O que fazer quando não temos nada para fazer no trabalho

15
4181

Recebi essa dúvida da leitora em um comentário aqui no blog e achei que seria uma boa responder em formato de post e passar sua publicação na frente de outros temas, até mesmo para respondê-la o quanto antes. Obrigada, então, pelo seu comentário, querida leitora, que reproduzo abaixo:

“Thais, queria saber como lidar com a culpa quando não fazemos nada no horário de trabalho. Devo me sentir culpada caso não esteja envolvida sempre e tenha algumas brechas para não fazer nada relacionado ao trabalho no ambiente de trabalho (trabalho de 8 a 17h de segunda a sexta). Tenho visto que eu fico ansiosa se não tenho “nada” pra fazer, tanto em casa, como no trabalho. E me pego falando que estou correndo, mesmo quando não estou… E fico procurando o que fazer, mesmo que tudo esteja no seu devido lugar e nos seus devidos prazos. E isso me sobrecarrega…”

A gente vive em uma cultura do trabalho tão mutcho loka que se sente mais confortável dizendo que está na correria que na tranquilidade. Muitas vezes as causas podem ser simplesmente receio de parecer ocioso (e desnecessário, portanto passível de demissão) ou de receber mais trabalho e ficar verdadeiramente sobrecarregado. Não sei se esses podem ser um dos seus casos, querida leitora, mas é o que eu sinto e também observo de outras pessoas que têm receios semelhantes ao seu.

Eu me questionaria sobre o ambiente de trabalho em que estaria inserida. Posso evoluir aqui dentro para tentar mudar esse quadro, se chegar a uma posição de gestão? Ou prefiro ir por outro caminho, fora daqui? São reflexões importantes. É muito chato viver em uma situação desconfortável emocionalmente todos os dias, durante o dia inteiro de trabalho, sem perspectiva de mudança.

Agora, sobre a questão de buscar coisas a fazer – por onde eu iria. Eu começaria fazendo uma lista de todas as minhas responsabilidades no meu emprego atual. Tudo aquilo que entrou na descrição do cargo, quando fui contratada, ou que existe no escopo desse cargo como um todo. Você pode pesquisar na Internet, se ajudar. Você também pode pedir ajuda ao seu gestor ou colega de equipe para elaborar uma lista mais efetiva.

Com base nessa lista de responsabilidades, procure definir o seguinte:

  • Por que essa responsabilidade é importante? Escreva.
  • A quem devo prestar contas sobre essa responsabilidade? Quem será impactado com a realização de tais atividades. Escreva.
  • Que habilidades devo ter para executar bem essa responsabilidade? Escreva.

As reflexões acima foram tiradas da essência da holocracia, que é um modelo de gestão que tenho estudado para implementação na empresa.

Só de listar as suas responsabilidades e realizar as reflexões acima, pode ser que você descubra atividades de rotina que melhorem a sua experiência atual no trabalho, além de descobrir habilidades que ainda precise desenvolver – o que lhe faria poder dedicar algum tempo para estudo e realização de cursos relacionados, mesmo durante o horário de trabalho.

Com base nessas responsabilidades, você também pode se perguntar:

  • Cada responsabilidade está em um nível que te deixa satisfeita? Ou você precisa fazer alguma coisa para torná-la nesse nível ideal? Se sim, provavelmente você descobrirá projetos.
  • Cada responsabilidade, quando em um nível ideal, poderia ser melhor? Eu poderia evoluir? Se sim, provavelmente você terá objetivos.

Ambos te darão insumos para que você crie novos focos de trabalho diário, despertando a vontade de realizar novas atividades.

Por último, eu sempre quero recomendar o estudo. Se você não tem muitas atividades mesmo durante um dia de trabalho, aproveite para se capacitar. Livros, cursos online, vídeos, tem tanto conteúdo legal disponível hoje em dia! Aproveite!

Espero que este post tenha te trazido algumas ideias e também a outros leitores que passem pelo mesmo tipo de configuração. Obrigada mais uma vez por postar.

15 comentários

  1. Thais, muito obrigada por esse post. Passo por essa situação no trabalho, e meu desconforto emocional diário é tremendo. Sempre procuro estudar, mas a culpa sempre ronda. Obrigada pelas dicas!

    • Olá! Eu fiz o comentário que deu origem ao post; e fico na mesma situação que você…

      Thais, a minha questão é que sou sócia na empresa que trabalho, mas aqui temos 3 diretores e cada um fica responsável por uma “parte” da gestão: um na logística e compras, outro no financeiro, e eu no DP/RH e cotações, quando necessário. Entre outras coisas, claro, em áreas que não convergem apenas para um dos três.

      Estou em graduação, a distância, e sempre possuo materiais a estudar. Bem como, sendo sócia, tendo um horário flexível no que tange a saídas justificadas a médicos, questões escolares dos meus filhos, etc. Mas ainda preciso estar na empresa de 8h às 17h, de segunda a sexta, pois essa é a configuração exigida pela empresa e no ramo na qual está inserida. E eu me sinto culpada por estudar, por resolver questões pessoais.

      Mas de toda a maneira, como desejo sempre crescer e oferecer o meu melhor, e ainda possuo em mim sonhos que não estão inseridos no contexto atual da empresa, seu post me deixou aguçada a realizar os exercícios e também a procurar mais sobre o método falado.

      Agradeço deveras sua atitude de me responder em formato de postagem (já é a segunda vez, e me ajuda sempre!).

      Sou uma leitora e fã que te admira demais!!!
      Estou feliz pelas suas novas conquistas: casa nova e escritório empresarial. Desejo sucesso em ambas!

  2. Bom dia! Nas minhas brechas eu ouço vídeos baixados de pessoas que me acrescentam muito como um todo, dentre elas, a Thaís S2 Não deixa aquela sensação ruim e me enriquece muito. =)

  3. Olá Thais!
    Leio o teu blog faz algum tempo e hoje decidi comentar este post porque me identifiquei bastante com o tema.
    Sou portuguesa e da realidade que conheço, são poucas as empresas que em Portugal permitem aos seus empregados terem um horário mais flexível. Existe muito a ideia que temos que trabalhar as 8h e permanecer na empresa o tempo todo. Digo, por experiência própria, que sou mais criativa quando estou num café a trabalhar ou num espaço diferente do que quando estou limitada a um gabinete de quatro paredes. Como trabalho na área do marketing e comunicação, para mim é importante ter inspiração e motivação e isso por vezes é bem difícil quando estamos circunscritos a um horário e local de trabalho.
    Trabalho a tempo inteiro e também frequento a Universidade, estou a terminar o meu mestrado. O que faço é rentabilizar o meu tempo (porque às vezes faço as minhas tarefas diárias num manhã). Isso ajuda-me a sentir-me mais produtiva e acabo por aproveitar esse tempo para estudar, ler artigos científicos e eventualmente desenvolver alguns trabalhos acadêmicos.
    O importante é arranjarmos forma de nos sentirmos motivados e produtivos, sentirmo-nos úteis e chegar ao fim do dia sentindo que aquele não foi só mais um.

    Beijinhos

    • Te entendo 100%. Também me sentia assim quando era obrigada a cumprir horário de 8 horas. Obrigada por comentar. Muito rico conhecer um pouco mais sobre o mercado em Portugal.

  4. Eu estou suspeita a comentar sobre eu trabalho quanto profissional e quanto suas dicas aqui no blog, eu gosto muito e tem me ajudado muito. Eu me sinto exatamente assim, sempre fazendo e não fazendo nada e quando decido fazer tem algo para me atrapalhar, eu to feliz pelo post, e é um otimo tema!!

    Amei o post, está um xuxuzinh

    Ja segui o blog

    ❤️https://dosedeestrela.blogspot.com/

  5. Tais
    Uma impressão que tenho é que as pessoas só sabem trabalhar com demandas …
    Ficam apagando incêndios por tanto tempo que ficam perdidas quando eles não aparecem.
    Via isso muito quando era CLT.
    Eu sempre usei outra estratégia … estou sem demanda … vou arrumar arquivos, revejo as caixas de entrada, organizo algo que está parado a muito tempo, recheco as metas e aproveito para mensurar estratégias.
    Se ninguém me ligava, aproveitava para dar follow nos clientes.
    Para agendar um feedback com algum departamento, superior ou subordinado.
    Esse respiro ajuda a ter controle da situação.
    É libertador!
    E meus superiores nunca reclamaram … por que não estava enlouquecida … ao contrário … quando isso ocorre normalmente estou mais calma, mas ao mesmo tempo é super produtivo .

  6. Perguntas poderosas! Estou escrevendo em um caderno e refletindo. Trabalho em uma unidade pública de saúde, a demanda é intensa o tempo todo, oito horas diárias. Trabalho loucamente e no final tenho a impressão que não fiz nada. Estou na gestão da unidade e no atendimento direto. Escrever sobre isso me ajudou a lembrar quais são minhas verdadeiras responsabilidades lá. Sobre a prestação de contas fiquei um pouco frustrada pois devo prestar contas ao secretário municipal de Saúde e ao ministério da Saúde e muitas destas informações parecem ser “burocracia em excesso”. Valeu pelas perguntas. Obrigada

  7. Adorei o tema.
    Embora raramente eu tenha pouco trabalho a fazer (e esses momentos sejam efêmeros), eu faria o mesmo que a Lia comentou aqui em cima. Aliás, sempre tem alguma coisa que a gente deixa para depois, para fazer quando “tem tempo”, então acho que esses momentos são boas oportunidades!

  8. Obrigada por compartilhar este conteúdo! Eu me sinto muito culpada quando não tenho o que fazer no trabalho e este “guia” que você disponibilizou vai me ajudar muito!
    Parabéns pelos 12 anos do Vida Organizada. Já te acompanho há muitos anos e nunca me canso de ler seus conteúdos e assistir seus vídeos.
    Beijos e sucesso com seu novo escritório!

  9. Olá!! Também passo por isso, mais vezes que gostaria. Como estou cursando uma graduação, tento aproveitar o tempo para estudar e fazer os trabalhos, mas não funciona muito bem. Trabalho com atendimento telefônico e, depois de o telefone ficar um tempo sem tocar, quando vou ler algo… Ele toca! Ou seja, me desconcentra na hora.

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui