Categoria(s) do post: Saúde, Equilíbrio emocional, Rotinas

No Ayurveda existe uma rotina diária chamada Dinacharya, que ainda quero escrever mais sobre aqui no blog para vocês. E ao implementar os direcionamentos do Ayurveda, eu quero aos poucos ir inserindo uma coisa e outra na minha rotina até virar hábito. E a principal delas no momento é o horário de acordar. Essa é minha meta atual: conseguir acordar todos os dias no mesmo horário, cedo. Ainda não consigo diariamente, mas minha meta é chegar lá.

Brahma Muhurta é o “horário do criador”. Trata-se daquele período antes de o sol começar a nascer, em que está escuro, quase amanhecendo. Nas minhas leituras sobre Ayurveda, já li referências a 45 minutos antes do nascer do sol até 2 horas antes de o sol nascer. Mas dá para entender o sentido da coisa e mais o menos o horário que acontece.

Para saber quando o sol nasce, eu verifico no meu app de “tempo” do iPhone a atualização diária da meteorologia. Hoje, exato dia em que escrevo este post, o horário de nascer do sol era 5:52. Varia de país para país, de estação para estação etc.

Nós, como seres humanos, vivemos hoje uma rotina muito afastada da natureza. E me reconectar com a natureza sempre foi importante e fez bem para mim. Logo, essa é UMA das coisas que tenho buscado fazer.

Claro que, para acordar cedo, é preciso dormir cedo, e dormir bem. Um dos pilares do Ayurveda é ter uma boa noite de sono, porque essa noite de sono que vai nortear todo o seu dia. Sim, parece as coisas que eu falo aqui no Vida Organizada. rsrs Não é à toa que me apaixonei pelo Ayurveda.

O Matheus, do Vida Veda, falou uma coisa que me marcou muito, que foi: “Dormir 1h da manhã e acordar às 5h não é Ayurveda. Ayurveda é dormir a quantidade de horas suficientes – que podem ser de 6 a 8 horas por pessoa, você que se conhece melhor e sabe as horas que precisa dormir. Mais importante do que acordar no Brahma Muhurta, é dormir bem”.

Então eu estou exatamente nesse momento. Pelo trabalho que eu faço, dormir bem já é minha prioridade desde sempre. Porém, eu também já aprendi, nos últimos anos, que ter uma certa constância de horário para dormir e para acordar é tão importante quanto a quantidade de horas que você dorme. (Não é à toa que o jetlag faz tão mal às pessoas) E aí eu venho tentando estabilizar esse horário.

Para acordar 5h, eu preciso ir dormir umas 22h ou 23h. Só que, conhecendo o meu corpo, eu sei que se eu for para a cama depois das 22h, eu perco a janela do meu sono e fico acordadaça – até pelo meu biotipo, que já vimos outro dia em outro post. Então o ideal para mim é: 20h desliga os eletrônicos, 21h está na cama já tentando dormir.

Qual tem sido o principal desafio aqui? Dois, na verdade:

  • Como você pode imaginar, conciliar com o horário da família. Paul dorme mais cedo, mas meu marido não. Mas estamos conversando de modo que ele entenda a importância desse hábito para a minha saúde. Ele sabe o que eu passei nos últimos anos em termos de saúde e como é importante que eu priorize isso. Eu tenho todo o período da noite antes de ir dormir para ficar com eles, e basta aproveitar bem. Depois meu marido até consegue aproveitar para fazer as coisinhas dele, ver filmes, tirar músicas etc.
  • Algumas vezes eu tenho compromissos à noite. De modo geral, estou evitando TODOS (sério mesmo). Mas às vezes acontecem. Tenho os grupos de pesquisa da faculdade, mas eles acontecem de uma a duas vezes por mês, apenas. Tenho o curso no Centro Budista, 2x por semana, que acaba 22h. Mas o que eu faço é tratar como exceção o que é exceção, não deixar virar rotina. Então nos outros dias fico mais regrada e dormindo no meu horário.

Quando eu não consigo dormir no meu “horário ideal”, eu priorizo então dormir a quantidade de horas suficientes. Por exemplo, se fui dormir às 23h, acordo às 6h ou às 7h. De modo geral, fico bem atualmente com 6 a 7 horas de sono e durmo 8 apenas nos dias em que fiz mais coisas fisicamente (como a mudança do escritório) e fiquei mais cansada. Outro dia mesmo eu tomei café de tarde e isso prejudicou meu sono pacas – fui dormir quase 1h30 da manhã. Acordei 9h30. Então pode acontecer, mas é exceção total. E não é o ideal, para mim, porque já perdi praticamente metade da minha manhã. Mas acontece, a vida é isso mesmo.

Agora vamos lá: qual é o lance de acordar antes do nascer do sol? É para ser master blaster produtiva? Para montar o 5am club? Não, longe disso. Simplesmente porque é um momento de silêncio e introspecção, observação do milagre da vida mesmo, e eu aproveito para começar o dia da maneira mais significativa para mim. Leio, medito, faço Yoga ao nascer do sol, tomo meu café-da-manhã às 6h, quando já estou com um pouco de fome. Faço tudo com calma, é bem gostoso. Eu percebo que consigo me cuidar mais, e esse período da manhã é excelente para esse autocuidado (que eu vou detalhar mais no post sobre Dinacharya).

Quando chega a metade da manhã, lá pelas 9h30, 10h, eu já fiz bastante coisa legal e sinto que meu dia já rendeu em um horário que muita gente ainda está começando a trabalhar. É uma coisa minha, e eu gosto.

E então eu coloco como meta porque, para mim, isso estará implementado quando virar a maior parte dos dias da minha semana. Por enquanto consigo fazer de 3 a 5 vezes ao longo da semana, o que já é ótimo! Então estou nesse processo e queria compartilhar com vocês.

Mais uma vez: não tem milagre. Para acordar cedo bem, tem que dormir cedo, ter um sono restaurador, suficiente, tranquilo. E eu me sinto MUITO melhor quando acordo cedo. Sempre achei que fosse “noctívaga”, mas no Ayurveda, estudando muito e muito, a gente aprende que isso na verdade é um mito e envolve outras questões, como o uso excessivo de aparelhos eletrônicos e alimentação desregulada. Quem tiver interesse em saber mais sobre isso, recomendo uma consulta a um terapeuta ayurvédico ou a leitura de um livro sobre o assunto. 😉