O que cenouras têm a ver com organização?

47
5351

Eu odeio cenouras.

Ok, “odeio” pode ser uma palavra forte. O fato é que eu não gosto de alguns ingredientes misturados às refeições. A cenoura é um deles. Nada me deixa mais frustrada que pedir uma salada VERDE em um restaurante e ela vir com cenoura (que é laranja).

A cenoura tão pouco se presta para doces. Onde já se viu um bolo doce feito com um legume? Só com cobertura de chocolate mesmo pra conseguir comer. Não é à toa que virou uma paixão nacional, mas no fundo todo mundo trocaria o recheio de cenoura por outro ingrediente que tivesse mais a ver, se pudesse.

O fato é que a cenoura também tira o gosto das coisas. Na salada, só se sente o gosto dela. Na sopa, incomoda a textura. No doce, nem preciso falar (não tem o menor cabimento).

Aí você pode me dizer que a cenoura crua é um bom lanchinho. Aí eu concordo. A maneira menos pior de comer cenoura realmente é crua, como se fosse uma fruta. Os coelhos é que sabem a verdade – quem diria.

Todo esse papo foi para convencer você do fato de que eu realmente não gosto de cenoura. Acho que ficou claro.

E, mesmo assim, nessa época do ano, quando começa a chegar o calor e o período do ano em que costumamos viajar mais vezes à praia e tomar sol, eu começo a maratona cenourística. Como assim?

A cenoura é um dos alimentos que mais têm vitamina A e betacaronteno e, por isso, desde sempre ouço muito que sua ingestão facilita o bronzeamento da pele. E você pode achar isso uma besteira enorme, mas eu sou uma pessoa que não se bronzea com facilidade. Eu me queimo com facilidade. E, quando eu comecei a testar, vi que a ingestão de cenoura me ajudava bastante a suportar melhor o sol e também “bronzear” a pele em vez de simplesmente queimá-la (obviamente usando protetor solar em todos os casos).

Por isso, ao final de novembro, eu tenho um lembrete com recorrência anual no meu calendário que me lembra de começar a ingerir cenoura diariamente. Diariamente mesmo. Compro aquelas baby carrots, para lanchinhos, e compro cenouras para comer cruas todos os dias. Se vou a algum restaurante e tiver um prato com cenoura, eu peço. Como no restaurante por kg.

O grande ponto não é se bronzear ou não. Nem gostar ou não de cenoura e ter que comer. O grande ponto aqui – e é quando farei o link com a organização – é você trazer algo para o seu dia a dia que você não verá um resultado agora, apenas lá adiante, e pode ser algo que você nem goste tanto de fazer, mas faz porque te faz bem de alguma maneira, e cria o hábito.

Então eu, Thais, pessoa que não faz a menor questão de comer cenoura, a partir do final de novembro começa a comer cenoura praticamente todos os dias apenas para chegar em janeiro e conseguir um resultado X com relação à saúde.

E, se eu consigo comer cenoura todos os dias, como um hábito, para alcançar um resultado desejado, eu sei que você também consegue inserir qualquer coisa no seu dia a dia para alcançar um objetivo.

Essa é a relação da cenoura com o processo pessoal de organização. Qual é a sua cenoura?

47 comentários

  1. Obrigada, Thais. Esse post era exatamente o que eu precisava neste exato momento. Não há coincidências neste universo ✨

  2. Bom, aí você generalizou né? Amo bolo de cenoura sem chocolate e conheço várias pessoas que preferem assim também. Dizer que virou “paixão nacional” por causa do chocolate é forçar a barra! Basta dizer que não gosta, e pronto. Tá tudo bem. 😉

  3. Que texto mais incrível! Vou levar pra vida e tô aqui refletindo quais são as minhas cenouras. Parabéns e muito obrigada, Thais 😀

  4. Quando comecei a usar GTD, minha cenoura era a Revisão Semanal. Hoje, ela tornou-se a cobertura de chocolate =P

  5. Achei ótima a analogia! Engraçado que fiquei lendo tentando entender aonde você queria chegar com esse papo de cenoura.
    Muito bom! 🙂
    Abraços!

  6. Agora que li, veio algo na minha cabeça: quero desenvolver muitos hábitos e rotinas. E, muitas vezes, tenho poucos resultados (talvez tenha a ver o fato de eu estar tentando fazer isso com um baby de menos de três meses em casa, rs).
    A questão é: quantos hábitos conseguimos desenvolver ao mesmo tempo? Como priorizar?
    Seria muito legal se você escrevesse um texto sobre isso!

    • Esse assunto realmente é ótimo e já anotei para desenvolver em breve (obrigada!). Mas, de cara, minha resposta é que não existe uma regra. Tem hábitos que a gente incorpora com mais facilidade, enquanto outros são complicados.

  7. Foi ótima a tua ilustração. Falou uma grande verdade, e isso se chama pagar o preço por aquilo que se quer.

  8. Achei o fato de vc não gostar de cenoura uma curiosidade interessante hahahaha

    Mas, olha, atualmente vencer a preguiça e abrir espaço na agenda pra voltar a fazer atividade física é minha cenoura. Não que eu não goste, antes eu até fazia voluntariamente e com prazer, mas como tô com umas limitações e só posso fazer musculação por enquanto estou entediada por antecipação.

