Categoria(s) do post: Finanças, Anual

Finanças foi a minha grande área de foco para 2021 pois eu acreditava que, focando em resoluções para esta área, ela impactaria positivamente todas as outras.

De fato, 2021 foi o ano em que todas as coisas que eu queria resolver com relação a finanças foram resolvidas. Ponto.

Por outro lado, também foi um ano com MUITOS gastos e investimentos. Isso me deixa em uma situação um pouco paradoxal quando paro para avaliar o meu balanço para este ano. Este post é uma tentativa de organizar os meus próprios pensamentos a respeito, haha.

Bora lembrar quais são os meus objetivos de longo prazo com relação a finanças:

  • Não depender do meu trabalho para pagar as contas. Conseguir economizar e investir meu dinheiro de modo que o montante ou os juros gerados por esse montante paguem as minhas despesas mensais. Tô bem longe disso ainda, mas dei passos importantes este ano em direção a esse objetivo, além da própria evolução da empresa que contribuirá totalmente para esse cenário no futuro.
  • Poder focar em iniciativas significativas e no legado, independente da condição financeira da empresa. Poder investir naquilo que acredito, em coisas novas, mesmo sem saber se terá um retorno financeiro garantido. Arriscar mais com projetos inovadores, bancar projetos que demandam mais dinheiro e estrutura. Fiz isso mas o resultado não veio a curto prazo. Talvez eu tenha dado um passo maior do que a perna. deveria ter esperado um pouco mais para fazer alguns investimentos? Não sei.
  • Poder investir em qualquer projeto importante que a minha família queira fazer. Exemplo: se a minha mãe quisesse vir morar em São Paulo e ter uma loja aqui, eu teria como bancar esse projeto. Se o Paul quiser estudar nos Estados Unidos, eu teria como bancar esse projeto sem fazer dívidas ou cair em um desfalque financeiro. Caminhando para isso. Hoje já me sinto feliz, grata e privilegiada por conseguirmos comprar comida no mercado e pagar um plano de saúde. Do jeito que as coisas estão, eu vejo realmente como um privilégio.
  • Poder destinar regularmente um montante do faturamento da empresa para causas ambientais e humanitárias. Investir em projetos desse tipo. Caminhando para isso. Já fazendo algumas ações sociais mas sem que seja possível ter uma estrutura mais processual para grandes aportes. Ainda não dá, mas vai dar.
  • Poder comprar uma casa dos nossos sonhos, que seja sustentável, porém com uma área verde e cômodos amplos (mas que ainda assim seja possível de ser mantida por nós, em termos de manutenção). Evoluímos mais na questão de decisões a respeito da casa que financeiramente nesse projeto. Mas as decisões em si foram bastante importantes.
  • Gerar empregos estáveis, que dêem segurança para a minha equipe, e que paguem bem. Desenvolver os talentos. Poder investir em cursos e capacitação para que as pessoas cresçam nessa estada ao meu lado. Foi um ano difícil por aqui, especialmente na minha formação como líder, mas acredito que a minha cabeça agora esteja mais no lugar e apta a tomar decisões melhores e mais protetoras da galera.

Para que tudo isso aconteça, eu começo a trazer mais para perto, pensando no planejamento de médio prazo (aqui, neste caso, estou pensando na década entre meus 40 e 50 anos – completei 40 em 2021):

  • Tenho em mente o faturamento anual da empresa para quando eu estiver prestes a completar 50 anos. Prefiro não expôr aqui pois acredito em mostrar os resultados quando acontecerem, em vez de dispersar as energias no meu pensamento. Com esse faturamento alcançado, eu terei a chance de conquistar praticamente todos os objetivos de longo prazo. Tive que fazer alguns investimentos em direção a esse objetivo que parecem “caros” num primeiro momento mas que acredito que farão diferença a longo prazo. Estou confiando.
  • Para a empresa, o foco está na consolidação do Método Vida Organizada e no desenvolvimento de projetos ligados a ele e melhoria contínua do curso em si, o que envolve um montão de setores. Estamos trabalhando nisso!
  • O objetivo relacionado à família tem muito a ver com investimentos também. Para o Paul, tenho um investimento prevendo a retirada para esse médio prazo, por exemplo. A minha mãe, como comentei em outro post, estou aqui para dar suporte no que ela quiser fazer. Ok, mas estou pegando mais leve comigo mesma no momento. Acredito que, se eu me dedicar ao objetivo único de aumentar o faturamento e ter mais reservas, tudo isso aqui será possível como consequência.
  • Sobre a nossa casa, estamos aqui onde estamos. No entanto, meu marido e eu já conversamos sobre o assunto. Decidimos juntos que, se a empresa alcançar um valor X de faturamento, vamos procurar outra casa para nós, com as condições que comentei. Como é um projeto para médio prazo, significa que será uma casa onde passarei a minha velhice. Tudo isso precisa ser levado em consideração. No momento estamos achando mais vantajoso ter esse montante guardado investido que comprar outra coisa. Como não temos o valor ainda, de qualquer maneira, nem tem como tomarmos uma decisão definitiva ainda. O foco deve ser outro no momento.
  • Com relação a projetos voluntários, eu já invisto bastante, proporcionalmente à minha condição de vida hoje. Eu não gosto de falar muito para não soar como marketing pessoal. Mas eu quero fazer mais. Quero poder ajudar ainda mais ativamente, com segurança para essas iniciativas também. Hoje eu costumo contribuir regularmente com algumas ONGs e também bancar projetos pontuais pelo Catarse, Vakinha Online ou Apoia-se. Igual.
  • Com relação à equipe, eu quero em primeiro lugar garantir prosperidade, crescimento e segurança para quem já trabalha comigo. E, ano após ano, pensar com carinho cada contratação. Acredito muito em contratar pelos valores e pelo caráter e em desenvolver as competências. Igual.

Aí chegamos no curto prazo (até dois anos). Ou seja, entre dezembro 2020 e dezembro 2022, que cenário eu me vi construindo lá no início de 2021 e o que mudei de lá para cá? O que queria que fosse verdade até dezembro 2022 em termos de finanças?

  • Entra aqui a projeção financeira de faturamento da empresa para 2021 e 2022, se continuarmos investindo em modelos que dão certo e agregando outras iniciativas. Tínhamos uma projeção excelente, uma otimista e uma realista. Conseguimos a realista, que para mim já foi muito bom dado o ano que tivemos.
  • Em até dois anos, eu quero ter implementado e consolidado algumas coisas importantes para o Método Vida Organizada. Prefiro não expôr aqui pois acredito em mostrar os resultados quando acontecerem, em vez de dispersar as energias no meu pensamento. Mas é uma série de projetos bacanas. A validação do MEC foi uma delas. <3
  • Com relação aos investimentos, tenho metas do que gostaria de ter investido em termos de valores e tipos. Isso inclui um investimento com foco na casa, outros com foco na empresa, outro para a faculdade do Paul, contratação de pessoas etc. Mas muito vou formatar neste ano de 2021, justamente por ter finanças como a área de foco (vou falar mais a seguir). Isso deu uma boa avançada.
  • Com relação aos projetos sociais, pretendo em até dois anos ter um plano esquematizado para separar uma porcentagem ou valor fixo para esses projetos. Igual.
  • Uma meta que vai me ajudar a guardar mais dinheiro é conseguir a bolsa taxa no Doutorado, que só pode ser solicitada a partir do segundo ano. É uma bolsa que só abate a mensalidade – o restante continua senso custeado por você. Mas já ajudaria bastante. Não será possível ter a bolsa do Doutorado porque eu tenho uma empresa. Depois explico melhor, mas já não é um objetivo.

Pensando de uma maneira mais factível, eu vejo como objetivos de curto prazo com relação a finanças uma única coisa: alcançar um nível X de faturamento na empresa que me permita alcançar todos os objetivos profissionais e pessoais relacionados! Ponto. É isso o que precisa acontecer para que todos os outros resultem dele.

E aí chegamos ao curtíssimo prazo, que é o recorte de tudo isso para fazer em 2021 (os projetos). Vamos ver como foi:

  • Doutorado: ir super bem com o projeto e as disciplinas, de modo que eu tenha argumentos bons para pedir a bolsa no ano seguinte. É o que depende de mim para conseguir a bolsa. E, de qualquer maneira, continuarei guardando o dinheiro para as mensalidades do segundo ano, caso eu não consiga. Fiz toda a minha parte e mandei muito bem nas disciplinas e trabalhos MAS o processo da bolsa é extremamente burocrático e foi barrado pelo fato de eu ser sócia proprietária de uma empresa que tem um faturamento X no ano. Por mais que eu não retire lucros acima do suficiente para pagar as minhas contas, a instituição viu como não aplicável para bolsa. Tá tudo bem. Eu prefiro que a bolsa seja destinada a quem realmente precisa mais. Então assim: o projeto existiu, foi tocado direitinho, mas resultou em outra coisa. Acontece.
  • Quero reorganizar todos os meus investimentos este ano. Consegui fazer! A Ana, que cuida do financeiro aqui na empresa, me ajudou a fazer um CDB para a conta de pessoa jurídica, onde nós deixamos a nossa reserva de emergência, e isso foi um alívio. Eu também consegui organizar os investimentos como pessoa física – falei em outro post sobre isso. Agora é continuar esse trabalho de manutenção. Existem coisas ainda a serem feitas, mas a reorganização dos investimentos aconteceu. 😉
  • Ler vários livros de finanças que tenho e que possivelmente vão me ajudar a pensar em novos projetos e boas práticas. Mudei vários livros do projeto de 12 livros de finanças para 2021 porque, sinceramente, no meio do processo eu fiquei com “ranço” de muitos deles. Mas foi ótimo ter me proposto ler livros de finanças este ano porque li vários! Em breve farei um post só sobre este projeto.
  • Vou conversar com um amigo que se ofereceu para me ajudar com uma consultoria financeira. Vai ajudar demais. Não dei andamento porque com a entrada da Ana fizemos isso juntas.
  • Vagas sociais em todas as turmas do Vida Organizada. Investimentos em outros projetos sociais, ligados à causa animal, violência contra as mulheres, educação, meio-ambiente e outros. Não conseguimos fazer em todas as turmas porque não conseguimos custear, dentro do planejamento financeiro precisando ser alterado ao longo do ano. Mas estamos desenhando um novo modelo no momento que poderá ajudar a tornar isso um processo mesmo.
  • Tenho algumas pendências burocráticas para resolver, como contas inativas, recebimentos internacionais, melhor modelo para notas fiscais, esse tipo de coisa. Tudo isso faz parte da lista de projetos. Mudamos coisas pacas. A Ana coordenou tudinho! Mudamos a empresa que cuida da nossa contabilidade, resolvemos pendências de pagamentos, ajustamos a questão das notas fiscais, reajustamos o CNPJ, entre outras coisas.
  • Continuar o bom trabalho. <3 Continuar cortando custos, manter nosso estilo de vida super tranquilo, sem alto consumo etc. Aqui vou fazer o mea culpa. Foi um ano difícil em termos de saúde mental para a nossa família. Impactou todo mundo aqui: eu, meu marido, nosso filho. Com isso, pedimos mais comida em casa, gastamos mais com essas entregas, sabe? Mas foi muito importante para aprendermos e, agora, termos a cabeça no lugar para uma rotina financeira mais saudável não apenas em 2022, mas desde já.

Para 2022, pretendo rever cada um dos pontos dessa minha área da vida para definir que recorte quero dar, mas com a certeza que a maioria das resoluções aconteceu sim em 2021, justamente por tê-la como área de foco. Agora é questão apenas de dar continuidade a esse trabalho iniciado este ano.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.