Categoria(s) do post: Diário da Thais, Roupas

Eu quis fazer este post como um piloto, porque achei a ideia interessante, mas gostaria de saber se vocês acham interessante, tá bem? Se acharem, eu continuo fazendo. 🙂

Estou fazendo uma revisão do meu guarda-roupa porque mudei meu estilo nos últimos anos – ou o amadureci, não sei especificar -, então avaliar peça a peça faz com que eu repense cada uma delas e justifique seu armazenamento. Precisa valer a pena manter. Para isso, faço algumas perguntas:

  • A peça está detonada, puída, rasgada ou algo que não dá para arrumar? Se não, mantenha.
  • Você usou essa peça no último ano? Se sim, mantenha. (pondere por conta da quarentena)
  • Ela é confortável? Você a usaria todos os dias, se pudesse? Se sim, mantenha.
  • Combina com o seu estilo? Te ajuda na construção do estilo que você quer ter? Se sim, mantenha.
  • Essa peça veste bem em você? Você se sente bem com ela? Se sim, mantenha.
  • Se não veste bem, daria para levar em uma costureira para ajustar?
  • Você consegue combinar essa peça com pelo menos três outras do seu guarda-roupa? Ela compõe looks que te deixam com vontade de usar? Se sim, mantenha.
  • A peça demanda ajustes simples? Uma barra, trocar o zíper, botões ou coisas simples? Se sim, separe para reparos.
  • Você vai conseguir usar essa peça nesta estação? Ela é versátil e adequada ao clima da sua região? Se sim, mantenha.
  • Exceção: se for um item “sentimental”, deixe reservado para avaliar futuramente.

(Esse questionário foi baseado no livro “The Curated Closet” mas personalizado para a minha realidade)

As perguntas são um guia, não regras. Servem para ponderar. Só você pode decidir se vale a pena manter a peça.

Comecei então com a minha camisa jeans. Ah, eu não passo roupas, ok? Não ligo para isso.

A camisa que eu tenho é da Renner e eu comprei em 2017, se não me engano. Ela era um azul médio para escuro e agora já está mais desbotada. Eu gosto dela porque ela tem os botões diferentes, em pérola, além de ser um tecido bem molinho, o que permite que eu use confortavelmente quando não está tão frio e também por baixo de suéteres.

Questionário:

  • A peça está detonada, puída, rasgada ou algo que não dá para arrumar? Não.
  • Você usou essa peça no último ano? Sim.
  • Ela é confortável? Você a usaria todos os dias, se pudesse? Sim.
  • Combina com o seu estilo? Te ajuda na construção do estilo que você quer ter? Sim.
  • Essa peça veste bem em você? Você se sente bem com ela? Sim.
  • Você consegue combinar essa peça com pelo menos três outras do seu guarda-roupa? Ela compõe looks que te deixam com vontade de usar? Sim. (vou mostrar mais abaixo)
  • Você vai conseguir usar essa peça nesta estação? Ela é versátil e adequada ao clima da sua região? Sim.

Eu achei curioso começar essa série de posts por essa peça porque ela realmente é uma peça que descreve bem o meu estilo – meio masculino, meio rocker, meio cowboy, meio francês, meio minimalista, meio clássico, dark academia, tons profundos – um mix, de alguma maneira, de todas as coisas que gosto de usar. É uma peça que me representa bem.

Vou trazer alguns looks com ela para vocês entenderem como eu trago para o dia a dia.

(gente, só vi depois na edição das fotos como o espelho precisava de um paninho. relevem! ao vivo quase não dá pra ver – limpo toda semana mas minha casa pega muito pó por conta da rua agitada)

“Acordei, preciso sair rápido e não estou a fim de pensar em nada, ao mesmo tempo que quero estar confortável”

A calça de sarja preta também é da Renner e o mocassim, da Zara.
Se estiver frio, um suéter preto (esse é de chenille, da Marisa)

“Vou passar o dia tendo aula do Doutorado”

Suéter listrado Renner também

“Minhas amigas me chamaram pra almoçar” (antes da quarentena)

Cinto Marisa, calça Levi’s

“Preciso instalar as prateleiras novas em casa”

Calça Levi’s

“Reunião de equipe” (antes da quarentena, ou pelo Zoom)

Blazer Bazzarella

“Vou ao cinema no domingo” (antes da quarentena)

Colar Renner, calça C&A

“Trabalhar em casa”

Saia de couro fake Renner também

Vale sempre lembrar que dá para mudar completamente o look com casacos, lenços e outros acessórios que não usei no post.

Eu só tenho uma camisa jeans. Talvez futuramente seja o caso de ter uma mais clara. Por hora está ok.

Como esse foi um post teste, piloto mesmo, relevem a qualidade das fotos, pessoal! Prometo corrigir essas falhinhas em posts futuros agora que já sei o que pode acontecer na edição e produção. 🙂

Vocês curtem posts assim? Um guarda-roupa organizado faz diferença no dia a dia, em ter uma rotina tranquila, e “processar uma peça” não é tão diferente de “processar um e-mail”. O espaço de armazenamento e ter peças funcionais, que combinem entre si, dentro do seu estilo, respeitando os limites de espaço, faz sim parte de uma vida organizada.