    Vou pensar em vc comendo cenouras pra se preparar pro verão quando for malhar hahahaha

    Ser adulto é isso né? Pra certas coisas o jeito é comer a cenoura 🤷

  9. Achei muito boa sua colocação!!! De fato, pra obtermos um resultado positivo, muitas vezes temos q fazer algo não muito agradável!

  10. Eu adoro cenoura, na salada, crua , no bolo etc.. Mas, tenho minhas cenouras particulares kkkk que não aguento…Muito inteligente seu texto….como sempre. bjs

  11. Amei, com já falaram acima, exatamente o que eu precisa ouvir HOJE! Estou começando a “minha cenoura”: atividade física, mesmo sendo uma coisa leve, é MUITO difícil para mim, acredite!

  12. Minhas cenouras são inhames. Hahaha. São necessários para minha saúde e são insuportáveis. Então aprendi a comê-los por necessidade e disfarçar seu “sabor” e textura do jeito que dá. Mas seu texto me fez lembrar que outras cenouras estão precisando de uma vez por todas serem colocadas no meu planejamento para melhorar minha produtividade por exemplo. Obrigada! :*

  13. Oi Thais,
    Eu amo cenouras!
    Independente disso, o texto é ótimo e estou aqui pensando nas minhas “cenouras” da vida.
    Obrigada pelo texto!

  14. Chocada com tanto ódio por um legume que eu amo! E com tanta criatividade pra linkar isso com organização e criação de hábitos! Parabéns, ótimo texto!

  15. Gente, eu também detesto cenoura. Finalmente achei alguém que teve coragem de dizer em público que colocar cenoura num bolo é uma afronta! hahahahaha

    Adorei a analogia do texto 🙂 Seus textos estão cada vez mais deliciosos de se ler!

  16. Tenho várias cenouras! haha
    As vezes até aquela pausa e fazer uma super organização um destralhe geral é necessário por mais cansativo que seja a princípio!
    Eu sou a nerd que não gosta de atividade física e detesto musculação, comecei pilates e zumba com funcional e na medida do possível estou conseguindo uma boa assiduidade. Pensei que conseguiria incluir musculação e simplesmente não dá! Eu tô em casa e penso.. musculação não! haha
    Mas no momento estou conseguindo reequilibrar a vida o pilates/zumba já está bem ok!
    Mas atividade física sempre será minha cenoura, sei que preciso demais e me sinto bem quando faço… mas é difícil!

  17. Pode parecer bobo, mas eu já perdi vários exames de sangue por ter esquecido do tempo de jejum, ou por não aguentar de fome. Como eu tenho que fazê-los periodicamente, em uma consulta o médico já me dá várias guias e ai além de eu pensar no melhor dia pra eu fazer, eu coloco um lembrete no celular 1 hora antes do jejum começar a valer escrito “coma tudo que vem pela frente. Jejum para exame de sangue” kkkk

    Tem dado certo!

  18. Então, mas eu gosto de cenoura. Acho que eu diria que pra mim a metáfora funcionaria melhor com beterrabas. Eu odeio beterrabas. kkkkkkkkkkkk

    Mas como minha mãe me obrigava a comê-las porque fazia bem pra anemia, acho que tomar água e me exercitar, além de estar hoje, seguindo um plano alimentar, é minha dose de beterraba diária, rsrs

  19. Ótima metáfora!
    Com você aprendi a ver que pequenas atitudes de hoje compõe o todo de amanhã.
    Me inspiro em vc.
    Obrigada!

  20. Eu também ODEIO cenoura. Sei que faz bem, mas não entendo como as pessoas conseguem comê-las na salada ou cozida, batida no suco verde… Agora, do bolo, eu gosto.
    Também me queimo, saio no sol e fico vermelha… Quando vou à praia, sofro muito depois. Vou fazer o mesmo, comer mais cenouras para ver se melhora a questão do bronzeado (odeio minha pele bronzeada, não me reconheço num corpo bronzeado, olho no espelho e acho esquisito, mesma sensação de quando uso batons de cores fortes, mas ficar vermelha toda vez que vou à praia é muito sofrido, dolorido, ardido).

  21. Adorei o texto! Minha cenoura também é a cenoura! E pelo mesmo motivo.
    Mas prefiro cozida (como conseguem comer cenoura crua???) e como quase todo dia o ano inteiro. No fim do ano intensifico.

  22. Ótimo texto, Thais! Minha cenoura é a atividade física, com certeza! Mas não tenho essa flexibilidade que você tem, de aceitar pq faz bem. Não me exercito de jeito NENHUM!

  23. Amei o texto! A minha cenoura é acordar cedo, faço arquitetura de manhã e estágio a tarde e nada me motiva a acordar de manhã, apesar de gostar muito do que faço, a quantidade de trabalhos que temos que fazer pra provar algo em vez de realmente absorvemos o conteúdo me desmotiva 🙁 mas quando consigo o dia melhora muito 🙂

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui