Algumas atitudes tomadas com relação às nossas finanças

76
4521
Imagem: Mind Body Green
Imagem: Mind Body Green

Eu sou uma pessoa organizada, mas meu ponto fraco são as finanças. Já fui muito consumista e ainda considero essa a minha maior dificuldade. No entanto, sei que faço bons avanços e, ultimamente, venho tomando algumas atitudes simples que têm nos ajudado a equilibrar as finanças em casa. São elas:

  • Praticamente parei de comprar revistas. Como gosto de pesquisar muitas para ter referências para o blog, descobri que não poderia gastar tanto dinheiro comprando todas as revistas que eu gostaria, todo mês. Então, uma vez por mês, vou a uma grande livraria e invisto um tempinho folheando as revistas e fazendo essa pesquisa. Acabo comprando uma ou duas, geralmente quando tem várias matérias sobre organização, mas na maioria das vezes não compro nenhuma.
  • Diminuímos o plano da NET (telefone, TV a cabo e internet) para o mínimo. Eu praticamente não assisto TV. Meu marido gosta de ver filmes. Meu filho assiste desenhos, mas só. Então colocamos o plano de TV a cabo mais básico e mais barato, diminuímos a velocidade da Internet e mantivemos o telefone. A economia foi considerável.
  • Procuro fazer o máximo de serviços em casa mesmo. Não temos faxineira, estou dando um espaço maior para ir ao cabeleireiro (a franja eu corto sozinha), faço a sobrancelha em casa, depilação, unhas, entre outras coisas. Tudo o que puder economizar, estamos economizando atualmente.
  • Estou trazendo comida de casa todos os dias para o trabalho. Almoço fora excepcionalmente – quase sempre quando é aniversário de alguém, por exemplo. Eu gastava cerca de R$25 por dia com o almoço na empresa (todos os restaurantes aqui perto são caros). Essa economia é o suficiente e ainda sobra para fazer as compras para todos nós no mercado.
  • Parei de anotar meus gastos. Pode parecer uma heresia, mas eu estou economizando tempo também. Isso só tem dado certo porque eu simplesmente não estou gastando com nada que não sejam compras no mercado, contas e necessidades da família. Então assim eu consigo controlar bem. Semanalmente, eu vejo meu saldo e fico consciente do quanto ainda tenho e não passo daquele valor. Mas eu ainda recomendo a prática para quem gasta bastante no dia a dia.
  • Estou comendo menos! Mudei minha alimentação e agora estou gastando menos no mercado. Como de três em três horas uma fruta, por exemplo, e almoço e janto quantidades menores de comida. Estamos gastando cerca de 50% a menos no mercado só com essa mudança.
  • Meus gastos atuais se resumem a investimentos necessários no dia a dia. Sequer me lembro da última vez que comprei algo supérfluo. Minhas últimas compras foram alguns livros para estudo, roupas para trabalhar e roupas para a academia (não tinha nenhuma e comecei este mês).
  • Pago todas as contas adiantadas para aproveitar os descontos. E sim, estou considerando colocar a maioria em débito automático, para fugir do processo de pagamento. Mesmo pelo Internet banking, toma um certo tempo.
  • Inspirada pela Larissa, resolvi participar desse desafio de 52 semanas de finanças. A ideia é ir guardando bem pouquinho a cada semana na poupança. O montante final não é o mais importante, mas o hábito de guardar dinheiro.  Vou fazer!

São pequenas atitudes, mas que estão fazendo grande diferença em nossa casa com relação ao dinheiro.

E você, implementou algo diferente nas finanças da sua família no último mês?

76 comentários

  1. Amei esse post Thais, eu sou super consumista tb, amo uma revista e de uns tempos pra cá tb nao tenho comprado nada!
    Vou adaptar a minha vida as suas outras dicas.

  2. Uma dica para quem quer organizar suas financas e ter um futuro mais tranquilo é ler e APLICAR as dicas dadas pelo Livro “O Homem mais rico da Babilonia”. O que o autor ensina lá já é praticado há seculos pela maioria dos europeus, mas para muitos brasileiros ainda é um desafio, mas vale muito a pena! Supere recomendo a leitura!

  3. É bem melhor viver com menos!
    Demos um cofrinho (com segredo e tudo) para minha filha… ela não pode ver uma moedinha que já coloca no cofrinho…
    Vou começar a ideia da poupança. achei super legal, e no final de um ano, tem mais de 1.000, para presentear a si mesma…

  4. Aiaiai… Tô precisando e tentando me organizar de todas as formas!! E seu blog é sempre essencial pra mim!! Vou adotar a idéia da Larissa… Adorei!! 😀

  5. Olá Thais,
    Eu nunca tive hábito de anotar gastos e isso nunca me impediu de ser econômica e controlada.
    Uso débito automático há 20 anos, inclusive para os meus cartões de crédito. Considero bastante seguro e eficiente.
    Também não tenho comprado supérfluos, mas a despesa com mercado aumentou, porque os preços subiram.
    Comer fora está muito caro. Roupas, mesmo as essenciais, estão bem caras também.
    Aqui fiz umas pequenas modificações. Sexta-feira é dia de pizza. Passamos a preparar a pizza em casa. Fica bom e custa metade do preço. Estou lavando roupa apenas 2 vezes por semana para aproveitar melhor a capacidade da máquina. Estou gostando.
    Como adoramos comer fora no final de semana e não queremos abrir mão, estamos escolhendo restaurantes com preços mais justos, abdicando daqueles que aumentaram demais a conta. Se queremos pratos mais caro, deixo para preparar em casa mesmo.
    Diminui as revistas também.
    Já tenho pacote intermediário de TV a Cabo. Velocidade de internet, preciso aumentar, porque trabalho em casa.
    Minha última empregada doméstica pediu demissão e setembro no ano passado e nunca mais consegui outra, mesmo oferecendo um bom salário. Passei a contratar diarista 2 vezes por semana e me adaptei. Meus gastos diminuíram mais do que eu esperava. Está tudo funcionamento bem. Todos precisam colaborar um pouco, mas gastamos menos e temos mais privacidade.
    Bjs,

    • Verdade, as roupas estão caríssimas. Mês passado precisava comprar algumas camisetinhas para ir trabalhar, dessas básicas mesmo, e só encontrava por 30 ou 35 reais em lojas tipo Renner e C&A. Até que encontrei algumas por 13,90 na Riachuelo! A gente tem que procurar mais quando quer economizar.

  6. Sim, venho adiando a ida ao cabeleireiro usando um lápis próprio para disfarçar a raiz branca. Eu mesma faço a depilação, sobrancelhas e nas unhas uso lixa e uma base. Desentoquei roupas e sapatos guardados e pus em uso. Achei coisas que nem lembrava que tinha. Os presentes se tornaram modestos, dou artesanatos feitos por mim. Nada de gastar em 5 vezes no cartão, coisas que não são importantes. Na alimentação não economizo na qualidade, mas não há desperdício aqui em casa. Só compro o que for consumir de imediato. A geladeira é quase vazia, pois o supermercado fica bem pertinho de casa.
    Beijos, adoro seu blog. Continue com o destralhe-se,estou seguindo.

    • Adoro presentes feitos pela própria pessoa. Eu sou um pouco contra essa ansiedade dos presentes. Quando eu disse que daria um livro que meu filho ficou apaixonado na livraria de presente de aniversário, muita gente achou absurdo por eu não comprar algum brinquedo gigante ou eletrônico, por exemplo, porque é aniversário. Para mim, o presente é só um agrado… não deveria ser motivo de endividamento.

  7. Comigo tiver que mudar de estrategia. Quando solteira estava acostumada que meu pai organizava as contas da casa. Quando casei vi que isto não dava certo com meu marido. Ele não gasta o dinheiro com besteiras nem gastos superfulos. Mas fica com o dinheiro guardado sem sem saber o que era mesmo para pagar. O coitado se atrapalha todo. No primeiro ano de casamento vivíamos bricando por isto. Eu não conseguia acreditar como ele não conseguia lidar com uma agenda. Ate que tomei a decisão. Resolvi assumir as coisas. Agora a gente recebe o pagamento. E eu controle as datas de pagamento. Acho tão engraçado que as vezes ele pergunta pra mim: Tava pensando em compra tal coisa. Será que compro este mês ou espero mês que vem? Montei uma planilha no excel. Para nós tem funcionado bem. Mas ainda quem lança e controla os gastos sou eu. Resolveu o problema. As contas estão pagas em dia e a gente não briga mais. Pelo menos não por isto..rsrsrrs

  8. amei essa ideia das 52 semanas.. pensando em adota-la, mas no lugar de colocar o dinheiro em um pote, colocar na poupança, assim rende um pouquinho a mais. tenho uma conta poupança que era do fundo de formatura e está em desuso. posso aproveita-la.

  9. Thaís, 50% a menos no mercado? me ajuda com isso!
    falando sério, o mercado leva uma parte muito grande do orçamento lá de casa (somos 3 pessoas em casa), e isso tá me deixando preocupada!
    fale mais sobre isso se puder.
    beijos.

    • Eu estava somente consumindo carnes, então isso pesava muito no orçamento, já que é disparado o item mais caro. Comer mais frutas nos intervalos das refeições me ajuda ater menos fome e, por isso, comer menos.

      • A gente também parou de comprar supérfluos. Eu adoro queijo gorgonzola, por exemplo, mas um naco por semana chegava a uns 30 reais por mês! Fomos cortando essas coisas.

        Agora, o que eu não faço é deixar de comprar alimentos de qualidade para economizar. Não deixo de comprar um leite Paulista ou Parmalat para comprar um Italac, por exemplo (nada contra, apenas não gosto do sabor). Mas o que puder ser cortado, nós cortamos.

  10. aqui em casa meu marido e eu não compramos nada a prazo. Quando precisamos de artigos mais caros (eletrodomésticos, por exemplo), pesquisamos os preços, juntamos o dinheiro necessário e pagamos à vista. E eu, particularmente, guardo 10% dos meus rendimentos na popuança todo o mês. É claro que tem aquela máxima: “ah, mas nem sempre sobra…”. Gente, sobra sim! É só colocar todos os gastos mensais no papel, cortar umas “gordurinhas” e no final do ano, desfrutar de uma bela economia!

    • Discordo do “sempre sobra”. Quem recebe salário mínimo e paga aluguel não tem muita opção. =/ Tem gente que faz rodízio das contas a pagar no mês, tamanha a dificuldade. Mas claro que isso não se aplica a pessoas como nós, que temos acesso à Internet, só para começar. Então concordo com você quanto ao resto.

  11. Alem de DIY muita coisa, como reformas em casa, limpeza, corte de cabelo, etc, acho que o ponto mais importante pra um bom controle financeiro eh: nunca gastar mais do que se ganha. Parece bobo mas eh onde a maioria das pessoas (e eu, no passado) erram.

    Por isso aqui em casa a gente nao compra nada a prazo nem parcelado. Aprendi isso em alguns blogs estrangeiros e lendo sobre financas pessoais. Se a gente precisa comprar algo parcelado ou a prazo, a realidade eh que nao temos condicoes naquele momento de ter aquele bem, aquele servico… Duro, mas a verdade. Se a gente pode, ok, mas se nao pode, nao pode. nao fazemos nenhuma divida por querer algo que nao podemos ter no momento. So compramos quando juntamos e podemos pagar a vista. Eh um exercicio de auto-controle enorme, mas tem algo bacana em aceitar que no momento nao podemos fazer ou ter algo como fazer uma viagem pra NY ou comprar um tapete maravilhoso que vi e custa um rim. Alem de ser libertador de dividas, da um mega incentivo pra economiazr e juntar pra um dia fazer a tal viagem ou comprar o tal tapete…

    • Mas Thais, isso só serve para os supérfluos, né? Se, por exemplo, a geladeira de vocês quebram, e vocês não têm uma reserva em $, como vão ficar sem se não parcelarem no cartão?

      • Thaís,

        É nesse momento que devemos contar com aquela reserva que acumulamos para casos de emergência. Nao tem jeito, esse dinheiro deve ser separado todo mês.

        Abraços e parabéns pelo blog 🙂

      • Faço como ela disse, não compro nada a prazo…mas ano passado a geladeira quebrou! rsrs e queríamos uma boa e grande, a família cresceu…foi em 10 vezes, mas pechinchamos em 3 lojas até conseguirmos o melhor preço.

