Plenitude & Felicidade, Vida

O maior ato de amor por você mesma/o é viver uma vida legal

O maior ato de amor por você mesma/o é você poder viver uma vida, um dia a dia, uma rotina, que seja alinhada com quem você é intrinsicamente. Que seja alinhada com os seus valores. Isso inclui um conjunto de hábitos que contribuem para recompensas de médio a longo prazo, mas com grande prazer hoje, no curto prazo, também.

O que a organização pessoal proporciona é justamente esse olhar. A organização da sua rotina hoje deve, aos poucos, ser construída de modo que colabore com a vida que você está buscando viver. Não se trata de viver hoje para ter uma vida legal apenas lá na frente. Trata-se de viver bem hoje para viver uma rotina legal no momento, e que além de tudo contribua com um longo prazo que te deixe tranquila/o.

A organização é uma habilidade para toda a vida. A gente pode chamá-la de “soft skill”. Uma pessoa organizada é uma pessoa que desenvolveu uma determinada habilidade que permite que ela organize toda as áreas da sua vida dentro de um processo pessoal personalizado de organização. Ela aprende e desenvolve esse seu processo e o utiliza para organizar sua saúde, seus estudos, suas finanças, sua espiritualidade, sua casa, sua família etc.

O curioso é que a necessidade de se organizar pode nascer de um problema particular e específico. Eu mesma comecei a me interessar por organização quando percebi que, estudando em uma escola estadual, eu não conseguiria passar no vestibular, pois o ensino que tive foi defasado. Eu deveria organizar um cronograma de estudos – que foi o que eu fiz. Na época, não me interessava sequer pensar de maneira mais abrangente, como “desenvolver um processo pessoal de organização”. Na verdade, sequer passou pela minha cabeça essa possibilidade. Eu só queria organizar os meus estudos. Mas, a partir daquele projeto, vendo que tive resultados na minha vida a partir de um processo de organização que implementei, completamente adaptado às minhas necessidades, eu na verdade percebi que poderia fazer o mesmo com “todo o resto”. E “todo o resto” eram os outros problemas de desorganização que eu identificava. Conseguir um emprego. Emagrecer. Organizar minhas refeições ao longo da semana. Guardar dinheiro para mobiliar a nossa casa. Planejar uma gravidez. Terminar o TCC. Enfim, outras coisas que foram surgindo à medida que eu ia concluindo projetos e iniciando coisas novas.

A todo momento na vida, não importa a nossa idade ou as nossas atividades, nós temos coisas a organizar. É isso. Portanto, aprender um método que permita que você olhe para todas as áreas da sua vida o tempo todo e busque soluções imediatas e de longo prazo para cada uma delas é o que vai tornar você uma pessoa organizada. Você pode começar a construir esse método a partir de uma questão pontual, como organizar seus estudos para o vestibular? Sem dúvida. Apenas não perca de vista que sua vida é maior do que isso, e que estudar para o vestibular faz parte de um planejamento maior que talvez você ainda nem saiba identificar. Mas existe. Confie.

Talvez você não consiga enxergar as áreas de sua vida em uma perspectiva de longo prazo. Essa é uma das queixas que eu mais ouço dos meus alunos. Eu não sabia qual era o propósito do meu trabalho quando eu tinha 15, 19, 25 ou 30 anos. Talvez não soubesse aos 48. E tá tudo bem. O mais maravilhoso disso tudo é como a vida vai se construindo junto com a gente. O segredo está em identificar sutilezas. “Hm, talvez eu possa trabalhar com isso um dia. Eu descobri que adoro fazer tal coisa”. Você vai se conhecendo, se observando, e esse autocuidado aos poucos vai te ensinando mais sobre você mesma/o e mais sobre o que você quer ou não quer fazer na vida.

Só que, a partir do momento que você começa a identificar tais pontos, você os coloca para trabalhar a seu favor. “Poxa, eu não gostaria de passar necessidade na velhice. Logo, preciso ter um plano para minha aposentadoria.” Você pode não saber de cara quais são seus objetivos de longo prazo mas, uma vez que identifique algo, você deve saber como proceder com relação a eles. E minha abordagem é simplesmente assim:

Objetivo de longo prazo: ter um rendimento mensal na velhice que supra as minhas necessidades

Objetivo de médio prazo: ter investimentos que representem 10 anos de salários

Objetivo de curto prazo: construir uma reserva de emergência de 1 ano de salário

Recorte para este ano (projeto): pesquisar possibilidades de investimentos a longo prazo; aprender sobre juros compostos; vender itens não usados em casa para guardar o dinheiro; cortar gastos e despesas; realizar cálculos para entender quanto precisarei por mês se quiser me aposentar um dia

A gente vai desenhando esse planejamento até chegar no trimestre, no mês, na semana, no dia. Você não precisa definir coisas. Não é obrigatório. Mas, se você quiser algo, você tem como fazer, como montar esse planejamento. É isso o que eu busco ensinar com essa abordagem.

Meu dia a dia vai sendo construído de modo que ele se torne um reflexo desses objetivos de longo prazo que eu fui trazendo para o meu dia a dia e se refletem em ações na minha agenda, na minha lista de afazeres, em checklists de consulta, em mensagens que lido diariamente quando zero as minhas caixas de entrada. A vida acontece. O que a organização permite é que os acontecimentos reflitam cada vez mais o que for mais significativo para cada um de nós. Por ser uma habilidade, a decisão de iniciar é apenas sua.

Você também pode gostar...

Posts mais acessados

6 Comments

  1. Nossa, Thais, que post! Seu blog me ajuda a entender minhas prioridades, cada post é uma aula de autoconhecimento. E realmente, construímos o futuro através dos objetivos de pequeno, médio e longo prazo. Não dá pra deixar pra pensar depois, como no caso da aposentadoria/velhice, pois o depois chega “do nada” e aí você faz o quê? Senta e chora? Não dá, né. Acredito que estamos aqui no planeta para viver uma vida legal, leve e plena, e graças à organização (e o trabalho incrível que você faz) isso se torna possível.

    p.s.: amei o novo layout do blog.

  2. Ana Paula Torres says:

    Ótima reflexão, Thais!!!

    Gosto muito da maneira que você fala sobre organização ser um autocuidado e que isso pode ser vivenciado no dia-a-dia, de uma forma que vai ter impactos a médio e longo prazo!

    Um dos meus textos favoritos do blog é “Fazer do dia a dia suas férias”, vez ou outra releio, olha que trecho lindo: “Cada vez mais eu acredito que, se a gente fizer da nossa vida uma vida legal, não precisa fazer pequenas pausas para fugir dela apenas para descansar. É um desafio diário, mas extremamente compensador.”.

    Obrigada por me ensinar que a organização vai muito além de colocar as coisas fisicamente no lugar! 🙂

    1. É isso aí, é assim que eu encaro a vida sempre. 😉

  3. Taís,

    acho vc tão maneira que tenho vontade de ser sua amiga! Adoro tudo que vc faz! Também trabalho com organização pessoal e projetos pessoais e profissionais. Acabei tendo que encontrar o melhor caminho para minha própria organização e concentração. E me encontrei profissionalmente.

    grata pelas partilhas,

    Dani

  4. Jullyana Albuquerque says:

    Adorei a leitura. Ter essa visão total da organização é um dos grandes planos para esse ano. Mas sempre surge uma voz interna que diz “você mal dá conta das próximas ações e projetos… Tá ficando louca?”

  5. Luiza coelho says:

    Thais, vc sempre nos presenteia com suas reflexões. Te admiro muito e te acompanho diariamente, agora mais no Telegram e videos do youtube, pois estou com menos tempo para ler aqui no blog. Obrigada por fazer parte das nossas vidas.!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *