Celebre feliz as festas de final de ano

20
3804

Já recebi muitas críticas por falar sobre o Natal aqui no blog, já que não sou cristã. O que acontece é que, para mim, toda celebração cultural é importante. Tem um outro motivo também, que é o fato de eu adorar uma festa familiar ou com amigos queridos! Como as religiões cristãs são a opção da maioria dos brasileiros e nossa cultura está tão arraigada em suas tradições, mobilizando todo o comércio e até instituindo feriados no dia a dia, acho super comum falar de tais datas aqui no blog, já que tais celebrações influenciam na nossa rotina e, de uma forma ou de outra, acabamos assimilando cada uma delas.

Eu acredito no poder da celebração, do carinho entre as pessoas que estão todas juntas e, junto disso, do conhecimento. Quando penso na educação religiosa do meu filho, gostaria de deixá-lo livre para optar quando tiver discernimento para isso. No entanto, jamais “proibiria” tradições familiares que não o prejudiquem de forma alguma. Como minha avó, quando quis batizá-lo. Ou minha sogra, quando o ensina a rezar para o anjinho da guarda. Como diz minha mãe, são bênçãos e energias positivas. E como isso pode ser algo ruim?

No Natal, existe um sincretismo religioso gigantesco, pois diversas religiões e culturas celebram algo na mesma época. Acho tão bonita a história do Hanukkah! (que, por sinal, este ano começa em 28 de novembro). Gosto tanto dos mitos pagãos relacionados ao solstício de inverno! Entre outras festas. A própria árvore de Natal é um costume pagão assimilado pelo Cristianismo. Enfim, eu acho que sou muito brasileira nessas horas, porque adoro essas misturas. E eu sinceramente acho que tudo o que traz boas energias faz bem. Além do mais, estamos falando de cultura, e isso nunca conhecemos o suficiente. Portanto, se eu celebro “oficialmente” alguma coisa, sem dúvida é a cultura e o aprendizado que tenho observando e fazendo parte dessas celebrações. Isso é muito coerente com o que sou, independente de qualquer religião.

Imagem: Louise Glitter
Imagem: Louise Glitter

Dito isso, gostaria de falar como tem sido a minha organização para as festas de final de ano. =)

Ainda não montamos nossa árvore de Natal e, dependendo de algumas coisas que estão para acontecer (falarei assim que puder sobre isso no blog), talvez a gente acabe sequer montando este ano. Se for o caso, vou levá-la para a casa da minha avó e montar por lá, já que a dela é bem pequena e ano após ano ela se recusa a ganhar uma nova de presente. Uma emprestada talvez dê certo?

Com relação à ceia, passaremos na casa dela, como já é tradicional. Eu compro algumas coisas e a ajudo no dia, junto com outros familiares. No dia seguinte, almoçamos na casa da minha sogra. Acho engraçado esse rodízio de festas quando se é casado, mas me sinto uma sortuda por ter tantas opções. Ainda bem que nós temos tantos familiares e amigos vivos para celebrar essas datas conosco.

Eu trabalharei nos dias de intervalo entre o Natal e o Ano Novo, por isso não viajaremos para nenhum lugar. Eu também não gosto muito de viajar nessa época, pois todos os lugares ficam incrivelmente lotados e, com um filho pequeno, não acho legal.

No ano novo, faremos uma festa na casa da minha sogra, que já estamos planejando. Será algo bem simples, para a família, mas já estamos nos preparando para guardar dinheiro e decidir o que faremos de comidinhas. Vai ser bem gostoso!

Já comentei aqui antes que não vou comprar presente de Natal para ninguém este ano, mas como é difícil! O Brasil respira consumo de novembro em diante, e ver todos os seus familiares comprando presentes gera uma pressão enorme. Começo a me questionar se vale a pena passar pelo constrangimento de não ter presentes para dar no Natal, mas estou me mantendo forte. Depois do feriado, comento como foi a experiência completa.