        Uma grande economia recente foi tirar a fralda da minha mais nova. Da mais velha tirei com 1 ano e 9 meses, e a menorzinha agora com 2 anos e 2 meses, finalmente. É uma economia enorme!!! E as fraldas noturnas parei com a frescura de comprar turma da mônica e pampers, é só pompom, muito mais barata e segura muito bem 🙂

      • EXATO THAIS, por exemplo estamos em fase de mobiliar/equipar a nossa casa aí não tem jeito, como pagar a vista????

      • Emergency fund, ou tambén chamado de sinking funds: a primeira poupança a se fazer é uma de emergência para casos assim. Depois vêm as poupanças para os supérfluos!

  12. Eu divido o quanto ganho pelos 30 dias do mês para saber quanto posso gastar, NO MÁXIMO, por dia. Ser gasto mais num dia, fico “devendo” para mim mesma no outro, e cada dia em que não saio de casa e faço coisas que economizam meu dinheiro – pequenos reparos, serviços domésticos, enfim, coisas que ia pagar para fazer, comemoro! No dia em que não saio de casa, também, por causa disso, já economizei passagem, comida na rua, roupa…

    Também coloco tudo no cartão, porque vem tudo discriminado na fatura e sei para onde está indo o dinheiro, sem precisar ficar anotando, e ainda aproveito o programa de vantagens do cartão de crédito…

  13. Adoto algumas regrinhas:
    – “Pague primeiro a você mesmo.” Todo mês, separo e aplico 10% do dinheiro que entrou, ANTES de qualquer outra coisa. Aí faço o planejamento das despesas do mes, contando só com os outros 90%. Nesse planejamento entra tudo: roupas, lazer, etc. Em épocas melhores, já guardei 15%. Em épocas ruins, 8%. Não menos que isso.
    – Também não fico anotando os gastos diários. Faço um bom planejamento mensal numa planilha. Procuro pagar tudo com cartão, assim no fim do mês tenho um relatorio completo e detalhado de gastos. Despesas pequenas (tipo um café, uma revista, um estacionamento), defini um valor mensal que posso gastar. Pego esse valor em dinheiro, deixo na carteira e vou usando. Se acabar, acabou!
    – Não faço dívidas, nem parcelamentos – nos moldes da Thais aí de cima… Então, se aparece alguma despesa inesperada, ela é encaixada normalmente no orçamento do mes (que não está comprometido com prestações).

  14. Oi Thaís,

    eu e minha família nos mudamos para os EUA em Janeiro, então aproveitamos para adotar algumas medidas pra controlar nossas finanças e conhecer padrões de consumo (coisa que sempre achei essencial e nunca fiz). Agora temos somente um cartão de crédito, que nunca fica comigo, porque eu já assumi que sou consumista mesmo e não “me comporto bem” com um cartão em mãos, hehe. Também procuramos ter o mínimo possível de serviços contratados – são menos contas pra pagar e colocar no orçamento todo mês. E também estou guardando todas as notinhas de mercados, lojas e afins, e separando os gastos por categorias (no mercado, compra-se comida, mas também artigos de higiene, limpeza, uso pessoal etc) para descobrir pra onde exatamente nosso dinheiro vai todo mês. Acho que isso vai levar a um orçamento mais realista e vamos saber se precisamos cortar em algum setor específico.

  15. Aqui em casa também sou eu quem gerencia os gastos da família. Tem dado super certo. Todos os gastos são lançados na planilha do excel e quase todas as contas estão em débito automático, até mesmo as faturas dos cartões de crédito, sempre pagos pelo valor total e aproveitando a conversão em milhas.
    Disponibilizo um valor fixo para os cartões e vou vendo durante o mês quanto ainda posso gastar. Prefiro pagar sempre a vista, mas se não der, o menor número de parcelas possível.
    Uma estratégia que adotamos desde que nos casamos é de fazer uma transferência automática da conta-corrente para a poupança todos os meses. Trato essa transferência como se fosse uma despesa fixa. Assim, temos uma reserva para emergências ou para aquela viagem ou algo que queremos comprar.
    Deixei de comprar amaciante, desinfetante, multi-uso e substituí tudo pelo vinagre. Só não consegui abrir mão do desengordurante, por enquanto 🙂
    Comprei uma máquina de fazer pão e desde novembro que só comemos pão integral caseiro, sem aditivos e tal. Maravilhoso!
    Revistas compro muito raramente, mas leio na internet. Livros, segui sua sugestão e estou comprando na Estante Virtual, muito barato!
    Não tenho mais diarista, pinto meu cabelo em casa, mas faço as unhas com manicure a cada 15, 20 dias. Tenho que me fazer um agrado de vez em quando, depois de tanto esforço para economizar, né? 🙂

      • Oi Renata. É isso mesmo, no lugar do amaciante coloco a mesma medida de viangre na máquina. Não fica com cheiro, não. Talvez porque onde moro faz um calor louco e as roupas secam no varal, ao ar livre, debaixo de um bafão daqueles 🙂

  16. Bom disso ai eu entendo bem, sou super econômica. Quem me conhece nem acredita o quanto consigo e sei economizar. Já tô até assessorando os amigos! hihihi

    Bom, na minha vida já tive muito pouco dinheiro, muito pouco mesmo ao ponto de viver de doação, triste? Não! Acontece, sim. Pais separados, mãe ficou doente e estávamos eu e ela em uma nova cidade, sem desespero decidimos ser super econômicas e que eu ia estudar muito e me tornar alguém. E posso afirmar com toda certeza que isso deu muito certo. Hoje sou servidora publica (nível médio ainda, logo mudo isso) e sempre traçando novos planos… Tá vou tentar voltar ao tema, né…

    Passei no concurso faz 3 anos e decidi seguir uma regrinha que aprendi com uns árabes: dividir o salario em 3 partes, a primeira é para suas contas, a segunda para os gastos diários e a terceira é para poupança. O que entra nas suas contas; água, luz, telefone, net, tudo mesmo que for conta, se não der tú vai pedir emprestado a segunda parte.

    A segunda parte é o seu dia a dia, aquele lanche que vc faz, comprar roupa, a diarista…. Ai já sei que o povo pensa mas não dá, ah dá sim, já teve mês que eu tive que pegar quase tudo da segunda pra dar certo o mês, tipo passar o mês com 50 reais na carteira e deu tudo certo, fiz o básico e ponto.

    E a terceira é pra poupança, no meu caso eu delimitei mil reais todo mês, só mecho na poupança em emergências no caso a saúde da minha mãe, só, ah e sempre que tiro algo depois tenho que repor! No caso, sua poupança vai ter um objetivo que eu chamo de meu sonho. Meu Primeiro sonho era ir para Argentina, e eu na época vivia de “bicos”, acabei juntando 15 mil reais em dois anos e meio e olha que eu ganhava uma média de um salario por mês. Não viajei, juntei com o dinheiro de uma herança recebida por minha mãe e compramos nosso 1º apê, pronto o fim do aluguel, é uma kit bem pequena só coube uma cama no quarto, até hoje durmo confortavelmente num sofá-cama na tal sala/cozinha hihihi. Mesmo sendo servidora pública? Sim, pois agora veio o segundo sonho, o carro!

    Financiar e pagar o quase o valor do carro 2X, nunca! Sério eu tinha que pegar dois ônibus para ir pro trab, sabe o que eu fazia, andava o caminho de um deles para economizar passagem e academia. Quando a poupança chegou ao valor do carro, eu conheci o homem da minha vida e olha ele já tinha carro! Interesseira não! Apenas fizemos um acordo, o sonho mudou de nome, a poupança virou a entrada do nosso futuro apartamento e nós dividimos as despesas do carro, pois hoje o carro é essencial.

    Ainda durmo no sofá, ainda vou a lugares perto a pé pra economizar gasolina, compro roupas no ebay quando quero “modinha”, faço a faxina em casa, unha, cabelo, tudo eu faço. Aparentemente todos nem acreditam que eu economizo tanto pq eu nunca deixei de aproveitar nada e assim sou feliz!

    É acho que não economizei no post, tá enorme hihihi mas espero que minha economia toda possa ajudar alguém… Ah, Realizei o sonho de ir pra Argentina e nem precisou da poupança! =D

    Beijos a todos.

    Ps2: Thais adoro seu blog!!!! Sou maníaca por organização e uma das minhas profissões é Arquivista pense!? Estamos juntas na organização!

  17. Sim, claro Thaís. O “sempre sobra” se refere às famílias/pessoas que possuem determinados recursos e salários que permitem “jogar” com as despesas mensais. É o nosso caso aqui em casa, apesar de eu viver de bolsa de doutorado da CAPES (não tenho férias, 13°, auxílio alimentação, etc). Já o meu marido é professor municipal e o nosso dinheiro tem que dar para todas as despesas, incluindo aluguel. Mas, concordo com vc sobre o pessoal que tem de fazer o dinheiro “chover pra cima” e não consegue economizar…

  18. Thais, adorei o post e tantas dicas bacanas das colegas leitoras. Você nos ajuda bastante! Confesso que tenho um grande problema em organizar as finanças. Até anoto tudo, mas acabo me atrapalhando…Vou experimentar colocar em prática a ideia da Larissa das 52 semanas e ler o livro indicado por Elis. Valeu!

  19. Eu realmente acho que economizar e guardar é a melhor escolha. Mas esse “sempre sobra” só serve para alguns casos. Existem coisas que não dá para economizar. Principalmente se a pessoa tem filhos. Tipo, eu me endivido, mas minhas filhas vão estudar numa escola boa e terão todos os livros, fardamentos e material escolar. E, infelizmente, para isso, muitas vezes recorro a parcelamentos. Mas não é algo que possa esperar. É claro que posso me planejar e prever esses gastos, mas se não fiz isso antes e não posso fazer agora, já que a dívida feita onera o orçamento, fica difícil.

    Estou apertando os cintos e a cada mês fico mais perto da possibilidade de juntar algum dinheiro no banco e mudar essa realidade. Mas minhas filhas não serão crianças para sempre e precisam de recursos materiais hoje.

    E hoje posso até dizer que está tudo bem! Passei um ano da minha vida quando era professora do estado em que meu salário não chegava nem perto de cobrir as contas. Por mais que eu analisasse o orçamento, era visível que de fato não tinha o que cortar. Foi um péssimo ano e até hoje, 3 anos depois, sofro com o pagamento dos empréstimos. Mas não posso reclamar, ao menos hoje fechamos fora do vermelho, ainda que não no azul.

  20. Eu utilizo a nota fiscal paulista para ter acesso as notas fiscais(controle de gastos).Corto meu cabelo em casa ( corte simples, não faço franja).Fiz um curso curto de nutrição e culinaria,(como comida balanceada.Ex: muitas frutas e carne branca).Invisto meu dinheiro que sobra (Titulos ou bolsa de valores)Fiz um curso de investimetos.Converso com as operadores de cartões e telecomunicações (Telefone e internet) para negociar valores.Gasto meu dinheiro com investimentos no cotidiano por exemplo compro coisas duraveis e que iram durar um bom tempo ( valor dividido por duração ou quantidade).Uso cartão de credito para comprar a vista e em quantidade.(calculo gastos anuais, por exemplo 2 celulares que estão em promoção a vista e que iria dar de presente, caso não tenha o dinheiro na hora uso o cartão de crédito).Debito automático coloco somente algumas contas pois fica complicado conversar com o banco quando ou com a prestadora de serviço quando veem algum valor errado.Algumas pedem codigo de barras.Faço curso em lojas de construção.Sei por exemplo pintar uma parede ou troca a fiação de casa(economizo uma boa grana).Não faço algumas anotações pois acho que acabo perdendo um bom tempo com elas.Vou ao mercado umas tres vezes por semana, pois tem muitas promoçoes relampago ( faço caminhada e economizo uma boa grana).Penso em tres coisa quando compro, primeira: preciso disso nesse momento?, segunda:é uma necessidade ou supérfluo.terceira: isso irá me trazer algum retorno ao longo prazo, será um investimento( ex: pilhas recarregaveis ou um consumo(ex: pilhas normais)?Ganho digamos uma valor x mas finjo que ganho 80 por cento dele, ou seja, guardo o restante.Esse texto está muito grande mas ainda tem mais coisas AHAHHA…..Emprestimos somente no caso de alguma promoção espetacular( Uma tv que custava 4 mil custa somente hj R$1500 e ainda é ultimo dia para para compra-la).Emprestimo com juros com o valor menor do que se fosse comprar-la futuramente em outra oportunidade (conhecimento do mercado).Tendo em vista que é uma compra planejada e que foi adiantada.Compartilhei alguns hábitos de finanças.Administro o dinheiro da minha familia que inclui minha esposa, filho, irmã, mãe e eu mesmo (minha mãe tem problemas de saude e minha irmã é mais nova (menor de idade).Aprenderam muitas coisas.Acredito que somos uma familia de Alta performace.

  21. Tem mais uma coisa que acho importante: quanto mais a gente se organiza e segura os gastos com supérfluos, mais podemos ajudar a quem precisa de verdade. Como a Thais disse, para quem ganha um salário mínimo NÃO SOBRA, e muitas vezes falta…acho importante, além de separar uma parte da renda para poupança, viagens, emergências etc, separar uma parte para DOAÇÃO. Seja para uma instituição confiável, ou na forma de apadrinhamento de uma criança, ou doando alimentos, ajudando uma família específica, comprando material escolar…
    Às vezes quando der vontade de comprar algo supérfluo, ou mais uma blusa etc, pensemos no tanto que aquele dinheirinho pode fazer diferença na vida de alguém que sustenta uma familia inteira com R$ 678 por mês…

    • Renata, isto é algo bem comum aqui, na Alemanha (ter um afilhado na Africa ou no Brasil, que pode frequentar uma escola ou ter assistência médica, gracas a um deposito mensal que alguém aqui faz). A grande maioria das pessoas que fazem isto nao sao ricas, mas tem outras prioridades na vida que ter o Smartphone do momento. Até o Brasil chegar a este nivel tem chao. Eu já ficaria feliz se os meus parentes no Brasil conseguissem administrar o dinheiro deles de forma a nao se endividarem e viver sempre no vermelho.
      Parabéns pra você por já pensar assim. Alguém tem que comecar. 😉

      • Exatamente Elis…as pessoas acham que a gente deve dar “o que sobra”! Eu acho que a doação deve fazer parte do orçamento ao lado das contas de luz, telefone etc. Nem que sejam R$ 10 por mês no começo! Mas com 10 por mês, no fim do ano vc tem R$ 120 e pode comprar o material escolar de uma criança, por exemplo. E, à medida que for melhorando de vida, pode ir aumentando o valor destinado à solidariedade. Como vc disse, o importante é começar, e fazer disso um valor para a vida inteira, para ser ensinado aos filhos.

        • Eu acho que se esperarmos sobrar, nunca sobra. Tem que ser algo consciente, planejado, temos que fazer acontecer.
          Uma das formas se se conseguir isto, é já incluir no orcamento! 😉

  22. Oi Thais, lembre-se de trabalhar com o dinheiro economizado. Thomas que é meu marido e eu pagamos tudo com o crédito (só que temos um limite mensal e nunca nunca parcelamos) quase todos os lugares que compramos pagamos com o crédito a vista (sem alterar os descontos oferecidos) enquanto isso nosso dinheiro fica 1 mês rendendo juros. As vezes brincamos: Por pagar tudo com o crédito ‘ganhamos’ 2 sucos! ou ganhamos x coisa! Não é um rio de dinheiro mas se contabilizarmos 1 ano se torna um valor legal.

  23. Thais, não costumo postar, mas sigo seu blog há cerca de 2 anos, e graças a vc aprendi a me organizar e priorizar o que é importante. Assim, em janeiro desse ano conseguimos, eu e meu marido, comprar nosso primeiro apartamento. Obrigada pelos textos, dicas e incentivos! Parabéns pelo trabalho e por ajudar tanta gente como eu a ter uma vida melhor, mais organizada. Qa

  24. ÓTIMA POSTAGEM!
    PARTICULARMENTE ANOTO TUDO O QUE GASTAMOS EM UMA PLANILHA DIARIAMENTE.
    FAÇO UMA POUPANÇA DESDE O ÍNICIO DO ANO.
    ELIMINIEI UM GASTO MUITO ALTO.
    ESTAMOS INVESTINDO PARA ALMENTAR A RENDA.
    COMPRAMOS Á VISTA.
    PRECISO MELHORAR AS COMPRAS COM O SUPERFLÚO CONFESSO QUE EM MUITAS VEZES PECAMOS NISTO. BJUS

    • Najara,
      uma dica para evitar os superfluos: faca listas de compras. Eu sei que isto pode parecer obvio pra muita gente, mas também tem muita gente que vai ao supermercado, por exemplo, sem lista de compras e vai pondo no carrinho “o que dá na telha”. Ou vai passear no shopping e compra algo que viu na vitrine e nao resistiu, só porque estava na promocao!
      Faca lista de compras, mas atencao: anote nela somente o que você PRECISA e nao o que você DESEJA! O que você deseja você pode anotar na lista de desejos. 😉

  25. Thais, luto há um boooom tempo pra colocar minha vida financeira em ordem, mas ainda não consegui. 🙁 Meu problema é o cartão de crédito, do qual não consigo me livrar… Sempre falta grana, e a gente sempre precisa das coisas. Sem grana, acabo apelando pro cartão. Já não sei mais o que fazer, a fatura está “impagável” meeeesmo, e os juros são absurdamente altos… Mas continuo tentando. Obrigada pelo post!!!!
    Bjs,

    • Uma sugestão: você pode procurar o seu banco ou operadora do cartão e tentar renegociar essa dívida, pagando parceladamente. Ou você poderia tentar um crédito pessoal, cujos juros são muito menores que os do cartão, perdendo somente para os consignados, e pagar o total da fatura. Já ajudaria bastante.

  26. Thais, por favor, assim que possível gostaria de um post sobre como arrumou tempo pra frequentar a academia. Fiquei curiosa. Estou precisando muuuuuito, mas a “desculpa” da falta de tempo ainda me faz permanecer inerte com relação aos cuidados comigo.
    Bjs,

  27. Eu faço o desafio de 52 semanas, é muito bom! Guardo dinheiro sem pestanejar! Comecei esse ano, e me estimulou a correr mais atrás de trabalho para poder guardar ainda mais! (sou professora e estou iniciando a carreira agora, então não tenho muitas turmas ainda, mas estou aumentando o número de turmas aos poucos.)

  28. Olá! Isso de separar uma quantia é mt importante!! Mas não seria melhor por mes?? Eu tenho feito assim: programei no banco um deposito na poupança por mes de um certo valor, durante um ano…como se fosse uma conta a pagar! assim não fico esperando sobrar!rss
    Dá mt certo, e por ser programado, tds os depositos são feitos no mesmo dia, tendo apenas uma data de aniversario…e assim rende um pouquinho mais!rs
    Pra mim deu tão certo que esse ano aumentei um pouco a quantia!

  29. Joana, obrigada pela dica. Tentei negociar com a operadora do cartão, mas a dívida, no fim das contas, dobrava de valor. Não valeu a pena! Vc me deu uma ótima ideia em relação ao Banco. Vou tentar isso. Valeu mesmo!!! Rê

  30. Eu uso o Organizze e adoro!
    http://www.organizze.com.br

    Eu tenho o problema de não visualizar meu orçamento. Anotar o que tem que ser pago não dá certo para mim e no organizze eu consigo visualizar isso.

    Por incrível que pareça, cartão de crédito me salvou um pouco. Eu consigo parcelar e não fico descapitalizada o mês inteiro por causa de uma compra maior.

  31. Oi Thais!
    Li em outro post que você escreveu que na sua casa você tem salário fixo e seu marido tem renda variável. Como vocês se organizam para pagar as contas? Há alguma divisão? Pergunto isto porque sou noiva e também estou na mesma situação: tenho renda fixa e meu noivo renda variável (ele é corretor de imóveis). Nem sempre consegue algo no mês, às vezes demora até alguns meses. Será que o tema não rende um post? Beijo.

Deixar uma resposta

Por favor, insira seu comentário
Por favor, insira seu nome aqui