Categoria(s) do post: Saúde

Antes de tudo o que estamos passando no momento, frente à pandemia, meu horário de sono estava bem regular. Estava conseguindo dormir cedo praticamente todos os dias (entre 21h30 e 22h) e acordando cedo também diariamente (entre 5h30 e 6h). Com a pandemia, eu não consegui manter esse horário, porque os meninos estão indo dormir mais tarde. O Paul sentiu bastante nos primeiros 10 dias, e eu senti, com instinto de mãe, que deveria ficar disponível para ele todo esse tempo. Com o tempo, fomos conseguindo nos organizar, mas bastaram poucos dias para bagunçar meu sono. Eu sou bastante sensível ao sono, pois tenho o sono leve, e qualquer coisinha já atrapalha a qualidade dele.

E gente, como eu sempre digo aqui, o sono é tudo na vida da pessoa. Se tem algo que determina minha energia ao longo de todo o dia é a qualidade do meu sono. E, por mais que, em termos de rotina de atividades, eu não me refira a horários, tudo o que envolve sono e alimentação, metabolismo do corpo mesmo, em si, horário é importante. Aprendi isso no Ayurveda e é fato. Porque o nosso corpo trabalha “como um reloginho”. Se cada dia você dorme e acorde em um horário, ou se alimenta em horários variados, ele fica meio “maluco”, baixa a imunidade, enfim, coisas que não temos interesse no momento.

Duas coisas têm atrapalhado meu sono de modo geral: 1) ficar ansiosa e ter dificuldade de dormir, mesmo cuidando da minha mente como sempre (meditação, afirmações positivas etc.) e 2) ter o sono intermitente – ficar acordando de noite, demorar para pegar no sono de novo, estendendo o tempo que passo na cama. Isso atrapalha pra caramba. Como eu consegui resolver, quis compartilhar com vocês porque sei que algumas pessoas podem estar mais ou menos na mesma situação. O que funciona por aqui:

  • Encontrar o melhor horário de dormir e acordar que funcione para você (em termos de quantidade de horas de sono necessária e seu horário de trabalho) e para a sua família. Padronize esse horário todos os dias, mesmo aos finais de semana.
  • Coma no máximo duas horas antes de ir para a cama. Desligue eletrônicos de uma a duas horas antes de ir para a cama. E procure estar na cama cerca de 60 ou 45 minutos antes do horário de dormir, para ficar sonolenta/o.
  • Busque um “ritual de sono” que funcione para você. Para mim, é ler um pouco, escrever no caderno, tomar um chá, ouvir um pouco da aula do dia do Centro Budista (no curso online que eu faço), fazer automassagem etc.

O que também funcionou por aqui foi combinar o horário de dormir junto com o Paul, assim um “monitora” o outro para ir dormir cedo. Como esta semana ele começou a ter aulas de manhã (da escola), facilitou um pouco. Como ele tem que acordar bem cedo, fica fácil convencer a ir dormir mais cedo. Pra mim também é bom, porque prefiro dormir e acordar cedo, mesmo que não no horário que eu estava fazendo antes.

Não ler notícias de noite e desligar os eletrônicos me ajuda a dormir melhor, a pegar no sono com mais facilidade. Realmente não tem milagre quando se trata da qualidade do sono. É mudar alguns hábitos que podem ser nocivos.

Vale dizer que, apesar de funcionar bem de modo geral, tem dias que meu sono fica estranho também, porque nada é muito normal nesses tempos que estamos vivendo, então ajuda eu não me cobrar uma vida normal, pois ela não está acontecendo. Mas entender que é ok, que é normal, e que não precisa ser assim todos os dias (hoje estou assim, amanhã volto ao normal), me ajuda a encarar melhor um dia após o outro.

Você está tendo dificuldades para dormir ou com a qualidade do seu sono durante a quarentena? Por favor, compartilhe nos comentários para trocarmos figurinhas. Obrigada.