fala em “diariamente”, a gente sempre cai no exercício do mínimo viável diário ⇢ dia ideal. Aliás, esse é um ótimo exercício para se fazer quando revisa as responsabilidades. Refletir sobre o que tem que ser feito minimamente todos os dias em cada papel dá uma dimensão absurda de quanto tempo realmente precisamos dedicar ao trabalho, assim como a reflexão sobre o “dia ideal” também mostra o que pode acontecer se você tiver um dia tranquilo e fazendo tudo o que precisa, além do mínimo.

Responsabilidades da Thais Empresária / Mind Meister

Eu deleguei bastante coisa nos últimos meses e senti que isso me deixou um pouco alienada sobre alguns processos. Essa percepção foi fundamental para que eu me reorganizasse agora em agosto. Nós estamos vivenciando uma mudança importante na equipe, com a saída temporária de uma pessoa importantíssima para nós, e essa saída me ajudou a refletir sobre diversos pontos fundamentais na nossa dinâmica, pensar em novos papéis ou não, redistribuir atividades internamente, incluindo para mim.

Basicamente, esses quatro papéis são exercidos todos os dias. Estou reorganizando os meus limites diários de dedicação a diferentes atividades, especialmente o trabalho – não porque eu ache necessário trabalhar MENOS. Mas porque, restringindo, eu consigo avaliar melhor o tempo que realmente preciso dedicar todos os dias para o “mínimo” e para o “ideal”. Essa observação será feita com base na reestruturação desse mapa que estou compartilhando com vocês aqui hoje mas que comecei lá no início do mês.

Enquanto essas mudanças, que são significativas, não estão em “estado de cruzeiro”, me sinto mais confortável trabalhando com esse mapa aberto para entender onde entram as atividades ali colocadas (agenda, lista de afazeres). Precisa ser colocado em teste para a organização fluir melhor.

O importante é a percepção e a conexão com nós mesmos. Por isso amo essas revisões.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Ferramentas de organização, Equipes

Relutei durante um tempão para trazer o Slack para a equipe com medo de ser “mais uma ferramenta” com notificações, mas o que aconteceu foi que, ao implementar, de imediato, todo o restante de ferramentas MORREU e ficamos apenas com o Slack, de tão “encaixado” que ficou. Neste post vou compartilhar um pouquinho sobre esse processo então!

Imagem de divulgação do site do Slack

O que é o Slack?

O Slack é um app de mensagens para empresas que conecta as pessoas às informações de que elas precisam. Reunindo pessoas para trabalhar como uma equipe unificada, a ferramenta ajuda a equipe a trabalhar de um jeito mais conectado, flexível e inclusivo.

Como estamos usando

A Dalva sugeriu que a gente testasse. Eu já estava a fim de testar a ferramenta, então criei uma conta piloto e propus à equipe o teste durante uma semana.

De um dia para o outro, o Slack se encaixou tão perfeitamente que a gente já abandonou outras ferramentas que estávamos usando para nos comunicar – Telegram e Gmail da empresa. Essas ferramentas ainda existem, mas todo o fluxo de comunicação da equipe foi para o Slack. Foi muito instantâneo! Isso que é o melhor das ferramentas: quando elas já se encaixam em um processo que JÁ existe. Ferramentas não necessariamente criam processos – dão suporte. É nisso que acreditamos e atestamos diariamente na prática.

Começamos com a criação de um canal “geral” para assuntos da equipe, avisos, essas coisas. Aí os outros assuntos e canais foram surgindo. Trabalhamos com canais para assuntos “perpétuos” (como conteúdo gratuito, MVO etc.), mas também com canais de projetos temporários (LGPD, transição da Carol, entre outros). Outros canais permanentes da equipe são: holacracia (que têm a ver com nosso sistema de gestão, que estamos estudando), aprendizados (que é tipo um commonplace book virtual onde compartilhamos aprendizados do dia a dia, tipo uma frase legal que viu na internet e coisas do tipo) e happy hour (para assuntos que não tenham a ver com trabalho, tipo “tomei a vacina, eeeeee”).

As mensagens diretas também são usadas para comunicações privadas individuais.

A atualização de status é incrível. Em vez de falar “tô no médico”, agora basta mudar o status e aparece ali na lista de pessoas onde a pessoa está. Como sincroniza com o calendário, quando a pessoa está em reunião, por exemplo, aparece que ela está ausente pois está em reunião até tal horário. É muito legal e prático.

Outro recurso que estamos usando (e eu, particularmente, me divirto demais!) é o SlackBot! Uma automação do Slack que permite que você traga mensagens automáticas. Estamos montando aos poucos de acordo com a necessidade, mas já tem ajudado bastante com coisas úteis e outras mais de “calorzinho no coração”, sabem? Tipo quando dá bom dia ou boa noite.

A comunicação por e-mail e pelo Telegram ficou para terceiros. Centralizamos toda a comunicação da equipe no Slack, assim a gente só olha em um lugar. Colocamos a integração com o Asana também, então fica fácil a atualização dos projetos e tarefas.

Apesar de ter sido praticamente imediata a transição, ainda estamos nos adaptando e explorando as possibilidades.

Lembre-se: nenhuma ferramenta resolve algo que demanda um processo! Ela te dá suporte no processo. 🙂

Estamos muito felizes com o Slack e isto NÃO foi um post patrocinado rsrsrs mas poderia, hein? 😉

Se você tiver alguma dúvida, poste aqui para eu tentar te ajudar! Obrigada!

Categoria(s) do post: Saúde, Plenitude & Felicidade, Curtindo a casa

Recebo algumas vezes essa pergunta e eu fui buscar na minha rotina o que eu costumo fazer quando não acordo muito bem. Esse “não acordar muito bem” pode variar de pessoa para pessoa, mas eu imagino que inclua coisas como: cólica, sinusite, dor de cabeça, preguiça, cansaço, desânimo, depressão, entre outros.

  • Ainda na cama, tomo refúgio (Budismo) e faço uma meditação. Isso me ajuda a pensar na intenção para o dia. Também reflito sobre alguma prática budista que quero focar no dia. Por exemplo: paciência. Se você tiver outra religião, pode rezar, fazer uma oração ou outra prática similar. Se não tiver uma religião, apenas uma meditação respiratória pode ser útil para acordar intencionalmente.
  • Faço um alongamento ainda deitada e vou sentando aos poucos, também me alongando. Isso é especialmente útil quando me sinto mais cansada ou com algum tipo de dor, especialmente nas costas.
  • Exercícios respiratórios são sempre úteis. Já teve post aqui no blog explicando como eu faço. Como tenho sinusite, nos dias frios é comum acordar com dor de cabeça por conta da congestão, então esses exercícios são super importantes e consigo fazer ainda coberta, sentada na cama.
  • Se levantar ainda está difícil, eu leio um pouco na cama ou escrevo no meu caderno. O que eu evito fazer: pegar o celular. Porque senão a vontade de sair da cama vira praticamente nula e o tempo passa sem nem eu perceber.
  • Escovo o meu cabelo ainda na cama e prendo o cabelo.
  • Finalmente levanto e vou ao banheiro fazer a minha higiene pessoal. Lavar o rosto com água fria ajuda a dar aquela acordada.
  • Depois disso, bebo bastante água! Veja que eu vou fazendo coisas para o meu corpo perceber que está acordando.
  • Se eu me sentir bem para isso, faço atividade física em casa mesmo. Yoga ou outra mais intensa. Depende do dia.
  • Arrumo a cama (isso é fundamental).
  • Tomo banho e troco de roupa.
  • Abro a janela do quarto se todos estão acordados. Aqui já me sinto melhor e sigo com o dia.

Para salvar ou pinar:

Ir devagar é sobre isso: respeitar o seu ritmo. E também entender que nem todos os dias serão os seus “melhores dias”. Tem dia mais difícil mesmo que a gente só quer “sobreviver”, sabe? Foque em ficar bem. Começar o dia assim pode ajudar. 😉

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Rotinas, Dicas de produtividade

Respondendo aqui essa dúvida da leitora em outro post. 🙂

A resposta rápida é: SIM! Agora vou explicar como eu faço.

É importante entender que existe o seu sistema pessoal de organização, que não diz respeito a “vida pessoal” e não “profissional”, mas a você como indivíduo.

Você, como indivíduo, tem seus projetos, demandas e atividades.

Outra coisa são organizações externas que possam existir. Por exemplo: a organização dos projetos da equipe.

Então sim, eu tenho a minha visão geral de tudo (o que você está chamando de “painel”). Postei aqui outro dia sobre organizar os meus projetos como um todo em um caderno (estou fazendo um teste). Mas é importante dizer que, independente de ter os projetos da equipe em outro lugar, eu tenho o meu sistema pessoal de qualquer maneira.

Porque, mesmo em projetos da equipe, a minha responsabilidade é diferente que a de outras pessoas! E essa responsabilidade vai delimitar o meu projeto.

Exemplo:

Projeto da equipe: Concluir workshops de ferramentas para o curso em 2021

Projeto individual: Implementar workshop de produtividade no Gmail

Projeto / Asana

O projeto da equipe está no Asana e o meu projeto está na minha lista individual de projetos.

Dentro do projeto da equipe no Asana existem várias etapas listadas, como o workshop de Gmail que eu vou gravar.

Semanalmente reviso ambos os sistemas para delimitar meu foco da semana com relação aos projetos.

Espero ter esclarecido! Qualquer outra dúvida, poste um comentário. 😉

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Dicas de produtividade, Vida Organizada, Semanal

Follow-up é um termo em inglês para “acompanhamento”.
Você pode usar “acompanhamento” ou “acompanhar”, se preferir. 🙂

A proposta é ter uma LISTA de follow-up, onde você consiga, então, fazer um acompanhamento de terceiros.

Esse acompanhamento não precisa ser apenas de coisas que você delegou ou pediu para alguém, mas também de atividades diversas que você acha importante acompanhar. Exemplo: CPI da COVID rsrs

Lembrete de Follow-up / Google Agenda

Eu recomendo inserir um lembrete na agenda com recorrência semanal para que você possa revisar essa lista e fazer o acompanhamento. Gosto muito de fazer na quinta-feira, pois aí a pessoa pode retornar antes do final de semana. Mas você pode escolher o melhor dia para a sua dinâmica como um todo (muita gente gosta de fazer na segunda-feira de manhã).

Ao revisar essa lista, não necessariamente você precisa contatar ou cobrar as pessoas. Pode ser um simples acompanhamento mesmo, de verificar em que pé estão as coisas. Assim como você pode ter várias demandas ali de uma pessoa que está super atrasada com tudo, e aí você pode querer agendar um bate-papo com ela para buscar ajudar, ver o que está acontecendo ou de repente até mudar a pessoa responsável pelas tarefas.

Você pode inserir tarefas, ações, demandas, notícias, projetos, entregas, compras feitas pela internet, enfim, tudo o que você está aguardando de terceiros. Não é para colocar coisas suas, mas sempre de outras pessoas, para fazer o acompanhamento.

Você pode ter uma lista única ou várias sub-listas, tipo “pessoal” e “profissional”, ou por pessoa, se você achar apropriado. Eu no momento faço um mix disso, alternando áreas com pessoas.

Lista Follow-up / Todoist

Essa lista é uma “mão na roda”. Considero essencial para a minha organização pessoal. O fato de ser no Todoist facilita bastante levar coisas diretamente do e-mail (Gmail), pois existe uma extensão para o Google Crome que transforma um e-mail em tarefa no Todoist, linkando a tarefa ao e-mail. Então basta eu clicar na tarefa e ela abre o e-mail. Isso agiliza demais o processamento de e-mails e o acompanhamento da atividade. Tem para Outlook também.

Você já usa essa lista? Como você faz?
Caso não use, acredita que possa ser útil para você?

