Blog Página 101

Meu escritório

84

Quando nos mudamos, eu fiz questão de pagar um pouco a mais para ter um terceiro quarto que eu faria como escritório. Como eu tenho muitas atividades envolvendo computador (o blog, a pós etc) e leituras, além dos meus hobbies de artesanato, queria ter “um cantinho para chamar de meu” onde eu pudesse guardar as minhas coisas e mergulhar na thaisolândia sempre que tivesse oportunidade.

Veja o post anterior sobre o assunto: Evolução do escritório.

Em agosto eu organizei o meu escritório mas, como fiquei mal de saúde, não consegui fazer tudo o que eu queria. Vai ficar para os próximos meses. No momento ele está assim:

Essa é a visão quando entramos pela porta. A cadeira foi raptada da sala de jantar enquanto não compro uma para o escritório. O tapete roxo, que eu queria há tanto tempo, me decepcionou um pouco porque fica soltando franjinhas o tempo inteiro. Não adianta varrer e limpar o chão – sabe pelo de cachorro? Que, para onde você olha, por mais que você limpe, sempre encontra um tufinho? Mais ou menos desse jeito. Ele é de um roxo lindo, mas me arrependi um pouco de tê-lo comprado por causa disso.

Fontes: Escrivaninha, Meu Móvel de Madeira. Tapete, Tok&Stok. Lixeira, Tok&Stok. Abajour, Tok&Stok. Cúpula do abajour, Etna. Relógio, Tok&Stok. Porta bloco de papel, Kalunga. Castiçais, comprados em uma lojinha no centro da cidade. Estante de livros, Evolukit.

Na parede da porta ainda tenho essa baguncinha, pois dentro dessas caixas estão objetos que serão organizados na sala quando comprarmos os móveis que faltam. Vou colocar um gaveteiro no lugar dessas caixas. Ao lado, está o meu pedestal da câmera e a minha maleta de pintura. Na estante, também tenho uma mini-baguncinha com as pastas. Aqueles fichários pretos com etiquetas brancas são os fichários com os meus DVDs e eles irão para a sala também. Guardei as minhas pastas suspensas ali, pois elas migrarão para o gaveteiro assim que eu tiver dinheiro para comprá-lo.

Todo o restante que estava nesse canto foi doado, inclusive a TV.

Fontes: Porta-CDs, Kalunga. Quadro, Etna. Pedestal para câmera, não me lembro (antigo). Maleta para pintura, loja em São Paulo que eu esqueci o nome (também é antiga). Pastas para DVDs, Kalunga.

Nesse outro canto eu tenho uma lixeira para guardar rolos de papel de todos os tipos: contact, presente, celofane, enfim, o que tiver. Na caixa bege da estante eu tenho o meu estoque de papel (que irá para o gaveteiro também). Na caixa preta comprida tenho um estoque de papéis coloridos (também vão para o gaveteiro). Na caixa menor estão as minhas cartas e cartões postais que guardo de lembrança. <3 Os fichários vermelhos são o lugar onde eu guardo as minhas matérias preferidas de revistas.

Fontes: Fichários, Kalunga. Caixa bege grande, Dello. Caixas de poás, compradas em um hipermercado faz tempo.

Desse lado nós temos a estante mais baixa onde eu guardo as revistas embaixo (ainda sem porta-revistas, que providenciarei em breve), pastas que precisam estar à mão e artigos de craft no geral.

Esse é o canto da porta. =)

O objetivo dessa estante é ser uma estante de apoio para quando eu estiver trabalhando na mesa, sendo que, se eu precisar de algo, não preciso me levantar para pegar. No canto esquerdo está um porta-temperos que uso como porta-fitas. Vou pendurá-lo na parede, mas deixei ali por enquanto porque pretendo pintá-lo antes. Também pretendo aumentar meu estoque de fitinhas. O vidro contém artigos de costura no geral. O mural parece estar torto mas são os papéis colados meio tortos que dão essa impressão. Ao lado, colei com fita dupla-face uma prancheta para mudar os desenhos sempre que eu tiver vontade. Abaixo estão a minha caixa de entrada (onde lido com a papelada), um vasinho com pincéis (não estão todos aí, ainda preciso arrumar) e um quadrinho que migra pela casa mas está sempre presente.

As caixas ali embaixo também serão pintadas. Elas servem para guardar artigos de craft, tais como adesivos, stêncils, carimbos, estiletes, furadores, gis pastel, glitter, essas coisas menores.

Já dei uma boa diminuída nas revistas. Futuramente farei um post somente sobre elas, para mostrar como eu faço para selecionar o que quero guardar e como eu guardo tudo.

Fontes: Estante, Evolukit. Porta-fitas, loja do bairro (me recuso a dar o nome porque tive a dor de cabeça do século com eles). Mural, Kalunga. Prancheta, Kalunga (antiga). Caixa de entrada, Kalunga. Porta-pincéis, Le Biscuit. Pote de vidro, loja de 1,99 em São Paulo. Quadrinho rosa, Etna. Fichários e pastas, Kalunga. Caixas de madeira, a mesma loja do bairro.

Parede da porta. Atrás dela, eu coloquei esse gancho que fica preso na parte de cima (não precisei furar) e deixo ali a minha sacola, que normalmente uso todos os dias.

Fontes: Gancho para porta, Le Biscuit. Sacola retornável, Livraria Cultura.

Vocês se lembram como era a parte de cima da estante? Agora ela está com caixas onde eu guardo coisas que eu não mexo muito, nessa ordem: coisas do computador (cabos, programas), CDs (backups, principalmente), estoque (canetas a mais, grampos, clipes), fotos, tarôs (tenho uma mini-coleção) e miscelâneas (estojo que uso de vez em quando, mini-tripé da câmera, esse tipo de coisa).

Fontes: Caixas roxas, Kalunga.

Minha mesa vista de cima. Costumo deixar ali as revistas novas que ainda não terminei de ler, meu computador e meu caderno, que uso o tempo todo. A mesa fica embaixo da janela porque gosto de olhar para fora quando estou escrevendo.

Aí em cima estão as gavetas da mesa. Me desculpem pela sombra do meu braço na hora de tirar a foto, mas o lustre fica bem em cima da mesa e faz sombra mesmo! Eu costumo usar muito tudo isso que está aí, por isso é melhor tudo ficar à mão.

Fontes: Organizadores de gaveta, Kalunga. Itens para escritório, diversos. Rotuladora, Brother.

Ainda falta fazer bastante coisa, a constar:

– Pintar as caixas, o porta-fitas etc;
– Também pretendo pintar as estantes;
– Providenciar porta-revistas;
– Providenciar o gaveteiro;
– Instalar uma cortina;
– E todas as outras ideias que vão surgindo com o tempo.

Mas o importante é que o escritório já está funcionando para mim. Espero que vocês tenham gostado e, em breve, faço um post mostrando as atualizações que eu fizer nele.

Setembro é o mês de organizar a sala e em breve postarei sobre o que estamos fazendo.

Obrigada, pessoal.

Organize a sua carteira

39

O post de hoje na verdade é uma tarefa de organização para você fazer em 15 minutos. Só 15! Em casa ou no trabalho, veja como destralhar a sua carteira agora:

1. Tire tudo de dentro dela

Dinheiro, papéis, recibos de débito, cartões, fotos, documentos, palhetas, preservativos e o que mais você guardar ali dentro. Tire tudo e coloque em cima da sua mesa ou onde você estiver.

2. Separe o que você usa todos os dias

Documentos, cartões, talão de cheques? Depende do seu dia-a-dia. Você sabe o que você precisa ter com você diariamente. Atenha-se a esses itens. Estão separados? Próximo passo:

3. Guarde somente esses itens de volta na carteira

Você provavelmente perceberá que sua carteira é muito grande para o que você precisa guardar.

Na minha carteira, eu guardo:

  • RG (que também é CPF)
  • Bilhete-único para pegar ônibus
  • Um único cartão de débito
  • Carteirinha do convênio médico e odontológico
  • Pouco dinheiro

4. Coloque os itens restantes na sua caixa de entrada

E lide com eles quando fizer o processamento do que está lá.

Dicas para lidar com a tralha da carteira

  • Por motivos de segurança, não guarde na carteira fotos dos seus filhos ou pessoas importantes para você. Se um ladrão roubar a sua carteira, ele terá todas as informações que estiverem ali disponíveis – muitas vezes, até o seu endereço. Tudo o que você não quer é um bandido com essas informações e uma foto do seu filho.
  • Tenha uma conta-corrente com pouco dinheiro e sem limite de cheque especial. Deposite nela somente o que usará diariamente durante uma semana, para gastos corriqueiros. Tenha somente o cartão desta conta com você. A ideia é que, se sua carteira for roubada ou você sofrer um sequestro (pode acontecer!), você não perca tanto dinheiro.
  • Da mesma forma, ande com pouco dinheiro. Uma boa maneira de saber a quantia suficiente é calcular quanto você gastaria de táxi do lugar onde você vai até a sua casa, porque esse é o máximo que você pode precisar em caso de emergência.
  • Algumas pessoas recomendam levar uma única folha de cheque cruzada para emergências. Pode ser uma boa. Não leve o talão inteiro!
  • Mantenha cartões de crédito em casa. Isso serve não somente para você não fazer compras por impulso como também por segurança.
  • Deixe em sua carteira um papelzinho com três contatos para emergências. Escolha quem são as pessoas de segurança e deixe nome e contato. Não escreva parentesco, pelo mesmo motivo que você não deve colocar fotos. O objetivo desses contatos é o seguinte: se alguém encontrar sua carteira, ligará para informar. Se você desmaiar na rua, alguém pode entrar em contato com essas pessoas.
  • Use um porta-cartões ou um porta-documentos de plástico para guardar os recibos de débito do dia-a-dia. Não guarde na carteira.
  • Levar a carteirinha do convênio médico ou outras similares é importante pois nunca se sabe quando poderá precisar em uma emergência.
  • Cartões de visita devem ser guardados em uma pasta ou caixinha própria para isso em casa ou no trabalho. Nem os seus devem ser guardados na sua carteira – tenha um porta-cartões para isso e leve-o com você sempre que achar necessário.
  • Moedas devem ser guardadas em porta-moedas. Se a sua carteira tem um compartimento para moedas, deixe somente as de valor maior e em pouca quantidade, somente para ter trocados. Se receber algum troco, guarde suas moedas nesse bolso e depois coloque em um recipiente adequado, em casa.
  • Contas nunca sequer deveriam ser colocadas na carteira!
  • A regra geral é: leve somente o que usará no dia-a-dia. Se planejou uma compra e pretende ir a uma loja comprar, aí sim leve o que precisa, como o cartão de crédito ou o talão de cheques, ou mais dinheiro.
  • Levar somente o que for necessário também mantém sua carteira menos cheia, o que fará com que ela estrague menos rápido.

Motivos para você organizar a sua carteira

  • Você pode ser assaltado(a) e perder tudo.
  • Caso isso aconteça, informações pessoais e bancárias podem cair em mãos erradas.
  • Informações sobre seus entes queridos também.
  • É extremamente chato ter que procurar coisas que você precisa quando tem um monte de tralha impedindo o caminho.

Sua carteira está organizada? Você já tinha pensado nisso?

Planilha para presentes de Natal

19

Montei uma planilha simples para controle dos presentes de Natal que estou usando para o controle dos gastos este ano. Deixei alguns exemplos para vocês entenderem como funciona:





A planilha será enviada por e-mail em até 48 horas após o pagamento via PagSeguro.

Você pode usar tanto no computador quanto imprimir e colocar em um fichário que você utilize como control journal. O bom de imprimir é ter a lista sempre com você na hora de fazer compras.

Vantagens de ter uma planilha assim desde já:

  1. Você dificilmente se esquecerá de alguém.
  2. Você poderá antecipar as compras, fazendo tudo com mais tranquilidade.
  3. Você economizará dinheiro, pois não comprará com pressa.
  4. Você não precisará enfrentar as lojas lotadas no final do ano ou lidar com atrasos nas entregas pela Internet.

Para mim, a melhor parte é conseguir comprar o que eu queria por um preço menor e depois comparar com os preços mais caros para ver o quanto eu consegui economizar.

Depois me contem se deu certo. =)

Organizando a mala para uma viagem a trabalho

16

Na semana passada eu precisei fazer uma viagem a trabalho e ficar quase uma semana fora. Como fui de carro, não tive restrições para o tamanho e a quantidade de bagagem. Mesmo assim, levei somente três coisas:

  • uma mala média para as roupas
  • uma mochila para os gadgets de trabalho no geral
  • uma bolsa para usar todos os dias

Como fazer:

1. Definir sua agenda

O primeiro passo é saber o que você vai fazer lá. Jantar? Almoço com cliente? Evento? Trabalho operacional o dia inteiro? Faça isso primeiro e anote todas as ocasiões. Exemplo:

Segunda – Viagem de carro / Trabalho até o final da tarde / Jantar à noite

2. Verificar a previsão do tempo

Veja no Climatempo qual a previsão para os dias em que você ficará viajando. Pode não ser certeira, mas pelo menos dá uma boa ideia do que você irá enfrentar.

3. Definir roupas para as ocasiões mais importantes

Quando eu viajei, eu teria um evento de um dia inteiro e um jantar com parceiros – essas eram as duas ocasiões mais importantes. Defina as roupas que você deseja usar. Talvez você precise providenciar alguma delas, então precisa antecipar o máximo que puder.

4. Verificar quantos outros trajes vai precisar

Conhecendo sua agenda, você já terá o número de ocasiões da sua viagem. Pense em roupas para usar em todas elas. Você pode pegar aquela mesma lista ali em cima e fazer um brainstorm a respeito:

Segunda
– Viagem de carro: roupa confortável (legging + camiseta + tênis)
– Trabalho até o final da tarde: roupa social normal (calça preta + camisa branca + sapato preto)
– Jantar à noite: vestido azul + sapato nude

Depois de fazer isso para todos os dias e ocasiões, passe para a etapa seguinte:

5. Analisar seu inventário de roupas

Você perceberá que poderá otimizar sua mala de roupas usando várias peças mais de uma vez. Em vez de levar uma calça marrom e uma preta, por exemplo, levará somente uma calça neutra escura. Verifique tudo o que pode ser usado mais de uma vez. A dica é montar uma paleta de cores básicas e acrescentar uma única cor diferente, complementar. Exemplos:

branco + preto + cinza + rosa
bege + marrom + branco + verde

Cores que sempre fazem bonito: preto, branco, bege, rosa claro, cinza, vermelho, vinho, verde militar, marrom café, bege.

Na dúvida, monte uma mala com cores básicas e leve acessórios coloridos (um lenço, uma bolsa, um sapato). Não tem como errar levando peças neutras.

6. Separar as roupas

Faça a sua lista final de roupas e separe-as. Verifique se estão limpas e passadas. Dobre-as e deixe-as em cima da cama, enquanto separe o restante. Isso é bom porque te dá uma visão geral do que você irá levar. Eu levei o seguinte:

  • uma saia lápis preta
  • uma calça de alfaiataria preta
  • uma calça de alfaiataria bege (não usei)
  • uma calça de alfaiataria burgundy
  • uma camisa branca
  • uma camisa azul
  • uma camiseta pólo azul marinho (não usei)
  • uma camiseta branca com listras
  • uma camiseta cinza mescla
  • um vestido preto
  • um vestido azul
  • um suéter preto
  • um suéter cinza (não usei)
  • um blazer cinza grafite
  • uma pashmina preta
Para viajar, usei a camiseta listrada com a calça preta e a sapatilha prateada.
No dia seguinte, para trabalhar, usei a camisa azul com a saia lápis, o suéter, meia-calça preta e o sapato preto.
No outro dia, calça burgundy, camisa branca e sapato preto. De noite, o vestido preto no jantar.
No dia do evento, a calça preta com a camiseta do evento, a camiseta cinza de manga longa por baixo e o sapato preto.
No dia seguinte, na viagem de volta, usei o vestido azul, meia-calça e o sapato preto.

7. Separar os acessórios e sapatos

Da sua lista, separe os cintos, lenços, relógios, bijous, gravatas, meias e sapatos que pretende levar. Mais uma vez: não exagere. Eu levei um sapato boneca preto, um oxford marrom e uma sapatilha prateada, por exemplo, e ainda achei muito (acredito que o ideal seja levar apenas dois pares). Também levei um chinelo para usar no quarto, ao sair do banho.

8. Separar os cosméticos e remédios

Separe os medicamentos que costuma tomar e que pode precisar. Leve também os cosméticos essenciais (desodorante, shampoo, condicionador etc). Se você tiver daqueles kits de viagens, que são embalagens menores, tanto melhor! Eu cheguei a comprar um na Le Postiche, mas com certeza você encontra em lojas mais baratas (se eu tivesse a oportunidade, teria comprado na 25 de Março). Os itens de maquiagem eu levei em uma necéssaire específica (vou fazer uma resenha sobre ela depois).

Eu tenho uma necéssaire impermeável que uso para guardar todos os cosméticos. Os medicamentos são guardados em um dos bolsos laterais. No outro, guardo escova de dentes, pasta, fio dental e antiséptico bucal.

9. Separar o material de trabalho

Separe tudo o que irá precisar efetivamente – evite sobrepeso. Não se esqueça dos seus cartões de visitas, uma boa caneta, um caderno para anotações, post-its (sempre são úteis) e clipes. Na mochila eu também levei os carregadores para celular.

10. Arrumar as malas

A arrumação das malas em si não deixa de ser uma arte. Eu uso aquela técnica de colocar primeiro as calças e “fechar” as roupas com elas por cima. Veja este vídeo:

Quem recebe o post por e-mail pode ver o vídeo clicando aqui.

Para arrumar a mochila, não há segredo: guarde cada coisa em seu compartimento.

Na bolsa de mão, leve os essenciais: carteira, celular, livro, óculos, câmera fotográfica, chaves e o que mais achar importante ter em mãos.

Algumas dicas gerais

  • Nunca leve roupas sem experimentar antes. Pode parecer besteira, mas se você não usa alguma peça há algum tempo, pode ter surpresas (blazers e calças que não abotoam são os casos mais comuns).
  • Use uma roupa confortável para as viagens em si. Para as mulheres, uma boa dica são aquelas travel flats – sapatilhas que dobram, de tão macias que são. Uma calça jeans strech ou outra que seja bem confortável é melhor do que qualquer saia, mesmo as longas. Inependentemente da blusa que você estiver, leve um suéter e uma pashmina, pois você pode pegar uma friagem com o ar condicionado. A pashmina ainda serve de encosto para a cabeça nas viagens mais longas.
  • Pense na praticidade e no conforto das roupas. Estar longe da casa já é um pouco estressante – facilite a situação o máximo possível. Você não sabe se andará bastante a pé, por exemplo, para levar um sapato de salto que aperta demais os seus pés. Leve os seus coringas.
  • Mesmo se estiver frio, leve roupas para vestir em camadas. Suéteres e cardigans ocupam menos espaço que um casaco enorme (que, se for o caso de levar, vale a pena viajar usando).
  • Acessórios dão um toque diferente às roupas básicas, mas não exagere. Escolha os clássicos também (eu levei um colar de pérolas, um maxi-colar e um colar médio, além de um par de brincos dourados discreto) para não ficar over. Afinal, é viagem a trabalho. Claro que, se você trabalha com Moda, há exceções.
  • Excesso de bagagem não é chique! Chique é ser organizado. (hihi, oi Gloria Kalil)

E você, costuma viajar a trabalho? Quais suas dicas?

Organização com cara de revista: o mito

34

acho suas dicas otimas mas esbarro num problema que eu confesso ter,tipo organzacao combina com bom gosto,harmonia entre outros.Apesar de eu arrumar as coisas,elas nao parecem estar arrumadas…nao sei combinar as coisas、moveis,etc..
as vezes vejo nas revistas um monte de tralha mas tao organizado que da gosto d ver.E eu que tenho menos tralha fica aquele ar de bagunca.Qual a dica que poderia me dar para ficar com um ar de organizacao,obrigada
– Maria

Querida Maria,

Outro dia (já faz algum tempo, na verdade) eu recebi um comentário aqui no blog de uma pessoa dizendo que não gostava das dicas que eu dava, pois preferia as da revista Casa Cláudia, “muito mais completas”. Eu dei uma risada tão alta que até o meu marido veio perguntar o que tinha acontecido. E os motivos na verdade são vários. Vou tentar explicar.

Uma revista é composta por uma equipe gigantesca de dezenas de pessoas, fora os profissionais que são consultados, como arquitetos, designers, decoradores, fotógrafos, donos de lojas de decoração, entre outros. A revista Casa Cláudia – que por sinal amo de paixão – não é exceção. Ela, assim como as revistas Minha Casa, Casa & Jardim, Decorar Mais Por Menos, Vida Simples, Casa Vogue, enfim, nossas preferidas, são produzidas por profissionais que são especialistas no que fazem e se dedicam exclusivamente àquilo, sendo suas profissões principais.

Além do que, uma foto de um ambiente decorado e organizado em uma revista foi montado exclusivamente para ser fotografado e sair na edição em questão. Com exceção das reportagens sobre a casa de outras pessoas, ninguém mora ali. E pode ter certeza que, mesmo nessas reportagens, rolou uma bela de uma arrumação antes das fotos, porque a estética vende. Ninguém quer ver uma casa bagunçada.

A diferença de uma revista para um blog (se é que é possível escolher somente uma diferença) é que um blog, para começar, é pessoal – ou seja, escrito por uma única pessoa. Mesmo temático, o blog é “a cara” do autor e representa a sua opinião, assim como (deveria) a sua realidade. É por isso que as pessoas no geral gostam dos blogs – a vida do blogueiro é mais próxima das suas do que a de uma revista ou celebridade.

Se eu fosse jornalista de uma revista bacana como as que eu citei ali em cima, é claro que eu daria dicas que focassem no ideal de organização, porque essa é a imagem que as revistas querem passar. E nós compramos essas revistas justamente porque queremos ver o que é uma casa linda, com a decoração deslumbrante, para nos inspirarmos e tentar tornar a nossa casa bonita também. Se as fotos fossem feias, nos inspiraríamos em quê?

Por isso é importante entender que, assim como em uma novela, o que vemos nas revistas, em sua maioria, são obras de ficção. As fotos são produtos de profissionais que deram seus toques de decoração, organização, fotografia, iluminação para que a imagem seja apresentada da melhor forma possível. A vida real, no entanto, é diferente.

Esta cozinha aqui, por exemplo, é de uma leitora que teve sua decoração publicada em uma revista. Linda a cozinha e cheia de ideias boas. Agora, você acha que ela fica 100% arrumada o tempo todo ou foi montada desse jeito somente para tirar a foto da revista? Eu quase consegui ver as sacolas do Carrefour em cima da mesa posta, que também terá alguns papéizinhos em cima. O pano de prato, na porta da geladeira, provavelmente será de outra cor e estará molhado, quando não em cima do fogão. A banana ali já até escureceu na fruteira…

Estou brincando, mas conseguiu captar o espírito da coisa?

Eu não sou decoradora. Também não sou fotógrafa. Porém, adoro cuidar do meu apartamento, decorá-lo e tirar fotos. Além de tudo, eu tenho este blog, então gosto de mostrar o que eu faço aqui. Isso não faz do blog uma autoridade semelhante a revistas de decoração, e eu sequer almejo isso. Ninguém deveria almejar. As revistas nos passam essa imagem de casa perfeitamente arrumada e ela tem o mesmo efeito que as fotos de modelos magérrimas na cabeça das mulheres.

Lembre-se sempre que organização também é diferente de arrumação. Quer arrumar a bagunça na sala? Pegue uma caixa enorme e jogue tudo dentro. Maravilha? Que nada! A sala pode estar arrumada, mas não está organizada. Afinal, você sequer se lembra do que jogou dentro da caixa…

Organizar a casa significa torná-la funcional para você e a sua família. É saber onde está a sua chave. Os controles da TV. Pagar as contas em dia. Ter o pente ali no banheiro e um relógio em todo lugar que você precisa ver as horas. Se tudo isso puder ser feito com beleza, tanto melhor! Afinal, todos nós queremos coisas bonitas para se ver em casa e na vida. Mas não pense que uma arrumação perfeita signifique organização, porque não é verdade.

Por fim, para terminar esse post gigantesco, eu gostaria de propôr um exercício a você. Observe a sua casa com os óculos da tralha. Mantenha no seu lar somente o que você ama, que tem algum valor, ou que seja realmente útil. Veja de que forma essas coisas poderiam ser guardadas para que você encontre tudo o que precisar, quando precisar. Não seria bom abrir a gaveta de talheres e ver somente o que você usa no dia-a-dia ali, arrumado e pronto para ser utilizado, sem ter que tirar da frente aquele monte de cacarecos que você não sabe por que ainda existem?

Se a sua pilha de revistas não tem motivo algum para estar ali, elas não deveriam estar. Elas estão arrumadas, mas o seu espaço está desorganizado, porque você está acumulando uma tralha que poderia dar lugar a coisas mais importantes – ou deixar um vazio que permita ao cômodo respirar um pouco.

Reflita sobre o uso dos seus objetos, da sua casa e, principalmente, sobre o ideal de perfeição que devemos ter como inspiração, até, mas nunca como um objetivo que nos rebaixa a uma condição muito abaixo do que realmente somos. Nossas vidas são reais, e o que acontece dentro de nossas casas diz respeito somente a nós. Isso sim é ser dono de casa.

Boa sorte.

Como foi o sábado

16

Durante o dia…

… coloquei meu mural na parede do escritório e colei a prancheta para sempre trocar os desenhos.

Resumo do escritório.

… separei a minha pilha de revistas para ler.

Revistas de setembro para ler (e algumas de agosto que ainda não terminei).

… estreei o mês novo no meu caderno.

Depois que o filhote dormiu… (por volta das 20h):

… terminei a primeira versão do meu TCC e enviei para a minha orientadora por e-mail.

Frase da Martha Stewart que abre o meu TCC.

… peguei uma pilha de revistas, selecionei as matérias que queria guardar e separei o resto para reciclagem.

O que sobrou da pilha de revistas que era cinco vezes maior.

… desfiz a minha mala de viagem (cheguei na quinta, mas não consegui desfazer porque fui ao hospital), guardei as roupas, os cosméticos e a mala na parte de cima do guarda-roupa.

… organizei meus ícones de aplicativos no computador (estavam bagunçados e me dando aflição).

… arrumei um monte de coisas que estavam fora do lugar no escritório.

… separei o que eu preciso levar para o trabalho semana que vem.

Bom domingo.

Todas as fotos acima foram tiradas com o aplicativo Instagram. Quer me seguir? Meu nick lá é /anniehell.

Checklist de setembro 2012

6

Setembro é um dos meus meses preferidos (o outro é abril, por causa do outono e do tom amarelado que ficam os dias). Neste mês, vamos organizar a sala do apartamento, estarei de férias do trabalho (durante duas semanas) e preciso finalizar meu TCC. Essas são as três coisas mais marcantes do mês. Também é o meu aniversário (dia 25), mas não planejo fazer nada grandioso.

Segue então o checklist deste mês:

  1. Verificar seus projetos e estabelecer objetivos para este mês
  2. Verificar aniversários do mês e planejar idas a festas e compra de presentes
  3. Limpar a despensa
  4. Quitar a dívida do cartão de crédito
  5. Investir o dinheiro da restituição do imposto de renda
  6. Verificar os alimentos que estão no congelador
  7. Verificar medicamentos que podem estar vencidos
  8. Guardar itens de inverno que não serão mais usados
  9. Providenciar pequenos toques de primavera na decoração
  10. Celebrar a chegada da primavera com um piquenique
  11. Verificar providências escolares dos filhotes (matrículas, reforço, notas etc)
  12. Montar definitivamente uma planilha financeira
  13. Congelar algumas ervas
  14. Aprender alguma coisa nova (costurar, por exemplo)
  15. Comprar ou fazer mais alguns presentes de Natal
  16. Finalizar planejamento para as férias de final de ano
  17. Limpar a casa e planejar a chegada do calor
  18. Fazer um inventário de tudo o que tem na despensa, na geladeira e no congelador
  19. Preparar providências para a época de chuvas
  20. Fazer uma lista de providências para fazer antes de o verão chegar

Seja bem-vindo, setembro! <3

O que eu fiz em agosto

47

Agosto foi o mês mais lento do ano para mim. Aconteceu MUITA coisa e eu fico feliz com a chegada de setembro. É o mês da primavera E do meu aniversário, além de eu entrar de férias. “Férias” com muitas aspas, porque quem é mãe sabe que não existe bem essa história. Então são férias do meu trabalho principal, digamos assim. Como eu tenho que entregar meu TCC em outubro, elas foram planejadas para que eu conseguisse me dedicar a ele exclusivamente. E, assim como vocês devem estar imaginando, é claro que eu vou precisar fazer uma série de outras coisas nesse período também.

Tudo o que eu posso dizer é que estou pronta para descansar um pouco, e precisando muito! Segue um resumo do mês de agosto para vocês entenderem o que eu estou falando:

Organizei o escritório

Eu sei que ainda não fiz um post final mostrando, mas a organização do escritório tomou o meu mês inteiro e foi feita bem devagar porque eu não estava muito bem de saúde (conto mais abaixo). Ainda faltam alguns detalhes que não tive disponibilidade para comprar, mas com o passar dos meses vou complementando. Em setembro vamos organizar a sala (medo!).

Estudei, li, pesquisei e escrevi (grande parte do) meu TCC

Preciso apresentar minha primeira versão do TCC na próxima segunda, mas a minha orientadora pediu para enviar por e-mail três dias antes – hoje! Por esse motivo, em agosto eu dediquei pelo menos uma hora do meu dia para pesquisar, ler muito, mas principalmente escrever. Foram 53 páginas e ainda falta tanta coisa…

Fiquei doente

No final de julho, comecei a sentir dores pelo corpo e, no início de agosto, fui parar no pronto-socorro. Eu estava com uma infecção que estava generalizando e quase precisei ser internada. Resultado? Antibióticos, antiinflamatórios, medicação na veia, exames, consultas, visitas ao hospital quase que diariamente. Os remédios, além da própria infecção, me deixavam com fraqueza e muita sensação de desmaio. Em alguns dias, não consegui sair na rua. Na semana passada, desmaiei no consultório médico. Fico imaginando como eu faria com os exames e as consultas se eu não fosse organizada. A previsão para as próximas duas semanas são mais consultas e exames, porque são tantas datas, autorizações, agendamentos! O que eu sinto? Muita dor, no geral. Isso é o pior.

Vocês não notaram porque, quando estou malzinha ou vou ficar alguns dias fora, eu escrevo uns dez posts de uma vez e deixo agendados para que vocês não fiquem sem os posts diários, mas vale dizer que foi bem corrido fazer isso este mês. Por isso atrasei as respostas aos comentários também.

Organizei um evento no trabalho

Paralelo a tudo isso, imaginem que eu estava organizando, desde o início do ano, um evento do trabalho, que aconteceria no final de agosto. Eu fiquei tão, mas tão cansada depois do evento, que não conseguia nem me mexer, quando deitei na cama. No dia seguinte, direto pro hospital, por causa da dor. E é claro que trabalhar MUITO nos dias anteriores o evento me deixou com muito mais dor do que eu estava e me obrigando a descansar.

Acho que o pior de tudo foi ter organizado o evento tão bonitinho e ter ficado mal no último mês, no olho do furacão. Tive que coordenar muitas coisas remotamente, nos intervalos entre uma consulta e outra. Foi bem difícil. O evento foi um sucesso, mas fico feliz que ele tenha passado porque me esgotou completamente. E não sei o que seria de mim se minha amiga no trabalho não tivesse assumido grande parte das tarefas que eu precisava ter feito quando não estava disponível.

Esvaziamos a despensa

Bem na semana em que eu fiquei doente, meu marido descobriu uma minhoquinha na área de serviço. Depois de uma longa busca (pensamos que fosse do ralo, inicialmente), descobrimos que o pacote de arroz integral que tínhamos comprado no final de semana estava furado e com ovos (ugh). Eu nem olhei. Meu marido jogou fora e eu estava doente, sem poder abaixar ou fazer esforço. Resultado? Marido obcecado por limpeza tirando tudo de dentro da despensa, limpando pacote por pacote com álcool, desinfetando a estante, tirando tudo do lugar na área de serviço para limpar etc.

E agora vamos colocar todos os grãos etc em potes herméticos, quando comprarmos. Já colocamos algumas coisas, mas esses potes são mais caros, por isso não usávamos para tudo. Agora vamos ter que comprar aos pouquinhos e, enquanto isso, comprar somente o que vamos comer em curto-prazo.

Doei roupas

Doei seis sacolas médias com roupas que não me servem mais, que eu não estava usando, que o filhote perdeu, que o marido perdeu, sapatos velhos, brinquedos e outros. Lembram da tv que quebrou? Também doamos. Foi tudo para uma instituição de caridade.

Viajei a trabalho

Como estava organizando o evento, mesmo doente precisei viajar a trabalho e ficar alguns dias fora. Levei o livro “Não sei como ela consegue” de propósito para ler nos dias em que fiquei longe da minha família, e como é difícil. Depois falarei sobre o livro (já vi o filme também). Ficar longe de casa, doente, morrendo de saudades do filhote, realmente não é para qualquer um. Tem que ser muito forte para conseguir, pensar em todos os motivos pelos quais eu estou fazendo isso e seguir em frente.

Para mim, agosto foi um mês demorado e difícil, como manda a tradição. Espero que setembro venha leve e lindo como sempre.

E você, o que fez em agosto?

4 motivos para ter um escritório em casa

8

Você não precisa de um cômodo exclusivo para ter um escritório em casa. Uma mesinha na sala de jantar, um cantinho do quarto, da cozinha, podem servir. Basta usar a criatividade e aproveitar o espaço que tiver! Você precisa de motivos para criar um pequeno escritório em casa? Veja esses:

1. Um lugar para você organizar suas contas

Nada como ter suas contas organizadas, um lugar para sentar, analisar suas finanças, atualizar planilhas no computador e o que mais for necessário para colocar as contas em dia. Onde você guarda as suas contas? Considere um cantinho da casa para chamar de “seu escritório” e deixe tudo o que for relacionado ali guardado junto.

Sugestão: Uma pasta para as contas a pagar e uma pasta com divisórias para guardar as contas já pagas.

2. Um lugar para guardar arquivos importantes

Onde você guarda seus documentos e outros arquivos importantes? Se você tiver um pequeno espaço reservado para essas atividades administrativas, você já tem um escritório.

Sugestão: Um arquivo para pastas suspensas geralmente atende bem todas as necessidades de arquivamento de documentos. Você pode usar um gaveteiro que tenha uma gaveta para pastas suspensas.

3. Um lugar para administrar a papelada

Se você é uma pessoa normal, deve receber uma boa quantidade de papéis todos os dias, das mais diversas fontes. Mesmo que você não guarde nada (eu duvido… porque infelizmente sempre temos coisas a guardar), é importante ter um centro de administração desses papéis todos.

Sugestão: Uma caixa de entrada física cuida do que chega e do que deve sair. Todos os outros papéis podem ser guardados em caixas e pastas.

4. Um lugar para gerenciar a casa

Se você tem ou pretende ter uma casa organizada, pode querer ter listinhas diversas, arquivos de referência, lista de endereços e telefones importantes, manuais de aparelhos eletrônicos, garantias e todo um mundo de informações relacionadas à manutenção da casa. Ter um canto onde você possa guardar tudo isso e verificar diariamente pode ajudar e muito.

Sugestão: Um fichário para colocar todas as informações e listinhas é o suficiente. Pastas para manuais e outros papéis específicos.

Independente do espaço que você tem em casa, ter um escritório traz inúmeras vantagens. Se você pode dedicar um cômodo exclusivamente para isso, então, melhor ainda! Mas é importante termos um cantinho para organizar a vida, e nenhum lugar melhor que o seu próprio escritório para fazer isso!

Minhas aquisições do mês de agosto

62

Como vocês sabem, eu tenho uma planilha de controle de compra de roupas e todos os meses compro alguns itens da lista para montar o que eu chamo de “guarda-roupa clássico perfeito” para trabalhar. Em agosto, comprei até mais do que eu costumo comprar mensalmente, e minhas escolhas foram:

Calça jeans escura, corte clássico (Renner)
Bom, não estava nos meus planos comprar uma calça jeans este mês por motivos de: dinheiro. O problema é que as minhas outras calças jeans estavam caindo pelas pernas. Estava me sentindo o Pereirão e não tinha condições de usar roupas daquele jeito. De modo que, quando fui fazer minhas comprinhas de roupas do mês, se eu achasse uma boa calça, não tão cara etc, eu acabaria levando. E foi o que aconteceu. Se não me engano, essa calça custou R$69,90.
* compra programada para setembro, então foi antecipada, mas estava nos planos

Calça de alfaiataria preta (Renner)
Você, que também trabalha em escritório, consegue se imaginar sem uma calça e uma saia preta? Pois essa era eu. O pior de tudo foi ter comprado uma calça preta recentemente (junho), que hoje parece calça de kung fu, de tão larga que está. Dá para usar em casa, aquelas coisas, mas para trabalhar, sem chance. E eu preciso fazer uma pequena confissão: o que eu mais detesto na hora de comprar calças para o trabalho é ter que mandar fazer a barra. Ok ok, pretendo comprar uma máquina de costura ano que vem mas, até lá, dependo de uma costureira. E eu sou chata, acho que uma perna vai ficar mais curta que a outra, essas coisas. Por esse motivo, eu já procuro calças modelo cigarrete, mas com caimento e tecido bons. Acabei encontrando na Renner. Foi mei-carinha (R$89,90), mas a relação custo-benefício compensa.
* compra programada para este mês mesmo

Vestido preto básico, manga longa (Marisa)
Um dos motivos de agosto ser um mês extremamente complicado para mim foi a organização de um evento no trabalho e, junto com ele, um jantar de negócios importante e em um lugar chique. Para não gastar em uma roupa que eu não usaria mais, ou que ficasse muito marcada somente para saídas, investi no básico: um vestido preto mais encorpadinho e que também possa ser usado no dia-a-dia, para trabalhar, com os acessórios certos. Achei na Marisa por R$89,90. Tinha outro do mesmo modelo, mas cáqui, que só não levei porque não estava na minha lista. Vejam só que útil ter uma lista.
* comprar um vestido para o jantar estava programado para este mês

Vestido azul marinho, manga longa (Renner)
Esse vestido foi caso de amor à primeira vista. Eu o vi, ele me viu, experimentei, ficou perfeito e me apaixonei. Eu acho que marinho é a minha cor preferida para roupas porque, como sou bem branquinha e tenho cabelos castanhos, combina comigo. Acho que vai bem com tudo e não é pesado como o preto. Esse vestido eu comprei na Renner e não me lembro de quanto custou porque comprei no início do mês e não anotei quanto foi.
* compra não programada para este mês

Camisa branca, manga longa (Marisa)
Camisa branca é item básico e não precisa de explicação. Comprei na Marisa por R$39,90.
* compra programada para este mês

Camisa azul pastel, manga longa (Marisa)
Mesmo modelo da branca, na Marisa.
* compra programada para meses seguintes, mas o modelo vestiu tão bem que achei que valia a pena levar

Saia preta básica (Renner)
Eu uso muito saias e vestidos com meia-calça. Depois da reviravolta do guarda-roupa, fiquei sem uma única saia preta. Eu procurei durante mais de um mês até encontrar uma básica e que fosse de um bom tecido, para durar. Na Renner por R$69,90.
* compra programada para este mês

Saia cinza claro (Riachuelo)
Já pensando no verão, quis comprar uma saia cinza claro. Fui até a Riachuelo comprar algumas roupas para o filhote e experimentei essa saia. Na hora, fiquei tão contente por ter me servido que não atentei para diversos detalhes. Chegando em casa, ao experimentar, achei ela meio curta (um pouco acima dos joelhos). Não estou acostumada. De qualquer forma, quando eu emagrecer mais, conseguirei descê-la um pouco. Custou R$29,90.
* compra programada para este mês

Camiseta listrada branca e azul, manga 3/4 (C&A)
Acho que o item mais básico e frequente do meu guarda-roupa é a boa e velha camiseta branca listrada, tipo de marinheiro. Eu tinha comprado uma de manga curta este ano, em maio, mas ela está larga. Ainda dá para usar, mas tenho que tomar cuidado na hora de abaixar para não mostrar mais do que deveria. Essa eu já comprei com tecido em elastano que é para durar muito mais.
* compra programada para este mês

Os acessórios foram: cinto fino de oncinha (Riachuelo, R$19,90), meia-calça preta, meia-calça azul marinho, meia-calça grafite (todas Lupo).

Esse mês eu comprei bastante roupa por alguns motivos:

1 – Perdi cerca de 80% do meu guarda-roupa desde que comecei a fazer minha dieta;
2 – A maioria das peças perdidas eram as roupas que eu usava para trabalhar;
3 – As peças restantes não combinavam. Eram blusas estampadas com saias risca de giz, por exemplo;
4 – Eu não tinha peças básicas. Camisa branca, calça preta, não tinha nada disso. Estava complicado;
5 – Era gastar um pouco mais agora ou não ter roupa para sair de casa. Essa é a verdade.

Vou tentar, no próximo mês, tirar fotos usando as roupas que eu comprei. Eu gosto de montar um guarda-roupa clássico para ir trabalhar porque as peças combinam umas com as outras. Ao mesmo tempo, gosto de ter algumas coisinhas que estejam na moda (desde que combinem comigo) para modernizar um pouco o visual.

E em setembro vou compensar comprando menos, já que comprei a mais em agosto.

PS – Eu sei que vocês querem ler um post sobre a minha dieta. =) Ele já está pronto e vai entrar no ar logo logo.

O que a segunda-feira significa para você?

29

Acho engraçado como o domingo não está nem na metade e o Facebook já começa a pipocar de imagens como “amanhã é segunda-feira”, geralmente com a carinha de um cachorro exausto ou o Garfield (representante-mor do ódio às segundas) fazendo qualquer reclamação sobre a semana que começa. Por volta da quarta-feira, começam a aparecer as imagens fazendo contagem regressiva para sexta e, na sexta, um verdadeiro Carnaval comemorativo por parte de todos.

Eu entendo o sentimento. Também adoro quando chega o final de semana, quando posso passar mais tempo com a minha família, descansar um pouco mais que nos dias em que trabalho fora, passear, fazer outras atividades. Mas, desde que comecei a trabalhar, eu aprendi a identificar certos sinais de desânimo com relação ao que fazemos da vida, geralmente pela forma como nos comportamos quando chega a segunda-feira.

Se você costuma ficar desanimado com a chegada da segunda, eis algumas dicas para você tentar mudar a sua perspectiva:

1. Veja a segunda-feira como o primeiro de cinco dias em que você precisa resolver projetos. “Er… Thais, e qual a novidade nisso?”. Oras, o simples fato de você organizar suas tarefas para cinco dias seguidos, sendo a segunda o primeiro, já muda um pouco a forma de encarar a segunda. Porque, vamos combinar? Que levante a mão quem nunca acordou atrasado, cansado, desanimado e se arrastou até o trabalho em uma segunda-feira? Passou o dia todo bebendo café, chegou em casa exausto, tomou banho, comeu qualquer besteira e foi dormir. Vai empurrando os dias com a barriga até comemorar a chegada de sexta e o final de semana de novo. É assim que você gostaria de passar o resto dos seus dias? Sejamos francos: seja qual for nossa profissão, precisamos encarar o dia-a-dia. Se você passa a semana inteira desejando chegar sexta-feira, talvez seja um sinal muito importante do seu cérebro para você mudar algumas coisas na sua vida. Sobreviver desse jeito é um desperdício de vida e tanto.

2. Tenha objetivos de longo, médio e curto prazo. Sabe por que ter esses objetivos é importante? Porque eles te dão foco no dia-a-dia. Se você souber que pretende comprar um carro daqui a seis meses, vai ficar mais fácil economizar dinheiro, por exemplo. Se você está fazendo estágio em uma empresa há três meses, mas vive cansada(o), pense no motivo pelo qual está fazendo isso. Você sabe que é bom para a sua carreira fazer esse estágio, que é bom ganhar seu próprio dinheiro (mesmo que mínimo) e que você aprende muita coisa no dia-a-dia que sempre vai fazer parte da sua experiência profissional. Ter tudo isso em mente faz a gente encarar toda a situação de uma forma um pouco mais leve. Se estiver extremamente cansativo ou desanimador, você pode estabelecer prazos, como: “preciso ficar um ano neste estágio e depois procurarei outra coisa” ou “ficarei neste emprego até terminar minha pós-graduação” ou “aguentarei esse chefe só até terminar meu curso de inglês”. Ter objetivos é essencial para que você não perca tempo na vida fazendo algo que não lhe acrescentará nada. É o seu parâmetro.

3. Pare de pensar só em trabalho. Nem todos temos o emprego dos sonhos, mas nem por isso devemos resumir nossa vida ao nosso trabalho. Se o seu trabalho não te motiva o suficiente, ou te deixa cansada(o) – enfim, sabemos os motivos que nos fazem odiar as segundas-feiras -, se isso acontece, valorize mais as outras atividades da sua vida, as coisas que você gosta de fazer. De repente a segunda-feira pode ser o dia em que você fará um artesanato novo em casa, por exemplo, ou irá ao cinema com uma amiga. Procure encontrar motivações além do trabalho.

Algumas pessoas fazem da vida seu trabalho porque realmente amam o que fazem e se sentem completas dessa forma. Essas pessoas, no entanto, não odeiam as segundas-feiras. Eu acredito que o seu objetivo deva ser parecido com o que elas fazem, independente do trabalho que você executa: escritório, agência de publicidade, consultório médico, clínica de estética, faxina, dona de casa, artesanato, costura, esportes, estudos etc! Seja qual for sua atividade, valorize a sua vida e busque fazer o que você realmente ama. Pode demorar, pode ser rápido, mas tenha um ideal. Transforme esse ideal em objetivos, com metas e prazos. Viver com significado é o jeito mais fácil e verdadeiro de encarar as segundas-feiras e chegar naquele estado de “nossa, mas já é sexta?” em que você desejaria continuar trabalhando mais.

Mesmo o trabalho mais chato pode ser visto de outra maneira se ele tiver um significado para você. Busque esse significado! Todos os dias quando acordamos temos a oportunidade de fazer algo extraordinário em nossas vidas, nem que seja somente para celebrar o fato de estarmos vivos e abertos a mil possibilidades! A segunda-feira é o início da semana – não desperdice sua vida!

Sugestão de cardápio para a semana de 27 de agosto a 2 de setembro

5

Toda semana eu posto uma sugestão de cardápio para você ter ideias e se organizar em casa. Seguem as sugestões desta semana:

Segunda: contrafilé apimentado + batatas assadas com manteiga

Terça: risoto de frango com açafrão + frango assado perfeito do Jamie Oliver

Quarta: carne oriental com brócolis + arroz primavera

Quinta: picadinho de carne + arroz branco

Sexta: strogonoff de carne + batata chips + arroz branco

Sábado: hambúrguer de carne com bacon + salada de alface e tomate

Domingo: peixe com tomate e tomilho + salada verde + arroz integral

Uma boa semana para você!

Esta semana

Organizando uma nova mudança

Estamos organizando uma nova mudança de residência, desta vez por ótimos motivos. Quando nos mudamos de São Paulo para Campinas em 2011, a mudança...