Categoria(s) do post: Diário da Thais

Tá acabando! 2021 tá acabando!

E olha, não me entenda mal: sou grata por estar viva. Sempre. Mas, de algum modo, este fim de ano em particular está sendo mais sentido que os anos anteriores! 2021 definitivamente não foi fácil. (Aliás, para nós, brasileiros, os últimos anos não têm sido fáceis realmente.)

Todo mês eu gosto de fazer um post de resumo para compartilhar como foram os meus últimos 30 dias em termos pessoais e profissionais. O intuito ao fazer isso é organizar meus pensamentos sobre a minha própria revisão mas também mostrar para vocês a “vida real” de uma pessoa que trabalha com organização e produtividade. Compartilhar que há realizações mas também tem descanso e perrengues como todo mundo. Espero que goste e que, de alguma maneira, seja útil para você esse compartilhamento.

Dezembro não foi intenso como novembro, com viagens a trabalho. Mas teve suas demandas.

No final de novembro nós realizamos o workshop gratuito de Planejamento de Vida & 2022 e, na sequência, abrimos as inscrições para o nosso curso online do Método Vida Organizada. Na semana seguinte, ficamos dedicados à recepção dos novos alunos e atendendo no suporte todas as turmas antes da saída para o tradicional recesso de final de ano.

Nos dias 13 e 14 nós também realizamos o planejamento anual em equipe, o que foi muito bacana porque duas pessoas que moram em outras cidades vieram para São Paulo e pudemos todos confraternizar (da maneira mais segura que conseguimos).

Assim como praticamente todo mundo, o mês de dezembro pediu descanso! Então o foco na segunda quinzena foi realmente descansar, ficar mais “de boa”, equipe inclusa. 2021 foi um ano bem difícil pra gente e, para mim, complexo emocionalmente. Sinto que cheguei ao final do ano renovada depois de meses arrastados mas a brisa do vento me diz: “continua assim, de leve, descansando. Logo logo o ano vira. Aproveite”. E é o que eu estou fazendo. 😉

Saúde sem dúvida é o foco do momento. Eu já tenho todo um planejamento para 2022 para essa área. No momento, estou pegando leve comigo e descansando nesta semana. Você sempre pode me acompanhar nos stories do Instagram @vidaorganizadaoficial, minha rotina. Obrigada por estar aqui mais um mês comigo. <3 Espero que seu mês de dezembro tenha sido bom até aqui. 🙂

Este post está sendo publicado durante um período de breve recesso do Vida Organizada neste final de ano. Os comentários serão aprovados e respondidos com um intervalo maior de tempo.
Obrigada pela compreensão.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Trimestral

Nesta época do ano, é comum falar sobre metas e objetivos. Por isso, quis trazer neste post um pouco sobre as metas e objetivos alcançados em 2021.

É claro que a principal meta, se é que posso escrever sim, foi termos sobrevivido a mais um ano de pandemia. Inclui a vacina e a nossa saúde mental.

Dois objetivos de médio prazo foram atingidos:

  1. A mudança de escola do Paul. Quem me acompanha há mais tempo sabe a saga que foi essa mudança nos últimos anos. Ele não se adaptou quando mudamos, não queria mudar depois disso, mas finalmente conseguimos concluir esse arco. Toda a experiência da pandemia, mantendo seus amigos em contato virtualmente, fez o Paul ver que ele poderia manter as amizades mesmo mudando de escola. Além disso, a nova escola é incrível. Ela promoverá uma vivência que o Paul simplesmente precisa viver nesse momento, nessa fase da vida dele – uma vivência que não volta. Eu tinha-o colocado na lista de espera dessa escola desde o ano passado, e finalmente deu certo. Mas, mais do que conseguir a vaga, a grande conquista foi ter feito todo esse processo respeitando o tempo do filhote de absorver a necessidade de mudança e envolvendo-o na decisão.
  2. Um retiro específico da tradição budista que faço parte. Esse retiro é realizado a cada dois anos, sempre internacionalmente (teve uma vez no Brasil mas eu estava viajando a trabalho na ocasião) e presencialmente. Eu tinha esse objetivo de realizar essa iniciação (no Budismo, iniciação é receber ensinamentos com bênçãos) desde 2013! Em 2021, ela aconteceu online excepcionalmente, e eu não poderia perder essa oportunidade. Foi maravilhoso. Em meio ao caos que foi este ano, ter me dedicado ao retiro foi um verdadeiro presente para mim mesma.

Há um ano, eu também alcancei um objetivo importante, que foi a admissão no Doutorado. Este ano foi o primeiro ano do curso e eu já concluí os créditos relativos a disciplinas! Esse foi um grande objetivo alcançado. Ainda com relação ao Doutorado, um objetivo que não alcancei foi conseguir a bolsa. Fiz a minha parte, tudo estava direitinho, mas a bolsa foi barrada por eu ter CNPJ aberto. Faz parte! Eu conto isso para mostrar como mudanças de planos fazem parte de todo processo de planejamento.

Já que estamos falando sobre isso, vale a pena comentar sobre o objetivo que eu tinha de trazer a minha mãe para morar em São Paulo (ela mora sozinha em outra cidade). Eu escrevi um post sobre isso, onde explico sobre essa mudança de perspectiva da minha parte com relação à decisão que ela tomou.

Para o faturamento da empresa, eu defini três metas: uma mínima, uma boa e uma incrível. Nós alcançamos a meta mínima. Em um ano difícil como o que tivemos, ainda me sinto privilegiada.

Com relação ao trabalho, atingimos vários objetivos, tais como: implementar o processo de gamificação e gestão de hábitos no curso, desenhar melhor uma esteira de produtos, aumentar a equipe, melhorar o curso, o suporte, tudo. Fora um objetivo que eu não tinha ao começar a desenhar o planejamento de 2021, mas que virou objetivo ao longo do ano, conhecendo a oportunidade, que era validar o MVO com o certificado do MEC (Ministério da Educação) através de uma parceria com a Faculdade Brasília. Essa foi uma grande conquista, que elevou o nível de profissionalismo por aqui.

Um outro objetivo alcançado foi investir uma quantidade maior de dinheiro. Não tanto quanto eu gostaria, pelas questões já comentadas anteriormente, mas uma boa quantia! Isso me deixou bastante satisfeita e me sentindo com um pouco mais de segurança financeiramente.

O mais importante sobre os objetivos é curtir as conquistas. Não se trata de dar “check” no item, mas de construir um cenário para a vida que vai gerar novas perspectivas. Também não é sobre concluir um e querer logo o seguinte, mas viver bem e feliz, hoje.

Este post está sendo publicado durante um período de breve recesso do Vida Organizada neste final de ano. Os comentários serão aprovados e respondidos com um intervalo maior de tempo.
Obrigada pela compreensão.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Novidades

ℹ️ Em 2018, eu inaugurei no blog a ideia deste post anual, onde eu conto um pouco sobre o status atual do nosso trabalho. Eu achei que isso seria bacana 1) como uma forma de eu mesma resumir e revisar depois de um tempo, vendo as nossas conquistas e 2) prestar uma espécie de contas para vocês, não porque isso seja uma obrigação, mas porque vocês podem ter curiosidade de saber como andam as coisas por aqui (sempre me perguntam nas redes).

Como foi 2021 para nós

Este ano foi muito importante para o Vida Organizada porque realmente considero que subimos de nível em algumas questões relacionadas à profissionalização de tudo na empresa. Fizemos ajustes burocráticos importantes com relação à contabilidade, finanças e processo de registro de marcas. Organizamos nossa ferramenta de cadastro, envio de e-mails e automações. Melhoramos em 300% o suporte aos alunos e o nosso atendimento. O Método foi refinado. Implementamos um processo de gamificação e gestão de hábitos no curso. A equipe aumentou. Eu amadureci muito em termos de liderança. O escritório se mostrou mais útil do que nunca. Investimos em equipamentos, formações e mentorias. A certificação do MEC (Ministério da Educação). Conquistas muito legais. Tudo isso deu e continua dando resultado.

Eu particularmente tive MUITOS aprendizados em 2021, profissionalmente falando, e não vou entrar em detalhes porque não quero falar pela equipe nem expôr ninguém. O ano, para mim, foi muito difícil, especialmente tratando a minha depressão, que tinha voltado no ano passado, com a pandemia. Não pude parar de trabalhar em nenhum momento nesse período, pois preciso sustentar a minha família. Além disso, sustento outras famílias (das pessoas da equipe). E também me sinto com um dever com este trabalho, no sentido de prestar serviço em um momento tão difícil para a humanidade. Sinto que, mesmo que pouco, estou contribuindo com a minha parte. Mas ter esse senso de propósito e de responsabilidade tão forte fez com que, em algum momento ao longo deste ano, eu me cansasse, a equipe se cansasse. Nós tivemos momentos difíceis, com a saída de algumas pessoas-chave, por questões familiares e pessoais, e tendo que nos reestruturar internamente e dar conta dos projetos com metade do time. Foi cansativo para todas nós e eu sou imensamente grata a elas por esse trabalho. Nós estamos caminhando para um modelo melhor, mais calmo e com mais “braços” em 2022 para facilitar esse processo. Meu senso de liderança está aflorado e estou muito focada na construção da cultura da empresa de acordo com os nossos valores.

Tenho muitas ideias e geralmente sou bastante focada mas, neste ano, como eu estava deprimida e sem motivação, qualquer nova ideia que aparecesse eu queria implementar, porque me fazia sentir viva novamente. Mas na prática é mais complicado, porque envolve processos, e foi uma grande lição ter passado por tudo isso ao longo deste ano. Agora, no final, sinto que renasci, que retomei o meu foco, e que as coisas estão caminhando como devem ser.

Para 2022

Iniciamos nosso planejamento em dezembro, quando discutimos sobre erros e acertos de 2021, mapeamos as características da nossa audiência e elaboramos o que pretendemos focar em 2022, seguindo o modelo de planejamento do Método Vida Organizada. Foi um primeiro passo, que continuamos depois daquilo, com a definição das entregas do primeiro trimestre e, depois, o planejamento de janeiro. Estamos criando novos processos internos importantes, que envolvem a clareza na nossa comunicação e a organização assertiva no uso de ferramentas.

Nossa “única coisa” é o Método Vida Organizada. Uma pessoa pode se relacionar conosco desde o conteúdo gratuito (em que ela chega com um determinado nível de consciência sobre o tema) até o mais avançado grau de aprendizados, que seriam mentorias, por exemplo. Em 2022, esse processo será refinado, “azeitado”, de modo que tudo esteja interligado. Nosso foco é que o curso do MVO seja o nosso principal e que ele seja um programa cada vez mais sensacional.

Com o MVO validado pelo MEC como curso de extensão universitária, o Vida Organizada se torna uma universidade corporativa, ou seja – uma empresa da área da educação e que pode ministrar cursos que sejam validados, com um método e por aí vai. Em 2022, continuaremos nos estruturando para isso através de uma consultoria contratada que está nos apoiando e também com a implementação de processos de holacracia. Farei algumas formações em 2022 nessa metodologia para me tornar consultora oficial aqui no Brasil. O primeiro passo será implementar no Vida Organizada e, depois, o céu é o limite. 😉

A programação do conteúdo gratuito diário está cada vez mais legal, com muito conteúdo de base, significativo, lives com convidados, aulas, enfim… tudo o que eu sempre sonhei. Quero melhorar equipamentos, pré-produção, gravação etc.

Quero melhorar também todas as condições de trabalho de quem trabalha comigo e proporcionar oportunidades de crescimento.

Quero fazer mais trabalhos sociais, não apenas com vagas para os cursos, mas ajudando projetos e instituições que lutam por causas que eu também acredito.

Um novo livro sairá do forno. 😇 O manuscrito já está pronto e irá para a editora logo em janeiro.

Quero aproveitar demais meus estudos do Doutorado para trazer mais embasamento para absolutamente tudo o que faço, além do desenvolvimento da tese de produtividade compassiva, que traz um impacto de longo prazo neste legado do Vida Organizada.

Há bons planos para o nosso podcast, que terá uma linha editorial feita junto com a equipe.

Só tenho a agradecer a todo mundo que está aqui, acompanhando este trabalho e fazendo parte dele. Me sinto privilegiada por fazê-lo, e muito feliz também. Obrigada, obrigada e obrigada!

Este post está sendo publicado durante um período de breve recesso do Vida Organizada neste final de ano. Os comentários serão aprovados e respondidos com um intervalo maior de tempo.
Obrigada pela compreensão.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Finanças, Livros

“Finanças” foi a minha área escolhida como foco para 2021 e, como parte dessa escolha, eu criei um projeto para “desovar” alguns livros de finanças que eu já tinha em casa mas ainda não tinha lido. Uma parte importante do que queria aprimorar em termos de finanças era a minha educação financeira, especialmente na parte de investimentos, então eu escolhi, dentre os livros que eu já tinha mas não tinha lido ainda, 12 livros para ler, um em cada mês. A saber:

  1. Janeiro: Finanças para autônomos, do Eduardo Amuri
  2. Fevereiro: O mensageiro milionário
  3. Março: Do mil ao milhão, do Thiago (Primo Rico)
  4. Abril: Investimentos inteligentes, do Gustavo Cerbasi
  5. Maio: O milionário consciente
  6. Junho: O homem mais rico da Babilônia
  7. Julho: Dinheiro, do Tony Robbins
  8. Agosto: Pai rico, pai pobre
  9. Setembro: Quem pensa, enriquece – o legado, Napoleon Hill
  10. Outubro: Os segredos da mente milionária
  11. Novembro: Os segredos dos homens mais ricos do mundo
  12. Dezembro: Criação de riqueza, do Paulo Vieira

Bem, eu concluí esse projeto, com modificações! Não li o livro do Paulo Vieira em dezembro – o substituí pelo livro 100 coisas que os milionários fazem, que é adorável!

Algumas conclusões que tirei desse projeto:

  • A maioria dos livros sobre finanças fala sobre mindset, mas há bons livros técnicos.
  • Livros que não foquem na realidade brasileira, ou que dê muitos exemplos muito focado em um determinado país (como no caso do livro do Tony Robbins) acabam sendo leituras que você sente que poderia explorar mais se fossem focadas na sua realidade. Uma pena.
  • O livro do Thiago Nigro (o Primo Rico) me surpreendeu. Bom livro técnico que vou guardar e reler de tempos em tempos. Ele e o livro do Cerbasi são duas fontes boas de leituras sobre investimentos.
  • Os livros que eu menos gostei foram: O milionário consciente e O homem mais rico da Babilônia.
  • A edição comentada de Quem pensa, enriquece é incrível! Praticamente um novo livro! Recomendadíssimo!
  • O Eduardo Amuri foi uma das grandes boas descobertas deste ano. Ótimo livro, com consciência de classe etc. Outro livro que me surpreendeu nesse sentido, ainda que com suas limitações, obviamente, foram Pai rico, pai pobre e Os segredos dos homens mais ricos do mundo.
  • Ah, aproveite para ouvir meu podcast com o Amuri feito este ano! 🙂
  • É sempre necessário problematizar e posicionar essas leituras sobre finanças no mundo que a gente vive – a estrutura capitalista, o discurso neoliberal e tudo o mais. É absolutamente esperado que pessoas que trabalhem com isso estejam alinhadas com esse discurso e tragam prescrições ligadas a meritocracia etc. Obviamente isso é problemático mas, desses que li, apenas o do Paulo Vieira eu desisti de ler porque era num “nível turbo” tudo isso para mim. No restante, dá para tentar abstrair e tirar boas dicas e estratégias.

Se quiser, assista o vídeo que gravei mostrando os livros e fazendo mais comentários.

Gostei muito de ter criado esse projeto e, mais ainda, de tê-lo concluído! Me conta se você leu algum desses livros também? O que achou? Qual foi seu preferido? Ou qual você pretende ler? Obrigada!

Este post está sendo publicado durante um período de breve recesso do Vida Organizada neste final de ano. Os comentários serão aprovados e respondidos com um intervalo maior de tempo.
Obrigada pela compreensão.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Novidades

Seguem os meus posts preferidos do blog publicados este ano para você conferir e ler aqueles que podem ter passado batidos. 😉

  1. Armário-cápsula: 1 mês em Santorini
  2. Planejamento 2021
  3. Movimento por uma produtividade compassiva
  4. Tela inicial do celular: vazia
  5. Entender o que é responsabilidade individual, um problema de gestão ou uma questão estrutural
  6. Destaque do dia
  7. O que é um projeto?
  8. Foco da semana
  9. Não precisa esperar até segunda para começar
  10. Reflexões sobre tralha e a casa em que queremos viver
  11. A quem você atende respondendo mensagens toda hora?
  12. A montanha que devemos conquistar
  13. Modo de emergência
  14. Como retomar a sua organização após o nascimento de um filho?
  15. Erros e acertos na implementação da holacracia
  16. Acordar sem despertador
  17. Minha energia em eventos
  18. Posicionando um trabalho do doutorado relacionando com a tese
  19. Diferença entre projetos e objetivos
  20. Como estou usando o Evernote atualmente
  21. Como organizar os estudos na faculdade do zero ao TCC
  22. A música do Vida Organizada
  23. Uma mudança na rotina que fez diferença: sem agendamentos pela manhã
  24. Estudar um tema, não um livro
  25. Organizando o meu planejamento de vida para uma nova década
  26. Pequenas coisas boas
  27. E se tudo desse errado?
  28. Ritmos e fases (conteúdo do blog)
  29. Mudança no meu quarto para leituras
  30. Analogia do chocolate
  31. Como eu organizo os meus investimentos
  32. Liderança compassiva: minhas percepções
  33. Mudanças no meu escritório em casa
  34. Registro da vida no Notion
  35. Produtividade e sanidade
  36. Por que as coisas estão na sua lista?
  37. Bruta flor do querer
  38. Em 2021, eu agradeço por…

Eu achei que tinha escrito pouco em 2021 mas escrevi pra caramba, e foram vários posts bons, significativos e de amadurecimento do Método Vida Organizada. Fico muito contente por isso. Espero que tenham gostado. 😉

Este post está sendo publicado durante um período de breve recesso do Vida Organizada neste final de ano. Os comentários serão aprovados e respondidos com um intervalo maior de tempo.
Obrigada pela compreensão.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais

Todo ano eu escrevo esse post.

Desta vez, ele saiu depois de um exercício quase que contrário. Eu estava fazendo uma reflexão de tudo o que aconteceu em 2021 e percebi como foi um ano difícil para mim, mais do que eu já sabia antes. Nem sei se devo me concentrar nesse ponto aqui no blog mas, ao fazer o exercício, eu pensei “caraca, esse ano foi realmente fora da curva em termos de dificuldades”.

Mesmo assim, alguns elementos foram surgindo ao longo do meu texto que me fizeram ver que, apesar das coisas difíceis, surgiram muitos elementos bons. Então eu queria aproveitar que hoje é Natal e postar este texto agradecendo por todos eles.

  • Termos sobrevivido. 🙏🏻
  • Ninguém da família ter morrido.
  • Paul estar bem. ❤️
  • A vacina!
  • Dogs.
  • Conseguirmos vaga para o Paul na escola dos sonhos e ele ter feito essa transição interna de que está tudo bem mudar, nova fase.
  • A decadência da popularidade desse presidente boçal e a perspectiva de um novo governo eleito em 2022.
  • Ter superado a depressão.
  • Ter descoberto o canal dos Galãs Feios. Acompanhar o Meteoro na CPI.
  • A sessão de coaching que ganhei do meu mentor e me ajudou a entender melhor como eu funciono. Mudou meu jogo.
  • Faturamento da empresa maior que o do ano passado mesmo com tudo o que aconteceu.
  • A equipe.
  • A validação do MVO pelo MEC.
  • Ter evoluído muito emocionalmente e na percepção de liderança que quero desenvolver.
  • Ter conhecido o professor de Ciências da Religião, que me ajudou com o Budismo e me convidou para o grupo de pesquisa dele.
  • Relacionamentos profissionais mais fortes.
  • Meu posicionamento perante tais relacionamentos. Mais auto-confiança.
  • A nossa analogia da montanha. ❤️
  • Desenvolvimento do arquétipo da marca.
  • Li muito! Mais de 80 livros.
  • Uma parceria profissional específica muito legal.
  • Meus mentores.
  • Ter tido a possibilidade de fazer a iniciação tântrica à distância.
  • Ter investido bastante dinheiro.
  • Colocar muita coisa em ordem em termos de finanças e contabilidade.
  • Ter entrado no Doutorado! E o primeiro ano ter sido tranquilo, significativo, muito bom. Cumprir a parte dos créditos das disciplinas.
  • Nossa esteira de produtos melhor definida.
  • Apresentação na INTERCOM Nacional (maior evento acadêmico de Comunicação do Brasil).
  • Equipamentos novos.
  • Um momento muito especial que aconteceu em Brasília.

Não dá para citar nomes e entrar em detalhes, mas as pessoas citadas sabem quem são. Sou muito grata por tudo o que listei. Chego ao final de 2021 me sentindo realmente como tendo superado muitas questões desafiadoras importantes – um renascimento mesmo.

Que venha 2022.

Este post está sendo publicado durante um período de breve recesso do Vida Organizada neste final de ano. Os comentários serão aprovados e respondidos com um intervalo maior de tempo.
Obrigada pela compreensão.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Liderança

Uma das dificuldades mais relatadas pelo pessoal que me acompanha no Vida Organizada é sobre não conseguir fazer aquilo que foi planejado. Os planos tiveram que mudar. E eu quero dizer que isso é absolutamente normal, esperado e parte de todo planejamento. O planejamento não é uma profecia. Ele é um caminho desenhado para chegar a um objetivo final. Se você precisar ou quiser, poderá fazer ajustes – o que inclui até mesmo deixar o projeto em stand-by para focar em outras prioridades durante um tempo ou até mesmo repensá-lo a ponto de perceber que ele não era tão importante assim, abandonando-o.

Todo NÃO que você fala para um projeto seu é um SIM enorme que você abre em termos de espaço na sua vida.

Thais Godinho

Eu quis trazer essa reflexão simples hoje porque, na semana passada, fizemos dois dias de planejamento anual aqui na empresa. E, depois desse dia, tenho me envolvido com esse planejamento diariamente, até para poder disponibilizar as reflexões e informações no nosso workspace no Notion para todo mundo (sim, estamos migrando oficialmente a parte toda de gestão de informações para o Notion – em breve comentarei mais sobre isso).

Terminei a leitura de um livro chamado “Responsabilidade Extrema” e, em determinado momento, o autor fala sobre a questão de priorização. E a pergunta chave que me fiz, olhando os projetos que definimos para 2021 (ao menos inicialmente), foi: “qual desses projetos é o mais importante de todos? qual é prioridade?”. E claro que fazer esse tipo de reflexão é difícil, porque tudo ali soa como prioridade – até mesmo por isso colocamos na lista. Mas refletir sobre essa pergunta foi fundamental, porque me permitiu entender que o mais importante de tudo, independente de qualquer outro projeto, é a gente acertar internamente o nosso processo para a organização dos lançamentos, pois assim conseguiremos antecipar o máximo de atividades, abrindo espaço para que outras iniciativas continuem sendo tocadas em paralelo, sem estresse.

O que eu quero dizer com isso é que, por mais que tenham feito o planejamento do ano nesses dois dias, essa reflexão continua, porque é natural. A vida muda, é dinâmica. Temos uma missão muito forte aqui a alcançar, em termos de legado, então nossos processos e projetos precisam estar no nosso radar sempre. Isso envolve refletir sobre o que é prioridade sempre.

Não é porque você fez o seu planejamento do ano que você não vai mais olhar para ele ou mudá-lo. Ele não está engessado. Você não apenas pode como deve refletir sobre as prioridades com a frequência que considerar apropriada porque essa é a vida, minha cara / meu caro. <3

Ah! E também não existe “um livro” que fale sobre prioridades. Você conhece suas prioridades. Livros são ferramentas de apoio e recursos para que você busque conhecimento, que te ajudará com a clareza sobre elas.

Este post está sendo publicado durante um período de breve recesso do Vida Organizada neste final de ano. Os comentários serão aprovados e respondidos com um intervalo maior de tempo. Obrigada pela compreensão.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Plenitude & Felicidade

Ontem eu estava refletindo sobre como foram os últimos dois anos para mim.

Desde o início da pandemia, eu tomei uma decisão pessoal de expressar toda a minha compassividade através do meu trabalho. O mundo precisava se organizar em home-office e ficar bem mentalmente. Foi nesse contexto que nasceu o meu conceito de Produtividade Compassiva, que levei para o Doutorado (que iniciei em 2021 e cuja tese estou desenvolvendo) e que vem guiando o que o Vida Organizada essencialmente promove porque não acreditamos que exista outra maneira de viver, sinceramente.

Eu trabalho o tempo todo com a visão de que, ao final do ano, e virada em janeiro, as pessoas estão com mais propensão a se organizarem, ou ao menos iniciarem esse processo. Isso significa que me preparo para “o melhor momento do ano” – o momento em que todo mundo fala sobre organização. Esta época que estamos vivendo reflete isso. Foi por isso que iniciamos a Turma 11 do nosso curso do Método Vida Organizada no início de dezembro.

Mas, agora, antes das festas, surgiu uma necessidade urgente de descansar. É como se toda a atividade dos últimos dois anos viessem agora de uma vez e me pedissem: “Thais, fique alguns dias sem trabalhar, minha filha”. E eu vou seguir o meu coração.

Portanto, nos próximos dias, vocês vão se deparar com alguns posts que já foram agendados e vão entrar automaticamente, mas eu estarei descansando. Isso significa que não vou aprovar nem responder comentários, não responderei e-mails e, possivelmente, mensagens nas redes sociais. Aviso dado. Sem cobranças. 😉

Tenho alguns compromissos que precisam ser cumpridos, como módulos e aulas do curso para a turma nova que entrarão nas próximas semanas, plantões de dúvidas e lives. Mas são agendamentos pontuais em que estarei online, farei, e depois voltarei para o meu mundinho.

Toda a equipe está precisando desse tempo também e vamos nos revezar no atendimento para conseguirmos descansar. Acreditamos que, assim, iniciaremos 2022 recarregados para continuar este trabalho tão importante.

Quando eu me refiro a voltar ao básico (título do post), me refiro essencialmente a todas as atividades básicas e essenciais que deixei de fazer este ano porque estava investindo em coisas novas, tanto pessoal quanto profissionalmente. Eu mudei tanto a receita que o bolo de chocolate quase virou um bolo de abacaxi! E esse é um risco que a gente corre quando chega em um patamar bom da vida em todos os aspectos.

Por isso, estou nesse movimento de “back to basics” porque eu já criei certos padrões para a minha vida que dão certo, que funcionam, que me deixam bem, mas que acabaram ficando de lado porque eu “achei” que precisava testar outras coisas.

E sabe, testar é bom. Novos desafios e aprendizados, aquela coisa toda. Mas parte de construir a rotina que você quer viver todos os dias é não só tirar o que faz mal mas principalmente manter o que te faz bem – e não “mudar tudo o tempo todo” (o que descaracteriza uma rotina).

Meu marido e eu estávamos conversando esta semana sobre o que faríamos no sábado. De repente, muitos eventos! Ê, mundo! O primo dele vai tocar com a banda em um lugar na Vila Madalena e nos convidou. Parecia legal, até olhei pra fazer a reserva. A gente também estava falando sobre ir ao cinema ver o novo filme do Woody Allen antes. Ah, e podíamos também parar no Washoi para comer nosso lamen preferido!

No final das contas, olhamos um para o outro e falamos juntos: “e se a gente só ficasse em casa vendo um filminho mesmo?” Concordamos de imediato. Não é por que estamos mais liberados para sair que DEVEMOS sair, ou que QUEREMOS sair. Nós amamos ficar na nossa casa fazendo coisas que gostamos juntos, como vendo os filmes que quisermos, conversando sobre eles, pausando, indo na cozinha pegar alguma coisa, com os cachorros no colo.

(Aliás, breves parênteses. Essa liberação da circulação das pessoas nos parece um alívio no sentido de podermos visitar a nossa família e fazer coisas que nos façam bem, mas não um “liberou geral” para festas, bares, viagens a torto e a direito. Já não tá bom a gente poder ver nossos entes queridos? Foram dois anos tão difíceis. Queremos retomar o isolamento por necessidade? Tome vacina, continue usando máscara e, quando possível, evite aglomerações.)

Eu uso esse exemplo para ilustrar que, em todas as áreas da vida, a gente pode abrir concessões – com pandemia ou sem pandemia – e voltar a viver em um ritmo mais corrido que talvez nem seja mais interessante pra gente. Não que eu não goste de ir ao cinema – adoro. Não que eu não queira ver a banda do nosso primo – claro que quero. Mas não é o momento. Gostamos de nos curtir em casa também, em um ritmo mais calmo, e é isso. Voltar ao básico. Taí uma coisa que a gente gosta de fazer desde quando começou a namorar, há mais de 20 anos. Um ode a isso!

O mesmo vale para o meu trabalho. O que eu mais gosto de fazer? Escrever no blog, fazer lives para interagir com vocês, postar no Instagram, pesquisar e redigir o roteiro de novas aulas para gravar. Ficar empolgada com as aulas. Com o resultado dos alunos. E esse é o básico que quero focar todos os dias, sempre.

Não quer dizer que, por amar o que eu faço, eu não precise descansar nunca. Isso é uma falácia. O trabalho que a gente ama tem a tendência a nos esgotar até mais do que o trabalho sem envolvimento emocional. Justamente por isso precisamos ficar atentos para não estressar demais, e isso é o tempo todo, colocando limites.

Acredito piamente no conceito de trazer as férias para o dia a dia, no sentido de focar na rotina da vida que quero criar para viver, e encaixar todo o restante em volta – e não ao contrário. Eu já vivi essa via contrária e ela é difícil. Sei que muitas pessoas ainda estão nessa condição, como eu estive durante muitos anos. Então justamente por isso preciso aproveitar que posso fazer diferente e simplesmente fazer, para poder ajudar quem está nesse modelo buscando uma transição.

Meu dia se alterna entre acordar sem pressa, ler jornal, fazer palavras cruzadas, yoga, tomar banho, dinacharya, café. Trabalho um pouco, descanso um pouco. E assim vai. Mas nem todo mundo ainda “absorveu” essa ideia. Eu gostaria que todos absorvessem. Pois mesmo em trabalhos mais difíceis você sempre pode se forçar uma pausa e dar uma leve chutadinha de balde durante alguns minutos para descansar, beber uma água e olhar pela janela.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Criatividade, Vida Organizada

Estou passando por uma grande revolução interna e vocês podem perceber, pela frequência mais espaçada dos posts, que isso tem se refletido na publicação de conteúdos por aqui. A partir dessas resoluções minhas, quando finalmente “fecho” a conclusão de algo, me sinto com vontade de escrever.

É o caso aqui. Segunda e terça realizamos a nossa reunião de planejamento do ano para o Vida Organizada e, depois, pude pegar todas as minhas anotações, refletir sobre elas e finalmente recomeçar a estrutura das minhas responsabilidades profissionais e os papéis que desempenho atualmente. E atenção: é maravilhoso poder fazer isso mensalmente porque eu tenho a mais absoluta certeza que daqui a um tempo isso irá mudar, pois estou trabalhando com uma consultoria para a nossa universidade corporativa e a partir de janeiro haverá um plano de ação que vai impactar nesses papéis com a absoluta certeza.

A Thais empresária precisou de muitos anos de terapia para lidar com isso (e ainda terá para o resto da vida), mas hoje eu consigo entender que, gostando ou não da estrutura macro-econômica que vivemos sob, eu tenho esse papel e preciso assumir as minhas responsabilidades perante ele. Eu preciso sim me colocar mais como empresária e assumir, da maneira mais humana e compassiva que puder, todas as responsabilidades que esse papel me demanda. Porque, quando eu não faço isso, as pessoas que trabalham comigo sofrem. Por consequência, os alunos. E assim vai.

Por isso, eu vejo que, nesse caso, existem duas responsabilidades principais, de onde derivam todas as outras relacionadas à liderança. Uma é o direcionamento da empresa e outra é o desenvolvimento de pessoas. E eu estou justamente nesse momento incrível em que preciso me formar como essa líder e, por isso, esse é um grande foco para mim para 2022 e além.

App: Notion

E aqui estão todos os meus papéis então, percebidos neste momento:

  • Liderança
  • Professora Especialista
  • Marketing
  • Criação de Conteúdo
  • Pesquisa & Capacitação
App: Notion

Como professora especialista eu sou aquela que escreve os livros, grava aulas, pensa no macro dos cursos (resultados dos alunos, objetivos), autora do método, faz LIVEs etc.

No Marketing, eu sou a responsável por várias coisas legais: estratégia de lançamentos, branding e posicionamento, campanhas criativas e alguns textos (copywriting). Essa reflexão acabou resultando em fazer as pazes com a minha carreira de marketing e isso foi muito significativo para mim. <3

Criação de conteúdo essencialmente raiz, ou seja: conteúdo criado a partir do método, que tem um embasamento, de modo que desse possam ser derivados outros materiais em formatos diversos.

Por fim, pesquisa e capacitação, que embasam todos os outros papéis. Desde o meu estudo e prática pessoal com metodologias de terceiros que me permitem afiar o machado (holacracia, GTD, fórmula de lançamento), até a pesquisa acadêmica e todas as suas nuances.

Definitivamente, isso resume quem sou eu profissionalmente hoje e fiquei muito feliz com essas percepções.

No desenho Steven Universe, as gems (pedras), quando sofrem algum impacto mais radical, quase agressivo, param de se projetar como luz e voltam ao estado bruto de pedras, apenas. Elas só retornam a sua projeção quando se regeneram – isso significa passar por todo um processo sozinhas, interno, para que voltem transformadas e com um aprendizado e sabedoria maiores.

Eu sinto que passei por esse mesmo processo este ano e uma nova Thais foi regenerada neste momento. É a melhor analogia que consigo encontrar para explicar como me sinto.

Espero que este compartilhamento possa ser útil a você. Essa reflexão é muito importante independentemente da profissão ou tipo de trabalho que você tenha. Para quem tem dificuldade de fazer sozinho, no nosso curso nós ensinamos um passo a passo, mas as vagas estão encerradas. Você pode se cadastrar na lista de espera para ser avisado de uma nova turma clicando aqui.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, GTD™, Dicas de produtividade

Na última revisão que fiz dos meus projetos, deixei listados aqueles que quero concluir ainda em 2021.

São projetos que precisam ser concluídos este ano, por questão de prazo, ou projetos que não quero levar comigo para 2022 – quero concluir antes.

O plano

  1. Focar naquilo que tem prazo. Disciplinas do Doutorado, rematrícula. concluir questão de docs, a resolução de uma situação X, a nova turma do MVO, finalizar minhas leituras sobre finanças.
  2. Focar naquilo que “quero concluir logo” para me deixar livre para o planejamento 2022 (situações, planejamento dos cursos com a equipe, curso de gestão que vai me ajudar a repensar processos etc.)
  3. Planejar blocos para concluir os cursos e estudos!

Clareza

  • Para conseguir finalizar qualquer projeto antes do final do ano é, importante ter clareza sobre o próximo passo. Para resolver a rematrícula e o projeto dos docs, preciso buscar um doc X em um lugar Y e digitalizar um documento Z para enviar. São dois passos. Mas esses dois passos precisam estar claros e listados, para eu saber, no dia a dia, que eu preciso fazer.
  • Artigos a finalizar, cursos para ver, eu preciso de blocos de tempo. Para mim, vai ser útil planejar blocos de tempo na agenda até o final do ano e ajustar semanalmente. Com base nos meus compromissos, consigo acessar a minha agenda e planejar isso.
  • Tudo se resume a: o que preciso agendar e o que preciso listar para fazer.

Uma coisa comum é perceber que não tem dia e horário suficiente para fazer tudo. Pois é! Pegue leve consigo mesmo/a, revise novamente e veja se é factível concluir tudo isso ainda este ano. Tem muita coisa que precisa ser concluída, e você deve focar nelas. Mas aquilo que é simplesmente desejável, repense! No final das contas, de 31 para 1 é só mais um dia. Não precisa se colocar uma pressão desnecessária para fazer correndo antes.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Finanças, Anual

Finanças foi a minha grande área de foco para 2021 pois eu acreditava que, focando em resoluções para esta área, ela impactaria positivamente todas as outras.

De fato, 2021 foi o ano em que todas as coisas que eu queria resolver com relação a finanças foram resolvidas. Ponto.

Por outro lado, também foi um ano com MUITOS gastos e investimentos. Isso me deixa em uma situação um pouco paradoxal quando paro para avaliar o meu balanço para este ano. Este post é uma tentativa de organizar os meus próprios pensamentos a respeito, haha.

Bora lembrar quais são os meus objetivos de longo prazo com relação a finanças:

  • Não depender do meu trabalho para pagar as contas. Conseguir economizar e investir meu dinheiro de modo que o montante ou os juros gerados por esse montante paguem as minhas despesas mensais. Tô bem longe disso ainda, mas dei passos importantes este ano em direção a esse objetivo, além da própria evolução da empresa que contribuirá totalmente para esse cenário no futuro.
  • Poder focar em iniciativas significativas e no legado, independente da condição financeira da empresa. Poder investir naquilo que acredito, em coisas novas, mesmo sem saber se terá um retorno financeiro garantido. Arriscar mais com projetos inovadores, bancar projetos que demandam mais dinheiro e estrutura. Fiz isso mas o resultado não veio a curto prazo. Talvez eu tenha dado um passo maior do que a perna. deveria ter esperado um pouco mais para fazer alguns investimentos? Não sei.
  • Poder investir em qualquer projeto importante que a minha família queira fazer. Exemplo: se a minha mãe quisesse vir morar em São Paulo e ter uma loja aqui, eu teria como bancar esse projeto. Se o Paul quiser estudar nos Estados Unidos, eu teria como bancar esse projeto sem fazer dívidas ou cair em um desfalque financeiro. Caminhando para isso. Hoje já me sinto feliz, grata e privilegiada por conseguirmos comprar comida no mercado e pagar um plano de saúde. Do jeito que as coisas estão, eu vejo realmente como um privilégio.
  • Poder destinar regularmente um montante do faturamento da empresa para causas ambientais e humanitárias. Investir em projetos desse tipo. Caminhando para isso. Já fazendo algumas ações sociais mas sem que seja possível ter uma estrutura mais processual para grandes aportes. Ainda não dá, mas vai dar.
  • Poder comprar uma casa dos nossos sonhos, que seja sustentável, porém com uma área verde e cômodos amplos (mas que ainda assim seja possível de ser mantida por nós, em termos de manutenção). Evoluímos mais na questão de decisões a respeito da casa que financeiramente nesse projeto. Mas as decisões em si foram bastante importantes.
  • Gerar empregos estáveis, que dêem segurança para a minha equipe, e que paguem bem. Desenvolver os talentos. Poder investir em cursos e capacitação para que as pessoas cresçam nessa estada ao meu lado. Foi um ano difícil por aqui, especialmente na minha formação como líder, mas acredito que a minha cabeça agora esteja mais no lugar e apta a tomar decisões melhores e mais protetoras da galera.

Para que tudo isso aconteça, eu começo a trazer mais para perto, pensando no planejamento de médio prazo (aqui, neste caso, estou pensando na década entre meus 40 e 50 anos – completei 40 em 2021):

  • Tenho em mente o faturamento anual da empresa para quando eu estiver prestes a completar 50 anos. Prefiro não expôr aqui pois acredito em mostrar os resultados quando acontecerem, em vez de dispersar as energias no meu pensamento. Com esse faturamento alcançado, eu terei a chance de conquistar praticamente todos os objetivos de longo prazo. Tive que fazer alguns investimentos em direção a esse objetivo que parecem “caros” num primeiro momento mas que acredito que farão diferença a longo prazo. Estou confiando.
  • Para a empresa, o foco está na consolidação do Método Vida Organizada e no desenvolvimento de projetos ligados a ele e melhoria contínua do curso em si, o que envolve um montão de setores. Estamos trabalhando nisso!
  • O objetivo relacionado à família tem muito a ver com investimentos também. Para o Paul, tenho um investimento prevendo a retirada para esse médio prazo, por exemplo. A minha mãe, como comentei em outro post, estou aqui para dar suporte no que ela quiser fazer. Ok, mas estou pegando mais leve comigo mesma no momento. Acredito que, se eu me dedicar ao objetivo único de aumentar o faturamento e ter mais reservas, tudo isso aqui será possível como consequência.
  • Sobre a nossa casa, estamos aqui onde estamos. No entanto, meu marido e eu já conversamos sobre o assunto. Decidimos juntos que, se a empresa alcançar um valor X de faturamento, vamos procurar outra casa para nós, com as condições que comentei. Como é um projeto para médio prazo, significa que será uma casa onde passarei a minha velhice. Tudo isso precisa ser levado em consideração. No momento estamos achando mais vantajoso ter esse montante guardado investido que comprar outra coisa. Como não temos o valor ainda, de qualquer maneira, nem tem como tomarmos uma decisão definitiva ainda. O foco deve ser outro no momento.
  • Com relação a projetos voluntários, eu já invisto bastante, proporcionalmente à minha condição de vida hoje. Eu não gosto de falar muito para não soar como marketing pessoal. Mas eu quero fazer mais. Quero poder ajudar ainda mais ativamente, com segurança para essas iniciativas também. Hoje eu costumo contribuir regularmente com algumas ONGs e também bancar projetos pontuais pelo Catarse, Vakinha Online ou Apoia-se. Igual.
  • Com relação à equipe, eu quero em primeiro lugar garantir prosperidade, crescimento e segurança para quem já trabalha comigo. E, ano após ano, pensar com carinho cada contratação. Acredito muito em contratar pelos valores e pelo caráter e em desenvolver as competências. Igual.

Aí chegamos no curto prazo (até dois anos). Ou seja, entre dezembro 2020 e dezembro 2022, que cenário eu me vi construindo lá no início de 2021 e o que mudei de lá para cá? O que queria que fosse verdade até dezembro 2022 em termos de finanças?

  • Entra aqui a projeção financeira de faturamento da empresa para 2021 e 2022, se continuarmos investindo em modelos que dão certo e agregando outras iniciativas. Tínhamos uma projeção excelente, uma otimista e uma realista. Conseguimos a realista, que para mim já foi muito bom dado o ano que tivemos.
  • Em até dois anos, eu quero ter implementado e consolidado algumas coisas importantes para o Método Vida Organizada. Prefiro não expôr aqui pois acredito em mostrar os resultados quando acontecerem, em vez de dispersar as energias no meu pensamento. Mas é uma série de projetos bacanas. A validação do MEC foi uma delas. <3
  • Com relação aos investimentos, tenho metas do que gostaria de ter investido em termos de valores e tipos. Isso inclui um investimento com foco na casa, outros com foco na empresa, outro para a faculdade do Paul, contratação de pessoas etc. Mas muito vou formatar neste ano de 2021, justamente por ter finanças como a área de foco (vou falar mais a seguir). Isso deu uma boa avançada.
  • Com relação aos projetos sociais, pretendo em até dois anos ter um plano esquematizado para separar uma porcentagem ou valor fixo para esses projetos. Igual.
  • Uma meta que vai me ajudar a guardar mais dinheiro é conseguir a bolsa taxa no Doutorado, que só pode ser solicitada a partir do segundo ano. É uma bolsa que só abate a mensalidade – o restante continua senso custeado por você. Mas já ajudaria bastante. Não será possível ter a bolsa do Doutorado porque eu tenho uma empresa. Depois explico melhor, mas já não é um objetivo.

Pensando de uma maneira mais factível, eu vejo como objetivos de curto prazo com relação a finanças uma única coisa: alcançar um nível X de faturamento na empresa que me permita alcançar todos os objetivos profissionais e pessoais relacionados! Ponto. É isso o que precisa acontecer para que todos os outros resultem dele.

E aí chegamos ao curtíssimo prazo, que é o recorte de tudo isso para fazer em 2021 (os projetos). Vamos ver como foi:

  • Doutorado: ir super bem com o projeto e as disciplinas, de modo que eu tenha argumentos bons para pedir a bolsa no ano seguinte. É o que depende de mim para conseguir a bolsa. E, de qualquer maneira, continuarei guardando o dinheiro para as mensalidades do segundo ano, caso eu não consiga. Fiz toda a minha parte e mandei muito bem nas disciplinas e trabalhos MAS o processo da bolsa é extremamente burocrático e foi barrado pelo fato de eu ser sócia proprietária de uma empresa que tem um faturamento X no ano. Por mais que eu não retire lucros acima do suficiente para pagar as minhas contas, a instituição viu como não aplicável para bolsa. Tá tudo bem. Eu prefiro que a bolsa seja destinada a quem realmente precisa mais. Então assim: o projeto existiu, foi tocado direitinho, mas resultou em outra coisa. Acontece.
  • Quero reorganizar todos os meus investimentos este ano. Consegui fazer! A Ana, que cuida do financeiro aqui na empresa, me ajudou a fazer um CDB para a conta de pessoa jurídica, onde nós deixamos a nossa reserva de emergência, e isso foi um alívio. Eu também consegui organizar os investimentos como pessoa física – falei em outro post sobre isso. Agora é continuar esse trabalho de manutenção. Existem coisas ainda a serem feitas, mas a reorganização dos investimentos aconteceu. 😉
  • Ler vários livros de finanças que tenho e que possivelmente vão me ajudar a pensar em novos projetos e boas práticas. Mudei vários livros do projeto de 12 livros de finanças para 2021 porque, sinceramente, no meio do processo eu fiquei com “ranço” de muitos deles. Mas foi ótimo ter me proposto ler livros de finanças este ano porque li vários! Em breve farei um post só sobre este projeto.
  • Vou conversar com um amigo que se ofereceu para me ajudar com uma consultoria financeira. Vai ajudar demais. Não dei andamento porque com a entrada da Ana fizemos isso juntas.
  • Vagas sociais em todas as turmas do Vida Organizada. Investimentos em outros projetos sociais, ligados à causa animal, violência contra as mulheres, educação, meio-ambiente e outros. Não conseguimos fazer em todas as turmas porque não conseguimos custear, dentro do planejamento financeiro precisando ser alterado ao longo do ano. Mas estamos desenhando um novo modelo no momento que poderá ajudar a tornar isso um processo mesmo.
  • Tenho algumas pendências burocráticas para resolver, como contas inativas, recebimentos internacionais, melhor modelo para notas fiscais, esse tipo de coisa. Tudo isso faz parte da lista de projetos. Mudamos coisas pacas. A Ana coordenou tudinho! Mudamos a empresa que cuida da nossa contabilidade, resolvemos pendências de pagamentos, ajustamos a questão das notas fiscais, reajustamos o CNPJ, entre outras coisas.
  • Continuar o bom trabalho. <3 Continuar cortando custos, manter nosso estilo de vida super tranquilo, sem alto consumo etc. Aqui vou fazer o mea culpa. Foi um ano difícil em termos de saúde mental para a nossa família. Impactou todo mundo aqui: eu, meu marido, nosso filho. Com isso, pedimos mais comida em casa, gastamos mais com essas entregas, sabe? Mas foi muito importante para aprendermos e, agora, termos a cabeça no lugar para uma rotina financeira mais saudável não apenas em 2022, mas desde já.

Para 2022, pretendo rever cada um dos pontos dessa minha área da vida para definir que recorte quero dar, mas com a certeza que a maioria das resoluções aconteceu sim em 2021, justamente por tê-la como área de foco. Agora é questão apenas de dar continuidade a esse trabalho iniciado este ano.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Saúde, Ayurveda

Eu já tinha escolhido saúde há poucos anos (2019) mas, avaliando a minha situação atual, decidi que era a hora dela novamente. Tentando ver com um pouco mais de perspectiva, acredito que saúde seja a área principal da “era” mesmo que estou vivendo, pois um dos pontos mais importantes aqui é me preparar para uma velhice saudável, construindo um estilo de vida que seja apropriado hoje e que se mantenha no futuro.

Um dos exercícios que eu aprendi a fazer na minha formação de coaching se chama roda da vida. Trata-se de uma ferramenta que você utiliza para refletir sobre o seu nível de satisfação em cada uma das áreas e usar isso para decidir algumas questões importantes para a sua vida.

Nas últimas semanas, preparando o nosso workshop anual de planejamento de vida e do ano, eu tive a oportunidade de refletir sobre as diversas áreas da minha vida e o que eu deveria focar mais a minha atenção no momento.

Antes de chegar nesse ponto do curso, a gente faz uma série de outros exercícios de auto-conhecimento que culminam nessa análise final mais aprofundada de cada uma das áreas. E, a partir dessa análise, a gente delineia todo o resto. Não necessariamente a área que a gente dá a nota mais baixa deve ser a área escolhida. Mas, desta vez, foi. Eu estou realmente insatisfeita com a minha saúde no momento e quero focar nela, reestruturar para um novo ano.

Quando digo que estou insatisfeita com a minha saúde, não quer dizer que estou doente. Quando eu postei sobre isso no meu Instagram, um monte de gente postou “melhoras”. rsrs Não estou mal. Estou bem. Mas em 2021 a minha rotina de saúde deu uma desandada em diversos aspectos, da alimentação à atividade física. Deixei várias práticas do Ayurveda que me faziam tão bem antes de lado. Quero retomar tudo isso. 2021 foi um ano muito difícil para mim, e fico feliz por ter sobrevivido, especialmente em termos de saúde mental.

A orientação aqui é pensar: qual área, se eu focar meus esforços no ano que vem, ou daqui em diante, vai impactar positivamente todas as outras? Porque é claro que todas as áreas são importantes. Mas nossa intuição sempre nos diz qual a área que deve ser focada para trazer resultados em todas as outras. E eu escolhi saúde.

Hoje pela manhã eu separei os meus livros relacionados a saúde e eu reparei que tenho livros nas seguintes temáticas (que denunciam o que mais me interessa nessa área):

  • Sono
  • Ayurveda
  • A relação da saúde com as emoções (uma saúde auto-ajuda)
  • Longevidade
  • Saúde mental
  • Alimentação e vegetarianismo
  • Yoga

O que está bem relacionado com o que listei dentro da área da vida “saúde” lá no meu Notion.

Meu próximo passo é destrinchar o recorte de cada uma dessas “sub-áreas” para 2022.

Por exemplo: para mim, o padrão de sono que funciona é dormir e acordar cedo. Claro que, com a rotina doméstica por aqui, muitas vezes tenho dificuldades. Mas não há uma única vez em que eu acorde cedo depois de uma boa noite de sono que eu não pense: “nossa, eu amo acordar cedo!”. Então esse é o padrão. Este ano eu fui dormir tarde e acordei tarde várias vezes. Isso mexe com TUDO no meu corpo. Fico mais inchada, sonolenta. Então já estou voltando a esse meu normal. Essa reflexão vale para todas os tópicos. Não tenho projetos, necessariamente, para todas, mas para muitas sim.

Convido você então a fazer essa reflexão e compartilhar aqui embaixo nos comentários que área você escolheu para focar em 2022 e por quê. Você pode usar meu exemplo acima para listar as áreas ou listar as áreas de maneira personalizada para a sua vida. Não existe um formato certo e fixo, mas o que funciona para você.