Categoria(s) do post: Diário da Thais, Diário

Uma das atividades que considero interessantes na revisão trimestral / sazonal é repensar e redesenhar o meu dia ideal.

A vida muda, a rotina muda. Com base nessa premissa, sempre que alguma circunstância muda, eu sinto a necessidade de redesenhar o meu dia ideal. Esse é um exercício interessante de ser feito para que ele seja realmente isso: um ideal. Aquilo que você busca fazer diariamente. Dentro dele também se encontra o mínimo viável diário, que é a versão 8 dos 80. O fluxo diário sempre vai ficar entre o mínimo viável e o dia ideal, pois depende dos compromissos e das particularidades daquele dia. O importante é você personalize.

O que é o dia ideal?

O dia ideal é uma checklist de como seria um dia ideal seu, hoje, nas condições de vida que você tem atualmente, se você fizesse tudo “certinho”. Desde a hora que você acorda, até a hora que vai dormir, respeitando seus compromissos, obrigações, autocuidado, enfim, todas as áreas da vida, como seria seu dia ideal hoje? Não é para ser idealista, pensando em coisas que não existem, tipo “aaaaah o ideal mesmo seria acordar 11h da manhã mas meu trabalho começa às 8h”. Não é sobre isso! É sobre analisar a realidade e buscar compreender como o dia seria mais tranquilo para você. Por ex – ok, tenho que começar a trabalhar às 8h? Como faço isso de uma maneira mais tranquila? Preciso acordar mais cedo? Dormir mais cedo? Tomar um café antes de começar? Etc.

O redesenho do dia ideal tem a ver com a construção de hábitos dentro de uma rotina que você sempre pode repensar para se sentir melhor.

O meu redesenho

Sinceramente, eu vou conseguir redesenhar a minha rotina e o meu dia ideal quando finalizar a mudança de escritório. Isso porque o novo escritório será ao lado da minha academia 🙏🏻 e eu vou conseguir planejar melhor as minhas atividades físicas. Por enquanto, estou em uma espécie de intervalo etéreo, entre o fim de um projeto profissional cansativo (que comentei em um post anterior) e o início de uma nova fase. Portanto, meu foco, de verdade, está em descansar. Estou dormindo mais, me recuperando fisicamente mesmo. Não estou me cobrando performance em atividade física. Simplesmente preciso desse descanso de modo geral no momento.

Hoje, para mim, tem feito sentido dividir o meu dia em blocos de 3 horas:

  • 6h-9h
  • 9h-12h
  • 12h-15h
  • 15h-18h
  • 18h-21h
  • 21h-00h

Estou determinada a trabalhar 6 horas por dia e dedicar 3 horas para as aulas do Doutorado. Isso dá 9 horas de trabalho por dia, de modo geral. Fica mais ou menos assim:

  • 6h-9h
  • 9h-12h – trabalho
  • 12h-15h
  • 15h-18h – trabalho
  • 18h-21h – faculdade
  • 21h-00h

Não é engessado – é uma referência. A aula pode ser das 19h às 22h, assim como posso escolher fazer 6 horas direto de trabalho sem o intervalo que faço no almoço. Mas estou fazendo isso para entender como alocar meu tempo na minha rotina. Fica mais ou menos assim a distribuição:

  • 6h-9h – autocuidado, saúde, “me” time
  • 9h-12h – trabalho (mais deep work – envolve escrita acadêmica)
  • 12h-15h – descanso, família, resolver coisas na rua, lazer
  • 15h-18h – trabalho (mais “externo” – reuniões, aulas, lives)
  • 18h-21h – faculdade (inclui deslocamento)
  • 21h-00h – família, descanso, lazer, leituras

Isso me ajuda a organizar os dias. Por exemplo, se tiver que agendar uma consulta médica, faço antes das 9h, se der. Se precisar ir até a Leroy Merlin ver coisas da obra, entre 12h e 15h faz mais sentido. Se não tiver aula de noite, me dedico aos estudos. Enfim, é só uma sugestão de como alocar o dia. Obviamente tem dias que faço diferente.

Não muda tanto aos finais de semana. O que acontece é que eu troco um pouco os blocos – estudo de manhã, ou faço algum tipo de trabalho (especialmente ligado ao Doutorado) na hora do almoço, passeio com a família à tarde etc.

Por que é importante desenhar o dia ideal

É sobre ser leve.

Esse redesenho foi importante para mim porque, quando eu não tenho tais critérios, minha tendência é ir agendando as coisas nos horários que são melhores para as outras pessoas – o que é ok, contanto que não influencie negativamente no meu dia também. Então pensar na agenda desta forma na real é uma atitude de auto respeito e de autocuidado. Sempre que alguma configuração na sua rotina mudar, repense seu dia ideal. Isso pode te ajudar a encaixar as prioridades com mais certeza.

Onde organizar

Como falei anteriormente, o dia ideal é uma checklist. Organize onde você costuma colocar as suas checklists. Eu organizo em uma página no Notion pois faz sentido para mim.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Trimestral, Áreas da Vida

Uma das revisões que considero importantes nessa revisão do trimestre é a revisão das minhas áreas da vida em um sentido mais amplo. Reflito sobre a minha rotina, o meu dia ideal e outros aspectos.

Tenho um mapa mental no Mind Meister para as áreas da minha vida. Esse mapa é como se fosse um mapa da minha vida mesmo – um detalhamento maior das reflexões que faço mensalmente com a roda da vida.

Tem uma estrela na área Saúde, que é a minha área de foco deste ano e ela DEFINITIVAMENTE foi a área deste ano. Já está desenhada a do ano que vem, que na real começa agora, no meu ano novo do aniversário, e será Social. ❤️ Depois farei um post específico explicando os motivos, mas já aproveitei para dar um trabalhada nessa área no meu mapa.

O teor dessa revisão é realmente ir mexendo no mapa cada vez que o revise – acrescentando coisas, renomeando, tirando o que não faz sentido, identificar projetos e por aí vai. Tem sido mais legal fazer trimestralmente que mensalmente – mensalmente deixo a análise da roda da vida e da ferramenta Organização 360, que foi uma que desenvolvi para o Método Vida Organizada. Mas revisar as áreas da vida nesse mapa a cada virada de estação me permite desenvolver um distanciamento um pouco maior para avaliar as mudanças e perceber desequilíbrios.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Trimestral

Quando muda uma estação, além da conexão com a natureza, como ser humano, eu também uso como um lembrete para revisar alguns temas que, para mim, faz sentido revisar a cada três meses. Chamo isso de revisão trimestral. É quando reviso:

  • como aloquei meu tempo / minha vida no último trimestre
  • o que estava planejado / o que conseguir fazer
  • reviso os planos para o próximo
  • reviso alguns tópicos importantes como: minha rotina, minha alimentação, minha saúde, rotina da família e da casa, armário e roupas, objetivos de vida, marcos e entregas de projetos

Reviso a minha rotina de modo geral para garantir que ela ainda esteja adequada. Pode ser uma boa redesenhar o que eu considero o meu dia ideal nas circunstâncias atuais da minha vida. Isso vale para todas as áreas, mas principalmente saúde, casa e trabalho.

Eu também gosto de reorganizar o meu guarda-roupa de modo que o espaço seja otimizado. Como meu guarda-roupa é pequeno, eu preciso manter com fácil acesso apenas as roupas que posso usar nesta época do ano. Por isso, eu gosto de fazer essa revisão nesse momento, guardando na parte de cima as peças que certamente não preciso olhar até a revisão da próxima estação.

Eu também gosto de adequar a minha alimentação seguindo princípios do Ayurveda (sistema de medicina indiano), consumindo mais alimentos de época e respeitando as necessidades que o meu corpo tem no frio.

Também faço adequações na casa (veja o post de ontem aqui no feed), reviso meus objetivos e próximas entregas de projetos que planejei para o trimestre.

Eu pretendo criar posts aqui compartilhando a revisão de cada um desses aspectos. Hoje é mais um apanhado geral.

Meus últimos três meses foram marcados pelo cansaço. Por quê? Porque iniciei um trabalho corporativo ali na metade de julho e saí apenas agora em setembro. Foi um projeto que peguei e que achei que conseguiria conciliar com o Vida Organizada e o Doutorado, mas não rolou. O Doutorado está me demandando muito e esse outro trabalho tinha muitas viagens, o que inviabilizava o Doutorado. O Vida Organizada em si roda bem já sem tanto da minha presença, mas eu não podia faltar mais no Doutorado (logo explico o motivo!). Em junho e julho isso foi tranquilo porque eu estava de férias mas, quando voltei em agosto, foi terrível. Fiquei cansada pacas e tomei a decisão de não prosseguir com esse trabalho. Foi uma decisão muito difícil porque, quando o aceitei, eu visava o longo prazo. Mas aconteceu algo inesperado no Doutorado que me obrigou a escolher, e foi isso.

Além desse aspecto central, meus últimos três meses foram marcados pela sobriedade. Eu parei de beber álcool. Já tinha ficado quase três anos sem beber e, no final do ano passado, voltei. Foi a pior decisão de todos os tempos. Tirou meu foco, potencializou minha depressão, me colocou em uma crise existencial ainda mais intensa, entre outros problemas. Quando identifiquei isso, resolvi parar. Não sei se vocês têm interesse nesse assunto, mas posso falar mais em algum momento, se vocês acharem que tem a ver. Sinceramente, eu acho. O consumo de álcool é muito normalizado na nossa rotina e não acho que ajude em nada, pelo contrário.

A virada do ano, para mim, representou uma espécie de renascimento. Meu último ano foi muito, muito difícil emocional e profissionalmente. Ainda na pandemia, sem vacina, e uma série de coisas que aconteceram por aqui. Tive meses no início do ano em que fiquei realmente incapacitada por conta da depressão. Posso dizer que finalmente melhorei após o meio do ano. E, quando deixei aquele projeto profissional, eu pude descansar mais fisicamente, o que venho fazendo desde então. Relembrar meu lema para o ano foi fundamental, e é o que tenho feito nas últimas semanas. Me fez retomar o foco. Tô focada!

Conquistei dois objetivos importantes nesse último trimestre, mas sobre isso falarei em um futuro post, assim como sobre outros temas.

A virada de uma estação para a outra é o meu lembrete de fazer essa revisão. Espero que a checklist seja útil para você também.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.