Categoria(s) do post: Finanças

Este é um dos posts mais importantes desta série atual sobre finanças, pois vou falar sobre os ajustes no estilo de vida.

Como eu comentei em posts anteriores, tenho aplicado o método do Ben Zruel para organização das finanças tanto pessoais quanto da empresa.

O segundo passo do método dele é justamente ajustar seu padrão de vida para que seja mais condizente à sua realidade.

De modo geral, um erro clássico que as pessoas cometem quando começam a ganhar mais dinheiro é aumentar seus custos fixos, vivendo um padrão de vida mais caro do que viviam antes. Um erro anterior a esse é querer viver um padrão de vida que não pode ser coberto nem mesmo pelo salário que recebe, e aí entram as dívidas de cartões, empréstimos etc.

A fórmula para viver um padrão de vida correto é simples: cortar gastos e aumentar a receita. Mas o simples não significa ser fácil.

O Ben fala: “no Brasil, a gente não tem como se dar ao luxo de viver um só dia fora do padrão de vida adequado”.

Quando ele fala sobre cortar custos, ele não está se referindo a cortar todos os prazeres que você tem na sua casa e na sua vida. Trata-se de adequar, apenas.

Segundo ele, existem quatro contextos que afetam o padrão de vida, e eles devem ser examinados e mudados:

  1. moradia
  2. educação
  3. transporte
  4. alimentação

Pois bem, falarei sobre cada um deles e como eu tenho feito.

Moradia

Há muitos anos nós moramos de aluguel, por opção. Atualmente, moramos em uma casa própria, que ficou de herança. Há alguns anos cogitamos comprar um imóvel mas entendemos que não era um bom investimento, nem valia a pena para nós.

No entanto, entendo o que ele quer dizer aqui. Muita gente se embanana pagando prestação alta de apartamento sendo que poderia pagar menos. Muita gente paga um aluguel caríssimo sendo que poderia pagar um valor menor por um imóvel mais simples.

É complicadíssimo a gente pagar um valor alto de aluguel ou de financiamento de imóvel, pois é um custo fixo. A recomendação dele então é que você analise friamente como poderia ajustar sua moradia a um padrão mais apropriado aos seus rendimentos hoje.

Aqui ele sabe que é um corte direto na carne, pois as pessoas se sentem muito afetadas por mudanças nesse padrão de moradia. Só você pode pôr a mão na consciência e saber se a maneira como você está gastando seu dinheiro aqui neste tópico está correta com seu estilo de vida ou não.

Além da residência, coloco aqui a locação da sala comercial da minha empresa. Tínhamos duas salas até pouco tempo, sendo que uma delas representava uma redução nos custos fixos para as salas de cursos que alugamos pelo menos uma vez por mês. Porém, várias mudanças foram realizadas na minha empresa e uma das decisões foi a de manter uma única sala como escritório. Ponderei muito sobre isso na época e achei que valia a pena o custo benefício de ter um escritório externo para não trabalhar apenas em casa. O contrato vence em abril e, até lá, tenho tempo para refletir sobre a real necessidade desse espaço. Por enquanto, ele tem feito sentido. Eu preciso de um espaço externo para ter minha rotina de trabalhar fora, organizar as minhas coisas etc.

Considerei comprar uma sala comercial, mas fazendo uma análise reflexiva, concluí que não valia a pena, para mim. Alugar ainda é mais vantajoso. Meu modelo de trabalho pode mudar, eu posso querer mudar para uma sala maior ou menor com o tempo etc.

Educação

Hoje eu tenho alguns gastos fixos com educação e estou analisando todos eles.

Um gasto atual alto mas que logo terminará é a mensalidade do mestrado. E eu já decidi que só farei doutorado se for em uma universidade pública ou com bolsa da mensalidade. É um princípio importante que delineará a escolha da instituição quando resolver fazê-lo.

Outro gasto meu com educação é o Cambly, para treinar inglês. Hoje, foi a alternativa mais em conta que encontrei e que me atende. Porque tem isso também – não basta cortar uma coisa que precisa e passar necessidades naquele setor. Treinar meu inglês é importantíssimo, e essa alternativa acabou sendo a melhor escolha para o momento. Claro que, em uma possível situação de cortes extremos, isto aqui seria cortado (o que é sempre um bom raciocínio de se fazer para analisar se há outros cortes que poderiam ser feitos de qualquer maneira).

E temos por fim a escola do filhote, que hoje conseguimos otimizar bem também. Ele estuda em uma ótima escola com uma mensalidade ok. Estamos procurando uma nova escola para o ano que vem e eu penso assim: se eu puder pagar por uma boa educação, ainda prefiro pagar. Mas nada impede de ele estudar em uma escola gratuita se encontrarmos uma escola gratuita que seja boa também.

Vejo que muitas pessoas gastam um dinheirão aqui não apenas com a sua própria educação do que com a educação dos filhos. É claro que educação é essencial, mas veja se você não está pagando por uma mensalidade que poderia ser reduzida e mais adequada ao estilo da vida da sua família.

Com relação à formação profissional, eu seguro bastante a mão para investir em cursos que preciso de fato. Gosto de tirar uma certificação por ano, pelo menos, e fazer cursos pontuais sobre assuntos que são necessários para mim no momento.

