Rotinas

17 Jun 2014

Ideias de assuntos para conversar quando viajar em família (especialmente com adolescentes)

Imagem: http://anatomiche.tumblr.com/

Imagem: http://anatomiche.tumblr.com

Viajar é uma delícia, mas muitas pessoas acabam ficando entediadas depois de ficar muito tempo no trajeto, especialmente se estiverem viajando de carro. Para evitar a falta de conversa e os fones de ouvido individuais o tempo inteiro, fiz uma lista de assuntos que podem ser divertidos de se discutir, especialmente com adolescentes. Enjoy. <3

  1. Se você pudesse viajar para qualquer lugar no mundo, para onde você iria e por quê?
  2. Quem é a pessoa, viva ou morta, que você mais gostaria de conversar?
  3. Quais são os seus três filmes preferidos e que você já viu diversas vezes?
  4. Qual sua matéria preferida na escola? E a que você mais detesta?
  5. Qual o melhor professor e por quê?
  6. Se você tivesse que escolher hoje uma profissão para ser, qual você escolheria?
  7. Quem é a pessoa que mais te inspira e por quê?
  8. Onde você se vê daqui a cinco anos?
  9. Se você pudesse ter somente uma rede social, qual você teria?
  10. Qual seu doce preferido? E comida salgada?
  11. Se você pudesse escolher, moraria na praia, na cidade ou no campo?
  12. Qual programa de TV você mais gosta? E qual é aquele que você tem mais vergonha de gostar?
  13. Se você achasse R$100 no bolso da sua calça, o que você faria? E se você achasse R$1.000?
  14. Qual a coisa que você fez até hoje que mais te deu orgulho?
  15. Do que você mais tem medo?
  16. Você acha que você se parece mais com a sua mãe ou com o seu pai?
  17. Quando foi o seu primeiro beijo?
  18. Você prefere ler um livro ou uma revista? Qual seu livro preferido? E a revista que você mais gosta?
  19. Qual sua música preferida?
  20. O que você mais gosta em você?
  21. Existe alguma coisa sobre você que você gostaria que todo mundo soubesse, mas ninguém sabe?
  22. Se você pudesse mudar algo em você, o que você mudaria?
  23. Se você fosse sair de casa para sempre com só uma mochila nas costas, o que você levaria?

Eu adoro fazer viagens mais curtas aos finais de semana e frequentemente as minhas sobrinhas estão conosco (elas são adolescentes), então fiquei pensando em perguntinhas legais de se fazer ao longo da viagem para conhecê-las melhor e dar a chance de conversarem com a gente. Espero que vocês gostem também.

06 May 2013

Dúvida do leitor: ajudando a mãe a se organizar

olá Thais, tudo bem? meu nome é vítor e eu tenho 15 anos, bem, eu gostaria de te pedir dicas para eu ajudar a minha mãe a arrumar a nossa casa.. nós nos mudamos para um apartamento muito grande de dois andares, varios quartos e salas, porém minha mãe sempre foi muito apegada as coisas, e nunca doou nada.. com isso a bagunça está presente em todos os comodos da casa… sempre que ela começa a arrumar algo, ela desespera e sai, e para de arrumar.. deixando as coisas no chao e tudo mais… e essa situaçao presenciada aqui em casa é de deixar qualquer um doido.. ha pratos debaixo da cama, colheres nos guarda roupas e tudo mais.. eu realmente gostaria de te pedir uma ajuda, para que eu consiga ajuda-la a organizar a nossa casa, pois esse seria o melhor presente de dia das mães que eu poderia dar para ela.. obrigado

Ah Vitor, que e-mail mais bonitinho. <3 Obrigada por me escrever.

Sabe, é muito difícil ensinar outra pessoa a se organizar, especialmente nossos pais ou avós, pois eles são mais velhos e o costume é que eles nos ensinem coisas, e não o contrário. Então toda vez que a gente tenta falar alguma coisa, pode parecer que não sabemos das coisas e eles podem não nos dar ouvidos. Felizmente, há muitos pais, mães e avós bacanas, que estão sempre dispostos a aprender.

A sua mãe briga se você mexer nas coisas dela? Porque se ela não brigar, você pode ir organizando tudo aos poucos. Tenho certeza que ela adoraria ter uma casa organizada, mas de repente não sabe por onde começar.

Vocês moram sozinhos? Se não, outras pessoas podem (e devem) ajudar na organização.

Eu morei durante alguns anos com a minha avó, que acumula coisas e não gostava que eu mexesse em nada, então imagine a minha aflição! Nesse caso, não tem muito o que fazer, infelizmente, pois ela é a dona da casa, não é verdade?

Tente conversar com a sua mãe e perguntar a ela como ela se sente com relação à bagunça. Se ela der abertura, diga que gostaria de ajudá-la. Pergunte se pode mexer nas coisas dela, sempre perguntando o que fazer com isso ou aquilo. Se você fizer dessa forma, ela terá segurança que você não vai jogar fora nada que ela não gostaria que jogasse (pelo menos por enquanto).

Muitas pessoas não sabem viver sem essa bagunça, pois sempre viveram assim. Então, a ideia de uma casa organizada é obscura. Mostrando aos poucos que é possível, que ela não precisa ter tralhas em casa, que a casa deve ser um santuário só com as coisas que ela gosta, ama, ou que são úteis à família, todo o resto pode ser trabalhado aos poucos.

Eu espero sinceramente que você consiga ter esse bate-papo legal com a sua mãe. E é muito legal de sua parte querer dar esse presente de Dia das Mães para ela. =) Parabéns pela iniciativa.

Tenho certeza que os leitores e as leitoras do blog te darão outras dicas interessantes através dos comentários neste post. Vamos lá, pessoal!

08 Mar 2013

Contra o conceito da mulher multi-tarefa

Hoje é o Dia da Mulher.

Tive a ideia para este post ouvindo um bate-papo sobre dicas de gestão do tempo para mulheres, que me deixou tão frustrada que sequer guardei o link. Prometo que, se encontrar novamente, eu edito aqui no post. Mas, basicamente, o entrevistador forçava o entrevistado com perguntas como:

“Éééé não é fácil para as mulheres se organizarem com tantos afazeres, trabalho no trabalho, trabalho em casa, cuidar do maridão”
“As mulheres têm essa jornada dupla, até tripla de trabalho, têm que se organizar”
etc.

Então me bateu um estalo sobre esse tipo de conceito que vem sendo reforçado já há algum tempo. Será que a revolução feminista é somente para a mulher ter o direito de escolher trabalhar? Ou será que vai muito além? Será que a revolução feminista não é, na verdade, uma revolução de gêneros? Porque, afinal, a mulher não merece fazer jornada dupla não, minha gente. Ninguém merece. A mulher começou a trabalhar fora de casa mas, quando chega, precisa cuidar de tudo, enquanto o homem continua apenas trabalhando fora e, quando chega em casa, ainda tem a mulher “para cuidar”?

Por isso, hoje, eu, Thais, proponho que a gente comece uma campanha contra esse estereótipo da mulher multitarefa que acumula jornadas e muitas atividades. Homens e mulheres têm vidas com as mesmas atividades. Uma executiva que tem um filho significa que existe um pai desse filho também. Ele não trabalha? Ele não precisa de seis meses de licença paternidade? Ele não pode se ausentar para levar o filho ao médico? Ou ir à reunião de pais?

Toda vez que eu escuto alguém falar que as mulheres levam vantagem no mercado de trabalho “porque sabem fazer muitas coisas ao mesmo tempo”, eu considero isso um pensamento muito perigoso. Todo ser humano, independente do seu gênero, pode ser capaz de “se virar nos 30″ e fazer muitas coisas ao mesmo tempo, porque a nossa vida hoje, em plano século XXI, é maluca e cheia de informação. Não só as mulheres. Atribuir essa qualidade a uma mulher é o mesmo que dizer “continua se virando por aí que eu continuo descansando por aqui”.

No final das contas, o discurso feminista sempre bate no mesmo ponto: direito de igualdade. Somente isso.

Ninguém ajuda ninguém nas tarefas de casa. Quem mora na casa deve ajudar. É trabalho em equipe.

Não é só a mulher que tem jornada dupla ou tripla. Homens também trabalham fora, habitam casas e têm filhos.

Fico contente de estar vivendo em uma época onde há tantas pessoas engajadas nesse movimento e vendo muitas coisas mudarem. Mas ainda falta muito. Depende de todos nós, mães e pais de meninos e meninas, ou simplesmente cidadãos do mundo. Exerçamos em nossa casa, em nosso trabalho, o direito de ser seres humanos iguais.

Para de dizer que mulher é eficiente porque sabe fazer muitas coisas ao mesmo tempo.
Pare de reforçar o pensamento de que mulher tem duas ou três jornadas de trabalho.
Pare de dizer que o sonho de toda mulher é constituir família e ter filhos.
Pare de dizer que rosa é de menina e azul, de menino.
Pare de dizer que menino não pode brincar de boneca, ou de comidinha, ou de casinha.
Pare de colocar as meninas da família para lavar louça enquanto os meninos estão vendo televisão.
Pare de dizer que uma mulher deve se valorizar.
Pare de dizer que é papel da mulher cuidar do marido.
Pare de dizer que lugar de mulher é na cozinha, ou no tanque.
Pare de dizer que uma mulher que foi vítima “mereceu”.
Pare de dizer que “mulher minha não faz isso”.
Pare de julgar outras mulheres pela sua liberdade sexual.
Pare de julgar uma mãe que trabalha fora.
Pare de julgar uma mulher que contrata uma faxineira.
Pare de julgar uma mulher que largou a carreira para cuidar do filho.
Pare de julgar uma mulher que fez escolhas.

Feliz Dia da Mulher.

feminismo02

feminismo

feminismo03