Categoria(s) do post: Indicações

Há algumas semanas a Evernote (a empresa) lançou um recurso de templates para o Evernote (o programa) e isso deixou a comunidade de usuários um pouco alvoroçada. Praticamente todos os dias eu recebo alguma mensagem de leitores pedindo que eu fale sobre o recurso por aqui.

Eu confesso que não entendi o motivo para tamanha empolgação. Já vinha usando há anos o recurso de templates de uma maneira pessoal – com uma tag chamada “Templates” e, nela, notas de referência com templates diversos, especialmente para projetos. A flexibilidade do Evernote é tamanha que um simples copiar e colar funcionava de maneira simples e eficaz.

Se você for no Google ou no Pinterest e digitar “templates Evernote” vai aparecer uma quantidade gigantesca de resultados que podem ser usados caso você precise de inspiração. Mas nada substitui você entender o que você precisa fazer, em qualquer área da sua vida, e apenas depois desse raciocínio, você buscar recursos que possam te dar apoio. E não a via inversa. Entendem o que eu quero dizer?

De modo geral, eu considero qualquer template algo extremamente útil para otimizar processos recorrentes. Projetos, reuniões e outros do dia a dia. E acho bacana que a ferramenta lance um recurso com alguns prontos, mas não consigo ter esse deslumbramento, porque do meu ponto de vista o uso de templates é uma construção que cada um deve fazer de acordo com as suas necessidades. Fico me perguntando se quem ficou empolgado com isso realmente nunca tinha usado templates pessoais antes. Acredito que não, senão não teríamos todo esse bafafá.

Então vamos lá: nesta página oficial do Evernote você encontra os templates disponibilizados pela empresa. Tem controle de projeto, registro de reuniões, planejamento de cardápio semanal e muitos outros, separados por categorias como casa, trabalho, escrita etc.

Aí eu te pergunto: tá, você vai ficar navegando agora nesse site, visualizando os templates, brincando um pouquinho, mas e depois? Você vai baixar cada um dos templates e vai usá-lo como? O template em si, o arquivo, a “xerox” do modelo não vai fazer milagres. É só isso mesmo: um recurso, e absolutamente comum. Mas, se você precisa de ideias para modelos, pode ser uma boa fonte de consulta. Sim, temos aqui a vantagem do botão “salvar template”, que salva a nota direto no seu Evernote, mas como eu disse antes, um copiar e colar fazia isso também.

Templates para o GTD

Falando sobre os templates para o método GTD, temos três: revisão semanal, projeto e áreas de foco (está como “áreas de responsabilidade” na página). Os modelos pecam em algumas bobagens.

O da revisão semanal, por exemplo, traz termos que não são os termos do GTD, além de ser super confuso. A revisão semanal tem 11 passos, nada mais simples que isso, e é fácil pra caramba personalizar, mas não foi esse fácil o ensinado, e sim colocados uns detalhes confusos (do meu ponto de vista) e que saem um pouco da proposta da revisão.

O template de áreas de foco confunde rotina com objetivo. Confuso. Por favor, confie em mim – sou professora dessa metodologia. Se um template traz áreas de foco misturando com rotina e objetivo, eu sei que isso confunde quem está aprendendo porque vai aprender algumas coisas de maneira errada (dentro do método GTD).

O template de projeto individual era um dos mais fáceis de fazer – bastava pegar os cinco estágios do Modelo de Planejamento Natural do GTD, mas não. Usa mais uma vez o termo “objetivos” (que se confunde na semântica da metodologia, quando o termo é usado para outra coisa), não fala de cronogramas e organização, enfim, tudo junto e misturado. Vejam, não é exatamente errado, mas é confuso e incompleto. Eu não usaria a marca (registrada, por sinal) do GTD para se referir a tais templates. Passa a ideia de quem quem os elaborou entende da metodologia, e estão super simplistas. Poderiam ter consultado ou pesquisado melhor, e isso me faz perguntar qual a credibilidade das outras indicações de modelos? Funcionarão?

Por favor, não me leve a mal. Não é que eu não veja com bons olhos esse recurso. Eu vejo sim, e muito! Acho excelente quando surgem iniciativas assim, como por exemplo alguns meses atrás quando surgiu um site que trazia templates para o Todoist. O que não tenho é a mesma empolgação, como se nunca tivesse visto isso na vida, porque checklists e templates são uma coisa muito, muito básica, que já ensinei aqui no blog e nos cursos inúmeras vezes, e que não dependem de uma ferramenta falar que fez para “permitir” que as pessoas usem.

O que eu encorajo é a iniciativa individual, a análise recorrentes das próprias necessidades, e criação de processos pessoais eficazes e personalizados, independente da ferramenta.

Como recurso? Show. Tem melhorias? Opa. É um recurso exclusivo, original e super novidade? De maneira alguma.

O que me deixou feliz mesmo foi ver a Evernote lançando novidades mesmo com os boatos sensacionalistas a respeito do fim da ferramenta. Que bom que está tudo bem. Que continuem desenvolvendo melhorias e trazendo esses diversos bons recursos para todos nós usarmos com coerência e parcimônia.