Categoria(s) do post: Diário da Thais

Algumas pessoas vêm me pedindo um post sobre como eu estou me organizando com o trabalho de conclusão da pós mas, como eu ainda não estou sequer na metade do processo, não sinto que um post escrito assim ficaria completo. Portanto, estou esperando finalizar tudo para escrever um bom post com dicas a respeito, dizendo como eu fiz. Mesmo assim, gostaria de registrar aqui alguns acontecimentos relacionados.

Faltam dois meses para o fim das aulas e, depois, tudo o que eu preciso fazer é finalizar o TCC e entregar até outubro. Parece pouco, mas é muita coisa. Fiquei com um pouco de medo do tempo porque troquei de tema umas cinco vezes. E, agora que eu cheguei ao tema definitivo e escrevi o pré-projeto inteiro de uma só vez, empolgadíssima, entendi porque tinha mudado tanto – porque não tinha chegado ao meu tema de verdade. É muito difícil escrever sobre algo que, no fundo, seu cérebro está mandando você não escrever.

Eu estava decidida a fazer monografia porque quero fazer mestrado depois e isso já daria um direcionamento. Insisti tanto nisso que estava completamente presa a temas que não me interessavam. O que eu queria realmente falar, era “profundo” demais para uma especialização (palavras da coordenadora do curso) e seria mais adequado ao mestrado mesmo. Enfim. Durante a aula de apresentação dos projetos dos colegas de sala, um grupo apresentou um projeto de blog e eu fiquei morrendo por dentro porque não estava fazendo a mesma coisa. Afinal, eu já tenho um blog. Eu já escrevo e tenho tantas ideias para ele, além de experiência profissional na área (Internet, blogs, mídias sociais, planejamento digital). Por que, afinal de contas, eu não estava usando toda essa minha experiência para montar um projeto para o meu blog? E foi o que eu fiz.

Acho engraçado como os caminhos se desenham à nossa frente com uma naturalidade que não percebemos. Eu nunca havia pensado no blog como um projeto profissional. Ele começou como um hobby e, de um ano para cá, foi se profissionalizando porque foi isso o que aconteceu com a maioria dos blogs no Brasil. E, apesar de tê-lo como um segundo emprego mesmo (pela minha dedicação e estudos relacionados), nunca sequer havia cogitado pensar nele como um projeto profissional de verdade, quase independente. E, agora, tudo faz muito sentido.

Eu tenho no meu quadro de avisos um post-it com uma frase da Martha Stewart que eu nunca, nunca me esqueço, que é: “All the things I love is what my business is all about” (“meu negócio é sobre todas as coisas que eu amo”). E existe outra maneira de colocar em prática algum objetivo profissional?

Mas não, eu não vou largar o meu emprego. Eu adoro a minha carreira, adoro a vida corporativa no geral e ainda tenho um longo caminho a percorrer para realizar meus projetos no meu emprego atual e profissionalmente, no geral. Em fevereiro li uma matéria na Você S/A (eu adoro essa revista!) falando como está se tornando comum para as pessoas terem dois trabalhos e como elas conciliam isso, e a matéria apresentava vários exemplos. Acho que isso está se tornando comum porque as pessoas estão se tornando múltiplas hoje em dia. Você um diretor comercial que também é chefe de um grupo de hiking, por exemplo, ou uma vice-presidente de empresa que também tem uma franquia de loja de cosméticos.

Em termos práticos, o que isso vai mudar para todos nós? Bem, eu pretendo reformular o blog de uma maneira geral, mas isso será feito somente daqui a alguns meses. Nesse meio tempo, estou estudando tudo relacionado ao nosso assunto preferido e anotando, anotando e anotando as preferências de quem visita e comenta por aqui. Não tenho a menor vontade de encher o blog de posts pagos (acho que todo mundo detesta os blogs que fazem isso, inclusive eu), mas algumas coisas podem ser feitas – coisas que ainda estou pensando. Não tenho como colocar tudo aqui, mesmo porque ainda estou escrevendo o projeto, mas eu tenho certeza que jamais vou “trair o movimento” do blog e muito menos transformá-lo em algo que ele não é nem nunca foi. Meu projeto da pós é a chance de aplicar meus conhecimentos e minha experiência na área em algo palpável e mostrar como eu acho que as coisas devem ser feitas, e enquanto for fiel ao que eu acredito, eu me verei lá. E não é assim que as coisas devem ser?

Incrível como, por mais que a gente planeje, a vida nos leva a caminhos inesperados. E, quando começamos a trilhá-lo, ficamos nos perguntando por que não chegamos ali há mais tempo.

Sobre o TCC, minha dica no momento para quem está passando por isso é: não se apresse para encontrar o tema, porque ele é o mais importante de tudo. Quando você encontrar o tema e o problema certos, o resto sairá intuitivamente.