Diário da Thais

Resumo do Mês – Maio 2020

Todo último dia do mês eu gosto de fazer um apanhado de como foi o mês que está terminando para mim, tanto pessoal quanto profissionalmente. Quem for novo aqui no blog pode gostar de saber que faço isso mensalmente. É uma boa oportunidade de rever projetos concluídos, projetos adiados, iniciativas diversas e acontecimentos. Você também pode fazer uma versão sua, se quiser, para guardar de recordação.

Especialmente nesse momento de quarentena, fazer um acompanhamento diário de todos os dias do meu mês no Bullet Journal tem sido bastante especial porque me permite pensar sobre cada dia da maneira como merece: um dia a mais de vida, um dia que merece ser bem vivido. Caso você queira saber como faço esse acompanhamento, eu explico em alguns vídeos no meu canal que são chamados de “plan with me”. Você pode verificar lá.

Acho que maio foi o mês mais difícil do ano até aqui, para mim, especialmente dentro da quarentena. Tive dias bastante difíceis e, por isso, voltei a fazer terapia. Eu estou há quase três meses em quarentena total (nem sei se posso continuar chamando de quarentena). Saí apenas três vezes para ir ao mercado (a pé) e umas quatro vezes para “passear” de carro e ver a rua. Não sinto vontade de sair, exatamente, é estranho. Mas, quando me lembro de algo que costumava fazer antes, fico bastante nostálgica. Tipo passear na livraria. Aí vejo como essas coisas me fazem falta. No entanto, estar segura em casa e, acima de tudo, dentro do imenso privilégio que é poder estar em casa enquanto outras pessoas são obrigadas a sair para trabalhar, me faz sentir esse paradoxo de emoções.

Vendo o meu mood tracker do mês, no Bullet Journal, ficou claro que metade do mês eu passei relativamente bem, mas a outra metade foi bem difícil, com dias em que me senti mais chateada ou desanimada. Não quero expôr tanto a minha intimidade aqui, mas eu passei por um processo muito difícil nos últimos anos que culminou em janeiro agora, e eu ainda estou absorvendo os efeitos dele. Me impactou de uma maneira muito forte e estou aprendendo a lidar com isso (a terapia tem ajudado enormemente, junto com as práticas do Budismo). Desculpem não poder abrir mais. Talvez no futuro eu consiga falar melhor a respeito.

Os meses de abril e maio também tiveram projetos profissionais que demandaram muito de mim – uma semana de curso ao vivo, com aulas todos os dias. Depois, uma série de um mês de LIVEs diárias, mesmo aos finais de semana e feriados. Na sequência, uma vivência online de Feng Shui com a minha amiga Wanice e, em paralelo, os meus cursos online acontecendo, além da criação de conteúdo diária em todos os canais. É meu trabalho e amo o que faço, mas fazer muitas aulas ao vivo e LIVEs acabaram me extenuando num momento que acho importante olhar para dentro e respeitar mais a minha natureza intuitiva. Por ser uma pessoa introspectiva, eu me reenergizo quando fico mais “na minha”, então a partir da segunda quinzena de maio eu precisei dar uma segurada em alguns projetos e focar mais em ficar bem. Tenho aceito alguns poucos convites de LIVEs e entrevistas de amigos, mas priorizado meus alunos do curso regular e agora a turma nova do curso de Feng Shui, que faço com a Wan.

Falando ainda sobre projetos profissionais, maio foi um mês bom. Começou a Turma 3 do meu curso, a turma de outono, como chamo carinhosamente. É um pessoal muito engajado e, por isso, grande parte do meu dia é dedicado ao suporte aos alunos, nos fóruns das aulas, assim como a gravação das aulas e revisão / produção de materiais. Estamos atualmente no módulo de organização da casa e, em paralelo, já estou trabalhando no próximo, que é de organização do trabalho. Fiz algumas modificações na ordem dos módulos para atender o pessoal que está de quarentena e trabalhando em casa.

O curso de Feng Shui e Organização da Casa, que faço em parceria com a Wan, também fechou uma nova turma, que começou no dia 18, e eu estou trabalhando tanto nas boas-vindas dos novos alunos como também nos meus módulos, que entram nas próximas semanas.

Em aula com a Wan 🙂

O blog passou por alguns problemas este mês, mas mesmo assim a produção de posts diária continuou firme e forte. O sistema teve uma atualização, como é normal, mas essa atualização gerou uma incompatibilidade com o layout. O pessoal do suporte levou vários dias para identificar o problema e depois consertá-lo. Foi mais uma semana de observação para entender o que estava gerando erros. Aí mais mudanças. Finalizamos exatamente nesta última semana de maio as observações e apenas agora poderemos começar a mexer no layout que, conforme você deve ter visto na página inicial, está em andamento (e leva um tempo). Peço paciência, por favor, nesse período, até estabilizarmos tudo.

Como estou dando uma folga das minhas LIVEs, organizei a minha agenda para poder participar de LIVEs de amigos, sempre tomando o cuidado de não me sobrecarregar. As LIVEs geralmente acontecem no Instagram e, depois, ficam gravadas no meu canal no YouTube. Vou subindo os vídeos lá aos poucos, respeitando o calendário editorial proposto. Aliás, espero de verdade que esses vídeos estejam sendo úteis para vocês. Temos nos esforçado para postar pelo menos um vídeo novo por dia, vídeos mais curtos, e de duas a três vezes por semana vídeos maiores, gerando uma média de 10 vídeos por semana no canal.

O canal no Telegram continua com áudios diariamente, apesar de maio ter sido um mês difícil. Ainda estou trabalhando na consistência desse projeto, mas ele segue firme e forte. Este mês também andamos com a produção do podcast, e não vejo a hora de lançá-lo e poder avisar vocês. 😉

Falando um pouquinho sobre as coisas em nível pessoal.

Em termos de saúde, é minha prioridade. Como comentei, voltei a fazer terapia (o que foi ótimo) e, em paralelo, tenho implementado com sucesso várias práticas de Ayurveda conforme recomendações da minha terapeuta. Esse processo iniciou em abril e ao longo do mês de maio fui incorporando aos poucos. Ainda faltam coisas, mas está sendo um processo muito legal porque minha saúde física melhorou demais, o que sempre é importante em tempos de pandemia. Além disso, estou focando em questões hormonais, tirando o anticoncepcional e indo para uma linha mais natural de cuidados ginecológicos, o que tem sido excelente. Sempre tive uma conexão muito forte com os ritmos da natureza, então alinhar os meus ciclos com a lua e as estações tem sido algo muito especial para mim.

Minha prática de yoga está ótima, especialmente nos dias mais frios, porque me anima a tomar banho depois (rs). A boa prática de yoga é praticar até ficar suada, então é assim que eu faço. Costumo praticar pela manhã, ao final do dia e, às vezes, antes de dormir. Meu marido de vez em quando pratica junto comigo, o que sempre é um momento legal pra gente. O Paul tenta de vez em quando. 🙂

Falando sobre o Paul, ele teve férias escolares agora em maio. De modo geral, estou insatisfeita com a escola porque eles não me parecem ter um plano para o EAD. Ficam só adiando as coisas. As aulas voltam agora em junho já com uma nova programação e eu estou sendo paciente e dando tempo a eles para que se organizem, mas dependendo de como for é provável que a gente comece a pesquisar uma nova escola para o Paul ir ano que vem. Ele está no quinto ano, um ano importante, de transição, e não quero que ele fique defasado. Enfim, vamos aguardar e observar.

Desde abril ele está com uma alergia no olho, que já pensamos ser conjuntivite, mas depois se mostrou ser uma alergia mesmo. Tivemos várias consultas com a oftalmologista pediátrica (online) e ela foi acompanhando. Só recentemente melhorou. Ainda bem que não tivemos que ir até nenhum hospital.

