Categoria(s) do post: Diário da Thais, Planejamentos

Eu venho, há alguns anos, definindo um lema para cada ano. A ideia é ter um princípio que me norteie ao longo dos meses e que parece fazer sentido de acordo com o momento de vida que eu estou vivendo, mas também diz aquilo que eu quero para mim no ano corrente.

Confira o meu lema para 2018
Confira o meu lema para 2019

Vejo o lema como um princípio que deva me guiar ao longo do ano. Nos anos anteriores, ter esse lema era como se eu tivesse escrito um recado para a Thais do futuro, sabendo que ela passaria por situações desafiadoras, e o lema serviria inclusive como parâmetro de decisão.

Por diversos motivos, decidi que o meu lema para 2020 será investir mais no que é meu. Confiar mais no meu próprio trabalho.

Desde sempre eu trabalho para outras pessoas. E não me leve a mal: ainda hoje, tenho parceiros profissionais fantásticos com os quais adoro trabalhar e me relacionar. No entanto, muitas vezes eu deixei o Vida Organizada de lado para atender interesses de terceiros, e se eu deixar o Vida Organizada de lado, quem cuidará dele? Ninguém, só eu mesma. Por esse motivo eu tomei uma série de decisões este ano para que eu cuidasse da minha empresa de perto e investisse mais em muitas iniciativas bacanas que eu já tinha criado.

Continuarei com as mesmas parcerias, mas o meu lema servirá como parâmetro para tomar decisões, quando decisões precisarem ser tomadas. No âmbito de priorização mesmo.

Envolve não apenas a empresa, mas o meu ecossistema como um todo. Priorizar filho, marido, mãe. Sabe? Porque a vida passa, e eu não quero ficar estressada nem deixar de estar com as pessoas que eu amo.

Felizmente eu me vejo em uma configuração que me permite olhar para uma Thais que tem um blog, livros publicados, um canal com quase 70 mil pessoas no YouTube, 90 mil seguidores no Instagram, certificações, um mestrado sendo finalizado, e com tudo isso existem muitas oportunidades pessoais e profissionais, e eu preciso ter foco para trabalhar naquilo que é 1) prioridade e 2) só eu posso fazer.

Recusei algumas propostas de trabalho que pareciam incríveis neste semestre simplesmente porque eu teria que abrir mão do meu tempo com o Vida Organizada para cuidar delas. Não se trata de faturamento simplesmente, mas de plenitude. De estar trabalhando em algo que é meu. De refinar esse trabalho, que é artesanal.

Entre o final de 2018 e o início de 2019 muita coisa aconteceu. Nos oito meses entre fevereiro e outubro de 2019 uma série de outras aconteceram, em graus diferentes. Mas todas elas me abriram os olhos para o que eu devo priorizar porque apenas eu posso fazer. E é um exercício incrível de desapego fazer isso, porque na verdade meu papel é formar pessoas que possam fazer coisas que eu faço, mas que não são exclusivas minhas.

Preciso confiar mais no meu trabalho, no que eu sei, que me fez ver que nada se compara a investir em algo que é uma construção de anos que você está compondo. Tenho três livros publicados, um método desenhado, me tornei pesquisadora e palestrante. Preciso acreditar cada vez mais em mim e investir energia nisso. Terapia ajudou pacas e ainda ajuda.

Tenho toda a força de um Ano 1 na numerologia para me impulsionar em todas esses frentes desde já, sem esperar o ano que vem, e é o que eu tenho feito. Mas ter isso como lema do meu ano novo será simplesmente um lembrete desse momento feliz e claro que estou vivendo agora, pois é nos momentos mais escuros que a gente pode se esquecer de quem a gente realmente é. Deixe o seu eu do passado te resgatar.