Categoria(s) do post: Plenitude & Felicidade, Espiritualidade, Equilíbrio emocional

A prática da meditação faz parte do meu cotidiano.

Se você está chegando por aqui agora, talvez queira saber que eu sou budista e já medito há cerca de dez anos. Essa prática me traz benefícios diariamente, tanto imediatos quanto de longo prazo, e eu sempre busco novas maneiras de fazer essa atividade e adequá-la à minha vida.

Os quatro valores do Vida Organizada são: coerência, autonomia, personalização e compaixão. Portanto, eu acredito que um dos maiores fatores de sucesso nas diversas práticas (incluindo a meditação) é que a gente possa personalizá-las de acordo com as nossas necessidades de vida e de alma.

No caso da meditação, eu costumo realizar meditações ao longo de todo um dia, sempre que sinto vontade e/ou necessidade. Especialmente meditações respiratórias, que me ajudam a acalmar a mente e reajustar o foco.

Mas tenho realizado diariamente dois tipos de meditações que gostaria de compartilhar com vocês.

A primeira é a meditação que faço logo ao acordar, antes mesmo de sair da cama. Durante cerca de 3 a 5 minutos, eu me sento na cama mesmo, fecho os olhos, começo prestando atenção na minha respiração para me concentrar, e então começo a pensar em como gostaria que fosse o meu dia.

Eu visualizo as atividades que terei e penso em maneiras de ser feliz e aproveitar todas elas da maneira mais apropriada. Também penso em sentimentos que quero despertar, ações positivas com relação às pessoas e em como quero me sentir ao final do dia. Uma espécie de visualização para o sucesso mesmo.

Também aproveito para agradecer por ter acordado para mais um dia e por todas as coisas que eu sinto vontade de agradecer, que podem ter acontecido no dia anterior, ou por alguma oportunidade que terei no dia que está começando etc.

Essa simples e rápida meditação me ajuda a desenvolver um foco adequado para o dia e o fato de fazê-la ainda na cama, porém sentada (senão eu durmo de novo!), me ajuda a não entrar em um estado de correria e ajustar o foco para começar o dia da melhor maneira possível.

Não preciso acordar mais cedo ou em um horário específico para fazer essa meditação. Assim que eu acordo, eu a faço.

A segunda meditação que tenho feito diariamente é uma meditação de “revisão”.

Não existe exatamente um horário fixo em que eu prefira fazê-la, apesar de que, de noite, me pareça o ideal (nem sempre dá, pela rotina em casa). Pela minha experiência, ao final de um dia de trabalho funciona bem, assim como antes de dormir. O propósito desta meditação é, em primeiro lugar, acalmar a mente e, depois, avaliar como foi o meu dia.

Eu simplesmente me sento confortavelmente, fecho os olhos, tento me acalmar através de uma meditação respiratória simples (presto atenção na entrada e saída de ar pelo meu nariz) e, quando me sinto concentrada o suficiente, penso em como foi o meu dia. O foco está mais na maneira como eu me senti e na análise de como me portei. Se perdi a paciência com alguém, se usei um tom indecoroso em alguma conversa, se eu poderia ter sido uma pessoa melhor, de alguma maneira. Também reflito sobre possíveis aprendizados.

Essa é uma meditação simples, que leva alguns minutos (deixo livre, sem contar no relógio), mas que me ajuda a fazer uma reflexão sobre o meu dia, me perdoar caso eu tenha feito algo que não tenha sido muito legal, mas fazendo ajustes mentais para não cometer o mesmo erro no futuro.

São duas meditações realmente muito simples, que não me tomam tempo algum – pelo contrário, me ajudam a ter muito mais foco, e eu espero de verdade, ao compartilhar com vocês, que elas possam ser úteis de alguma maneira. Se você tentar alguma delas, poderia deixar um comentário neste post contando como foi, por gentileza?

E mais: caso você pratique meditação diariamente, e quiser compartilhar suas percepções com relação ao seu foco, fique também à vontade. Creio que essa discussão seja muito rica a todos nós. Obrigada.