Categoria(s) do post: Dicas de produtividade, Criatividade, Equilíbrio emocional

Recebi essa dúvida da leitora em um comentário aqui no blog e achei que seria uma boa responder em formato de post e passar sua publicação na frente de outros temas, até mesmo para respondê-la o quanto antes. Obrigada, então, pelo seu comentário, querida leitora, que reproduzo abaixo:

“Thais, queria saber como lidar com a culpa quando não fazemos nada no horário de trabalho. Devo me sentir culpada caso não esteja envolvida sempre e tenha algumas brechas para não fazer nada relacionado ao trabalho no ambiente de trabalho (trabalho de 8 a 17h de segunda a sexta). Tenho visto que eu fico ansiosa se não tenho “nada” pra fazer, tanto em casa, como no trabalho. E me pego falando que estou correndo, mesmo quando não estou… E fico procurando o que fazer, mesmo que tudo esteja no seu devido lugar e nos seus devidos prazos. E isso me sobrecarrega…”

A gente vive em uma cultura do trabalho tão mutcho loka que se sente mais confortável dizendo que está na correria que na tranquilidade. Muitas vezes as causas podem ser simplesmente receio de parecer ocioso (e desnecessário, portanto passível de demissão) ou de receber mais trabalho e ficar verdadeiramente sobrecarregado. Não sei se esses podem ser um dos seus casos, querida leitora, mas é o que eu sinto e também observo de outras pessoas que têm receios semelhantes ao seu.

Eu me questionaria sobre o ambiente de trabalho em que estaria inserida. Posso evoluir aqui dentro para tentar mudar esse quadro, se chegar a uma posição de gestão? Ou prefiro ir por outro caminho, fora daqui? São reflexões importantes. É muito chato viver em uma situação desconfortável emocionalmente todos os dias, durante o dia inteiro de trabalho, sem perspectiva de mudança.

Agora, sobre a questão de buscar coisas a fazer – por onde eu iria. Eu começaria fazendo uma lista de todas as minhas responsabilidades no meu emprego atual. Tudo aquilo que entrou na descrição do cargo, quando fui contratada, ou que existe no escopo desse cargo como um todo. Você pode pesquisar na Internet, se ajudar. Você também pode pedir ajuda ao seu gestor ou colega de equipe para elaborar uma lista mais efetiva.

Com base nessa lista de responsabilidades, procure definir o seguinte:

  • Por que essa responsabilidade é importante? Escreva.
  • A quem devo prestar contas sobre essa responsabilidade? Quem será impactado com a realização de tais atividades. Escreva.
  • Que habilidades devo ter para executar bem essa responsabilidade? Escreva.

As reflexões acima foram tiradas da essência da holocracia, que é um modelo de gestão que tenho estudado para implementação na empresa.

Só de listar as suas responsabilidades e realizar as reflexões acima, pode ser que você descubra atividades de rotina que melhorem a sua experiência atual no trabalho, além de descobrir habilidades que ainda precise desenvolver – o que lhe faria poder dedicar algum tempo para estudo e realização de cursos relacionados, mesmo durante o horário de trabalho.

Com base nessas responsabilidades, você também pode se perguntar:

  • Cada responsabilidade está em um nível que te deixa satisfeita? Ou você precisa fazer alguma coisa para torná-la nesse nível ideal? Se sim, provavelmente você descobrirá projetos.
  • Cada responsabilidade, quando em um nível ideal, poderia ser melhor? Eu poderia evoluir? Se sim, provavelmente você terá objetivos.

Ambos te darão insumos para que você crie novos focos de trabalho diário, despertando a vontade de realizar novas atividades.

Por último, eu sempre quero recomendar o estudo. Se você não tem muitas atividades mesmo durante um dia de trabalho, aproveite para se capacitar. Livros, cursos online, vídeos, tem tanto conteúdo legal disponível hoje em dia! Aproveite!

Espero que este post tenha te trazido algumas ideias e também a outros leitores que passem pelo mesmo tipo de configuração. Obrigada mais uma vez por postar.