O que fazer com lembrancinhas, presentinhos e coisinhas de criança

23
3409

Essa dúvida foi enviada pela Lidiane por e-mail:

Tenho duas filhas em idade escolar (2 e 6 anos) e tenho imensa dificuldade com os trabalhinhos, lembrancinhas, desenhinhos que elas produzem na escola e trazem para mim.
O que fazer com eles?
Considerando suas dicas, já começo me debater:Aquela pergunta básica: Amo este objeto????…. rs…. ahhhhh eu amo todos estes objetos. rs.. mas são muuuitos.
São desenhos, são trabalhinhos de sucata para datas comemorativas.
Existe um modo de organiza-los ? Temos que joga-los? Ou fazer um catálogo….. os formatos são tão diversos.
Também os cartões de aniversário, lembranças de aniversário, etc….
Acho que daria um post bem interessante com suas idéias , apesar de seu filho ainda não frequentar a escola.

Um beijo.

Lidiane, obrigada por escrever. Olha, sou muito desapegada de qualquer coisa relacionada a papelada. No caso de trabalhos de escola, eu faria da seguinte forma: deixaria o mais recente colado com um ímã na geladeira, para que todos da casa apreciem a obra de arte. Depois, colocaria no quarto do meu filho. Alguns podem até virar quadrinhos.

Você pode ir juntando os outros em pastas para o ano corrente (Filha 1 – Trabalhos 2012, Filha 2 – Trabalhos 2012) e, no final do ano, selecionar o que deseja guardar. A cada 3 ou 5 anos, você pode ir reduzindo até manter somente uma pasta. Se esses trabalhinhos são importantes para você, mantenha uma pasta. Mal ocupa espaço e pelo menos você não se sente mal. A alternativa mais minimalista seria tirar foto das obras de arte e jogar fora. as lembranças ficarão nas fotos.

Com relação a trabalhinhos de sucata, minha sugestão é a mesma que para brinquedos, livros e roupas: manter o que tiver a ver com a faixa etária da criança. Se não tem mais nada a ver com ela, hora de ir embora.

Todo o restante (cartões de aniversário, lembranças), para mim, são tralha, e não dá para organizar tralha. O que você pode fazer, se quiser mesmo manter, é colocar tudo em uma caixinha bonitinha. Mas pense bem se o espaço que essas coisas vão ocupar compensa tê-las.

23 comentários

  1. Olá!
    Uma vez li uma sugestão interessante que é fotografar os desenhos, lembrancinhas ou o que for interessante “guardar” como lembrança.
    Fica a dica!
    Abraços,

    Ana.

  2. Oi Thais. Eu guardo os materiais mais importantes, mais amados e fotografo os outros. Faço isso com as roupas deles também. Muitas com os modelos junto!:)
    Abraço

  3. Olá Thais e colegas do blog! Gostaria de dividir com vcs o que faço aqui em casa. As cartinhas que meus filhos fizeram ou fazem para mim, eu guardo todas (pois tem um valor sentimental muito grande para mim) numa caixa bem bonita! De vez em quando, pegamos e lemos todos juntos – é muito legal! Eles percebem o quanto evoluiram com o tempo, as idéias que tiveram, os sentimentos… As coisas de escola, na fase de jardim/pré eu guardei os melhores e cataloguei em um fichário bem bonito. Os cadernos depois do 1.ano também é um problema (dá uma dó jogar fora…tanto trabalho e dedicação…) mas aí eu penso:”não vão servir para nada”, então guardo o mais bonito e caprichado por ano letivo – de vez em quando as crianças gostam de ver e serve como estimulo para no ano seguinte fazer um caderno bem bonito! (mas sei que com o tempo, quando não mais interessar a eles e a mim vou acabar jogando fora). As roupinhas,sempre tem aquelas que a gente se apega (é bobagem…mas a gente se apega, fazer o quê…) eu guardei algumas de bebês e aos poucos fui me desapegando, gradativamente, sem sofrer e doando para alguém que precisava (fico muito feliz quando faço uma doação para uma pessoa que realmente precisa daquilo e vai usar e não jogar fora ou deixar em desuso). Sou mãe de dois gatos (um de 10 anos e outro de 14 anos) e agora acabo de ter uma princesa (3 meses). Um grande beijo! Espero ter ajudado um pouquinho. Adoro o blog!!!! Daniela

  4. Eu sou a pessoa mais anti-tralha do mundo, mas algumas coisas são bacanas de se guardar, pra gente e pra criança. Imagina quando ela for adulta e ver algumas dessas coisas, vai se amarrar, quem sabe até mostrar pros filhos dela! Isso de tirar foto pra mim não rola, é a mesma coisa de ebook. Eu amo o meu Kindle e uso muito, mas dependendo do livro, tem que ser o livro de papel mesmo. Nunca seria capaz de adotar o minimalismo radical, porque algumas coisas NADA digital substitui o toque, o cheiro da coisa.

    Eu guardo a maioria dos trabalhos da minha filha, em pastas bonitinhas e organizadas. Não ocupa praticamente espaço algum. Cartões de aniversário dá pra guardar também! Do aniversário de 1 ano eu recortei apenas as mensagens das pessoas e fiz um scrapbook. Os de 2 anos, Natal, etc vou fazer uma espeécie de livrinho. Acho algumas tradições de família muito importantes pra dar uma ideia de raiz, de tradição e segurança pra criança.

    Como eu disse, minha casa é MUITO sem tralha, mas algumas coisas são importantes. Eu amei esse texto aqui, pq realmente, stuff matters (some stuff): http://stuffdoesmatter.com/manifesto/ Existe sim um meio termo entre o consumismo vazio/apego exagerado/tralha e o minimalismo radical.

    Bjos

    • Thais, você faz muito bem em guardar algumas das coisinhas produzidas por sua filha. Falo isso por experiência própria: minha mãe guardava, de vez em quando alguns desenhos que fazia pra ela, colagens, cadernos de escola, redações… Agora, com 31, levei para minha casa e me divirto muito uma vez ao ano, revendo essas coisinhas. Não é preciso guardar tudo realmente. Apenas uma amostrinha.

  5. Sei que quando mexemos com sentimentos a coisa fica complicada porém sou a favor de fotografar ou guardar somente uma arte por fase da criança.
    Posso falar como filha de quem guardou muita coisa durante minha vida escolar? Minha mãe sempre me mostrava meus trabalhos e eu até achava engraçado, mas quando eu já estava na fase adulta, ela me perguntou se eu gostaria de guardar e mostrar para meus filhos… e eu disse que não, se era importante pra ela, ela poderia guardar mas aquilo pra mim não tinha nenhuma utilidade. Muita coisa ela jogou fora (sou totalmente a favor, não dói, acreditem!), outras ela guardou e de tempos em tempos faz uma seleção e descarta mais coisas.

    • Daniela, exatamente. Sou dessas. Quando fiz minha mudança, encontrei uma pasta com trabalhinhos da época da escola que a minha mãe tinha guardado. Se eu tivesse fotos daquilo, a lembrança seria a mesma, com a diferença que eu não teria que lidar com aquela papelada ensebada depois de tanto tempo. Mas essa é a MINHA visão, que exponho no blog. Recomendo o link que a Thais postou logo acima. Acho que todo mundo tem as suas tralhinhas. Muita gente considera meus livros tralhas, e nunca vou me desfazer deles porque eles são importantes para mim. Cada um com as suas prioridades. Se você acha importante guardar essas coisas, nem que seja por desencargo de consciência, guarde. Só sou teoricamente contra caso essas coisas estejam ocupando espaço de outras mais importantes na casa. Sou sempre a favor de destralhar porque já morei com uma pessoa extremamente apegada e tenho um pouco de ojeriza a tralha de modo geral.

      • Sim, é muito complicado principalmente para pessoas que moram em apartamentos pequenos e não tem um quarto sobressalente para fazer de escritório…
        Eu sempre morei em casa, moro até hoje na mesma casa. Minha mãe guardava tudo meu de escola sou filha única). Conforme eu ia crescendo, eu mesma ia jogando fora, ela via que aquilo não tinha mais valor para mim e não se importava… Mês passado joguei meus papéis da faculdade fora, pois me formei há quase 10 anos e eles realmente estavam entulhando meu quarto. Foi libertador, até dei um “depoimento” aqui no blog…

  6. Gostei demais do link mencionado pela leitora Thaís. Considerei um Presente de fim de semana. Pretendo ate emoldurar um quadrinhos do manifesto para enfeitar minha biblioteca (hehehe). Também amo meu kindle, mas considero o gadget um complemento. Valeu!

  7. Bom, ainda não tenho filhos, mas os cartões que recebi no meu casamento colei-os em lindas folhas vermelhas e mandei encadernar.Encontram-se conservados, organizados e disponíveis sempre que quero relembrar.

  8. Gente, eu sou a pessoa que mais guarda tralha no mundo! rs
    Por isso adoro esse blog, pois ela me ajuda muito. Tenho 2 filhos, de 24 e 22 anos…da pra imaginar o tanto de trabalhinho que guardei, pois a mais velha já se formou em Jornalismo e o mais novo esta no último período de Bioquímica. guardei quase tudo em caixas e de vez em quando vou olhar as coisa e dou uma limpa… mas ainda tem muita coisa… e as fotos então? qdo eram crianças, foto era só np papel… Mas concordo que o que vale são as lembranças… e vou destralhando aos pouquinhos!

    • Pra mim fotos valem ouro. Acho que vale a pena gastar com albuns e caixas para organizá-las. Agora, os trabalhinhos do jardim de infância? Eles estão na faculdade… A menos que se tenha muito espaço pra guardar tudo…

  9. Olá Thais, preciso de um SOCORRO seu…
    Acompanho seu blog a um bom tempo e no inicio desse ano comecei a colocar em prática tudo q eu lia aqui, eu estava gravida e com muito tempo sobrando rsrs Meu bebê nasceu no fim de julho e depois disso NUNCA MAIS CONSEGUI fazer nada na vida, estou desesperada, pq quando estou sozinha em casa fico um dia inteiro por conta do meu filho, nem fazer almoço pra mim eu consigo e isso tem tirado meu socego fico imaginando q JAMAIS vou conseguir manter minha casa, limpa e organiza, gostaria q vc me ajudasse dando alguma dica de como organizar a vida apos o nascimento de uma criança POR FAVOR me responda! Bjão Aguardo ahhh ADOROOOOO SEU BLOG =D

  10. Olá Thais, o seu blog foi praticamente o meu programa de feriadão! Tudo bem estava com virose e não ia passear… rsrsrs… Mas estou encantada com a sua praticidade, comunicação e acima de tudo (óbvio) organização! Creio que dizer que sou mãe, esposa, dona DA casa (e nem perto DE casa!); profissional, estudante e todas as outras competências que assumimos seja uma novidade: a maioria das suas ávidas leitoras tem essa correria em comum. Mas achei tão bacana que há tantas idéias, dicas e pessoas preocupadas em simplificar que nem sei por onde começar, mas comecei! Espero lhe seguir por bastante tempo para minimizar minhas tralhas (por sinal nessa noite, já madrugada ainda na tarefa) e maximizar minha vida! Pois tempo é ouro! E eu quero o meu para curtir minha filha, meu marido, minha casa e viver! Um grande abraço! Boa sorte e muito sucesso… você realmente inspira!

  11. obrigada pelo post, tb tenho filhos pequenos e não sou tão apegada aos trabalhos, guardo alguns de recordação, sempre estou fazendo um limpa, vou comprar uma pasta e organizar melhor, pq estão apenas dentro de um envelope.

  12. Thaís,
    Adorei este post e as suas sugestões, assim como das outras leitoras, me deram ótimas sugestões sobre o que fazer com os trabalhinhos e as fofurinhas que os filhos nos dão. Eu também sou das que dão um valor emocional a elas.
    Mas, fiquei com a pergunta de como posso tratar melhor a questão dos brinquedos. As minhas dúvidas são as seguintes, as quais talvez vc possa dar alguma sugestão…
    1- Meu filho mais novo tem 1 ano. Ele não tem brinquedos demais, mas tem vários. Os que são para bebês eu rapidamente me desfaço, mas mantenho os que considero adequados à idade. O problema é que ele brinca pouco com eles por preferir os brinquedos do meu filho mais velho (que completa 6 anos em Dezembro).
    2- Ainda sobre o mais novo, guardo várias pelúcias, algumas herdadas dos mais velho. Fico com pena de dar, confesso, pq a maioria foi dada pela minha mãe. As outras compramos com o mais velho numa viagem… Mas ele não brinca, fica tudo guardado. Aí penso, será que ele vai brincar algum dia? Ou elas vão continuar como depósitos de ácaros? Além disso, mantenho na varanda um carro-trambolho… É um azul (Smart) que a criança fica sentada e a gente empurra. Meu mais velho usou qdo tinha uns 2-3 anos…não é o tipo da coisa que se usa com frequência, sabe?
    3- Meu filho mais velho tb tem muitos brinquedos, mas não demais. Fico a pensar se devo manter somente os que ele realmente brinca e doar os outros. Ou será que ele brincará com eles em algum momento? Devo guardá-los para o mais novo?
    Enfim, são estas as minhas dúvidas… Será que é mais uma questão de me desprender?
    Bjs.

  13. Thais, linda, acompanho seu blog desde (quase) sempre. O problema é que não tinha acesso fácil, agora com Ipad voltei a ficar viciada. Adoro. E está maravilhoso, super profissa.
    Uma das minhas metas para 2013 é me organizar melhor e é lógico que vou me inspirar em suas ideias.
    Essa introdução para dizer que adorei esse post da leitora. Sou mãe há um ano e meio. Nem li os outros comentários, peço perdão, então não sei se já deram a dica que vou dar a seguir. Meu filho vai para a educação infantil em janeiro e já tivemos reunião na escolinha. Uma das minhas preocupações foi exatamente essa, como farei para guardar esses trabalhos quando se tornarem reais. Acho que terei dó de jogar fora. Sabe o que pensei? Em presentear os avós e tios. rsrsrs Fazer um quadrinho, uma lembrança, sei lá e ir dando para que eles. Com certeza eles vão adorar e estará bem guardado. A ideia que você dá das fotos, é genial. Eu tb já havia pensado nessa hipótese.
    Estou de volta por aqui.
    Um super beijo

  14. E quanto às lembrancinhas de feriados, batizados… Fico com dó de jogar fora. E também tem sempre aquela situação, a pessoa lhe visita, não vê a lembrancinha… Bom, eu costumo guardar por alguns meses, e depois jogo fora. Mas acho que ainda não é o ideal. O que você acha?

    • Acho que isso é o ideal, pois se guardar em uma caixa a pessoa vai te visitar e não vai ver…
      Meu primo me deu um mapa-mundi (aqueles em forma de globo) há uns 2 anos, eu não gosto muito dele, mas mantenho em casa. Quando ele vai lá adora ver na sala, fica comtemplanto o globo e vendo os países, disse que deveria ter comprado um pra ele e tal… Vejo que faz bem pra ele saber que guardei um presente com carinho. Mas tem coisa que realmente não dá pra guardar…

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui