25 Jun 2014

Planejando uma mudança sem perder a sanidade

Imagem: Doing it wright

Imagem: Doing it wright

Estamos nos preparando para fazer a nossa terceira mudança em três anos. Não vou dizer que não estou contente com isso, pois estamos planejando a volta para a nossa cidade, onde vivem a nossa família e amigos. Porém, mudar de casa sempre é um processo cansativo. Se a gente não se planejar direitinho, a tendência é enlouquecermos, pois há muito a ser feito. Resolvi reunir então neste post algumas dicas para mudar sem perder a sanidade, e espero que ajudem quem esteja passando por esse momento também:

Comece a planejar o quanto antes

Nós mesmos não temos urgência na mudança – apenas sabemos que ela precisa ser feita o quanto antes. Felizmente, não há prazos. Mesmo assim, é importante começar a se planejar o quanto antes para que a transição seja suave para todos os envolvidos. Quem tem crianças em idade escolar precisa ficar atento ao ano letivo, por exemplo. Ou seja: sabendo que deverá haver uma mudança, já comece a pensar a respeito. Transforme-a em um projeto onde você guardará ideias e tomará providências.

Antigamente, eu costumava montar um fichário especialmente para guardar o que fosse relacionado à mudança. Hoje, é muito mais comum utilizar o Evernote, o que recomendo. Além de manter tudo sempre à mão em qualquer dispositivo que você tenha, também é fácil de compartilhar com outras pessoas, se precisar. Você também pode manter checklists e lembretes na ferramenta.

Quando você decidir a data da mudança, planeje-se na sua agenda também, inserindo prazos de tarefas que deve executar até 6 meses antes, 3 meses, 1 mês, 15 dias, 1 semana, 1 dia e assim por diante.

Destralhe, destralhe, destralhe

Eu contei recentemente, e tenho quase 650 livros. 650, amigos. Amo meus livros, mas a cada mudança que eu faço, é um martírio. Eles são o único peso extra que me permito em mudanças, então a responsabilidade pelo resto aumenta. É inadmissível a gente abrir uma caixa na casa nova e descartar algo que estava dentro. Logo, é importante fazer essa seleção antes de se mudar – muito provavelmente até mesmo antes de começar a encaixotar seus pertences. Se deixarmos para decidir enquanto encaixotamos, a tendência é colocar tudo dentro da caixa porque é mais fácil fazer isso que decidir dar outro fim ao objeto. Portanto, antes mesmo de começar a empacotar tudo, destralhe.

Há muitos objetos que podem ser doados ou até mesmo vendidos. Hoje, com tantas opções de canais online para isso (OLX, Bom Negócio, o próprio Facebook), é bobeira ficar com coisas em casa que já não sirvam mais para a gente. Quem não quiser vender pode ajudar alguém fazendo uma doação, pois sempre tem alguém que precisa de algo que a gente não use mais.

Além de diminuir a quantidade de coisas que precisarão ser encaixotadas, você se liberta. É libertador viver com o que for necessário ou amamos muito, sem tralhas.

Peça ajuda

Se alguém se oferecer para ajudar, aceite. Se for possível, peça. Mesmo que você contrate uma empresa para carregar as caixas e transportar seus pertences, sempre é necessário ter alguém para ficar com os cachorros, os filhos, abrir a porta na residência nova, trazer comida ou apenas dar uma animada na gente.

Divida uma grande mudança em tarefas menores

Sempre que a gente pensa em mudança, admita: o estômago dá uma embrulhada, os olhos se contraem, a cabeça dói. Mesmo eu que sou organizada acho o processo todo de mudar muito complicado e que demanda muito esforço e dedicação de tempo. Portanto, uma boa dica é diluir as tarefas ao máximo que você puder. Precisa encaixotar seus pertences? Vá fazendo aos poucos, com os itens que usa menos. Isso vale para todo o resto. Já veja que serviços podem adiantar a instalação na casa nova, o que já pode ir cancelando, as mudanças de endereço que precisará fazer, entre outras atividades.

É muito importante, ao longo do processo de mudança, a gente ter um tempo pra gente mesmo, pra descansar e continuar com nossas atividades normais. Não dá para viver em função da mudança e estar sempre exausto por conta dela. Assim, quando tiver um tempinho, destralhe um pouco ali, encaixote algumas coisas que já são quantidade suficiente para fechar uma caixa, e assim vai.

Encaixote pensando na arrumação depois

Isso sempre deu muito certo comigo e é uma dica que eu passo adiante: seja organizado ao encaixotar seus pertences. Guarde o que realmente quiser levar (destralhando antes) e faça uma lista do que tem dentro de cada caixa. Além disso, procure deixar juntos os itens que precisam ser usados no mesmo cômodo. A maneira que uso para organizar minhas caixas é organizando por cômodo (Cozinha 1, Cozinha 2 etc) pois, assim, quando a mudança for feita, as caixas já ficarão no seu cômodo certo, facilitando a arrumação.

Outra dica que costumo dar é a de montar uma “caixa de sobrevivência”, com os itens que serão utilizados assim que chegar na casa nova. Papel higiênico, papel toalha, uma muda de roupas para cada um da família, shampoo, sabonete, toalhas, esponja, detergente, pente, chinelos, panos de limpeza e tudo o mais que você achar imprescindível ter logo à mão assim que chegar. Isso é legal porque, chegando com as caixas, você já abre essa primeira e tem todas as necessidades básicas da família atendidas. Não precisa ficar procurando pela caixa do banheiro onde estão o papel e o sabonete, por exemplo. Para mim, sempre funcionou muito bem fazer dessa forma.

Essas dicas acima são simples, mas podem ajudar muito a manter sua sanidade durante a mudança, e eu sinceramente espero que isso aconteça.

Veja tudo o que já foi publicado sobre mudanças no blog.

E você, tem alguma dica para passar pelo processo de mudança sem ficar muito cansado ou traumatizado? Compartilhe nos comentários!

25 Jun 2014

3 coisas que eu faço antes de dormir para alimentar minha criatividade

Eu acredito que ir para a cama em um estado alegre e tranquilo seja muito importante para a qualidade do nosso sono e um despertar melhor. Como meu principal instrumento de trabalho é a minha criatividade, preciso cuidar dela para ficar sempre bem, disposta e com ideias. Identifiquei três hábitos que eu tenho antes de ir dormir e resolvi compartilhar com vocês.

1. Meditar

Meditar para mim já é um hábito diário, mas a meditação feita antes de dormir tem um poder tranquilizante enorme em mim. Geralmente medito sobre temas diversos que desejo incorporar na minha vida (exemplo: ter mais paciência), começando com uma meditação simples respiratória, totalizando uns 25 minutos. Isso é o suficiente para mudar meu estado mental e me preparar para descansar.

2. Ler

Esse assunto é controverso, pois algumas pessoas dizem que perdem o sono se lerem algum livro interessante, ou ficam com a mente agitada. Acho que tudo depende do teor do livro. Gosto de ler livros inspiradores antes de dormir, que me propiciem o estado comentado ali em cima. Portanto, costumo deixar para essa hora minhas leituras sobre budismo ou desenvolvimento pessoal. Não leio livros técnicos ou sobre produtividade porque me dão vontade de levantar e escrever a respeito. Recomendo então a leitura de livros leves e que tragam um bom estado de tranquilidade já na cama, antes de dormir. Uma luminária com luz minimamente forte é o suficiente.

3. Pensar nas coisas boas que vivi no dia

Gosto de sempre recapitular o dia que eu tive e em que sentido ele foi inspirador, me trazendo aprendizados. O que me deixou feliz? O que eu mais gostei de fazer? O que eu quero fazer de diferente de amanhã em diante? Eu costumo fazer isso já deitada, com a luz apagada e os olhos fechados. Essa rápida “viagem” leva meus pensamentos para longe, mas me deixa em um bom estado contemplativo, que me leva aos sonhos.

E você, tem alguns rituais mentais antes de dormir? Compartilhe nos comentários!

23 Jun 2014

Menu semanal no inverno: como planejar

Imagem: Scoop.it

Imagem: Scoop.it

Em primeiro lugar, para quem está chegando agora, é importante saber o que é planejar o menu semanal e sua importância para a organização do dia a dia.

Planejar o menu semanal significa definir os sete pratos que você vai preparar na semana seguinte, podendo fazer as compras certas no mercado, sem faltar nada nem desperdiçar. Também garante que você não perca tempo todos os dias decidindo o que preparar para a família, ou esquecendo de descongelar uma carne, por exemplo. Não é para ser uma coisa rígida. Você pode estipular um prato para cada dia ou determinar sete pratos, e escolher todos os dias qual fará desta vez.

Você pode ler mais orientações sobre como montar um menu semanal em um post anterior.

Qual a vantagem de adequar o menu semanal à estação do ano que estamos vivendo? O aproveitamento dos alimentos – porque compramos o que está mais barato e em abundância, além de trazer mais conforto para a família, ingerindo os alimentos que dão mais energia e nos deixam mais felizes, pois têm a ver com o que estamos vivendo.

No inverno, é natural que a gente coma mais refeições quentinhas e o que chamamos de “confortáveis”. Para isso, podemos fazer substituições. Em vez de salada de batatas, podemos fazer purê. Em vez de salada de verduras, podemos comer legumes refogados. As opções são inúmeras.

Vamos ver primeiro os alimentos que estão mais abundantes nesta época (junho, julho e agosto, no Brasil)*:

    • fruta do conde
    • jaca
    • mixirica/tangerina
    • carambola
    • jabuticaba
    • maçã fuji
    • caju
    • kiwi
    • limão galego
    • morango
    • laranja lima
    • batata-doce
    • cará
    • chuchu
    • gengibre
    • inhame
    • mandioca
    • mandioquinha
    • agrião
    • brócolis
  • cenoura
  • erva doce
  • milho verde
  • nabo
  • rabanete
  • berinjela
  • cogumelos
  • almeirão
  • escarola
  • louro
  • rúcula
  • salsa
  • ervilha
  • alho-poró
  • chicória
  • coentro
  • couve manteiga
  • couve-flor
  • espinafre
  • mostarda
  • repolho
  • Apenas de olhar a lista acima, já dá para ter um monte de ideias para fazer de comida, não é mesmo? A ideia é justamente essa: adaptar o que já costumamos fazer em nossa rotina, inserindo alimentos novos.

    Os métodos de cozimento também podem variar. Em vez de comer alimentos frios ou crus, pensamos mais em assados, cozidos, ensopados. O objetivo no inverno é aquecer e ter mais energia. Portanto, nossa alimentação deve refletir esses objetivos. Ao preparar seu menu semanal, procure levar em conta os alimentos da estação e esses métodos de cozimento que favoreçam o conforto. São pequenas mudanças que fazem grande diferença em nossos dias e na disposição da nossa família.

    Algumas sugestões para o seu menu semanal:

    Tipos de refeições que combinam com o inverno:

    • massas
    • raízes
    • purês
    • sopas
    • cremes
    • geléias
    • risotos
    • assados
    • refogados
    • suflês
    • compotas
    • tortas

    Com base nessas informações, você pode montar seu menu semanal de forma criativa e sem alterar radicalmente a rotina da família.

    Ao longo do inverno, postarei aqui no Vida Organizada uma série de posts com sugestões de receitas que reflitam o que escrevi aqui hoje. Caso você tenha alguma sugestão de receita que seja a cara do inverno, por favor, indique nos comentários! Obrigada!

    * Fonte: Revista Teste Saúde (2009)

    22 Jun 2014

    Linkagem de domingo {89}

    linkagem-de-domingo

    No blog da Call Daniel

    Bom domingo!

    21 Jun 2014

    Dúvida do leitor: Como você consegue ler tanto?

    Recebo quase que diariamente essa pergunta através de comentários no blog, no Instagram e no Facebook, então resolvi escrever este post para responder a todos que tenham essa mesma dúvida.

    Sinto desapontá-los, mas não tem muito segredo. =/ Eu sempre gostei de ler. Quando eu era criança, eu dava chilique em frente de banca e livraria, para entrar, ao contrário da maioria das crianças que faz isso na frente das lojas de brinquedo. Cresci com muitos livros em casa e minha avó sempre me incentivou muito. Com isso, não me lembro exatamente quando começou o hábito forte de ler, mas entrei na adolescência já lendo bastante. Eu adorava ler os livros paradidáticos da escola e li todos (e outros) no ano de vestibular. Sou daquelas que está sempre com um livro na bolsa e deixa de comprar lanche na rua para comprar um livro novo (parafraseando a Carrie, de Sex and the city, “eu apenas achei que me alimentaria mais”).

    Meu passeio preferido sempre foi ir em sebos (lojas de livros usados) e me perder pelas prateleiras até ficar com dor no pescoço, por olhar as lombadas. Meu critério de escolha de shopping é pelo número de livrarias que há nele. É o que eu mais gosto de fazer. Me considero bibliófila – gosto de caçar edições antigas de livros clássicos; ler, quando possível, no idioma original; dar de presente uma edição mais velha só porque foi lançada uma edição deluxe com uma capa maravilhosa… essa sou eu.

    Já vendi, doei e dei de presente MUITOS livros. Hoje, tenho 604 em casa e mais alguns na casa da minha avó, totalizando uns 650 livros. Se eu nunca tivesse me desfeito dos livros que eu já dei, doei ou vendi, é provável que eu tivesse por volta de 1000 ou 1200 livros hoje. Quando eu comprar meu primeiro imóvel, pretendo encontrar uma solução muito bacana para todos os meus livros – com bastante espaço para que a coleção possa crescer como eu gosto, pois ainda tenho muito a ler e colecionar.

    Poucas coisas me deixam mais feliz do que comprar livros novos. Novos na minha coleção, porque adoro edições antigas. Me deleito ao encontrar em um sebo a primeira edição de algum livro que eu goste muito, especialmente os mais antigos. Costumo dizer que faço compra de mês na Livraria Cultura porque, além de adorar livros antigos, acho divertidíssimo conferir os lançamentos.

    As pessoas acham absurdo eu ler e guardar os livros, mas meus livros não ficam empoeirados. Eu AMO meus livros, entendem? Estou sempre pegando, folheando, lendo trechos que marquei, comentei. Uso muito como referência, também. Costumo guardar livros que me sejam úteis ou de grande apego sentimental. Tenho uma edição (a 10ª) de “Os Sertões” que data de 1927 e era do meu bisavô – minha única herança dele. Como eu poderia me desfazer de algo assim? Meus livros, além de minha paixão, são o meu tesouro. Tenho muitas edições raras e livros que marcaram épocas da minha vida, assim como livros que eu espero o momento certo para ler. Porque sim, eu acredito que a gente tenha épocas certas da vida para ler determinados livros, e toda a experiência pode ser prejudicada se eles forem lidos fora do tempo. Assim como há livros que me proporcionaram um tipo de sentimento quando li pela primeira vez, há dez anos, e vão me fazer sentir de outra maneira, relendo agora.

    Estou contando tudo isso para contextualizar a minha relação com os livros, porque toda essa paixão direciona a coisa de ler bastante e rápido (ou mais devagar).

    Quando eu comecei a namorar o meu marido, algumas pessoas me chamavam de “a menina que lê”, porque era só isso o que eu fazia, sempre. Enquanto todo mundo via TV, eu estava lendo. Fila no banco? Lendo. Intervalo da escola? Lendo. Ponto de ônibus? Lendo. E assim vem até hoje. Leio em todas as janelas de tempo que tenho ao longo do dia, além de simplesmente adorar, quando tenho um tempinho de folga, me acomodar na cama ou no sofá e investir meu tempo na leitura da vez.

    Já tive metas de leitura (“hoje vou ler 100 páginas” ou “hoje vou ler um capítulo de cada um dos três livros que eu estou lendo”) e acho que é uma tática que funciona bem, se você não se estressar com isso. Como para mim é um hobby, é algo que me anima. Deve ser o mesmo que os esportistas sentem ao estipularem correr 10km por dia, por exemplo.

    Uma mania que tenho é a de ler vários livros ao mesmo tempo. Por experiência própria, isso só funciona para mim se forem livros de não-ficção. Para livros de ficção, prefiro ler um de cada vez até acabar, para não misturar enredos e confundir personagens.

    Alguns livros eu leio mais rápido; outros, mais devagar. Tem livros que termino em duas horas e outros que demoro mais de dois meses. Depende do tipo de leitura, da minha vontade de ler aquele assunto, da necessidade de ler e reler, entre muitos outros fatores. Costumo usar alguns acessórios para facilitar a minha leitura, como marcadores transparentes de página, post-its e canetas marca-texto. Alguns livros eu tenho dó de marcar (especialmente edições deluxe), mas a maioria eu encaro como instrumento de trabalho e faço muitas anotações, pois elas me ajudam em consultas posteriores (que acontecem sempre).

    Também tenho um Kindle, que levo especialmente em viagens. No Kindle, baixo livros que só quero ler, sem precisar comprar e manter, ou importados que custam muito caro no Brasil. Assim como também tenho alguns livros que gosto de ter sempre comigo, como o livro do GTD, para consulta. Mas sou e sempre vou ser apaixonada por livros de papel – essas coisinhas mágicas que nos levam para outra dimensão apenas com o cheiro das páginas. Aliás, adoro cheirar livros e acho que isso deveria ser uma profissão. Toda vez que compro um livro novo, meu ritual inclui levar o livro até o nariz, fechar os olhos e inspirar. Já até reconheço a editora pelo cheiro das páginas (meu preferido são os da Companhia das Letras).

    Sobre ler rápido ou não, foi como eu falei: depende da leitura. Livro de auto-ajuda, desenvolvimento profissional, leitura mais fácil, dá para ler mais rápido porque não é complexo. Agora, pega um Bakhtin da vida, ou qualquer livro de semiótica ou estoicismo e tenta ler rápido! Isso acaba com a experiência! Cada livro é de um jeito e deve ser tratado como tal. Não tenho pressa para ler. Se leio rápido, é porque a leitura flui assim. Se leio devagar, é porque vou estudando, saboreando cada palavra, relendo, fazendo anotações. Tem muita coisa envolvida que somente a leitura. E já deixei muitos livros de lado porque percebi que teria que ler uns outros dois antes como referência. Faz parte da experiência de ler e de curtir os livros.

    Tudo isso pode parecer besteira para quem não tem o mesmo gosto por livros que eu e tantas pessoas temos. Mas tudo bem. O que eu gosto só precisa fazer sentido para mim.

    210614-lertanto

    Minha estante, que organizei ontem. Ela fica na sala, mas há livros no aparador, perto da cozinha, no quarto e na minha mesa de trabalho. É comum, para quem gosta de ler, ter livros por toda a casa. E, se querem saber, eu adoro isso!

    21 Jun 2014

    Instagram da semana {7}

    210614-instagram

    Essa semana foi um mix de emoções. Apesar de estar contente por começar meu novo trabalho na quarta, fiquei muito nostálgica me despedindo dos meus colegas de trabalho que me acompanharam por três anos no meu último emprego. Almoçamos juntos, demos risadas, conversamos e o importante é que as verdadeiras amizades continuam. Mesmo assim, foi meu adeus ao mundo corporativo, então fiquei emocionada.

    Uma coisa não muito boa foi meu filho doentinho. Ele teve princípio de pneumonia, levamos ao pronto-socorro, tivemos que medicá-lo com antibiótico e ele ficou com muita tosse e febre. Ele já estou melhor, só com a tosse mesmo, mas tive muitas noites em claro cuidando dele. Meu marido também ficou gripado.

    Gravei um podcast com a equipe da Call Daniel na terça-feira, sobre o tema Processamento no GTD. Quando entrar no ar eu divulgo aqui no blog. Também precisei fazer uma outra revisão no meu livro, pois a revisora da editoria fez algumas sugestões que eu precisei analisar e acatar ou não. Criei um novo canal no YouTube e gravei um vídeo.

    Arrumei meu escritório provisório em casa com meu novo computador <3 e pude ir sozinha passear na Livraria Cultura, ficando duas horas na companhia dos livros. Quem é mãe sabe o que significa ter um tempinho só nosso para fazer algo que gosta muito.

    Nossas sobrinhas estão em casa nesse feriado, e eu estou muito contente que hoje é o solstício de inverno. Está muito friozinho na sua cidade? Aqui está bem gostoso, especialmente de noite.

    Quer acompanhar a postagem de fotinhos em tempo real e interagir ao longo da semana? Clique na imagem abaixo e siga o blog no Instagram:

    instagram-voBom final de semana!

     

    20 Jun 2014

    Perguntas e respostas sobre o feng shui

    Convidei a querida Wanice Bon’ávígo para voltar a participar do blog falando um pouco mais sobre feng shui. Ela respondeu algumas perguntas que eu enviei para ela e eis aqui o resultado. Espero que vocês gostem tanto quanto eu.

    Por que amamos tanto o feng shui? O que ele pode fazer pela nossa casa e pela nossa vida?

    Quem conhece o feng shui o adota para sempre. Essa ciência nasceu na China antiga, há aproximadamente 3 mil anos e busca integrar o homem ao espaço onde ele vive. Então, as pessoas se apaixonam mesmo pelo feng shui, porque ao aplicá-lo corretamente em suas casas, locais de trabalho, à vida enfim, percebem uma abertura em vários setores, sobretudo àqueles emperrados, mal resolvidos, indefinidos. Uma melhora na saúde, novas oportunidades surgindo, um ajuste no trabalho, benfeitorias, sentimos de fato mudanças perceptíveis, mas tudo isso são os meios concedidos pelo feng shui, pois a sua real finalidade é fazer com que cada um de nós possa expressar o seu melhor.

    O feng shui faz com que o fluxo das energias esteja a favor e isso conta muito!

    200614-bagua

    Na prática, utilizamos um gabarito chamado BAGUÁ (ou Ba-guá), um octógono, que sobreposto à planta-baixa do terreno ou da área construída, nos mostra de forma tangível cada um dos “guás” ou setores da nossa vida. Por exemplo, se você tem uma área deficitária no guá da CRIATIVIDADE, que também responde pelos FILHOS, pode tanto ter problemas para criar em geral: alternativas, textos, etc,. como para engravidar… eu mesma já vivenciei uma situação assim em minha família e por diversas vezes nas consultorias. Interessante? Isso é só um exemplo do que o ambiente pode representar no nosso dia-a-dia. Leia mais neste post no blog da Wanice.

    Cada uma dessas áreas da casa está associada a um dos 5 elementos da medicina chinesa (água, madeira, fogo, terra e metal) e num projeto de feng shui são equilibradas basicamente através de cores, formas e posicionamento de móveis, plantas, cristais e objetos decorativos. Às vezes estamos descuidando de uma parte da nossa casa ou não dando a devida atenção a ela, o que gera desequilíbrio e traz bloqueios, dificuldades naquele “guá” (setor) ao qual ela pertence. Então, sentimos que aquela energia não está presente em nossa vida ou não da forma como gostaríamos. Ao aplicarmos o feng shui saberemos o porquê. E teremos a oportunidade de melhorar o nosso espaço e consequentemente a nossa vida.

    Muitas pessoas pensam que feng shui é mover os objetos, pendurar quadros e inserir elementos específicos na decoração. Esse é um mito? O que o feng shui é de verdade?

    Thais, para compreendermos bem o papel do feng shui em nossas vidas, precisamos nos reportar à filosofia taoista, que considera que toda a nossa existência se baseia numa tríade: CÉU – HOMEM – TERRA.

    Quando falamos em CÉU, falamos daquilo que trazemos ao nascer: nossas características, a saúde herdada, habilidades, talentos, assim como nossas dificuldades, desafios, obstáculos que precisamos transpor. Por isso é muito importante um estudo NUMEROLÓGICO ou astrológico, pois temos um diagnóstico preciso do que trazemos em nossa bagagem natal. É possível também conhecer os melhores períodos da nossa vida para determinados setores – isso a Numerologia orienta com muita propriedade.

    O segundo pilar compete ao HOMEM, seu livre arbítrio, aquilo que alimentamos em nossa caminhada, onde colocamos nossa energia, de que forma usamos o nosso tempo, nos aperfeiçoamos, atribuímos um real significado à nossa passagem pelo planeta, enfim, eu acredito que essa segunda influência tenha a ver com evolução de consciência, pois envolve liberdade e responsabilidade e é também onde podemos realizar mais mudanças.

    A terceira influência, a TERRA, diz respeito ao AMBIENTE em que vivemos. É aí, justamente que entra o FENG SHUI. O ambiente natural que escolhemos para viver (tecnicamente chamamos de “entorno”), bem como a área construída, precisa ser favorável, para que possamos receber o melhor, seja em termos de saúde, trabalho, finanças, amor, espiritualidade, família, amigos e viagens, criatividade e filhos, enfim, todas as energias que nos permeiam e nos trazem a merecida realização. Muitas vezes temos tudo para a ao sonhada “prosperidade”, mas vivemos num ambiente que nos “sabota”. Aplicar o feng shui em nossa casa ou ambiente de trabalho traz melhorias significativas para nossa vida.

    Imagem: Graça e Saber

    Imagem: Graça e Saber

    Como vemos esses 3 pilares interagem por todo o tempo, nos sustentam e precisam estar em harmonia, equilíbrio. Acho fantástico o feng shui, pois ele consegue corrigir, neutralizar energias maléficas que contribuem para o nosso insucesso e ao mesmo tempo estimular, ativar energias positivas que vão nos levar à plenitude, à realização de nossos objetivos. E isso envolve mais que reposicionar móveis, aplicar cores, talismãs ou objetos decorativos. As construções sofrem influência de tudo que foi falado, pensado, sentido, enfim, as paredes têm memória e muitas vezes precisamos reprogramá-las, entendendo que há casas que prejudicam pessoas e pessoas que prejudicam casas. Aí entra a nossa responsabilidade! A qualidade do entorno também influencia muito na vida dos moradores: morar perto de cemitérios, hospitais, delegacias, torres de transmissão e outros inimigos é também um fator determinante para adoecer o ambiente. Aí entra o feng shui, suas proteções, limpezas energéticas, (cada uma com sua indicação), a melhor posição para os móveis, cores favoráveis, etc.

    Viver num espaço sagrado permite-nos manifestar todo o nosso potencial.

    Qual a relação entre o feng shui e a organização da casa? Uma casa limpa e organizada facilita o papel do feng shui?

    Arrumação, limpeza, organização, destralhamento da casa são aspectos fundamentais para a boa circulação de energias positivas e impedimento para que a energia negativa se estabeleça. É uma questão de atitude. (Veja este post no blog sobre destralhamento da casa e sua relação com o feng shui)

    O efeito da desordem ou acúmulo de objetos em certos pontos de um ambiente tem efeitos incríveis. Conhecendo-se os guás da casa, de acordo com o Baguá, vamos ver que a desordem, bagunça, sujeira, quando posicionadas em um deles, são representadas na vida dos moradores como  bloqueios, instabilidade, transtornos naquela área com a qual o guá se relaciona. Até mesmo os móveis muito grandes ou atrás de portas, no meio de corredores, em locais onde se tornam empecilhos para o fluxo do CH’I (ENERGIA VITAL) podem explicar porque a vida das pessoas emperra. É preciso deixar o Ch’i fluir!  E sempre atrair o bom ch’i, de saúde, de vitalidade, para que possa nutrir o nosso lar. Um ambiente limpo, organizado, livre de lixos físicos e energéticos é condição básica para que se fixe o feng shui.

    Imagem: Fresh Home

    Imagem: Fresh Home

    Nossa casa é um organismo vivo onde tudo precisa funcionar bem e cumprir sua função. Vazamentos, aparelhos quebrados, lâmpadas queimadas, objetos sem uso, poeira, portas e janelas emperradas constituem  pontos de doença no nosso espaço, por isso em muitas culturas o feng shui é tratado como “medicina do ambiente”. Analisar o que acontece com uma casa, nos conta o que possivelmente está acontecendo ou para acontecer com seus moradores – á a metafísica da casa.

    Olhar para o seu redor e encontrar tudo bagunçado, desorganizado é olhar para dentro de si e encontrar o mesmo, afinal, o que está dentro, está fora…Ou uma frase que eu gosto muito do Mestre Lin Yun, idealizador do Feng Shui do Chapéu Preto:

    “QUANTO MAIS PRÓXIMO DE VOCÊ ESTIVER UMA PARTE DO AMBIENTE, MAIOR É O IMPACTO QUE ELA TEM SOBRE SEU CHI.”

    A  verdadeira essência do Feng Shui é acumular o bom ch’i (energia positiva), sem permitir que ele fique estagnado;  talvez por isso os fengshuistas defendam tanto a ideia do “menos é mais” (less is more) – feng shui é uma filosofia de vida, é processo, é amor.

    Gosto muito de um post que falo de Leonardo Boff (adoro) e suas considerações sobre feng shui.

    Muito obrigada, Wanice, pelas suas considerações sempre preciosas! Espero que os leitores tenham gostado também. Quem quiser ler mais informações sobre feng shui, pode acessar o blog da Wanice e ler os maravilhosos textos que ela posta diariamente sobre o assunto. Vale a pena.

    Obrigada por tudo, pessoal.

    19 Jun 2014

    Novo canal do blog no YouTube + vídeo

    Olá pessoal! Espero que estejam tendo um bom feriado! Hoje vim convidar vocês a seguirem o novo canal do blog no YouTube, que vocês podem conferir clicando aqui!

    Aproveitei para gravar um vídeo respondendo a TAG: Espelho, espelho meu, com 16 respostas aleatórias sobre mim.

    Estou muito contente com a inauguração desse novo canal porque é um espaço onde poderei postar muitos vídeos sobre assuntos relacionados ao blog ou não. Um cantinho meu mesmo. Espero que gostem dessa nova fase, do novo canal e o sigam para conferir as novidades que vêm por aí.

    Obrigada!

    18 Jun 2014

    Organizando as contas da nova empresa

    Como comentei em alguns posts anteriores, estou começando a trabalhar por conta própria e, assim, uma das providências que precisei tomar foi formalizar a abertura da minha empresa. Com isso, existe toda uma sorte de novas coisas que precisam ser organizadas – o que eu adoro – mas, sem experiência, pode ser bastante difícil descobrir sozinha como fazer tudo certo, especialmente a parte financeira do negócio. Afinal, é muito comum se perder com tantas contas, regras e burocracias novas.

    O primeiro passo foi falar com um contador, que me explicou direitinho os planos que existem para abertura de empresa (microempreendedor individual, micro e pequena empresa etc). No momento, optei pelo MEI (microempreendedor individual). O processo foi bem simples e pode ser feito pela Internet pela pessoa comum. Você escolhe as categorias que tenham mais a ver com o seu negócio, envia o formulário e, então, basta imprimir as guias de pagamento. Fica por volta de 40 reais por mês e, com isso, você consegue gerar nota fiscal eletrônica, tem um CNPJ próprio e pode formalizar uma série de outras coisas, além das vantagens (convênio médico familiar mais barato, por ter CNPJ, por exemplo).

    Eu percebi que, para gerenciar tudo sozinha, seria complicado. É a primeira vez que abro uma empresa e toco um negócio próprio. Sem experiência, fiquei com bastante medo de me enrolar nas contas e não conseguir organizar direito as partes administrativa e financeira. Afinal, eu trabalho com a criatividade! Se eu me enrolar com o lado burocrático da coisa, pode ser que eu não consiga me dedicar tão bem àquilo que faço de melhor.

    Foi então que eu conheci o site ContaAzul, um sistema de gestão de empresas online. Com ele você controla seu financeiro, suas vendas, seu estoque e emite nota fiscal eletrônica sem complicação e a um preço justo. Sinceramente, eu sou bastante organizada, mas o sistema foi a_descoberta do ano para mim.

    180614-conta-azul

    Veja tudo o que essa fantástica ferramenta gerencia para quem tem um negócio:

    - Contas a pagar e a receber
    - Receitas e despesas
    - Conciliação bancária
    - Fluxo de caixa online
    - Contas bancárias
    - Planos de contas
    - Controle de inventário e compras
    - Emissão de nota fiscal de entrada
    - Gerenciamento de produtos, transportadoras e fornecedores
    - Controle de vendas
    - Propostas comerciais
    - Vendedores e comissões
    - Emissão de boletos
    - Controle de clientes
    - Relatórios de todos os tipos (inclusive DRE)
    - Rankings de produtos e clientes

    Tudo isso com garantia de segurança dos dados.

    Eu recebi um contato deles para testar a ferramenta para o blog e ela já é a melhor descoberta do ano para mim. Organiza tudo aquilo que eu estava com dificuldade, por não ter experiência, e funciona bem até mesmo para quem já tem mais anos de estrada (recomendei para conhecidos que são empreendedores e todos disseram que é uma ferramenta completa e bem fácil de usar).

    Como sei que o blog tem muitos leitores e leitoras empreendedores, achei que seria uma boa fazer uma ação com a empresa, a fim de experimentar melhor o produto e trazer um pouco dessa experiência para vocês. Logo, este é o primeiro de uma série de posts que mostrarão como é o dia a dia de uso da ContaAzul, como ela pode ser útil para quem tem empresa, usos, sugestões e muito mais.

    Quem estiver curioso e quiser começar a testar antes mesmo dos próximos posts, pode acessar o site ou baixar o aplicativo (disponível para todas as plataformas abaixo), que tem uma versão trial gratuita para testes.

    Captura de tela 2014-06-16 20.48.24

    Achei muito bom que tenha versão tanto para iOS quanto para Android, pois uso os dois sistemas em tablets. Ajuda bastante no quesito mobilidade, porque nem sempre estamos com nossos computadores por perto quando precisamos acessar ou mostrar alguma informação para algum cliente ou outra pessoa. E, sinceramente, quanto mais eu puder ficar longe de planilhas, melhor!

    Acessem também o blog da Conta Azul, que tem um montão de dicas e novidades sobre a ferramenta e o dia a dia de quem é empreendedor.

    publicidade-vida-organizada

    18 Jun 2014

    Aviso: e-mails recebidos em 2013

    Oi pessoal,

    Estou escrevendo porque achei importante dar essa satisfação a todos os leitores. Vocês sabem como eu sou uma pessoa transparente, e me senti mais tranquila com meu coração ao escrever este post.

    Eu recebo, diariamente, de 50 a 80 e-mails através do blog. São e-mails de leitores pedindo socorro, ajuda para organizarem suas vidas, além de depoimentos e agradecimentos pelo meu trabalho com o blog. Eu não teria como agradecer a todo mundo. Fico extremamente comovida com cada e-mail que recebo. Porém, até hoje, eu estava dividindo o blog com mais dois trabalhos, sendo que um deles era um emprego em tempo integral. Quando eu precisava priorizar, infelizmente o blog era posto de lado. Eu não queria responder os e-mails dos leitores, enviados com tanto carinho, de qualquer maneira, então fui guardando para responder aos poucos.

    Porém, hoje, ao começar a finalmente dar conta de tudo, vi que a pasta “responder” do meu e-mail tem 2.783 mensagens somente de 2013. Eu comecei a responder algumas, humildemente pedindo desculpas… e cada mensagem era enorme, cheia de detalhes. Até eu perceber que, infelizmente, não teria condições de responder todas da maneira como eu gostaria. E, por ter passado tanto tempo, acho que beira a falta de respeito.

    Por isso, este é um pedido aberto de desculpas. :( Daqui para a frente, poderei cuidar direitinho do blog e atender todos os pedidos que me chegam diariamente. Vou responder todos os e-mails enviados em 2014 que ainda não tiveram resposta, aos poucos, e espero de coração que vocês me compreendam.

    O blog é sobre organização e a única maneira de priorizar é saber escolher o que deve ficar ou não na nossa vida. Em decorrência dos cuidados com a minha família, a minha casa, o meu emprego em tempo integral e as minhas outras atividades profissionais, eu poderia muito bem ter abandonado o blog de vez e esquecido de tudo. Eu consegui mantê-lo atualizado diariamente nos últimos anos, com algumas exceções em períodos realmente difíceis. E sabem por quê? Porque ele sempre foi importante para mim. Sempre foi o meu cantinho onde eu poderia falar sobre o meu assunto preferido, que acabou virando a minha profissão. E ainda bem que tudo isso aconteceu e eu finalmente posso tratar todos os e-mails que recebo com a atenção que eles merecem.

    Portanto, peço desculpas, mas igualmente agradeço pela compreensão antecipadamente. Obrigada!