No final das contas, o que importa é estarmos todos juntos. Estar com a minha avó, meus tios, minha mãe, meus primos, minha sogra, minhas cunhadas, minhas sobrinhas, meus amigos. Independente de ser um feriado religioso, é uma época de celebração, onde a cada ano que passa eu agradeço mais por estar viva e tendo a oportunidade de celebrar junto com eles.

20 comentários

  1. Bom, eu sou cristã e não gosto do Natal. Na minha infância todo Natal era comemorado na casa dos meus avós, porém, com o tempo isso acabou e o Natal perdeu um pouco aquele sentido da comunhão e sabemos que o Natal na verdade é uma festa pagã, que não gostamos, mas isso vai de cada um. Gosto bastante do Ano Novo, comemoro muito com a minha família, faço questão. Quanto ao $$, costumo comprar algumas peças de roupa bem antes do Natal e guardo o dinheiro para depois das festas, quando tem muita promoção. Eu compro presente somente para meus pais, filha, marido e para o amigo oculto corporativo.

  2. Gostaria de comentar esse post pois há 2 anos venho acompanhando esse site maravilhoso q me tem colocado nos eixos.. RS desde final de 2011 q vinha tentando engravidar e até o final do ano passado não tinha conseguido, qdo foi novembro resolvemos fazer aqui em casa eu meu marido e nossa filha o thanksgiving Day q nada mais é um dia para agradecermos o ano q passou… Nai faz parte da nossa cultura, mas com criança td vira festa e o jantar foi maravilhoso! Só tínhamos a agradecer mesmo… Não sei se foi coincidencia mas no mês seguinte engravidamoa! Com certeza esse ano faremos de novo e ess datá já entrou para o nosso calendario! Obrigada por td Thaís!

  3. Eu ainda não comecei a preparar nada para o natal. Só sei que passo ou o natal ou o ano novo na casa do namorado, pois revezamos as festas. Creio que será o natal, já que a família dele adora se reunir. A minha já prefere uma festa no dia 1º de janeiro…

    Quanto aos presentes, ainda não decidi nada ainda. Pros outros amigos quero dar um chocolate com votos de boas festas… Mas que é complicado não dar nada, isso é mesmo!

  4. Nossa, to aqui torcendo pra você conseguir se segurar e saber contornar bem a situação. Muita gente costuma ficar ressentida quando não ganha alguma coisa.

    Eu amo o Natal justamente pela troca de presentes que fazemos sempre à noite em volta da árvore. Mas de uns tempos pra cá, inclusive com as dicas do seu blog eu parei pra pensar sobre os gastos de final de ano com mais atenção. Então faço assim, se por exemplo, não tive dinheiro pra dar um bom presente de aniversário pra minha mãe então eu capricho no Natal, e vice e versa, quem já ganhou coisa boa durante o ano recebe lembracinha agora rs!

  5. Nós fazemos amigo secreto no Natal, é uma forma de todos ganharem presentes sem muitos gastos e também o momento em que falamos o que sentimos por nossos entes queridos. Já fazem uns 13 anos que fazemos isso nos Natais.

  6. Concordo contigo, as pessoas confundem religiosidade com espiritualidade. O Natal tem um significado muito maior que o nascimento de Jesus (que provavelmente nem nasceu nesta data). A Humanidade está perdendo o contato com os ciclos da natureza e do planeta. Mais importante que esta festa ser desta ou daquela religião é o fato de os ciclos da natureza ocorrem ciclicamente todos os anos e temos que nos dar conta disso. E o melhor jeito é comemorando o Natal, o São João, a Pascoa e o dia de São Miguel. Um beijo

  7. Amei este post! Sou pagã e temos uma celebração na noite de Yule que é o Natal Cristão, percebi que esse ritual que fazemos é super a cara do Blog. É o que chamamos giveaway, meditamos sobre a fase que estamos vivendo, sobre o desapego. E escolhemos um objeto que apesar de ter um significado em nossa vida, ele já não pertença mais a essa fase que vamos iniciar, ou até um objeto amado, mas que queremos que ele pertença a outra pessoa agora. Embrulhamos para presente e colocamos no altar ou junto com a árvore. Depois que todos os objetos estão juntos, cada um vai escolhendo um objeto novo, e ao abrir a pessoa que era a dona do objeto conta a história do desapego. É sempre muito emocionante, se a gente acaba recebendo exatamente o que estava precisando.
    Desculpe o comentáro longo. Mas queria contar! Beijos Amo o Blog!!!

  8. Acho meio engraçado e um tanto quanto hipócrita reclamarem por tu postar sobre o natal não sendo cristã, levando em consideração que, originalmente, se trata de uma festa pagã… mas sei lá.. minha opinião né

  9. Thais,
    Depois de ler o seu post eu não pudo deixar de responder. Eu acredito em Jesus, vou a igreja e me policio para viver o que é coerente para mim. Não vou me intitular “evangélica” pois não é um time , nem um clube. É minha convicção.
    Quando era criança eu esperava ansiosamente pelo natal. Eu sou a caçula de quatro irmãos e era a época que eu ganhava um presente, além dos aniversários e dia das crianças. Quando virei adolescente, passei a gostar ainda mais, pois era garantido um walkman, um cd e até um livro de presente.
    Hoje em dia passo com a minha família a véspera e no dia 25 passo com a sogra. A gente faz assim pois moro perto da família do meu marido e a minha mora em outra cidade. Então são quatro famílias, ou seja no total são 15 pessoas.
    Eu já cansei de torrar nosso décimo terceiro com os presentes. Eu já dei só lembrancinhas. Sempre é a mesma coisa, uma mera troca de presentes.
    Tenho três sobrinhos, sendo um mais novo que o meu filho e dois adolescentes. Para esses eu faço questão de dar presente, pois eles já contam com isso. o meu sobrinho quer uma coletânea de oitenta reais, e ele faz aniversário em maio e não celebra mais o dia das crianças. Você acha que eu não vou dar???
    Eu insisto no amigo oculto da família, pelo menos a minha, que são doze pessoas. Se fosse assim, seria uns sete presentes ao invés de 15. Eu acho um amigo oculto até cinquenta reais super justo. Mas a minha família não aceita.
    No final, fica aquele corre corre na árvore pois tem que ser em quatro vezes a rodada de presentes ( minha mãe, minhas irmãs e eu) e no final a gente ganha umas coisas que até uso mas não escolheria, sabe?
    A minha sogra normalmente acerta mais no presente e não faz questão de ganhar. Ela sabe da minha rotina. Ela normalmente compra uma roupa para o meu filho ou um brinquedo bem simples. Para nós dois ela dá sempre o básico, camisa, bermuda e de marcas mais populares. Ela tem um hábito superlegal de dar uma coisinha no mesversário dele, me pergunta o que estou precisando enfim não me abalo com isso.
    As minhas irmãs trazem aquele presente mais caro para o meu filho, o que me obriga a dar algo na mesma proporção para os meus sobrinhos. Eu tento me livrar disso e absorver que elas tem o direito de dar o que querem para o sobrinho. E eu não tenho que me sentir mal por não poder retribuir.
    Esse ano eu não quero dar nada, eu já falei para as minhas irmãs e deixei bem claro para cada família comprar o presente para os seus e para as crianças. Nós não vamos gastar conosco então eu terei cinco (darei um panetone para cada casa) para presentear. Elas me disseram que vão me dar uma lembrança.
    Conto isso tudo para mostrar essa problemática e essa “obrigação” no Natal. Infelizmente deixou de ser uma festa cristã e virou uma mera troca de presentes. Eu já assassinei o coelhinho, agora quero dar gravata no papai noel. Quem quiser me dar, eu agradeço. mas não vou ficar na obrigação. Quando eu puder eu compro algo. Eu vou começar a poupança de natal no ano que vem e vou comprando algo mais pessoal ao longo do ano. Ao invés de gastar 80 em um presente de aniversário, eu gasto 40 e guardo para o natal.
    A escola do meu filho adotou uma bela atitude. Pediu para cada mãe separar um conjunto de roupa ( sapato, camisa, calça) e um brinquedo para os pequenos doarem nos orfanatos. E as crianças devem fazer parte do processo. Vou incentivar isso todo ano.
    Para finalizar, não quero criar o meu filho com a imagem do papai Noel, tirar foto no shopping, colocar sapatinho na janela. Tem algo mais cético do que isso? Quando ele perguntar direi que pessoas sempre compram e dão para o papai noel dar de presente. E que nós preferimos comprar nós mesmos e levar ele para ajudar a escolher.
    Para finalizar, coloco essa cena que eu acho que resume bem as festas de fim de ano.
    Beijo grande.
    http://www.youtube.com/watch?v=u-0JvtmhkbY

    • Puxa! tb cansei desse troca troca de presentes há alguns anos e me estresso com o troca troca de casas: mãe e sogra! Agora que estou prestes a mudar de país vou poder ter certeza se tudo isso realmente nao eh importante pra mim. Preferiria tb que o Natal fosse apenas uma festa cristã e não comercial como deveria ser!

  10. Oi, adoro o Natal principalmente os preparativos, sempre amei montar a arvore com centenas de luzinhas e enfeites, mesmo no ano que tivemos perdas fizemos…sei que e uma data comercial e é difícil não ceder aos apelos, mas aos poucos vamos nos conscientizando do verdadeiro espirito Natalino. Este ano combinamos dar agradinhos de presente, um mimo apenas, vamos ver se dara certo, kkkk
    Para nossa familia o Natal é um encontro, jantar em familia, agradinhos e as vezes umas briguinhas…normal…mas e isso.
    Até mais.

  11. Eu acho deselegante uma pessoa presentear e a gente não dar nada em troca. Principalmente com crianças… As pessoas presenteando meu filho e eu não dar nada aos filhos deles, fica chato. Pega mal abeça, fora que imagina se elas resolvem não dar nada ao seu filho no próximo ano já que você não deu nada aos filhos deles… Mesmo que a criança seja preparada é chato pra ela ver todos os priminhos ganhando presente menos ela. Acho muito desconfortável a situação, é constrangedor.

  12. Natal é uma festa cristã. Sou cirstã, mas comemoro de certa forma até pagã… Vamos lá…

    Natal eu e minha mãe sempre vamos à casa da minha Tia, visto que meus avós são falecidos, e meu pai também. Desde o ano passado incluí meu noivo nesse ritual. Minha mãe enfeita toda a nossa casa, fica parecendo um shopping, pois temos muitos enfeites acumulados ao longo dos anos. Os enfeites sujam e as vezes me estressam, mas minha mãe ama isso e nunca tiraria isso dela. Quando eu tiver minha casa penso melhor em minimalismo e economia nesse item “decoração de natal”.

    Na casa da minha tia todos gostam muito de comer! Então, contribuo na ceia (financeiramente mesmo), dou uma mão nos preparativos, nos reunimos e comemos bastante, é aquela tradição mesmo.. Todos à mesa, peru de Natal, arroz colorido, rabanada etc etc…

    Meia noite tem a troca de presentes, é muito legal. Trocamos apenas lembranças, como camisetas e chinelos, coisas desse tipo, úteis e baratas mesmo. Teve um ano que ganhei um guarda chuva… Adorei, foi muito útil, mas neste ano dei pro meu primo uma camisa do flamengo que me custou quase cem reais… Em outro ano, dei porta retratos de presentes com fotos da família pra todos.. Minha tia até se emocionou e chorou, foi lindo… Vale a pena, e vemos o amor entre a família.

    Não nos preocupamos em roupas bonitas, sempre ficamos bem a vontade mesmo. A casa sempre é enfeitada de forma característica, minha tia adora tudo isso.
    Se gastamos dinheiro? Sim, claro. Mas acho que vale refletir sobre tudo… É obvio que quero economizar, ter dinheiro e tal… Esse ano estipulei lembranças de até 15 reais pra todos. Já comprei alguns itens e tenho em mente outros pra comprar.

    Quanto vale a sua família? Você prefere ficar sozinho em casa quando todos comemoram em vez de gastar? Eu economizo em muita coisa, mas na minha opinião, família não tem preço.

    PS: Thaís, desculpe o comentário longo… Adoro “falar” aqui no blog…

  13. Querida, gostei do seu comentário sobre natal e concordo inteiramente com você. Natal é momento de confraternização, de união é a reunião da família ver amigo, os parentes. Gosto muito desta data!
    Só estou um pouco triste porque você não respondeu um apelo meu sei que é muito ocupada, mas te admiro muito e gostaria que respondesse.
    Mil beijos

  14. Thais, acho que eu já disse algo parecido em alguma ocasião, mas vou repetir: você é uma pessoa que compartilha o que sabe com estranhos. Abre mão de seu tempo, para dedicar esse tempo a nós, seus semelhantes. Suas postagens e respostas são sempre respeitosas e gentis, cheias de generosidade.
    Então, pra mim, vc está imbuída do verdadeiro espírito cristão.

  15. Olá, li os comentários é muito legal ver como cada leitora pensa sobre o assunto, eu sou muito racional ao Natal relação e tento ser coerente com o que creio, eu sou Cristã, esta é a minha fé, então o Natal e pra mim uma data simbólica do nascimento de Jesus, então não me preocupo com presentes nem para os meus filhos, eles foram ensinados que o aniversário não é deles e sim de Cristo, então o presente é pra Ele, até bolo tem, fujo de enfeites que não condizem com a minha fé como Papai Noel e outras coisas pagãs, nos envolvemos em cantatas de Natal na véspera e no dia é o Niver de Jesus. O importante e ser coerente com o que crê e não fazer as coisas para agradar os outros ou porque a sociedade, o comércio vende tal imagem de Natal.

  16. Eu sou cristã e fui criada em uma família católica. Quando criança me encantava a magia ao redor do Natal, mas já na adolescência começou a me incomodar, minha família é grande e vejo muita hipocrisia, pois o ano todo as pessoas mal se falam, e quando chega esse dia é um amor e perdão para todo lado. Não acho que deva existir uma data em que as pessoas finjam ser o que não são.
    Logo que me converti, fui muito radical, inclusive saindo da companhia de minha família, o que hoje considero como um gesto não cristão, pois mesmo que a comemoração fosse contrária a minha fé, perdi a chance de passar momentos que a minha família julga especial.
    Eu não comemoro o nascimento de Jesus, pois sei que o Natal comemorado hoje nada tem a ver com o verdadeiro cristianismo. Mas como você disse é um dia especial para estarmos com quem gostamos, e já que é feriado e podemos estar em casa com os nossos, vamos aproveitar.
    Não dou presentes no Natal, sempre que vejo algo que realmente combina com alguém que eu gosto eu compro, independente da data. Hoje, passamos o Natal somente os de casa, num churrasquinho simples e vez ou outra um singelo amigo secreto, só pela brincadeira.
    Hoje, eu e meu marido estamos planejando ter filhos, e já decidimos que ele não será criado nessa expectativa de Papai Noel, coelinhos e presentes. Vamos deixá-lo mais leve sabendo que o amamos muito e estaremos presentes sempre, não somente em feriados.
    Eu sou leitora assídua e apesar de não comentar normalmente, quis dividir essa experiência.
    Obrigada por partilhar sua vida conosco, Thais.

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui