“Dez argumentos para você deletar agora suas redes sociais” (2018)

6
3883

Como parte do tema do mês, eu resolvi ler o livro “Dez argumentos para você deletar agora suas redes sociais” (Jaron Lanier), publicado no Brasil pela Ed. Intrínseca. Foi uma excelente leitura pois ele fala não apenas sobre a influência das redes no nosso comportamento (e como podemos “maneirar” no seu uso), mas também sobre a questão dos algoritmos e partes mais técnicas que permeiam as redes sociais e que nós, como usuários (e mercadorias…), precisamos saber.

Resumidamente, os 10 argumentos são:

  1. Você está perdendo o seu livre arbítrio. Os algoritmos procuram entender seus padrões de escolha e de comportamento e filtram os conteúdos para você, direcionando até o seu raciocínio. Se você usa uma rede social de graça, pode ter certeza de que o produto à venda é você e as suas informações para os anunciantes.
  2. Largar as redes sociais é a maneira mais certeira de resistir à insanidade dos nossos tempos. Neste capítulo, o autor apresenta o conceito de “máquina bummer”, que é uma sequência de acontecimentos que muda o nosso comportamento através das redes sociais. Ele pauta este argumento essencialmente nas iscas emocionais que mordemos quando fazemos parte de qualquer rede social.
  3. As redes sociais estão tornando você uma pessoa babaca. Então dando continuidade aos argumentos anteriores, aqui ele fala sobre como as pessoas ficam ansiosas por entrarem em brigas nas redes sociais e como tudo isso é, na verdade, muito bem orquestrado. “Cada um de nós tem um troll interior”, ele diz.
  4. As redes sociais minam a verdade. Se você não estiver vivendo em Marte nos últimos meses, você já deve ter ouvido falar sobre o problema da propagação de fake news pelas redes sociais.
  5. As redes sociais transformam o que você diz em algo sem sentido. Tudo é tirado de contexto.
  6. As redes sociais destróem a sua capacidade de empatia. Da mesma maneira que o que você diz é tirado de contexto, o que os outros dizem também o é, e você pode se ver menos empático apenas julgando as pessoas por esses pequenos recortes do raciocínio dela.
  7. As redes sociais deixam você infeliz. Bem, aqui ele traz alguns estudos que mostram como é importante para os algoritmos serem alimentados por pessoas infelizes, porque pessoas felizes geralmente não passam muito tempo nas redes sociais. As redes precisam de pessoas infelizes alimentando o sistema com informações, então essa tristeza é alimentada. Esse é um capítulo bem pesado.
  8. As redes sociais não querem que você tenha dignidade econômica. O fato de serem redes gratuitas possibilitou que elas crescessem rapidamente. Mas o que sustenta essas empresas é vender as suas informações. E isso faz com que cheguem propagandas de coisas certeiras para você. Você é o produto.
  9. As redes sociais tornam a política impossível. Bem, as redes sociais têm cada vez mais pautado as discussões políticas e as eleições. Conheço pessoas que deixaram o Facebook depois das últimas eleições no Brasil simplesmente porque não aguentaram o ritmo intenso de postagens polarizadas e agressivas.
  10. As redes sociais odeiam a sua alma. Neste último capítulo, o autor faz uma síntese de tudo o que ele disse até então, e termina com a recorrente recomendação: delete suas redes sociais.

Acredito que a leitura seja bastante necessária nessa época em que vivemos. Recomendo.

6 comentários

  1. Preciso ler esse. Na maioria das vezes em que acesso o Facebook, me sinto mal. Principalmente por causa desses assuntos envolvendo política, como sou estudante de História, muitos assuntos polêmicos me deixam meio pra baixo porque eu me sinto na obrigação de debater, não por achar que sou melhor que as outras pessoas, mas por estudar sobre o que está sendo debatido e no final decido não entrar nas discussões pra evitar me desgastar, o que acaba acontecendo mesmo que eu fique “quieta”. Enfim.
    Obrigada pela recomendação.

  2. Amei o texto quero ler o livro. Ja exclui minha conta do Facebook, fiquei só com o Instagram e filtrei bastante o conteúdo que sigo, hoje faço poucos posts com informações pessoais. Tenho aprendido muito com vc. Bjo

  3. Muito boas essas reflexões, Thais. Minha opinião sobre isso: encontraram um mercado – falar mal sobre redes sociais. E agora virou moda. Como é moda falar mal do glúten, do açúcar etc. Tudo depende de como usamos as coisas. Elas não são um problema intrínseco. Se a gente fosse listar as coisas positivas das redes sociais… faltaria folha de papel ou MB no HD (haha). Acho que é um caminho sem volta e precisamos nos adaptar. Redes sociais não pioram ninguém, elas apenas mostram o que nós somos – e sugerem mudanças sobre quem nós podemos ser.

  4. No item 9 eu me encaixo bem!!! Rsrsrsrs… Foi na época das eleições que deixei de acessar o Facebook. Mesmo eu não postando nada a respeito, pessoas mandavam mensagens inbox dizendo em quem eu deveria votar.
    Sem contar que eu cansei das pessoas mostrarem a “vida perfeita” que não existe… Comecei a refletir sobre isso e percebi que é algo muito vazio.
    Agora entro de vez em nunca e confesso que saio logo pq fico entediada com tanto egocentrismo…

  5. Comecei a ler esse livro no fim de semana. Muito necessário! Desde o ano passado já desabilitei todas as notificações do celular e deletei o aplicativo do Facebook, não porque precisava me policiar com respeito ao tempo, mas justamente porque me fazia mal e eu sempre saía do aplicativo com raiva de alguma coisa. Foi um divisor de águas para o meu bem-estar. Estou a um passo de deletar de vez. Obrigada por compartilhar.

  6. Olá Thais, bem interessante a colocação a respeito de redes sociais. No passo que elas aproximam pessoas, elas também distanciam outras mais. Os relacionamentos ficam banalizados e a rede social é o ponto focal das conversas ou das não conversas. No meu blog Thais eu fiz um post falando algo parecido, é o post “Diário” e que enquanto uma vez toda e qualquer situação desabafávamos em um diário, hoje despejamos nas redes sociais, sem critérios. Estou adorando a leitura do seu blog. Parabéns!!!!!

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui