Categoria(s) do post: Áreas da Vida

Qual é a sua maior riqueza?

A sua riqueza pode ser levada nos bolsos? Carregada nos braços? Levada na mochila? (#sdds Amor sem escalas)

A maneira mais radical de se pensar em desapego é saber que um dia morreremos (pode ser hoje) e que não levaremos absolutamente nada conosco. Então, de que adianta nos apegarmos a tantos objetos? De que adianta perdermos tempo lustrando uma louça que nunca é usada? Ou lamentando a respeito de pessoas e sentimentos que não fazem sentido? Fica a reflexão.

Se você for assaltado(a) na rua, qual o maior bem que o assaltante pode levar? Ele pode tirar a sua vida. Esse é o medo. Celular, dinheiro, carteira – essas coisas não importam. Você pode ficar bravo(a) porque perdeu seu celular sem pagar a primeira prestação ainda (que tristeza), mas se você pode reclamar sobre isso, é porque ficou viva(o). Sobreviveu a esse assalto. Então do que está reclamando mesmo..?

Aquela velha história de: “se a sua casa pegasse fogo, o que você salvaria?”. Ou: “se você fosse para uma ilha deserta e pudesse levar 3 coisas, o que levaria?”.

Nossa riqueza não está em nossas coisas, mas em nossos sentimentos e lembranças. Nosso aprendizado.

Gosto sempre de citar uma frase do Thoreau, em que ele fala que “feliz é o homem que consegue carregar todos os seus pertences em um carrinho de mão”. E sabe por que isso é verdadeiro? Porque quanto mais coisas temos, mais preocupações surgem.

Oras, se você ganha um alto salário, não tem medo de ser roubado(a)? De ser sequestrado(a)? De perder o dinheiro em um erro do banco, em uma aplicação errada, em uma compra impulsiva?

Se você compra uma TV de 55 polegadas, não vai ficar mais preocupado(a) se o seu filho vai arranhar com um lápis de cor?

Se você compra um tablet, não vai ficar preocupado(a) em sair na rua com ele?

Se você compra um carro, não precisa pagar IPVA, DPVAT, licenciamento, seguro, reparos, gasolina e uma série de outras coisas?

Agora, o que acontece com as experiências que você tem em viagens, no dia a dia, nos momentos com a família, os relacionamentos, os insights ao observar a natureza, o conhecimento adquirido com estudo, tudo? Isso ninguém pode roubar da gente, pois está dentro de nós. Não está em objetos.

Logo… todo o resto… é substituível. Talvez a gente nem precisasse ter, se estivesse focando no que é mais importante, que são as sensações descritas anteriormente.

Quando eu falo em desapego na prática, o que eu quero dizer é: imagine-se sentada(o) no meio do deserto, da rua, do campo, da praia. Sem nada. Absolutamente nada.

Imagine que você tenha acordado nesse lugar e não tenha casa para ir, telefone para ligar para alguém. Mal tenha a roupa que está vestindo o seu corpo.

Então você descobre que o mundo explodiu (fictício hein, haha, envolvam-se no exercício) e você foi o único sobrevivente. Nada restou. Não existe mais iPad, celular, carro, shopping, móveis. Nada.

Você sentiria falta dessas coisas ou das pessoas que não verá nunca mais?

Outro dia eu escrevi sobre a moça que morreu de câncer e foi fotografada pelo seu marido, com o título “vamos todos morrer mesmo”.

Achamos que, se tivermos uma doença terminal, vamos “aproveitar a vida” e deixar o que não importa de lado, especialmente coisas materiais. Podemos vender o que temos para viajar para um lugar que sempre sonhamos conhecer. Ou nos desfazer de apegos materiais sem sentido, que vamos mantendo somente por hábito.

O que acontece, meus amigos, é que estamos TODOS sofrendo de uma doença terminal chamada TEMPO.

Todos nós vamos morrer. Pode ser hoje, pode ser amanhã. Pode ser daqui a 80 anos. Mas essa é a nossa certeza.

Sabendo disso, por que nos apegamos tanto ao que não é necessário?

Não se trata de viver sem coisas, pois todos precisamos de objetos no dia a dia. Não só pela utilidade, mas por hobbies, ou por afeto, para ter por perto coisas que gostamos, colecionamos ou nos deixam alegres.

Trata-se de não fazer isso dominar a sua vida. De ter o entendimento de que vai acabar. De não deixar de viver um momento com seu marido, sua namorada, seus filhos, porque precisa limpar a coleção de bonecos do Star Wars ou fazer uma reunião profissional desnecessária em um sábado à tarde.

O desapego é com relação ao que não importa. E, no fundo, todos nós sabemos o que não é importante. Mesmo assim, continuamos fazendo – por motivos diversos, eu sei. Muitas vezes, eles são obrigatórios, ligados ao trabalho, por exemplo. Mas, no fundo, nada é obrigatório.

Se você parar para pensar que é livre para viver, sentir, aprender e viver desapegado do que não importa, a vida ficará mais leve, tranquila. A gente se preocupa demais com o que não precisa. E você sabe que eu não estou falando só de coisas materiais.

Desapegar é isso. Não é jogar fora as coisas. É um estado mental. A praticidade está em acionar esse “click” na nossa cabeça e passar a enxergar a vida de acordo com o que importa, parando de se preocupar com o que não for importante.

Solte o balão.

"E deixe ir"
E deixe ir