Categoria(s) do post: Diário da Thais

Minha vida, como a de todo mundo que lê este blog, é corrida e muda de tempos em tempos. Eu não tenho a mesma rotina matutina que descrevi neste post, pois aquilo pertenceu à outra época e outra situação. No momento, vivo o que considero a fase mais corrida da minha vida e ainda estou em fase de adaptação. Tenho deixado muita coisa de lado para conseguir lidar com o essencial e só aos poucos vou adicionando projetos novos.

Para começar, o grande fator dessa mudança foi o meu novo emprego. Comecei a trabalhar em outra cidade (próxima à cidade onde eu moro) e é um trabalho muito importante para mim. Estou fazendo o que eu mais gosto de fazer, que é escrever, e tenho me dedicado demais porque quero ficar lá durante muitos anos. Sabe quando você finalmente ama o que você faz? Essa sou eu atualmente.

Mas isso significa uma mudança tremenda no meu dia-a-dia, que se resume a dormir bem menos horas por dia e passar 4h diárias em um ônibus fretado. Não me importa (tanto) com o cansaço, mesmo porque eu aproveito esse tempo extra para ler e escrever (quando não tirar uma soneca, nos dias mais exaustivos), porém o que me mata é o fato de passar menos tempo com o meu filho. Não que faça muita diferença caso eu estivesse trabalhando na minha cidade, porque ele dorme cedo de qualquer forma. E, agora que ele começou a acordar junto comigo (tadinho), a falta tem sido suprida. Estou acordando mais cedo ainda de manhã apenas para ter mais tempo para ficar com ele. Então achei que fazer um post sobre a minha rotina atual seria uma boa para vocês terem uma ideia de como é o meu dia-a-dia.

Ao acordar

Eu acordo quando ainda está escuro. Meu filhote acorda junto, pois já se acostumou com o despertador do meu celular. Eu dou um abraço bem apertado, bom dia e vou tomar banho enquanto meu marido o leva para tomar um leitinho. Minha roupa já está separada no guarda-roupa (separo todas ainda no domingo e deixo penduradas na ordem dos dias da semana), então meu único trabalho é me vestir. Meu filho fica no quarto comigo enquanto faço isso, e fico brincando com ele.

Desço para a cozinha para tomarmos café-da-manhã. Depois escovo os dentes, penteio o cabelo e faço minha maquiagem de cinco minutos (rímel, blush e lápis). Uma hora depois de levantar, saio de casa. Meu filho fica com meu marido, que ainda vai trocá-lo e levá-lo para a escolinha. Eu vou para o ponto onde pego o ônibus fretado e espero ele chegar. Dependendo do que tenho para fazer, leio ou escrevo durante o trajeto. Se estou com as coisas adiantadas, tiro uma soneca (especialmente nesses últimos dias frios).

Ao chegar no trabalho

Meu ônibus me deixa na porta do trabalho, duas horas depois de eu pegá-lo no ponto. Ao sentar à minha mesa, planejo meu dia e começo a trabalhar. Meu trabalho envolve muita leitura, pesquisa e escrita. Por esse motivo, semana que vem vou ao oftalmologista, porque minha vista está esquisita. Eu costumo trabalhar 1h30 direto e fazer uma pausa de 15 minutos para ir ao banheiro e tomar um chá ou leite com chocolate. Isso dá dois blocos de trabalho antes da hora do almoço.

Na hora do almoço

O problema do meu trabalho é que ele fica meio longe de tudo e, para ir almoçar, precisamos pegar ônibus ou ir de carona de carro com alguém. E o horário do almoço é o único horário que eu tenho para ir ao banco e ao correio, por exemplo, então é uma boa correria quando preciso fazer essas coisas. Como é raro, não me atrapalha tanto.

Dificilmente consigo fazer alguma outra coisa na hora do almoço, como ler uma revista ou livro. Prefiro aproveitar para descansar e espairecer um pouco, conversar com o pessoal, dar risada etc. Sempre ligo em casa para saber como estão as coisas, se meu filho foi bem para a escolinha etc.

Depois do almoço

Sempre é o momento tenso quando bate o sono! Então aproveito para eliminar pendências das minhas lista de tarefas. Assim eu foco melhor meu trabalho e, como são tarefas mais rápidas, não tem como procrastinar nem ficar com preguiça. Continuo fazendo blocos de 1h30 e assim vou até o final do expediente.

No final da tarde

Cerca de 1h antes de acabar meu horário de trabalho, eu começo a planejar meu dia seguinte, que se resume a: ver tudo o que fiz no dia corrente, ver o que ainda precisa ser feito e ver o que preciso fazer amanhã. Isso me dá uma visão geral de aproveitamento do dia, mostra o andamento dos projetos e uma diretriz para as próximas ações.

Na hora de voltar para casa, não costumo dormir, então aproveito para fazer várias coisas que preciso fazer. Escrevo posts do blog, ouço podcasts, leio algum livro ou texto para a pós-graduação.

Ao chegar em casa

Pouco mais de duas horas depois de sair do trabalho, chego em casa. Dou um beijinho no meu filho, que já está dormindo, um beijinho no marido, que está esperando com fome (rs), e vou trocar de roupa. Descemos para preparar a janta e conversar sobre o nosso dia. Jantamos vendo qualquer coisa na TV e, depois, trabalho um pouco no computador, até faltar mais ou menos meia hora para a minha hora de dormir.

Antes de dormir

Paro tudo o que eu estou fazendo no horário determinado para ir dormir, senão vou até tarde e não descanso. Tomei essa atitude desde que voltei a trabalhar fora, pois do contrário fico muito cansada. Minha rotina noturna é basicamente arrumar minha mochila para amanhã, escovar os dentes, ir ao banheiro e ir para a cama. Se eu estiver sem sono mesmo, leio alguns feeds no meu tablet. Pra falar a verdade, prefiro forçar o sono a ficar pelo menos mais uma hora acordada me distraindo.

Aos sábados

Tenho aula durante todo o sábado, pois estou fazendo pós-graduação. Sim, é cansativo, mas encaro como fase, assim como quando eu fazia faculdade e trabalhava. Como acordo mais tarde que durante os dias de semana, fico mais tempo com o meu filho quando eu acordo. Quando chego do curso ele ainda está acordado e fico o tempo todo com ele. Ele até acaba indo dormir mais tarde pois ficamos brincando muito juntos.

Depois que o meu filho dorme, aproveito para colocar ordem na casa. Lavo roupas, guardo o que está fora do lugar etc. Uma moça vem semanalmente fazer a limpeza mais “grossa” aos sábados, o que nos ajuda bastante.

Aos domingos

É o único dia que tenho para descansar um pouco, então meu marido fica com o nosso filho para eu poder dormir até umas 9h. Mais do que isso, não dá, porque além de querer aproveitar o dia, quero ficar com sono no horário normal, à noite. Quando eu acordo, eu fico com o meu filho (geralmente eu o levo ao parquinho, se o tempo estiver bom). Preparo o almoço dele, dou, faço o nosso almoço e o coloco para dormir com o papai.

Quando ele dorme, aproveito para trabalhar um pouco e é meu único período de trabalho no domingo. Só faço isso porque não tenho muito tempo mesmo durante a semana, senão não faria. Diminuí muito meu ritmo de trabalho desde que entrei no meu emprego novo, pois senão eu ficaria muito estressada. No máximo duas vezes por mês, aproveito a hora da soneca para ensaiar com a minha banda (meu único hobbie).

Depois que ele acorda, saímos para passear e ficamos juntos até a hora de ele dormir. Enquanto o papai dá banho, eu separo as minhas roupas para a semana toda. Depois que ele dorme, nós aproveitamos para curtir a noite, ver algum filme ou coisa do tipo.

Exceções

Como meu marido é músico, pode acontecer de ele precisar levar o nosso filho para a casa da minha sogra em uma sexta-feira, por exemplo, porque não dá tempo de eu chegar do trabalho para ele sair. Quando isso acontece, eu uso a minha “sexta à noite livre” para jantar com as minhas amigas, ver um filme ou simplesmente dormir mais cedo, se eu estiver muito cansada.

Eu sinceramente não me importo com o cansaço, porque descanso quando posso e isso é contornável. Mas ficar longe do nosso filho é algo que me mata por dentro. Eu gostaria de ter mais tempo durante o dia com ele, chegar em casa antes de ele dormir, mas por enquanto vou sofrendo e vamos nos adaptando.

Como eu já comentei com vocês, uso a agenda do Google para registrar minhas atividades e ter um controle maior do status dos meus objetivos. Também tenho uma agenda com os compromissos e a rotina do meu filho (escolinha, consultas, vacinas etc) e a do meu marido. Costumo dizer para as minhas amigas que temos uma rotina militar para conseguir dar conta de tudo. Se estou feliz? Em muitos aspectos sim, mas estou buscando a tranquilidade para ficar melhor. Aos pouquinhos, vamos nos ajeitando, mas por enquanto é assim que eu equilibro os meus pratinhos.

E você, que também é mãe, trabalha fora e tem outra atividades: como você equilibra tudo?