Transporte

No momento, nós precisamos do carro, especialmente meu marido. Ele trabalha com música e carrega muitos equipamentos. Este ano nós trocamos de carro para um maior e estamos satisfeitos com ele. Certamente podemos reduzir os gastos com gasolina e estacionamento, então temos usado menos o carro, mantendo apenas nas situações que sejam realmente necessárias. Filhote estuda longe (isso vai mudar ano que vem), tem o trabalho do meu marido e as coisas do dia a dia, como fazer mercado etc.

Nós moramos em uma região bem centralizada aqui em São Paulo então eu mesma nunca tive necessidade de um carro. Circulo de ônibus, metrô e a pé tranquilamente. É muito cômodo usar Uber, então eu reduzi. Se dá para ir de transporte público ou a pé, eu me planejo para sair antes e vou numa boa. Para reduzir ainda mais o Uber, eu estou usando aqueles cartões pré-pagos dele, pois assim eu não uso meu cartão de crédito e, por ali, consigo controlar melhor quanto estou gastando com esse meio de transporte.

Para ir para o escritório, posso ir a pé ou de ônibus. Para todos os lugares do meu dia a dia eu consigo fazer esse tipo de deslocamento, mas usava bastante Uber para quase tudo. Desde que fiz o curso com o Ben, resolvi mudar. É muito cômodo a gente manter determinados tipos de situação, e neste caso foi uma mudança significativa para mim. Só uso Uber quando realmente não tem jeito, hoje em dia.

Meu objetivo aqui é a gente conseguir quitar o financiamento do carro o quanto antes, mas esse assunto entrará no próximo post sobre este assunto, onde falarei sobre dívidas.

Alimentação

Aqui era outro tópico que eu confesso que gastava mais do que deveria. Gosto muito de comer fora. Tomei algumas decisões que me fizeram economizar cerca de 80% também com comida.

  • Passei a preparar marmitas para a semana inteira. Uma vez a cada 10 dias, mais ou menos, dedico três horas do meu tempo para preparar e congelar as marmitas. Tenho 16 potinhos e essa é a quantidade de refeições que consigo preparar quando me dedico a isso. Tem me ajudado a reduzir os gastos diários. Era comum almoçar no kg ou pedir comida pelo iFood. Praticamente cortei esses gastos.
  • Quando preciso almoçar fora por qualquer motivo, costumo agendar conversas (reuniões) com pessoas que eu precisaria conversar de qualquer maneira. Assim, eu mato a vontade de comer em algum lugar fora, diferente, e ainda otimizo o meu tempo.
  • Virei vegetariana e estou em transição para o veganismo. Carne é uma coisa muito cara e, só de eu ter parado de comer, já economizei MUITO também. Meu marido e meu filho continuam consumindo, mas menos. Reduzimos bastante o custo aqui.
  • Pedimos comida apenas uma vez por semana (no máximo – tem semana que nem pedimos) e comemos fora uma vez por semana também (no máximo, igualmente). Assim, a gente se organiza para ir jantar ou almoçar em um lugar que temos vontade, mas também sabemos que não é algo para fazer todos os dias, o que torna a ocasião mais especial. Nós não vamos em restaurantes caros também.

Gosto muito quando o Ben fala que, quando se trata de mudança de estilo de vida, é certo: ou a gente muda, ou a vida vai te fazer mudar de uma maneira muito mais traumática. O padrão de vida adequado fará com que você durma em paz à noite.

Todo dia a gente tem a oportunidade de gastar ou de economizar em alguma coisinha. A cada momento, uma escolha que afeta a sua vida financeira.

É aquilo: preciso fazer uma almoço com reunião de trabalho. Escolho um restaurante que vou gastar 50 reais, não 80. Esse tipo de redução de custos faz muita diferença na sua saúde financeira.

Prestações são um saco. Cada prestação que você tem que pagar é como se fosse uma pedra dentro da sua mochila. Deixa sua rotina pesada. Você tem que se matar de trabalhar para cobrir custos fixos. Foi um dos motivos que me levaram a tomar decisões importantes na minha empresa nos últimos meses também. Dívidas e custos fixos pesam. Não é certo você se matar de trabalhar para sustentar um estilo de vida ao qual você ficou aprisionado.

Se você depende do seu salário todo mês, você provavelmente tem essa crença de que todo mês você terá uma fonte para tirar esse dinheiro. Mas chegará uma hora na sua vida que você não terá mais condições de trabalhar e receber um salário. E aí? Você está se preparando para esse momento? Se você ainda não está preparado, significa que seu padrão de vida pode sofrer ainda mais ajustes.

Você pode ter as coisas, desde que elas não sejam um peso para você. O Ben fala: o problema não é ter um estilo de vida que gaste 30 mil por mês. O problema é ter esse estilo de vida e o seu salário ser 30 mil por mês! Pois você depende dele integralmente para manter o estilo de vida que você criou. Isso é perigoso pacas. Você não está guardando dinheiro para qualquer tipo de situação futura.

Para mim, essas mudanças realizadas (e ainda sendo implementadas) no meu dia a dia com transporte e alimentação mudaram muito a minha relação com o dinheiro. Se eu tivesse feito esses ajustes há alguns anos, teria tido muito menos despesas com isso. Mas tudo bem, a análise faz parte, e o que importa é daqui para frente.

Em um próximo post sobre esse assunto eu vou falar sobre quitar dívidas.

Por favor, deixe um comentário falando sobre suas percepções a respeito do estilo de vida que vive. Você acha que está adequado à sua realidade ou pode sofrer ajustes? Obrigada.