Categoria(s) do post: Diário da Thais

Todo mês eu gosto de fazer um post de resumo para compartilhar como foram os meus últimos 30 dias em termos pessoais e profissionais. O intuito ao fazer isso é organizar meus pensamentos sobre a minha própria revisão mas também mostrar para vocês a “vida real” de uma pessoa que trabalha com organização e produtividade. Compartilhar que há realizações mas também tem descanso e perrengues como todo mundo. Espero que goste e que, de alguma maneira, seja útil para você esse compartilhamento.

Viagens de avião a trabalho: considerações 🛩

O meu mês de novembro foi muito cheio e eu não gosto disso. Me lembrou da época em que eu viajava bastante a trabalho, entre 2017 e 2019, e que me deixou doente! Era um ritmo intenso de trabalho, necessário naquela época, mas que felizmente eu identifiquei que não estava me fazendo bem e, num espaço de dois a três anos, consegui mudar. Depois de dois anos (desde o final de 2019) sem fazer uma viagem a trabalho, ou uma viagem de avião, em novembro agora eu tive a oportunidade de fazer isso duas vezes, para dois encontros de grupos de mentoria que faço parte – no Rio e em Brasília. Não deu para encontrar ninguém por lá, pois a rotina era bastante intensa com o evento e os jantares diversos.

Meus sentimentos a respeito são paradoxais. Por mais que tenha sido bom sair, viajar, ficar em um hotel legal, comer em restaurantes gostosos, interagir com pessoas de verdade ao vivo, meu saldo final é de que não vale a pena esse esforço. Não vale a pena 1) liberar viagens de avião desse jeito ainda, no momento que vivemos do Corona Vírus, sequer eventos (a sensação é de uma falsa segurança), assim também não vale a pena, para mim, 2) deixar a minha vida em casa pelos ganhos que terei participando de eventos como esses.

Eu senti demais essas viagens tanto físico quanto emocionalmente. Na primeira viagem, eu fiquei muito “pra baixo” no primeiro dia. Isso se refletiu no meu corpo. Dor de cabeça, dor de estômago, tudo junto. Na segunda viagem, que aconteceu duas semanas depois, a mesma coisa. Não me senti bem. A sensação geral era: “eu não deveria estar aqui” e “eu queria estar com a minha família em casa”. E isso é bem ruim porque eu estava com pessoas incríveis, que admiro, e óbvio que vejo a importância de estar lá, participar e aprender. Mas se teve uma coisa que eu aprendi nesses últimos anos é sobre olhar a minha saúde e as necessidades da minha família em primeiro lugar. É aquela famosa diferença entre identificar o que é desejável daquilo que a gente realmente precisa.

Não quero de maneira nenhuma desmerecer as pessoas e os eventos. Foi incrível estar lá, todos os aprendizados e conversas. Mas… tudo isso que escrevi acima.

Eu em 2019, magra e doente embarcando em mais uma viagem

Em algum momento, nos últimos anos, eu decidi que não queria mais ter essa rotina de viagens para ficar mais perto do meu filho e também para ter uma rotina de saúde melhor. Vivenciar esse mês intenso com duas viagens de uma vez me fez ver com certeza que eu tomei a decisão certa lá atrás e do contraste que essa vida de viagens tem com a vida que eu vivo agora.

Mas veja: eu sei que a vida acontece independente do que a gente acha certo internamente. Os grupos vão continuar se reunindo. Os encontros continuarão acontecendo e as pessoas podem achar “frescura” eu tomar essa decisão e ter esses cuidados. Elas continuarão viajando normalmente, o que fará com que os eventos aconteçam de maneira presencial e não online ou híbrida. Haverá perdas para mim, sem dúvidas. Mas é aquilo: a gente só consegue dizer não quando a gente tem um sim bem grandão dentro da gente. E eu tenho que fazer escolhas com base no sim, senão a sensação de agressão interna será diária.

O que alivia um pouco é que os dois grupos de mastermind que faço parte têm, cada um, “apenas” três encontros presenciais ao ano, com dois dias cada. Mas isso dá seis viagens no total. Fora uma provável viagem internacional para o encontro das franquias do GTD, que pode voltar a ser presencial em 2022. Sete viagens. Março, Abril, Junho (2), Agosto, Novembro (2). Valem a pena? Ainda refletindo por aqui, mas minha intuição está batendo forte em: Thais, de boa, não precisa, fica em casa, foca em outros projetos. Então vamos ver. Compartilharei com vocês.

Eu, Thais, como indivíduo 🧘🏻‍♀️

E aí minha saúde desandou geral neste mês. Toda essa mudança de rotina – por mais que eu procure me ancorar no horário de sono e boa alimentação em todos os dias – influenciou demais em mim. Por isso, estou iniciando um novo desafio aqui até o Natal para voltar ao meu eixo. Se vocês quiserem, posso compartilhar em outro post específico sobre o assunto, explicando melhor.

Mal consegui estudar e me dedicar ao Doutorado e às leituras de Ciências Sociais. Isso não me deixa feliz, porque é uma parte importante da minha rotina e que me deixa bem.

Uma coisa boa foi ter tocado em uma jam em um dos eventos que participei e isso me mostrou o quanto eu sinto falta de ter uma banda e ensaiar, que seja. Música é parte importante da minha vida e, por mais que não seja algo em que eu atue profissionalmente, é um hobby “mais sério” que eu simplesmente deixei de lado há alguns anos. Meu marido e eu conversamos e pretendemos fazer algo juntos nos próximos meses. Confesso que o documentário dos Beatles feito pelo Peter Jackson nos deixou emocionalmente mais propensos a essa decisão!

Outra boa notícia é que tenho lido muito, muito mesmo, naturalmente, sem colocar qualquer tipo de meta de leitura ou coisa do tipo. Li muitos livros em novembro e, até aqui, neste ano de 2021 eu já li 70 livros – acho que é o meu recorde de todos os tempos – e no ano em que comecei o meu Doutorado! Cara, isso é uma marca e tanto. E foi totalmente não intencional. Simplesmente aconteceu, resultado de uma rotina matinal gostosa que incorporei, de ler ao acordar.

Além de ter desandado com a saúde, eu sinto que também desandei com outras áreas, como espiritualidade e finanças. Não que “desandei” – acho que não é a palavra certa. Acho que a palavra mais apropriada é “não cuidei tanto” ou “deixei meio de lado”, mas porque simplesmente não deu mesmo. Era muita coisa acontecendo. E a vida é isso, um eterno reequilíbrio de movimento. Tá tudo bem.

Aliás, você comprou alguma coisa na Black Friday? Eu comprei apenas o que planejei: uma cafeteira nova da Nespresso porque a minha era de 2019 e estava com o recipiente de água meio quebrado. Paguei menos que a metade do preço na Fast Shop. <3

Saúde mental também afetada, obviamente. Meu médico mudou a dose do meu remédio no final de outubro e eu dei uma regredida com a TAG… ainda mais em um mês tão cheio de emoções. Cheguei a ter uma crise de ansiedade no aeroporto, voltando do Rio, porque ele estava muito cheio etc etc. Mas já estou conversando com ele para fazer reajustes. Mas olha.. mês complicado!

Estou na vibe do planejamento para o ano novo, então, para mim, é momento de reflexões e de entender o que vou destralhar da minha vida como um todo para entrar no ano novo civil me sentindo, de certa maneira, renovada como todo mundo. Então esse final de novembro é meio que “um lusco fusco” do ano para mim até agora. O resumo de dezembro será melhor. 🙏🏻

Moral da história: para viver a vida que a gente quer viver, tem que fazer escolhas difíceis. E é isso. Não dá pra fazer tudo.

Thais Godinho

Vamos falar um pouco sobre trabalho.

Trabalho! 👩🏻‍💻

Nós estamos em um período de reestruturações importantes por aqui e o mês de novembro refletiu isso. Conteúdo, equipe, projetos, cursos – tudo em reestruturação MESMO. E, justamente por isso, eu decidi pegar mais leve comigo mesma e não ficar me cobrando tanto, especialmente com a produção de conteúdo, porque além de estarmos nos reestruturando, também tive um mês complicado. Mas mesmo assim a gente teve bastante coisa legal, tanto no blog quanto em outros canais. E eu sei que sempre tem milhares de conteúdos a serem revisitados quando alguém precisar.

De qualquer maneira, esta semana estamos realizando a nossa Semana de Planejamento e tem sido muito legal e gostosa de fazer! Ontem foi a primeira aula e a gente manteve 1.700 pessoas ao vivo do começo ao fim! Eu fiquei muito maravilhada com essa métrica, pois significa que o conteúdo estava legal! Fiquei feliz!

Não posso dizer o quão aliviada estou por poder contar com uma equipe incrível que tem cada vez mais cuidado de tudo para que eu fique dedicada ao que faço de melhor: dar aulas. Com a entrada da Jen em outubro, apoiando no suporte aos alunos, da Simone agora em novembro, apoiando o design instrucional, o fomento das comunidades e o projeto de gamificação, e a entrada do Rafa na parte do design, sinto que estamos crescendo de uma maneira mais assertiva do que antes.

Nós tivemos uma grande conquista este mês que foi ter o nosso curso do Método Vida Organizada validado pelo MEC! Agora ele te dá um diploma validado pelo Ministério da Educação para você compôr o seu currículo como um curso de extensão universitária, de atualização profissional. Isso deixou a gente feliz demais e abriu uma nova era do Vida Organizada como uma empresa de educação e conteúdo educacional mesmo. Nós estamos trabalhando com uma consultoria que está fazendo esse intermédio e nos ajudando a nos estruturarmos como uma universidade corporativa (ou seja, vêm mais novidades por aí!).

Família ❤️

A maior conquista deste mês foi alcançar um objetivo de médio prazo (e, por isso, de construção de estilo de vida), que foi matricular o Paul na “escola dos sonhos”, perto de casa. Essa escola trabalha com lista de espera de anos, e finalmente ele foi chamado e passou por todo o processo. A mudança de escola do Paul não envolvia apenas a parte logística da mudança em si, mas o processo interno dele de entender por que seria legal ele ir para essa escola. Levamos anos nesse processo e eu acredito de verdade que só estará concluído 100% quando ele efetivamente começar as aulas e nos dizer como ele se sente (“nenhum plano sobrevive ao campo de batalha”). Mas ele ter curtido a mudança, ter entendido por que ela era necessária, ter curtido a escola, os novos colegas, enfim… tudo isso foi uma grande conquista para nós como família e, para mim, valeu o mês.

Minha roda da vida feita em 30/11/21, desta vez no site da Slac

Saúde sem dúvida é o foco do momento. No resumo do mês de dezembro eu contarei para você como foi e, ao longo do mês, compartilharei por aqui as ideias e, nos stories do Instagram @vidaorganizadaoficial, minha rotina. Acompanhe, se quiser! Obrigada por estar aqui mais um mês comigo. <3 Espero que seu mês de novembro tenha sido mais tranquilo. 🙂

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Deixe seu comentário

7 comentários

  1. Naiara Oliveira comentou:

    Sempre é uma delícia ler seus posts, Thais.

    Espero que sua saúde se recupere rápido e continue alcançando tudo que deseja. =)

    Abraços, 😉

  2. Suzan da Silva Lessa comentou:

    Olá, acolhedor ver que os medos, inseguranças nesse período de retorno mas coexistindo com a covid também acontece com pessoas que admiro.
    Pedido: detalhe o desafio que você fará até o Natal.
    Beijos

  3. Lucà comentou:

    Eita!! Tanta coisa!! =((

    Então Thais, por aqui foi (está sendo) um pouco daquela correria de final de ano, com um monte de gente querendo finalizar coisas que deixaram pros últimos minutos, no limiar entre estar tranquilo e não…

    Fique bem, beijos!!

  4. Monique comentou:

    Conta mais do desafio até o Natal, sim, Thais! Acho que é algo na linha do que estou pensando em fazer <3

  5. Gabriela Lopes comentou:

    Acho esses resumos e checklists sempre muito interessantes!
    Você poderia falar sobre estratégias para os “retornos” do próximo ano?
    Já trabalho presencialmente mas a escola e o marido estão online. Confesso que pensar a partir de fevereiro/22 quando o esquema “normal” voltará me deixa ansiosa.
    Obrigada 🙏

  6. Zuleica Lima Jaroszewski comentou:

    Thais, há muitos jovens estressados e o incrível é que não são desorganizados.
    Fico observando, seja a influência água, ar, etc. está atingindo até pessoas cuidadosas com sua saúde.
    É agradável ver que você mostra, mesmo com tanta competência, que enxuga as atividades caso haja desconforto que deva ser levado em consideração. Você dá exemplo, que vale considerar.