Commonplace Book

Aliás, mal saí de casa este mês. Fui uma vez ao mercado, na Liberdade – meu marido me deixou de carro na porta, entrei, comprei rapidamente as coisas, peguei o folheto sobre as orientações de entrega e voltei pra casa. Outra saímos de carro para dar uma olhada na cidade (sem sair do carro). Enfim, eu não me sinto mal por ficar em casa – me sinto privilegiada. Mas é claro que ver as notícias e o número de mortos aumentando, além do desgoverno total que é simplesmente incapaz de gerar um sentimento de paz na população quando mais precisamos, tudo isso mexe com a cabeça. Por esse motivo, ali pela metade do mês eu tomei a decisão de não ler mais notícias. Quando algo muito extraordinário acontece, alguém sempre me conta. Mudou bastante a minha saúde mental depois que fiz isso.

Tenho mergulhado nos estudos, que é a minha atividade reconfortante. Nunca li tanto na vida, e tenho feito leituras bacanas, profundas, que complementam muito o meu trabalho e a minha vida como um todo. Maio foi um mês em que eu pensei muito na possibilidade de iniciar um doutorado no segundo semestre, mas optei por esperar. Já tenho em mente o tema que quero desenvolver na minha tese mas me falta clareza. Vou buscá-la ao longo desses próximos meses. Como já comentei algumas vezes, não tenho exatamente pressa para fazer o doutorado mas, assim que eu tiver certeza do tema, me conheço e sei que vou querer iniciar o quanto antes.

Estou fazendo um curso de formação em Ayurveda, para me tornar terapeuta. No momento, não tenho em vista “largar tudo” para trabalhar apenas com o Ayurveda – eu vejo o curso como um complemento ao que faço hoje. Para ensinar sobre rotinas, quero ter respaldo técnico, científico e um pouco holístico também, porque é como eu me identifico com as coisas. Mas nunca se sabe o dia de amanhã e a vida vai surgindo à medida que a gente vai vivendo e construindo ideias.

Uma vontade que tem batido forte nessa quarentena é a vontade de morar em uma casa legal na serra, com amplo espaço externo e uma vista para as árvores ou montanhas. Um monte de cachorros correndo pelo quintal e uma horta para cuidar. Por isso, tenho tentado incorporar alguns desses elementos dentro da minha própria casa hoje, pois o prazer é mais imediato e não depende de burocracias externas (vou comentar em posts futuros). Não pretendemos sair da casa onde moramos, que fica em um bairro legal, arborizado e, querendo ou não, da janela do meu escritório consigo ver o Pico do Jaraguá no horizonte, o que me garante um pôr-do-sol legal. Simplesmente não é o momento de mudanças drásticas e estou ok com isso, mas quem sabe mais adiante? (meu marido é absolutamente cosmopolita e não quer sair da cidade de modo algum)

Sobre a família. Minha mãe está bem de saúde. Ninguém na família, até onde a gente sabe, pegou o corona. Um pai de um amigo meu veio a falecer porque precisou fazer uma cirurgia de emergência e foi contaminado no hospital. Penso que cada vez mais teremos conhecidos indo embora, o que é muito triste.

Preciso registrar que finalmente consegui acertar meu sono nessa quarentena, o que muda completamente a minha rotina. Sinto-me bem disposta e consigo fazer todas as coisas que quero fazer. Estou tomando vitaminas novas e acertei o grau da melatonina, o que faz toda a diferença. Também voltei a tomar os meus Florais de Bach, que eu nem sei bem por que eu tinha parado.

Outra coisa que fizemos foi um encontro virtual com os meus amigos de infância, foi bem legal! De modo geral, tenho buscado fazer algo divertido todos os dias, o que ajuda demais a se manter relativamente bem durante esses dias. Paul e eu estamos maratonando uma série na Netflix chamada “Aucademia” (rsrs) e também assistindo os filmes da Marvel em sequência. Marido e eu estou estamos finalizando a maratona de “The Office” (eu já tinha assistido mas ele não, e tem sido muito legal reassistir). Aproveitei a Geek Week da Amazon para comprar alguns livros de fantasia, meu gênero preferido. Então posso dizer que termino esse mês muito melhor do que como o comecei e como ele foi se desenrolando.

Também teve um festival budista de primavera, lá na Inglaterra, que pela primeira vez foi transmitido virtualmente. Me senti muito privilegiada por poder participar, pois sempre quis ir para lá participar de algum evento assim.

Espero que o mês de junho possa ser melhor para todos nós.

23 Comments

  1. Obrigada por compartilhar seu mês, Thais. Penso como você… Uma parte do medo e da incerteza na quarentena vem da forma como este (des)governo está conduzindo tudo. Espero que as coisas melhorem para todos nós.

  2. Thais, espero que junho seja melhor que maio e assim em diante, pra você e pra todos nós 🙏🏻

    Em relação a casa de campo, uma opção para brainstorm, é encontrar uma cidade que seja “de campo”, mas bem pertinho da cidade. Aqui no MT por exemplo, como é um estado muito grande de tamanho, 60km é considerado perto, e é a distância da minha cidade pra capital. 😉

    1. Sim, foi a mesma conclusão que eu cheguei. 😁

      1. Ah, mais um exemplo para brainstorm.

        Meu pai e meus irmãos moram num condomínio de chácaras que fica a 7km da capital, são lotes de 5000m, super em conta, e é uma delííícia…. Claro que não é a MESMA pegada de uma cidade de campo, mas é totalmente diferente de morar na cidade em si, e como eles trabalham na cidade, ainda fica totalmente viável o deslocamento. 😀

      2. Thais, vem pra Granja Vianna 🙂

        1. É muito difícil para quem mora em uma região mais central encarar esse trânsito da zona sul. rs Mas o bairro é uma delícia mesmo.

  3. C. Diogo says:

    Thais, descobri você e o seu trabalho durante a quarentena. Sou portuguesa. A minha vida está a mudar graças a esta descoberta. Um sincero obrigada!

  4. Pra mim tbem foi um mês muito difícil. Aproveitei a “quarentena” para reclamar menos e olhar mais pra dentro e não gostei muito do que encontrei. Existem questões comigo mesma que não vejo solução e me fazem sofre muito. É muito difícil encarar a si mesma, ver que tem coisas erradas e não saber o que fazer.

    1. Aline, se me permite ingressar no seu comentário. Eu passei por isso quando mudei do Rio para São Paulo, pois me vi sem meus amigos de uma vida inteira, sem minha família e precisei olhar demais para dentro de mim. Voltei a me consultar com psicóloga e o caminho foi bem difícil mas acredite, é possível recomeçar. Tive muitas oportunidades de me reconciliar comigo mesma e com pessoas com quem errei ao longo da vida. É doloroso, sim, eu sei. Mas há saída. Quando a gente se conhece, aceita nossas falhas, muda o que pode ser mudado e reajusta a rota, a vida se torna muito mais leve. E eu te falo isso pois consegui modificar o q eu eu pensava ser impossível. Bjs

    2. Mandando um abraço virtual. <3

  5. Thaisv fala como vc estuda as fases da lua. Eu tb deixei o anticoncepcional na quarentena e tb quero aprender sobre coisas mais naturais. Da uma dica? Obrigada por tudo sempre!

    1. Pretendo compartilhar aqui no blog ao longo do processo, conforme apropriado. 😉

    2. Caroline says:

      Oi Márcia, eu comecei a fazer acompanhamento do meu ciclo menstrual pelo método Creighton, é um serviço pago em que a consultora orienta e nos faz conhecer nosso ciclo com todas nossas singularidades. Eu faço e gosto muitíssimo. Fica a sugestão caso queria conhecer https://www.cenplafam.com.br/sistema-de-fertilidade-modelo-creig. Abraço

  6. Thais, sigo vc em silêncio há muito tempo (com idas e vindas, desde 2014). Acho que por me identificar muito com essa sua sede de aprender, conhecer, estudar é que grudei na sua jornada (sua jornada que também tanto me ajuda, principalmente nestes momentos delicados que se manifestam atualmente, infelizmente, em tantas esferas).
    E no fim, essa introdução banal, é só pra dizer que espero que junho seja melhor para sua saúde e disposição. Vc é uma mulher muito foderosa que pode (e vai!) vencer os obstáculos que te deixaram para baixo em Maio. Eu aposto que existe um número considerável de pessoas emanando bons pensamentos para vc.
    Vai passar, vai firme que tem muita gente torcendo por vc!!
    Abraços de longe,
    Beatriz

  7. Thais, durante esse mês pude dar uma remodelada no meu sistema do GTD, principalmente algumas coisinhas na lista de próximas ações (todoist) e uma atualizada nos meus projetos. Também voltei com a produção de conteúdo para a internet (que se Litera Life), mas aos poucos. Comecei com o IG, mas pretendo reativar daqui para setembro o YT e o blog.
    As únicas dificuldades que estou tendo é gerenciar e executar as atividades da escola do EAD (sou 2º ano do EM). Não em inserir no GTD em si (projetos e ações), mas na questão de analizar o sistema da rede da minha escola e passar para o meu sistema. E sobre a questão de execução, ainda estou tentando identificar os melhores horários do dia para o contexto, mas ainda não consegui identificar muito bem.
    Seu trabalho tem me incentivado bastante a me esforçar a seguir melhor todos os 5 passos do GTD e a voltar a produzir para a internet! Muito obrigado.

    Um grande abraço (virtual)! <3

  8. Kátia Regina Gomes Ferreira says:

    Eita que consolidou meus sentimentos. Mês de maio foi difícil . Sofrido. Mas junho há de ser melhor. Obrigada por nós confortar com seus textos, vídeos

  9. Claudinha says:

    Você é uma pessoa incrível. Vai saber lidar com essas emoções e sentimentos aí por conta dessa pandemia. Vi muito do que descreveu em mim!
    Te acompanhar diariamente te me ajudado muito a me entender melhor!
    Só tenho orgulho do faz e digo que você é maravilhosa.
    Querendo dividir mais momentos íntimos, estamos aqui para ouvi-la e ajudá-la da melhor forma que pudermos !
    Continue sentindo o seu corpo e os seus momentos!
    Te admiro muito! 😘

  10. CRISTIANE says:

    Thaís, por aqui seguimos mais ou menos assim, e tudo bem. Também não sinto vontade de sair (pelo contrário) e onde trabalho (não é atividade essencial) foi determinado retorno ao trabalho, tirei as férias que podia, mas não teve jeito, desde a semana passada, passo o dia todo fora de casa e isso tem me gerado muito estresse, tanto que estou avaliando buscar uma ajuda psicológica… está bem difícil.

    Sobre a escola do Paul, sinto exatamente a mesma coisa com relação ao Rafa. A escola está totalmente despreparada para o EAD e já estou pesquisando outra para o início do próximo ano. A defasagem de ensino tento remediar com aulas aleatórias, mas não é igual e isso tem me decepcionado muito…

    Enfim, vamos um dia de cada vez.

    Que junho seja muito melhor para todos nós.

    Fiquem bem.

  11. Muito obrigada por compartilhar! Sempre me sinto muito inspirada pelas suas realizações e forma de ver a vida. Por acompanhar o blog e canal, venho me tornando uma pessoa mais organizada (claro rs), mas também mais equilibrada, venho me conhecendo mais. 🙂

  12. Márcia Carús says:

    Ah, Thaís na esperança de aprender um pouquinho contigo e conseguir fazer tantas coisas assim, rsrs.
    Obrigado 🙏
    Ah, deixar o anticoncepcional é libertador!
    Tenho 44anos e parei há quase oito anos.
    Tu vai gostar 😘

  13. Natalia Zago says:

    Já sei que vou ser fã desse podcast! Desde que comecei a escutar alguns (e amei o formato), pensei: a Thaís Godinho bem que podia ter um, rsrs. Beijos e um bom junho para vc, sua família e para todos nós!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar...

Posts mais acessados