A contracultura da produtividade no trabalho

5
4683

Já faz algum tempo que eu tenho usado o termo “contracultura” para me referir à produtividade no trabalho que eu acredito, então quis escrever este post para ficar como referência e fonte de consulta, pois acredito que o citarei várias vezes. XD

Quando a gente usa determinados termos, como “contracultura”, “trabalho” e “produtividade”, é bom desenhar um breve glossário antes para nos fazermos entender.

PRODUTIVIDADE vem de produção. Produção é a transformação de algo em outra coisa. Desde a pré-história o homem pega uma pedra e transforma em um machadinho, por exemplo. Ou seja, a humanidade sempre teve sua própria maneira de produzir as coisas.

Obviamente, com o passar dos séculos, as necessidades humanas foram mudando, assim como as suas habilidades. O termo “produtividade” foi usado pela primeira vez em 1766 pelo francês Quesnay e, depois, apenas em 1883 por outro francês (economista como o anterior), Littre. Marx, em “O Capital”, lançado em 1863, se referia amplamente aos meios de produção e sua associação ao ritmo do trabalho. Porém foi apenas no início do século XX, com o Fordismo, que o termo passou a ser largamente utilizado para se referir aos meios de produção e aos recursos para produzir mercadorias. O conceito de “produção em massa” surge para definir o que significa produzir em larga escala um grande volume de produtos. A produção em série.

Em 1950, a Comunidade Econômica Européia passou a designar “produtividade” para se referir à administração dos diversos recursos que envolviam os meios de produção, tais como matérias-primas, funcionários etc. Nessa época, já era comum associar o conceito de produtividade ao aproveitamento do tempo, mas sempre com foco na maior produção – quanto mais produzia-se em menos tempo, melhor e mais produtivo o sistema seria.


CONTRACULTURA é um termo que pode ser definido como o questionamento da ordem central, vigente, das coisas de maneira geral. A ideia surgiu nos anos 1960, com o movimento hippie e uma série de contestações políticas e sociais na época.

Muitos associam o nascimento da ideia de contracultura a Sartre, ainda nos anos 1940. o movimento beat, subsequente, levou o conceito adiante. Mas foi realmente nos anos 1960 que a coisa toda explodiu como estilo de vida.


TRABALHO é uma palavra que vem do latim “tripallium”, que era basicamente um instrumento de tortura utilizado na Antiguidade para “gerenciar” escravos.

Pulando toda a evolução do termo até chegarmos onde estamos hoje, quando o trabalho é visto essencialmente em sua forma profissional, eu defino trabalho como todo esforço organizado em busca de um resultado desejado. Isso significa que escrever um livro é seu trabalho assim como preparar uma refeição para o seu filho.


Quando eu me refiro então à CONTRACULTURA da PRODUTIVIDADE no TRABALHO estou dizendo que questiono a ordem vigente, a produtividade como ela era vista tradicionalmente e também o conceito de trabalho.

Eu não acredito que produtividade seja fazer mais em menos tempo, mas sim aproveitar da melhor maneira o tempo que você tem – o que, muitas vezes, significa dar um tempo e descansar durante 15 minutos para continuar fazendo as coisas com uma boa energia depois.

Eu também vejo o trabalho como mais do que a experiência profissional, ou do emprego, mas aplicada às diversas áreas da nossa vida. A ideia é não sobrecarregar nossas expectativas sobre um único emprego, que pode ser detestável, mas sim expandir para as diversas atividades que você goste de fazer e que talvez leve de maneira tão ou mais profissional que o seu emprego em si.

Usar o termo contracultura da produtividade no trabalho me deixa muito confortável em resumir aquilo que eu faço, que é exatamente isso.

5 comentários

  1. Adorei, Thais! Essa também é minha visão – até porque aprendi muito contigo =)

    PS: vejo um título de dissertação (na verdade uma tese!) aí, hein? =))

  2. Excelente reflexão, Thaís! Estagnar o olhar apenas para o trabalho formal pode implicar em deixar para trás outras áreas da foco que nos lançam para o extraordinário da vida. Paz e bem, Ras João.

  3. É ótimo encontrar pessoas que procuram viver na contramão de um mundo que tanto exige das pessoas mas pouco as recompensa.
    Bjos.

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui