Pular para o conteúdo

Universidade Pessoal: estudando Kiekegaard

Eu farei uma viagem a trabalho para a Dinamarca este ano e já algumas vezes tinha visto frases do filósofo Kiekegaard que tinham me chamado a atenção por serem bastante espirituosas, e aí tive a ideia: quero estudar as suas obras e farei disso um projeto para 2024! Quero, com este post, mostrar como eu organizo e planejo esse projeto dentro do que chamo de universidade pessoal – um conceito criado por mim há alguns aos para definir as “disciplinas” que vou estudar de maneira autodidata.

Primeiro eu pesquisei quais eram as suas principais obras. Acabei comprando algumas que me interessaram mais, para ler primeiro e, se quiser, depois compro e leio as outras. “O conceito de angústia”, “O desespero humano”, “A doença para a morte” e “O conceito de ironia”. Além dessas, comprei livros de apoio que me pareceram interessantes, como um livro inteiro do Adorno só sobre ele (e eu adoro e estudo Adorno desde sempre, então foi duplamente feliz essa aquisição), “10 lições sobre Kiekegaard” e “Para compreender Kiekegaard”. Também comprei uma biografia, que pretendo ler na viagem para a Dinamarca, até para reconhecer os lugares e tal.

Montei o projeto na ferramenta que escolhi para listas este ano, a Meister Task (farei um post sobre ela ainda):

Pois bem. Se tem uma coisa que eu aprendi na vida sobre motivação é: respeite o drive. Se eu estou com vontade de ler o livro, vou ler agora, porque essa empolgação pode passar. Então eu já comecei a primeira leitura, que foi o “10 lições”, que me pareceu mais pertinente para começar. E estou AMANDO. O autor, Jonas Roos, escreve lindamente, e livro é uma leitura fácil e rápida de introdução. Acho que acertei.

Além disso, eu uso o ChatGPT para me ajudar com alguns resumos. Eu criei um Chat apenas para estudar o Kiekegaard e peço algumas referências interessantes para ele, como por exemplo:

Eu estava com dificuldade de compreender a diferença entre angústia e desespero para o filósofo, e fui fazendo perguntas para o ChatGPT até ter uma compreensão mais clara do que se tratava.

Eu gosto de ler grifando, interagindo com o livro, escrevendo conceitos, fazendo resumos. Toda vez que elaboro alguma ideia ou entendimento com as minhas próprias palavras, eu anoto em uma folha de papel, ou no meu caderno de aprendizados (commonplace book), e depois passo para o Obsidian, que é a ferramenta que uso para fazer fichamentos e gerenciar esses meu conhecimento como se fosse um cérebro externo mesmo.

O estudo é uma atividade diária. Faz parte da minha vida. Todo esse processo, então, se dá de maneira muito natural e fluida para mim, e gosto demais. Sou aquela pessoa que estuda para descansar. Mergulhar na vida e na obra do filósofo tem sido significativo para mim, pois assim sinto que compreendo melhor tudo o que ele tem a dizer.

Para escolher as leituras, sigo muito a minha vontade e intuição, mas é normal também que eu acabe combinando as leituras com outros projetos de vida, como por exemplo: em fevereiro voltam as atividades do meu grupo de pesquisa, que tem foco em Teoria Crítica. Talvez faça sentido ler o livro do Adorno antes do grupo reiniciar suas atividades, então. Assim como quero ler a biografia dele quando viajar para a Dinamarca. Enfim, são apenas boas ideias de integração com a vida em si.

Fora que – e aí entra a especificidade do que se estuda – o que o Kiekegaard ensina é justamente esse pensar sobre si mesmo, de filosofar a partir da própria vida, e essa ideia está completamente alinhada ao que eu penso sobre estudos e as leituras que decido fazer momento a momento na vida.

Thais Godinho

Thais Godinho

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

2 comentários em “Universidade Pessoal: estudando Kiekegaard”

  1. Oi Thaís, te acompanho há anos, mas é a primeira vez que vou deixar um comentário. Ameeei esse post. Não conhecia esse filósofo. Agora, apenas como sugestão e pedido, o texto antes da figura do livro veio cortado e também o parágrafo antes da última citação parece faltar alguma informação entre o que o filósofo ensina e suas leituras do momento de vida. Ficou implícito, mas eu gosto muito da ideia de Jung de sincronicidade e talvez tenha algo relacionado. Se tiver, poderia detalhar mais um pouco? Pode ser por e-mail. obrigada.

  2. Nossa , gostei desse cara que vc vai estudar… acho que vai ser massa conhecê-lo com vc. Eu nunca tinha ouvido falar dele mas agora quero estudar com vc. Bjk

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *