Categoria(s) do post: Diário da Thais, Vida Organizada, Semestral

Com as férias escolares, para mim, não tem jeito: julho acaba criando um vão entre a primeira e a segunda metade do ano, me inspirando a fazer esse tipo de reflexão sobre todas as coisas que eu planejei para o meu ano e pensar o que faz sentido focar na segunda metade.

Uma seguidora no Instagram me perguntou o que seria prioridade no segundo semestre, e eu respondi que era conciliar bem minhas novas atividades profissionais, mantendo a minha saúde e a rotina tranquila. Foi um exercício interessante pensar nisso e eu quis trazer um pouco desse raciocínio aqui para o blog.

Muitas pessoas acabam tendo aquela sensação de: “putz, meio do ano, eu queria ter feito tanta coisa e não fiz metade”. A organização ajuda a gente a não se sentir assim. Mas, mais do que isso, aprender a olhar pra trás para ver o que estava sob seu controle, porque eu tenho certeza que muita coisa não estava. E às vezes a gente se cobra por elas.

Fora que, em segundo lugar, ter esses planejamentos revisados e atualizados, e esse inventário do que está em andamento, do que é prioridade, dá uma sensação de clareza maior sobre como alocar a nossa energia daqui em diante. Planejamentos servem justamente para reajustar a rota quando necessário, e não para engessar a vida e nos deixar frustrados porque não conseguimos concluir algo em um período X de tempo.

Se você estiver pensando sobre como aproveitar melhor o seu segundo semestre do ano, seguem algumas dicas pontuais que podem te ajudar a ter mais foco e repensar suas prioridades.

Queria aproveitar para falar sobre o planner da Tilibra que estou usando este ano para fazer os meus planejamentos (esse da foto, modelo Soho). Comprei esse modelo maior, tamanho universitário, e em termos de tamanho para escrever ele é ótimo, mas ele realmente fica mais chatinho de transportar por ser grande. E não só isso também – todo o espaço maior dele, na verdade, acaba não sendo usado. Eu sinto falta de aproveitar melhor a disposição das páginas mesmo – o que também dá para simular através de montagens e colagens, mas eu confesso que ainda não fiz isso.

Falando sobre o meu planejamento do ano.

Revisar o que eu coloquei como prioridade

Lema, área de foco, 5 prioridades, 1 prioridade para cada área – todos esses exercícios, feitos no final do ano passado, foram importantes para, naquele momento, eu pensar sobre o meu ano novo e tentar projetar nele essas prioridades. Você pode ter feito dessa maneira, junto comigo, ou pode ter refletido sobre as suas prioridades de outra maneira. Seja como for, como estão essas reflexões? O que você colocou como prioridade continua sendo prioridade?

Aqui as prioridades continuam as mesmas, mas eu diria que as minhas expectativas tiveram que ser MUITO ajustadas para evitar frustrações, especialmente com relação a saúde e finanças. Como eu não estava bem, isso afetou a saúde financeira da empresa, que depende muito de eu estar bem hoje. Afinal, são aulas, lives, e a própria estruturação da equipe e direcionamento dos projetos. A pessoa que trabalhava com a coordenação dos projetos saiu em fevereiro, o que ninguém esperava, e isso impactou totalmente o nosso planejamento e todos os nossos projetos, porque eu, que já não estava tão bem, tive assumir todas essas funções novamente, junto com as outras que eu já tinha. Não existe milagre – pra prosseguir, tive que priorizar as atividades e fazer cortes no planejamento. Muitos projetos precisaram ficar de lado. E impactar os projetos significa impacto financeiro, obviamente.

Com sinceridade, ter passado pelo sequestro em março me fez repensar a vida como um todo. Eu não consigo falar sobre o sequestro em si, ok? Mas eu posso dizer que mudou completamente a minha percepção da vida e da segurança da minha família.

Agora, em julho, que estou conseguindo colocar mais a minha cabeça no lugar e vivendo os dias de maneira mais funcional. Não digo que o ano tenha começado agora para mim, mas de fevereiro a junho foi um período muito, muito difícil. Faz parte. Levanta, sacode a poeira, e é isso. Mas sempre respeitando o que aconteceu comigo e cuidando da minha saúde mental e física, que definitivamente continua sendo a minha prioridade, assim como prestar atenção às finanças da empresa.

Pensar: por que não consegui fazer algo que eu queria ter feito?

Então é isso: pode ser frustrante não ter conseguido fazer o que queria, mas a gente precisa sim levar em conta o que aconteceu e que muitas vezes – ou na maioria delas – não foi responsabilidade nossa.

O que precisa ser feito para que essas coisas aconteçam? E estou pensando aqui naquelas coisas que ainda precisam ser feitas este ano. Por exemplo: você precisa fazer alguma atividade física porque seu médico pediu como parte de um tratamento. Então você pode repensar a sua rotina e imaginar como seria mais fácil para você inserir aquela atividade. Não conseguiu estudar inglês? Tá, o que você pode tentar de estratégia diferente? Pensar sobre isso, sabe.

Existem coisas que não foram possíveis por variados outros motivos que não estavam sob o seu controle. Como elas ficam? Como reajustar a rota para o segundo semestre? Essa reflexão como um todo, para todo o seu planejamento do ano, é muito relevante de ser feita nessa época do ano.

Construir um mapa mental com as áreas da sua vida

Fazer um mapa mental com as áreas da sua vida e refletir sobre a importância que você está dando a cada uma delas é saudável. Isso dá muito certo para mim, porque só de montar esse mapa mental eu já percebo que tem algumas áreas sendo mais privilegiadas que outras. Escreva suas reflexões para decidir o que fazer com elas mais tarde.

Hoje o meu está assim:

Mind Meister

Acaba se tornando um mapa da minha vida, que reviso e acrescento (ou tiro) coisas conforme a necessidade.

Revisar os projetos em andamento

Ter uma lista com todos os seus projetos para o ano é absolutamente essencial. Se você não tem essa lista, tenha. Te dará muita clareza sobre o que está em andamento (e tem fim). Uma revisão adequada nessa época do ano inclui repensar aqueles que ficarão em stand-by. Você pode colocar em uma categorização de “em espera” ou “rever ano que vem”. Dessa maneira, você conseguirá ter mais clareza do que precisa focar agora.

Redesenhar o meu dia ideal

Se eu não consegui fazer algumas coisas que eram importantes para mim, será que não vale a pena redesenhar o que seria um dia ideal na minha vida nas circunstâncias que eu tenho hoje?

Desde a hora que acordo até a hora que vou dormir, o que seria ideal?

05h45 – Acordar e fazer minha rotina matinal (higiene, yoga, meditação)
06h45 – Rotina com o filhote até levá-lo para a escola
07h30 – Academia, banho e deslocamentos
09h – Começar a trabalhar (atividades de concentração)
13h – Descansar na hora do almoço
14h – Reiniciar o trabalho (atividades de rotina)
17h – Começar a encerrar o dia de trabalho
18h – Encerrar o trabalho e fazer yoga como ritual de passagem
18h30 – Hora do rush em casa (dinâmica com a família, arrumação, jantar, verificação de pendências, limpeza)
21h – Descanso (leituras, filmes, séries, pintura)
22h30 – Dormindo

Acima é um exemplo. Você pode criar o seu personalizado para as suas necessidades.

Redesenhar o dia ideal pode te fazer refletir sobre o estilo de vida que está vivendo, se quer fazer mudanças, mesmo que demorem, entre outras questões pessoais.

Definir entregas para os dois últimos trimestres do ano

Será que alguns dos seus projetos não têm marcos específicos que podem ser cumpridos antes do final do ano? Que tal pensar nesses marcos e entregas para o terceiro e o quarto trimestre? Muitas vezes, se conseguir adiantar algo, você conseguirá tornar o seu final de ano menos corrido.

Revisar objetivos de curto prazo

Objetivos de curto prazo são aqueles que você pretende alcançar de hoje a dois anos. Não costumo trabalhar com “resoluções de ano novo” porque o período de dois anos parece mais realista quando falamos de objetivos de curto prazo. O que a gente quer alcançar nesse período deve desmembrar projetos que podemos começar a trabalhar agora ou daqui a algum tempo (em breve). Analise seus objetivos de curto prazo, então, e verifique se seus projetos atuais refletem o que você pretende.

Não se cobrar tanto e curtir mais as conquistas

Com certeza muitas coisas já aconteceram neste primeiro semestre e, talvez, na correria, você pode não tê-las celebrado apropriadamente. Permita-se errar. Permita-se ir devagar, de vez em quando. E, acima de tudo, permita-se agradecer e celebrar as suas conquistas.

Essa parte é muito importante, porque é o reconhecimento de tudo o que você vem trabalhando até então. Se for necessário fazer mudanças antes do final do ano, ainda dá tempo. Aproveite!

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Deixe seu comentário

6 comentários

  1. Débora comentou:

    Oi Thais!
    Td joia? Gosto muito do seu blog, sempre acompanho, mas nunca interajo hehe
    Eu já passei a usar muitas ferramentas digitais por sua causa (eu sou do tipo organização 100% digital). Hoje eu gostaria de te indicar uma ferramenta que eu acabei de descobrir que partiu de uma necessidade minha.
    É um app gratuito que chama Itemtopia. A proposta dele é de catalogar suas coisas, vc pode colocar nele informações como fotos, data e valor da compra, NF, garantia (pode colocar lembrete nessa) e pode organizar seus itens como preferir (catalogando por exemplo: quarto – armário- gaveta de cima -itens)
    Eu comecei a usar agora e estou gostando muito, iria adorar se vc usasse também, pq seus posts sempre me inspiram novas formas de usar ♥
    Um abraço!

  2. Sónia Neves comentou:

    Texto fantástico. Obrigada!

  3. Simone Midori Costa comentou:

    Gostei muito deste post porque como fiz boa parte do MVO o timing nao poderia ser mais certeiro.
    Fazendo uma avaliacao, algumas prioridades ficaram meio de lado por circunstancias da vida (morte na familia e eu com COVID). Agora tenho a clareza de que eu nao pude controlar esses fatos entao nao sinto culpa como sentia antes.
    Minha prioridade #1 e ser fluente em holandes nos proximos 12 meses, entao agora estou “recalculando a rota” pra chegar la.
    Abracos, Simone

  4. Taty comentou:

    Adoro posts assim!

  5. Fabine comentou:

    Que coisa boa ver que você tá se recuperando bem 💜

    Sobre TEPT, o livro Livre de Ansiedade do Robert Leahy tem um capítulo sobre isso, talvez seja útil tanto pra entender quanto pra explicar pros mais próximos as consequências desse momento difícil.
    Talvez seja útil como conteúdo também no futuro, se e somente se for do seu interesse falar sobre o assunto. Não encare como um pedido nem sugestão, mas sim como uma informação.

    Ainda lido com alguns sintomas de TEPT e de outros transtornos de ansiedade e esse livro me ajudou muito a me sentir menos “louca” ou “anormal”.

    Sempre mandando boas energias e pensamentos pra ti. Um beijo e um abraço apertado 💜

  6. Stephanya comentou:

    Oi Thaís, amo seus posts! Acompanho todos há anos, mas não sou muito de comentar.
    No ano passado finalizei meu doutorado e foquei único e exclusivamente em conseguir um emprego como professora universitária. Aos trancos e barrancos no mês de maio fui contratada!
    Só que deixei o resto da minha vida toda descontrolada (esporte, lazer, contato com família…) agora estou recalculando rota para entrar no eixo novamente.

    Muito obrigada por compartilhar sua trajetória conosco! É sempre inspirador.