Categoria(s) do post: Plenitude & Felicidade

“Preciso ter um propósito de vida para ser uma pessoa organizada?”
“Não.”

“Preciso ter um propósito de vida para encontrar propósito nas pequenas coisas?”
“Não.”

Eu acredito no poder do propósito de todas as nossas atividades, muito mais do que acreditar em um propósito maior que norteie toda a nossa existência. (tenho um texto onde compartilho como descobri meu propósito)

Quando eu paro para pensar no meu propósito no mundo, diversas observações vêm à minha cabeça. Elas podem mudar? Talvez. Eu realmente não sei. Se eu definisse um propósito de vida aos 15 anos de idade, ele ainda seria o mesmo? Também não tenho como dizer algo assim, que nunca vivi.

O fato é que a organização me ensinou que o poder de definir algo desse tipo – propósito, um objetivo de curto ou longo prazo – é o efeito que isso tem na minha vida hoje, e não que ele represente um “estado ideal” que em algum momento da minha vida eu quero chegar. Ele impacta na minha motivação (ou na falta dela) hoje.

Ter como propósito cuidar do legado do David em língua portuguesa me traz clareza em muitos aspectos no que diz respeito ao meu trabalho com o método GTD.

Ter como propósito ajudar as pessoas a serem menos estressadas direciona minha vida profissional como um todo, mas a pessoal também.

No dia a dia, vez ou outra precisamos tomar decisões importantas. E a vida é super complexa – sempre acrescenta elementos que tornam as decisões mais difíceis. Ter uma noção do propósito de todas as coisas pode ajudar e muito em qualquer processo de decisão. (tem até texto sobre isso aqui no blog)

Meus últimos dois meses foram meses de decisões exaustivas. Ter que passar por elas me exauriu completamente. Foi tanta coisa que aconteceu que ainda nem consegui sentar e escrever com clareza sobre todas aqui no blog (mas está tranquilo, tudo a seu tempo). Mas, se não fosse uma clareza de propósitos diversos, tais decisões teriam sido ainda mais difíceis.

Eu escolhi falar sobre autocuidado este mês no blog porque eu realmente precisava disso. Eu precisava focar em cuidar um pouco mais de mim, porque me maltratei pacas nos últimos meses. Tive um problema de saúde, que desencadeou todo um processo de alergias, que só agora está um pouco mais sob controle. O semestre foi pesado, em termos de trabalho e conciliar com o mestrado. Precisei ser meio espartana em alguns relacionamentos, porque eu não tive como manter na minha vida algumas pessoas, por n questões. (Também conheci pessoas novas incríveis e iniciei relacionamentos legais, mas todo relacionamento novo é um investimento e, de certa maneira, exaure um pouco também). Estou olhando para mim com mais carinho e menos cobrança.

Na prática, o propósito é o que te tira da cama de manhã. Pode ser o propósito maior ou o propósito da pequena atividade que você fará quando levantar. Não importa. O importante é ter um propósito. O que te tira da cama de manhã? Comece por aí.