Categoria(s) do post: Planejamentos, Vida Organizada, Anual

Uma pergunta bastante comum que recebo é sobre como planejar em um cenário de incertezas, como o que estamos vivendo. Quando achamos que estamos voltando ao normal, surge uma nova onda e a possibilidade de fechamentos de novo. A escola do meu filho provavelmente vai voltar a ter aulas virtuais nas próximas semanas, devido ao aumento dos casos. Claro que, estando vacinados, a situação é muito menos precária. Mas ninguém quer ficar doente, especialmente porque ainda não sabemos os efeitos do vírus no longo prazo.

Bem, o fato é que ainda estamos em um momento de incertezas. Será que se eu comprar uma passagem para fazer uma viagem no segundo semestre eu vou conseguir viajar? Será que consigo me planejar para fazer qualquer coisa em qualquer momento ou posso correr o risco de ficar doente e ter que cancelar tudo?

A boa e a má notícia é que não dá pra gente ter essa certeza nunca, nem em tempos considerado “normais”. O que acontece agora é uma situação mais drástica, que nos deixa mais vulneráveis, mas a grande verdade é que não sabemos o dia de amanhã em qualquer momento ou fase de nossas vidas.

Com isso, costumo sempre recomendar o seguinte: planeje aquilo que você tem controle e pense sempre nas alternativas. Por exemplo, eu não consigo saber se poderei fazer uma viagem internacional no ano que vem. No entanto, consigo planejar: se eu puder viajar, será de tal jeito e, se não puder, farei tal coisa. Isso é planejamento. É pensar sobre cenários e circunstâncias e decidir em cima daquilo que você tem controle. Se puder viajar, até quanto tempo antes consegue comprar a passagem? O que pode fazer nesse meio tempo? Se não puder viajar, como será? Você vai passar as férias em outro lugar? A viagem será adiada? Enfim, decisões que você pode tomar com base em critérios pessoais.

Quando eu planejei a minha entrada no Doutorado, considerei fazer o curso em outro estado, que tinha um programa interessante para o que buscava estudar. No entanto, com esse cenário incerto com relação a viagens, caso eu passasse, ficaria numa saia justa. Imagina só se as aulas voltam para os alunos locais e eu não consiga viajar? Enfim, eu arranjaria um problema chato que não precisava existir. Já sabendo também a experiência volumosa que tive com o mestrado, optar por uma instituição mais perto da minha casa foi providencial. São quatro anos. Mesmo sendo apaixonada pela pesquisa e estando muito motivada, no dia a dia isso conta, especialmente eu com o filhote aqui em casa. Resultado? Dito e feito: neste primeiro semestre de 2022, as aulas voltaram presencialmente e, se fosse em outro estado, eu ainda não me sentiria segura para ficar indo e voltando de viagem. Além disso, as passagens (e todo o resto) estão mais caras. Teria sido um tiro no pé.

Eu acredito que sempre vale a pena rever o que foi planejado para o ano e fazer ajustes. Agora que estamos chegando no meio do ano pode ser um bom momento para essa reflexão. Apesar de revisar meus projetos toda semana, eu sei que alguns raciocínios levam mais tempo mesmo, é normal. Então essa reflexão “semestral” me ajuda nesse balanço.

Quando você for planejar o que pretende fazer, procure ter esse olhar e fazer essa separação entre o que você já pode colocar em andamento e aquilo que precisa esperar. Não adianta se preocupar se vai conseguir viajar, se as escolas vão permanecer presencialmente, se o curso vai voltar, se essas não forem coisas que estejam sob o seu controle. Focar no que você tem controle já é bastante coisa. E, para tudo aquilo que é importante e você precisa se planejar de alguma maneira, sugiro que se planeje para as duas situações possíveis.

O que é improdutivo: olhar para todas as situações que você não tem como resolver e dizer que não consegue se planejar porque não sabe como será.

Qual a sua percepção sobre isso? Deixe nos comentários! Obrigada.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.