Categoria(s) do post: Diário da Thais, Empreendedorismo

No ano passado, eu inaugurei no blog a ideia deste post anual, onde eu conto um pouco sobre o status atual do meu negócio. Eu achei que isso seria bacana 1) como uma forma de eu mesma resumir e revisar depois de um tempo, vendo as nossas conquistas e 2) prestar uma espécie de contas para vocês, não porque isso seja uma obrigação, mas porque vocês podem ter curiosidade de saber como andam as coisas por aqui (sempre me perguntam nas redes).

Eu reli o post do ano passado e fiquei positivamente surpresa com tudo o que eu mudei de lá para cá. A Thais do final de 2018 tinha OUTROS planos, OUTRA visão para o seu negócio, e essa visão foi completamente transformada em 2019. Por isso eu digo que a palavra que resume o meu ano é TRANFORMAÇÃO. Não há outra palavra para descrever.

Vou tentar descrever da maneira mais clara possível então o que foi essa transformação. O post é um pouco longo, então sinta-se à vontade para pular caso o assunto não te interesse.

São dois os pontos principais que foram o eixo dessa transformação.

Ponto 1: Foco no Vida Organizada

O primeiro é a questão de priorizar mais o meu trabalho com o Vida Organizada. Deixa eu ver como posso colocar isso da maneira correta. Por exemplo, a produção de conteúdo autoral do Vida Organizada é feita exclusivamente por mim. Desde o momento em que me tornei autora, formalizou-se a construção de um método que vem sendo desenvolvido por mim. Isso é um trabalho de DÉCADAS. O GTD™, por exemplo, que todos nós amamos, nasceu na década de 1970, praticamente. O livro do método foi publicado apenas em 2001, e apenas em 2014 veio a padronização do programa educacional. O David está agora colhendo os frutos merecidíssimos desse trabalho, mas vejam todo o tempo que levou. Ele passou muitos anos ministrando cursos até entender que, se ele continuasse fazendo isso, não tinha mais ninguém para continuar o desenvolvimento do método, pois ele era o responsável por essa produção! Em um determinado momento, ele inclusive contratou um CEO para a empresa, quando ela estava em processo de expansão, pois ele não teria como fazer isso e ainda produzir conteúdo intelectual sobre o método. Isso foi um entendimento de incrível humildade, tanto com relação às competências como gestor quanto com relação ao método, que ele considerava sempre passível de melhorias.

Photo by Arif (India)

Em suas devidas proporções, é o que tem acontecido comigo. Nos últimos cinco anos, eu rodei o Brasil inteiro ministrando cursos abertos e em empresas, e o que eu senti é que, fazendo isso, o meu conteúdo ficava um pouco de lado (isso inclui não apenas o blog e as redes sociais como os meus livros e cursos). Especialmente no caso do GTD™, no ano passado e em 2019 eu fui responsável pela capacitação de seis novos instrutores, totalizando hoje 11 no Brasil. Todos eles são pessoas incríveis e com grande conhecimento do GTD™, e eles precisam se projetar nesse trabalho também. Ou seja, ministrar cursos de GTD™ é algo que eles podem fazer, além de mim. Criar conteúdo de GTD™ dentro do Vida Organizada é algo que só eu posso fazer. Entendem a diferença? Para mim, entendê-la foi fundamental, pois não se pode fazer TUDO. Na verdade, muito mais importante é saber o que NÃO fazer. Então ao longo de 2019 isso pegou muito forte para mim.

Existe também um elemento forte aqui que é o da “síndrome do impostor”. Estatísticas falam que as mulheres sentem MUITO isso. Ao longo desse ano, pessoas incríveis vieram falar comigo no intuito de encorajar e valorizar o meu trabalho. Eu sempre senti que talvez estivesse vivendo à sombra do GTD™, o que era uma visão errônea, reflexo dessa insegurança. Fiz diversas pesquisas este ano e conversei com diversas pessoas, me mostrando que elas se conectam com a Thais, do Vida Organizada, independente de ser com o GTD™ ou não.

Photo by Dan Taylor

Isso me encorajou a olhar com mais carinho o meu próprio trabalho e a minha jornada. Tenho três livros publicados. Um método consolidado em desenvolvimento. Uma pesquisa importante de mestrado em finalização. Muita experiência e conhecimento no mercado como um todo. Não quero ficar me exaltando, mesmo porque nunca fui disso, mas eu aprendi a valorizar todo esse trabalho. E, por mais que eu tenha pessoas que me auxiliem mais nas partes técnicas, o conteúdo autoral só eu posso fazer. E toda vez que eu deixo ele de lado para fazer algo que outras pessoas poderiam fazer, isso não é um aproveitamento esperto do meu tempo. Eu preciso me concentrar mais naquelas coisas que só eu posso fazer pois, se eu não as fizer, não haverá ninguém que as faça e elas ficarão abandonadas!

E não vou mentir: eu já tinha essa noção no final do ano passado, mas uma transição assim leva tempo, pois existem operações já em andamento e compromissos firmados. Por exemplo, até agosto deste ano eu estava dedicada à capacitação dos novos instrutores, o que me tomava muito tempo de agenda mesmo. Até junho, a viagem para Amsterdam e a minha palestra no GTD Summit. Os cursos já agendados e com inscrições feitas. Tudo isso eram projetos que eu tive que me dedicar, além dos meus próprios projetos com o Vida Organizada e o mestrado, cujas aulas acabaram apenas no meio do ano. Tente imaginar a conciliação de tudo isso com o meu estado de saúde, que ficou esquisito durante uns oito meses desse ano.

O fato de eu não estar conseguindo fazer as coisas no dia a dia me levaram a cancelar alguns projetos e iniciativas que não fossem aqueles compromissos já firmados, tais como cursos e eventos. E é óbvio que isso afeta o faturamento da empresa, pois foram muitas coisas canceladas. Por mais que o faturamento estivesse ok caso eu fosse uma pessoa só, eu não era uma pessoa só. Tínhamos um time, pessoas contratadas em modelo CLT, impostos sendo sempre pagos direitinho, duas salas alugadas para o nosso escritório, serviços diversos contratados… A pressão por ter que bancar um alto custo fixo mensal começou a me fazer muito mal, porque houve dias em que eu realmente sequer conseguia trabalhar, devido à minha saúde. Eu entendi que precisava reformular a nossa estrutura de modo que eu conseguisse resgatar a minha qualidade de vida e pudesse me recuperar sem essa grande preocupação adicional. Portanto, no terceiro trimestre eu precisei reformular toda a nossa estrutura, o que foi uma das coisas mais difíceis que eu já fiz. Porém, tê-lo feito foi fundamental para dar esse respiro e chegar no final do ano completamente recuperada e focada.

Ponto 2: Foco no Online

O segundo ponto principal que influenciou essas mudanças este ano foi toda a questão do foco do meu trabalho mesmo. Por exemplo, com todas as mudanças que eu contei até aqui, caiu a ficha mais importante de todas, que foi o embate entre estar presencialmente nos lugares ou abraçar o online definitivamente. Organizar um curso presencial para 15 pessoas demanda um esforço enorme que quem não trabalha com isso não tem ideia. E, no final das contas, por mais legal que seja estar em sala de aula, apenas 15 pessoas foram impactadas nesse evento, entendem? Enquanto que aqui, no blog, temos uma média de 1 milhão de visualizações mensais, 68 mil pessoas me acompanham no YouTube, 350 mil seguem a página do VO no Facebook, 92 mil me seguem no Instagram. Eu estava até mesmo achando egoísta de minha parte restringir o que compartilho a tão poucas pessoas. Eu tinha montado uma sala de cursos que ficou uma graça, mas comportava apenas 12 pessoas (um número que me agrada para os cursos presenciais). Mas estar ali significaria não estar no online, pois não dá pra gente fazer tudo. Quando essa percepção começou a ficar mais clara para mim, eu comecei a tomar decisões um pouco mais acertadas (a partir daquele momento) em termos de investimento de tempo, dinheiro e energia.

A primeira coisa foi entender que eu tinha um programa principal de organização, que atende três públicos: 1) quem quer começar a se organizar, 2) quem já tem sua organização pessoal, mas quer ajustes e 3) quem trabalha com isso e quer se capacitar mais. Esse programa se manifesta de diversas maneiras – do blog aos cursos. Mas ele deve ser o meu foco principal, e está sendo.

Sou uma pessoa apaixonada por métodos, então falar sobre eles, criando conteúdos, em vez de ministrar cursos dos mesmos, terá um alcance melhor e ainda projetará outras pessoas. GTD™, FLY Lady™, Bullet Journal™, KonMari™ – todos esses são métodos maravilhosos e que adoro estudar e praticar, mas existem pessoas super competentes que vendem isso como serviços, e meu papel com a criação de conteúdo é ajudá-las e ajudar as pessoas que querem aprender ou aperfeiçoá-los, mas talvez não queiram ou não possam pagar por cursos ou serviços relacionados.

Quando eu penso no público do Vida Organizada, que inclui você, querida leitora ou leitor, meu foco sempre está em: como eu posso SERVIR essas pessoas? Como posso ajudar? Que tipo de conteúdo posso criar para que a pessoa se motive a ser uma pessoa organizada? Como mostrar que a organização serve para a gente ter uma vida mais legal? Tendo esse foco, todo o resto é consequência.

Para finalizar o post, alguns comentários gerais sobre pontos mais específicos:

Espaço

Hoje estamos com apenas uma sala, que foi a sala que decoramos para os cursos e que depois se tornou escritório. Pretendemos mudar para outra sala entre janeiro e fevereiro, mais perto da escola do Paul, para que eu possa estar mais perto dele na rotina mesmo.

Time

Meu marido está trabalhando comigo e cuidando de toda a parte de edição de vídeos e abrigando outros trabalhos aos poucos. A Malu me ajuda em sala e com trabalhos pontuais. Tenho uma assistente pessoal, a Andreia, que cuida basicamente do meu atendimento (e-mails, telefonemas) e tarefas administrativas pontuais. E outros prestadores de serviço, tais como contadores, advogados etc.

Planos futuros e sonhos

Continuar os posts diários aqui no blog. Isso continuará, em um formato que estou aprendendo a firmar, de alternar posts maiores com posts mais curtinhos e dicas pontuais. Tudo isso será melhorado em 2020.

Uma nova estrutura de postagens de vídeos no YouTube, com mais LIVEs e também vídeos mais curtinhos ao longo da semana.

Continuar postando imagens legais e dicas no Instagram, além de compartilhar a minha rotina nos stories.

Sim, teremos podcast em 2020. 😉 Em breve trarei mais detalhes.

Também teremos um novo livro em 2020, com foco em organização dos estudos.

Também haverá uma parceria bacana que trará novidades para quem quer trabalhar com organização. Em breve poderei falar mais.

Meu foco a partir de então estará principalmente no curso do Método Vida Organizada (Organize-se em 2020) e em seus programas derivados, como a Mentoria.

Será a primeira vez em todos esses anos que meu foco será no Vida Organizada, e será a primeira vez que eu sinto confiança para dizer que esse trabalho já sustenta a empresa e a família, o que traz uma grande responsabilidade porém um foco correto. Meu lema para 2020 será acreditar mais em mim e no meu trabalho, e essa foi uma escolha acertada.

Espero que vocês tenham gostado deste post. Quero agradecer a todo mundo que está aqui, acompanhando este trabalho. Me sinto privilegiada por fazê-lo, e muito feliz também. Obrigada. ❤️