ou

No ano passado, quando estávamos planejando a mudança de casa, eu contatei a Wanice Bon’Ávigo, do Armazém da Energia, para elaborar o projeto de feng shui da casa nova. Sempre fui apaixonada por feng shui e, desta vez, queria fazer tudo direitinho. Ela e a Érika elaboraram um projeto muito bacana e gostaria de compartilhar com vocês o processo.

Elas realizam uma análise de numerologia cabalística dos moradores da casa, o que é algo muito rico porque ajuda a ter uma visão de como essas três energias (no caso aqui comigo, meu marido e nosso filho) interagem com as energias da casa, e ao final elas elaboraram um projeto levando tudo isso em consideração, com soluções personalizadas. Fora que a análise numerológica é explicada em um delicioso arquivo de áudio para cada pessoa, que é para você ouvir com calma e curtindo cada frase. Eu vivo ouvindo de novo!

Para mim, foi o_projeto do ano passado porque me manteve bem em uma época que fiquei chateada com algumas coisas, no último trimestre do ano. Já comentei aqui que tivemos problemas com o administrador da casa, tive outros problemas que não divulguei no blog (e não vêm ao caso), e ter um projeto criativo e que envolvesse o nosso lar foi fundamental para me manter bem naquele período.

Quando eu recebi o projeto, comecei então a planejar essa implementação, que não tem fim, na verdade! Comecei com o arranjo dos móveis, depois fui para os cristais multifacetados para as curas de áreas faltantes, as plantas e quadrinhos. Tudo isso vou fazendo bastante aos poucos porque a casa é grande e não tenho pressa.

Eu sempre fui uma pessoa apaixonada por organização, mas sem muito talento para decoração, e ter uma orientação de feng shui fez bastante diferença no arranjo das coisas. Por exemplo, ao montar meu escritório, eu sabia onde posicionar a mesa de maneira mais favorável. Uma das paredes fica no setor dos relacionamentos, então a Wanice me orientou a inserir alguns elementos que têm tudo a ver.

Eu vejo uma relação muito intensa entre feng shui e organização em diversos aspectos. Em primeiro lugar, sobre não ter tralha em casa. Tralha só atrapalha, porque é energia parada, além de não ser possível organizar. Depois, o feng shui influencia também com sugestões sobre como organizar de maneira legal cada um dos ambientes, o que pode ser útil para quem gostaria de ter mais ideias. Fora os pequenos detalhes, como usar acessórios vermelhos no setor do sucesso e outros pequenos detalhes que, para mim, fazem toda a diferença.

No Armazém da Energia você pode solicitar o seu projeto de feng shui residencial mas, se quiser aprender como fazer, também tem o curso que nós estamos construindo em parceria, que é de Feng Shui e Organização da Casa, para quem quiser aplicar na sua casa e onde mais tiver vontade.

Você aplica feng shui na sua casa? Você gosta desse assunto? Este é um primeiro post de uma série de outros em que pretendo explorar como estamos fazendo e trocar dicas com vocês.

Thais Godinho
10/04/2017
Veja mais sobre:
Feng Shui
1
Limpe sua estante de livros
E a sua mesa de trabalho?
Como decorar um imóvel alugado

Quando se fala em planejamento, duas coisas vêm à mente: 1) afffff, dá trabalho e 2) não tenho o que precisa. Balela! Você já tem tudo o que você precisa: sua mente. E, é claro, papel e caneta, ou qualquer ferramenta que você normalmente utiliza para fazer anotações.

É importante entender que o planejamento não é um evento, ou algo que a gente faz só de vez em quando. Planejar as nossas atividades, com variadas frequências, faz parte da vida. Todo mundo já se obrigou a sentar e fazer uma lista de tarefas para se organizar em um dia cheio de coisas para fazer, assim como já fez uma lista de resoluções ou metas para o ano novo. Planejar faz parte da nossa vida e é tão importante quanto qualquer outro tipo de atividade. Não é algo para fazer “se der”. É algo para fazer justamente “para dar”! Para ter tempo, para antecipar as coisas, para não sair atropelando tudo e fazendo de qualquer jeito.

Existem diversos tipos de planejamentos e eu vou citar os que eu recomendo:

  • Planejamento por frequência: anual, mensal, diário etc.
  • Planejamento por situação ou projeto: viagem, volta às aulas, mudança etc.

O planejamento por situação é aquele que normalmente a gente faz quando sente necessidade de organizar alguma coisa. Quando uma equipe se junta para definir as fases de um projeto da empresa, ou quando você planeja o roteiro de uma viagem que irá fazer. Esses planejamentos dependem muito de cada situação e da complexidade da mesma. Você pode ter projetos simples (organizar a viagem do final de semana), assim como alguns mais complexos (implementar um novo sistema de intranet na empresa).

A coisa pode se aprofundar tanto que existe algo chamado gerência de projetos, com curso, certificação, especialização e muitos estudo envolvido. Caso você se interesse, é uma área profissional muito ampla para você curtir. E é claro que, para os seus projetos pessoais (seus como indivíduo, mesmo os projetos de trabalho, que você é responsável), você não precisa saber tudo isso. Para esses projetos, você pode usar algo mais simples, porém muito legal, chamado Planejamento Natural de Projetos, que vem do GTD (um método de produtividade criado por David Allen e que eu, Thais, utilizo há muitos anos).

O planejamento por frequência é o que deixa a vida mais interessante porque é uma maneira de manter a vida sob controle e com perspectiva. As prioridades ficam claras. Nada passa desapercebido. Você prevê situações, se antecipa, e consegue ter uma vida mais organizada.

Por que é importante, por exemplo, fazer um planejamento anual? Nós vamos ver em um post futuro como fazer exatamente, mas a ideia é ter uma visão geral do ano que está vindo, férias (suas e dos seus familiares ou colegas de trabalho, que impactam diretamente na sua vida), viagens, feriados, sazonalidades, grandes eventos, aniversários. Com isso, dá para ter um panorama do ano novo e prever alguns acontecimentos, ou até mesmo verificar que época seria legal para iniciar determinados projetos (ex: reforma da cozinha). Também serve para analisarmos nossos objetivos de médio e longo prazo e verificar se estamos no caminho certo.

Cada frequência de planejamento traz seus benefícios. O planejamento semanal, por exemplo, dá mais controle de prazos, compromissos e deslocamentos. Todos os planejamentos por frequência nos ajudam a ter uma vida mais tranquila e organizada.

planejar

Sobre ferramentas, repito o que falei lá no começo: você precisa apenas da sua mente, papel e caneta. Mas claro que você pode usar ferramentas tradicionais de organização, como agendas, cadernos fofos, post-its e canetas coloridas. Fique à vontade para usar aquilo que você curte mais, porque gostar do processo é parte importante desse planejamento. Nada de usar uma planilha se você detesta aquele visual. A efetividade da organização tem tudo a ver com a gente respeitar a nossa essência, porque só assim consegue fazer com ela se torne um hábito real.

Conte-me um pouco como são os seus hábitos de planejamento hoje aqui nos comentários. Você já costuma planejar os seus projetos? E esses planejamentos por frequência (mensal, anual), você já faz? Obrigada pela participação desde já!

Thais Godinho
11/11/2016
Veja mais sobre:
, De férias/folga
61
3 práticas de organização que eu gostaria de ter aprendido 10 anos atrás
Pequeno imprevisto
Organizando a casa sem estresse

Ter animais de estimação em casa é uma delícia, mas quem tem sabe que eles acrescentam aí uma boa dose de atividades para a rotina de limpeza da casa. Nós temos mais de um cachorro e, apesar de eles terem uma área externa legal para ficarem, dentro de casa e fora dela existe uma rotina de atividades que precisa ser feita para garantir a casa em um padrão de limpeza legal. Vou comentar neste post um pouco sobre como nós fazemos.

Dividir as tarefas

Acho que dividir as tarefas sempre é algo primordial em qualquer residência, não só quando se trata de animais. Nesse caso, a dica aqui é cada um fazer aquilo que gosta mais e, aquilo que for chato para ambos, dividir em partes iguais.

Aqui em casa, eu adoro passear com os cachorros, brincar com eles, fazer atividades com o Paul junto, enquanto meu marido adora dar banho e cuidar da higiene. Por isso, dividimos dessa maneira. Como dar banho é algo que fazemos em menor frequência do que passear, ele também fica responsável pela compra da ração, biscoitinhos e agrados diversos.

Passeando na casa da vovó: Belinha (cachorra da minha sobrinha), Martha, Petisco e Farofa.

Passeando na casa da vovó: Belinha (cachorra da minha sobrinha), Martha, Petisco e Farofa

A parte mais crítica, como todos sabem, é a limpeza diária do cocô e do xixi. Eles já são acostumados a fazer na área externa, então fazemos da seguinte forma: pela manhã, quando venho ao meu home-office, dou uma geral caso tenha algo para recolher. Também limpo as bacias de água e comida. Antes ou depois do almoço, meu marido faz a limpeza mais geral – que eu repito de noite. E, antes de dormir, se houver algo para recolher, ele recolhe. Está bem dividido assim. Quando ele precisa estar fora o dia todo e eu estou em casa, eu cuido de tudo. O contrário acontece quando eu estou fora.

Em termos de limpeza dentro de casa, não mudou tanto assim a nossa rotina, porque não deixamos que eles subam nos sofás ou fiquem muito andando onde temos tapetes etc. Eu gosto de ter cachorro dentro de casa, mas meu marido não, então vamos nos respeitando dentro dos limites de cada um. Por isso, no geral meu marido fica com as atividades de limpeza do cotidiano aqui em casa, mas qualquer sujeira adicional que tenha vindo dos cachorros é responsabilidade minha. Acho justo!

Então é assim que cuidamos da limpeza da nossa casa com mais de um cachorro. Como todas as outras áreas, se houver divisão, não fica pesado para ninguém.

E você, como administra a limpeza da casa com animais de estimação? Compartilhe nos comentários!

Thais Godinho
20/10/2016
Veja mais sobre:
13
Como organizar bolsas (em casa)
Encontrando motivação para os estudos
Rotina diária no GTD: foco na execução