Obrigada por acompanhar este conteúdo. <3

Categoria(s) do post: Hábitos

Não considero que existam hábitos “ruins”, mas usei essa palavra no título para facilitar a busca, pois é assim que geralmente as pessoas se referem quando procuram por esse assunto.

Eu considero que existam hábitos que não estejam muito alinhados com quem somos ou com a pessoa que queremos ser. Ou que estejam nos fazendo mal ou menos bem que outros. Isso seria um hábito “ruim”, na minha opinião.

Alguns exemplos que podem se encaixar aqui:

  • fumar
  • consumir álcool
  • comer alimentos ultraprocessados
  • comer muito açúcar refinado
  • beber muito café
  • dormir demais
  • dormir depois do almoço
  • perder tempo navegando nas redes sociais
  • acordar tarde
  • automutilação
  • tomar remédios desnecessariamente
  • responder as pessoas de maneira reativa
  • entre outros

E não quer dizer que os hábitos acima sejam NECESSARIAMENTE ruins, ok? São exemplos e variam de pessoa para pessoa.

O grande propósito de eliminar um hábito ruim não é apenas o suposto mal que a prática lhe traz, mas o tempo que você perde fazendo algo que não quer e deixa de fazer algo que quer.

Tudo na vida que você queira fazer (ou parar de fazer) pode se tornar um hábito. Sinceramente. A questão é: o que você quer ou precisa implementar que faria toda a diferença no momento? Essa é minha recomendação de escolha para começar a implementar um hábito. Porque, se você não tiver uma motivação real para eliminar um hábito, se tornará mais difícil de fazê-lo, justamente porque ele já se tornou rotina.

Um ponto especial que quero desmistificar é sobre o grau de eternidade do hábito. Hábitos podem mudar. Não é porque você incorporou um hábito que precisa mantê-lo para sempre. Você deve manter enquanto achar que faz sentido. E é isso. A vida deve ser esse personalizar diário. A gente mantém o que faz bem, tira o que faz mal, ou não faz mais sentido, e assim personaliza o dia a dia.

Seu cérebro sempre vai fazer o que for mais fácil. Logo, você vai aprender que, para eliminar um hábito, uma das melhores estratégias é torná-lo difícil.

Aqui vão algumas recomendações gerais então para você eliminar um mau hábito:

  • Escolha UM “mau” hábito para tirar. Algumas pessoas conseguem mudar vários hábitos de uma só vez mas, se você estiver começando, foque em um. Depois você foca em outro. A vida não é uma corrida de 100 metros.
  • Não tenha em casa, se for relacionado ao consumo. Bebidas alcoólicas, doces e coisas desse tipo – se você não tiver em casa, as chances de consumir são menores.
  • Evite lugares e pessoas que te “inspirem” aos hábitos ruins. Esta é uma triste realidade, mas faz sentido. Se você quer parar de beber, não vá a um bar. Evite, pelo menos durante um tempo, a convivência com amigos que bebem. (Tudo isso vale para quando não estivermos em uma pandemia, obviamente.) Se você quer tirar o hábito de dormir depois do almoço (talvez porque isso atrapalhe seu sono noturno), que tal dar uma volta no quarteirão depois que almoçar em vez de sentar no sofá, que provavelmente vai te dar sono? Busque esse tipo de ideia.
  • Substitua o hábito ruim por um hábito bom. Por exemplo, talvez você goste de acordar mais tarde porque seu descanso é inegociável – e eu concordo com isso! Até que percebi que, para descansar mais, eu poderia simplesmente ir dormir mais cedo, e não necessariamente acordar tarde. Minha vida mudou depois desse entendimento. O ser humano acaba fazendo o que for mais fácil, então talvez seja simplesmente natural “manter” um hábito substituindo por outro. Exemplo: você sempre come uma balinha depois do almoço. Não tenha balinhas! Em vez disso, coloque outra coisa saudável ali para você comer – um chiclete sem açúcar, talvez? Facilite sua vida. Às vezes não precisa ser radical ou revolucionário.
  • Lembre-se da sua motivação diariamente. Se você encontrar o “por quê” de deixar um hábito de lado e deixá-lo sempre visível para você, será mais fácil de conter os seus impulsos. Por exemplo, se você quer parar de fumar, pode pensar que quer fazer isso porque quer ver seus filhos crescerem. Lembrar de um motivo que pegue lá dentro no seu coração pode ser suficiente para você deixar de fazer essa atividade.
  • Identifique os gatilhos. Por exemplo, se você percebe que de noite está com a mente mais cansada e acaba respondendo as pessoas sem paciência, evite responder mensagens à noite. Planeje-se para fazer isso apenas pela manhã e de tarde. De noite, inclua outras atividades na sua rotina, de preferência offline, para não ficar tentada/o a responder mensagens.

Por fim… recaídas são normais. Lembre-se: o que constrói uma rotina é a consistência do dia a dia, não as exceções de vez em quando. Se você passou a semana inteira sem beber refrigerante mas não aguentou no sábado e bebeu, retome no dia seguinte. Não “chute o balde”. Retome. Chegará um momento em que você reduzirá essas recaídas até parar de fazê-las simplesmente porque esse hábito já não faz mais sentido.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Vida Organizada, Mensal, Áreas da Vida

Não é porque ambas as ferramentas falam sobre áreas da vida que são a mesma coisa!

Como essa era uma dúvida muito comum, resolvi escrever um post com a resposta para deixar como referência.

A Roda da Vida é uma ferramenta de desenvolvimento pessoal muito utilizada em processos de coaching. Ela representa as áreas da sua vida e pode sempre ser personalizada, apesar de ter uma versão mais padrão que é bastante difundida por aí.

Essa Roda da Vida lindona é da Meta Sinergia

A Roda da Vida representa VOCÊ. No final das contas, a análise que você faz é sobre a sua vida como um todo naquele momento – como se fosse uma “fotografia” de como você se sente e se está satisfeita/o com cada uma das áreas. Você pode representar esse nível de satisfação pintando a roda ou dando uma nota de 1 a 10 (algumas pessoas preferem se expressar pintando e outra dando notas).

Não leve essa divisão das áreas, nem o nome delas, “a ferro e fogo”. São apenas expressões. Pode mudar, se quiser, mas eu sempre gosto de recomendar ir no básico, porque se existe um padrão pode ser que seja porque ele funciona.

A Roda da Vida representa você como indivíduo. Por isso ela não traz questões locais com relação ao seu ambiente, como “casa” ou “trabalho”, mas sim em como você se manifesta nesses ambientes.

O Mapa Mental com as áreas da vida tem outro propósito.

A ideia dele é trazer em um painel tudo o que está presente na sua vida. Tudo o que você “cuida” e cuidará até o dia em que morrer. É para olhar para ele e ver sua vida representada ali.

A revisão desse mapa permite que você reflita sobre o equilíbrio entre as áreas da sua vida, veja onde precisa melhorar, o que precisa fazer, se existe algo em falta, algo em excesso, se algum item te lembra de algo que precisa fazer e coisas assim.

Esse mapa é “o seu mundo”. Ele não traz projetos, pois projetos têm começo e fim. As áreas não têm fim. Elas representam justamente tudo aquilo que você faz regularmente, por isso pode ser uma importante ferramenta para a construção de rotinas.

Ambas são ferramentas de reflexão sobre a vida mas não é por que tem “áreas da vida” no nome que são a mesma coisa. São ferramentas diferentes, com focos diferentes. Como tudo na organização, serve para sua reflexão pessoal, e jamais como obrigatoriedade. No entanto, sinto que essa reflexão é chave de se fazer em diversos momentos da vida, especialmente quando sentimos que as coisas saíram um pouco “do prumo”.

Se você tinha essa dúvida sobre qual a diferença entre as duas ferramentas, espero que este post tenha sido esclarecedor para você. 🙂 Obrigada por ler.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.