“Como fazer atividade física quando não se tem tempo?”

15
9002

Essa é uma das perguntas que eu mais recebo em todos os canais do Vida Organizada.

Uma coisa que eu aprendi com o David Allen (autor do método GTD) é que a gente não gerencia o tempo, não “cria” tempo para as coisas – a gente abre espaço para as diferentes atividades na nossa vida. E abrir esse espaço depende da nossa análise honesta de todas as coisas que ocupam esses espaços, porque não dá para fazer tudo ao mesmo tempo. Precisamos priorizar, entender o que é essencial e fundamental no momento, e assim então criar esse espaço para trabalhar naquilo que tem importância.

Estou falando tudo isso porque talvez sua vida não tenha espaço para atividade física nesse momento. Quando eu trabalhava o dia todo e fazia faculdade à noite, eu não tinha espaço para atividade física. Ter essa percepção me ajudou a buscar algumas soluções alternativas, como sempre subir escadas, andar mais sempre que tivesse oportunidade e coisas desse tipo. Mas certamente não foi o ideal, e obviamente fiquei fora de forma durante esse período. Quando finalmente terminei a faculdade, busquei formatar meu espaço de tempo para conseguir abrigar essa atividade, então.

Veja: toda a vida é um processo artesanal de formatação para a vida que você quer viver. Se você não vive da maneira que acha adequada para você, defina um resultado desejado e uma próxima ação para caminhar em direção a esse resultado. Tenha perspectiva. Pode ser para agora, pode ser para depois. Mas assuma o controle de para onde a sua vida está indo.

Conheço pessoas que, mesmo com uma rotina profissional executiva, com muitas viagens e trabalho, conseguem acordar mais cedo para correr ou levam roupa de academia para as diversas viagens que fazem. Também conheço pessoas que tiveram que dedicar uma parte do orçamento para contratar profissionais de diversos tipos para fazer isso acontecer: desde uma babá para ficar com as crianças até uma faxineira para que pudessem ter tempo livre para tais atividades. Ninguém está dizendo que é fácil ou rápido. O que quero dizer é que devemos buscar soluções.

A questão é: fazer uma atividade física é uma prioridade para você? Pode ser que não seja. Assumir isso pode tirar uma pressão enorme das suas costas neste momento. Agora, se for, você precisa encontrar um jeito. Mesmo quando achamos que não temos espaço na agenda (como a situação que eu falei lá em cima, sobre trabalho e faculdade) nos permite buscar soluções, porque a rotina de cada um é muito específica e diferente, e por isso deve ser personalizada. Talvez você consiga se exercitar perto do trabalho, ou talvez consiga fazer algo na hora do almoço – enfim, as ideias são inúmeras, e só você pode analisar.

Como todas as áreas da vida, precisamos entender o que é importante e o que queremos ter como parte do nosso estilo de vida para ir formatando, nem que aos poucos, o modelo de vida que queremos viver. Eu não cheguei na rotina atual de atividades físicas da noite para o dia. Foi um processo que levou anos, e que até contei em outro post. Não adianta ficar frustrada(o) querendo uma configuração que não é possível no momento, mas o que você deve realmente se perguntar é: o que eu preciso fazer para chegar até lá? Para viver essa configuração de vida que gostaria que fosse real?

Para tudo existem alternativas. Exercitar-se em casa, perto do trabalho, aos finais de semana, esportes, academia, corrida, dança, caminhada, natação. Continuo reforçando a pergunta: é prioridade para você? É apenas isso que você precisa responder. Depois disso, defina um resultado desejado (o que você quer que seja verdade) e uma próxima ação para dar o primeiro passo nessa direção. Não é mais complicado do que isso.

15 comentários

  1. Oi, tudo bem? Eu AMO o seu site e o seu blog, sempre visito e aprendo muita coisa! Vivo tentando organizar melhor minha vida e minhas ideias, e seu site é tudo de bom nesse quesito.
    Um grande abraço!!!

  2. Oi, Thais! Esse post me serviu como uma luva, mas em outra área, pois o conceito é bem abrangente, pra qualquer coisa que queiramos fazer na vida…
    Obrigada!

  3. Thais, com essa mudança na sua vida que fez você decidir por falar mais sobre saúde; você pretende falar sobre como foi o processo de fazer a bariátrica? Lembro que quando comecei a seguir o VO você fazia a Atkins e tinha falado em alguns posts sobre sua alimentação. Você tinha algum problema para ter conseguido fazer a bariátrica? Você fazia ainda a Atkins e fazia atividades físicas?

    Falo isso pq, apesar de buscar essas soluções e ter como prioridade cuidar da minha saúde, ainda penso que a bariátrica seria a solução pra mim. E queria uma visão “de fora”, pois fico muito insegura de buscar apenas respostas pelo Google… se puder me responder, agradeceria muito.

    • Eu fiz Atkins durante algum tempo, mas tive alguns problemas com isso. Não com Atkins especificamente, mas eu desenvolvi pressão alta desde a gravidez (tive pré-eclâmpsia), e fazer uma dieta à base de proteínas me prejudicou em alguns aspectos. Eu emagreci mais de 20kg na época, mas comecei a ficar um pouco mal.

      A recomendação para fazer a bypass na verdade foi porque eu tinha um problema no esôfago, cuja cirurgia bariátrica seria o procedimento sirúrgico menos agressivo para resolver. Ajudou porque eu estava acima do peso, então emagreci.

      As pessoas têm muito medo da bariátrica (eu também tive), mas se você fizer o procedimento com um equipe confiável, e você também se cuidar direitinho, hoje em dia é muito difícil acontecer alguma coisa.

      Espero ter ajudado. =*

  4. Thais, não me canso de acompanhar seu blog. Seja o tema qual for, sua didática e estilo de comunicação faz tudo parecer muito simples e lógico! Se hoje consigo administrar um pouco melhor minha rotina com uma bebê de 9 meses em uma cidade desconhecida e sem suporte por perto, é graças a sua ajuda e do pouco que absorvo de GTD através das suas recomendações! Muito obrigada!

  5. Oi Thaís, sou a Lú e vivo em Portugal. Acompanho o seu blog há muito tempo (talvez desde 2011 ou até antes). Adoro o seu trabalho. Estou a viver com uma dúvida existencial (como dizemos por aqui) e pensei e perguntar para você a sua opinião. Tenho 32 anos e faço investigação há um bom tempo, toda a minha vida trabalhei na academia e estou a escrever a tese de doutoramento. No entanto faz um bom tempo que estou a tentar mudar de área de trabalho, pois a academia não satisfaz mais e para além disso aqui a vida do investigador é muito precária, podemos ficar meses e meses (ou anos) sem um contrato. Quero estudar para um concurso público que deve abrir talvez em Outubro, é um concurso difícil e muito procurado, mas pode ser a chave da minha vida profissional no futuro. No entanto também tenho a escrita da tese e não estou a conseguir organizar o meu tempo em função das duas coisas e acabo muito ansiosa e por vezes não consigo nem escrever nem estudar. Se fosse você, como organizaria essa confusão, ou como organizaria sua vida diária de modo a dar conta de tudo? Por horário, por ciclo? Também tenho uma filha pequena, mas de momento não tenho mais nenhuma ocupação profissional. Um beijo e obrigada desde já! Parabéns pelo seu trabalho 😊

  6. Exatamente, tudo é questão de prioridades…. eu confesso que preciso voltar a adotar isso para minha vida.

  7. Thais sua forma de explicar é muito simples e incrível! Dá uma sacudida mesmo na gente hahah e faz pensar nas prioridades. Obrigada por compartilhar tanta informação de qualidade!

  8. Eu sugiro usar um APP pra ficar mais animado. Se correr, andar de bike ou caminhar for seu esporte eu acho legal o Strava. Agora se você realmente não tem nem essa disponibilidade para essa meia hora eu gosto muito do aplicativo Seven, com programas de 7 minutos diários de ginástica – eu faço logo cedo enquanto meu filho dorme, antes de levá-lo à escola.

  9. Oi Thaís!
    Fiquei feliz com o tema do mês e quero absorver e colocar em prática o máximo de dicas que eu puder.
    Pegar metrô na linha azul de São Paulo é algo que me irrita bastante, hoje desci do ônibus e pensando em uma forma de me exercitar, caminhei da Armênia até a Luz. Gastei uns 15 min, mas diante da falta de tempo pra me exercitar já foi uma vitória. E fez bem tanto para o meu corpo quanto para a minha mente. Quero fazer isso sempre e tentar optar mais por escadas.
    Obrigada por tudo!
    Um abraço.

  10. No meu caso, decidi entrar na aula de caratê dos meus filhos. Já que eu levava e tinha que ficar esperando, por que não tentar? rs.
    Resultado: estou apaixonada pelo esporte, meu marido começou a treinar conosco também e virou um momento em família. Além disso, mais um assunto em comum: quando estamos em casa, procuramos vídeos no youtube, debatemos técnicas, golpes… Ganho total em vários aspectos da vida.

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui