Categoria(s) do post: Rotinas

Eu acredito que um escritor tenha dois estados permanentes de existência. Um é o estado de contemplação, que acontece o tempo todo. A todo momento, o escritor fica ligado no que está acontecendo ao seu redor, no mundo, com as pessoas que passam na rua, com os diálogos ao seu redor no metrô e no restaurante, etc. A solução para lidar com essa quantidade imensa de informação percebida é andar com um caderninho de notas sempre por perto. Nunca se sabe quando surgirá uma ideia excelente ou quando vou ter um insight sobre determinado tema que vou querer desenvolver depois.

Existe, no entanto, um segundo estado, que é o estado de fluxo. É o estado em que o escritor está efetivamente sentado escrevendo, concentrado. Esse estado não acontece o tempo todo e cada escritor terá suas próprias técnicas para fazê-lo acontecer de maneira mais efetiva. Uma coisa é fato: quem escrever, entende a importância da disciplina de escrever diariamente. Escrever é uma prática de experiência cumulativa – só escrevendo muito, diariamente, você consegue se aperfeiçoar e desenvolver a sua imaginação, além de outras qualidade e habilidades necessárias a quem escreve.

Para mim, o que funciona é escrever pela manhã. De certa maneira, sinto que meu cérebro está mais descansado e limpo para deixar as ideias fluírem. Claro que me ajuda ter um certo norte – uma lista de temas que quero desenvolver para o blog, por exemplo, ou um foco apropriado que delineie a escrita (um novo livro, um artigo, um trabalho). Logo, todos os dias de manhã eu dedico alguns minutos ou horas (depende dos compromissos do dia) para escrever. Todo dia.

Às vezes, quando não tenho muito tempo, pois tenho outros compromissos, especialmente externos, eu costumo escrever como se fosse um diário. Apenas passo para o papel algumas reflexões que estou tendo no momento. Essa prática é muito legal, porque eu continuo exercitando a escrita diariamente, e essa captura me permite identificar questões que talvez até então não estivessem tão explícitas para mim. Identificá-las permite que eu lide com elas com maior clareza.

Cada escritor deve encontrar seu melhor momento do dia para escrever. Tem gente que prefere escrever de noite. Varia muito de pessoa para pessoa. O que é fato é que é um hábito diário de quem escreve ou tem a pretensão de se tornar escritor.

Se você não for escritor, uma dica é encontrar a principal atividade de deep work (trabalho aprofundado) do seu trabalho, e possivelmente essa atividade entrará no lugar da escrita para as dicas deste post. Se quiser, compartilhe suas percepções nos comentários. Obrigada!