Categoria(s) do post: Equilíbrio emocional

Escolhi escrever sobre esse tema nesse momento específico da minha vida porque eu acho que aprendi muito nos últimos meses com tudo o que aconteceu.

No começo do ano, a minha mãe (sim, minha própria mãe) disse que admirava a maneira como eu me mantinha mentalmente estável todos os dias, mesmo passando por épocas difíceis. Eu prometi que escreveria sobre isso um dia.

Bem, nesse meio tempo, muita coisa aconteceu. Dificilmente algo me tira do meu centro, de fato. Mas, este ano, aconteceu. A morte da minha avó mexeu muito comigo. Não fiquei nada estável. Foi bem difícil, emocionalmente falando. Falei, senti e vivi coisas que, em outras situações, eu não o faria. Mas eu também aprendi a reconhecer que foi uma fase que eu passei e que eu precisava me perdoar. Venho tentando fazer isso ultimamente, mas é um processo de cura interna mesmo.

Alguns fatores me ajudam a me manter centrada e estável emocionalmente todos os dias. Vou contar alguns deles.

1 – Meditação. Eu comecei a meditar em 2008. Desde então, pratico diariamente – alguns dias, várias vezes ao longo do dia. Eu penso que, quanto mais problemas eu tiver, ou menos estável mentalmente eu estiver, mais eu preciso meditar. É um tempo que preciso dedicar a mim mesma. Por isso que retiros são úteis – você se força (no bom sentido) a ficar em um lugar durante algum tempo, apenas meditando. A meditação me ajuda demais. Toda vez que sinto necessidade, eu paro e medito um pouco. Simplesmente faz parte do meu dia a dia.

2 – Mindset. Sei que esse termo está na moda, mas mesmo sendo clichê eu gosto dele. Quando eu comecei a praticar meditação, eu estava passando por uma depressão. A meditação foi uma das práticas que mais me ajudaram a sair daquele estado. Há cerca de dois anos, passei por um episódio profissional difícil que me fez crescer demais em todos os aspectos da minha vida. E o que me fez superar foi ter a máxima em mente: se eu não estiver com a minha mente bem, eu não tenho como ficar bem. Logo, preciso focar em deixar a minha mente bem. Como eu poderia fazer isso? Me inspirando. Lendo livros, vendo vídeos, fazendo cursos, estando com pessoas que me inspirassem. Foi quando eu comecei a ler os livros do Napoleon Hill, tirei minha certificação de coaching e comecei a acompanhar pessoas influentes na área do empreendedorismo (Érico Rocha, Conrado Adolfo, Flávio Augusto – que deixei de acompanhar por divergências políticas). Toda essa imersão foi fundamental para mim, e mantenho até hoje. Tanto que, para mim, um dos momentos mais importantes do dia é quando faço as minhas leituras matinais. Muitas vezes, elas são a atividade mais importante de um dia inteiro, porque elas configuram o meu estado mental para o resto do dia. Falei mais sobre isso em um post recente sobre a minha rotina matinal. Manter esse mindset é uma atividade contínua e que deve fazer parte da minha rotina, assim como a meditação.

3 – GTD. Eu costumo dizer, com sinceridade, que o GTD foi tão importante na minha vida com relação a essa estabilidade da mente quanto a prática de meditação. Para quem não sabe, ou é novo aqui no blog, GTD é um método de produtividade que, mais do que te ensinar a “ser produtivo”, te ensina a gerenciar todas as áreas da sua vida. Sou completamente apaixonada por esse negócio – e até criei o blog por conta disso, porque mudou a maneira como eu me organizo e a vida como um todo. E o GTD me ajuda a manter as coisas que precisam estar sob controle efetivamente sob controle, de modo que eu tenha uma rotina tranquila. Simples assim. Porque essa rotina tranquila permite que eu lide melhor com emoções, com imprevistos, com problemas que surgem e até que eu explore melhor a minha criatividade. O GTD remete a um estado de “mente como água”, que vem da filosofia oriental, das artes marciais, que se refere a você estar completamente engajado no presente, no que está fazendo. Tem a ver com o conceito (também na moda) de mindfulness, que vou citar a seguir.

4 – Mindful. Desde que comecei a incorporar na minha vida essa noção do estar completamente engajada no que quer que eu esteja fazendo, de estar com a mente plena, pensando, por exemplo, prestando atenção na comida enquanto estou comendo, em vez de ficar olhando o celular… isso é apenas um exemplo de como eu lido com as coisas no dia a dia. Ainda não faço isso 100% do tempo, porque afinal sou humana e imperfeita, mas é um princípio que tento seguir e tem tudo a ver com organização, pois para que eu esteja realmente presente eu preciso fazer algumas coisas. Por exemplo, para estar completamente presente em uma reunião, é legal eu ter me preparado para ela, lido alguns materiais, ter feito uma pauta, e ter deixado todo o resto “lá fora” sob controle para eu não ficar preocupada enquanto estiver com outras pessoas discutindo assuntos variados.

Eu penso que esses quatro aspectos sejam os mais significativos na minha vida hoje que eu posso afirmar que fazem com quem eu tenha uma mente estável diariamente. Espero que este singelo relato ajude de alguma maneira.