Categoria(s) do post: Viagens

“Pós” não, né, porque ele ainda existe. Mas o fato é que eu precisarei fazer duas viagens a trabalho este mês, ambas em estados diferentes, ambas de avião, e aparentemente eu me esqueci de como fazer isso porque estou me reorganizando praticamente do zero para essa primeira viagem.

Minha mala estava guardada no armário embaixo da escada. Foi bom abrir e pegá-la, porque aproveitei e reorganizei o armário em si. Nele ficam basicamente malas de viagem, itens sazonais (enfeites de Natal, barraca de camping, itens de viagens) e coisas que eu separo para doação. Meu marido também deixa uma caixa com documentos ali e uma mala com artefatos de música diversos (pedais, cabos etc).

Dei uma olhada geral na mala para ver se ela estava ok (me parece que sim) e providenciei um novo cadeado (pelo Mercado Livre) porque o que estava nela estava dando problema na hora de destravar (taí um problema que você não quer arriscar ter em uma viagem a trabalho). Eu também separei alguns acessórios úteis para viagens como filtro de linha, organizador de mala (aqueles de PVC, para roupas) e necessaires.

Vou levar duas máscaras da 3M por dia e, como eu não tinha essa quantidade em casa, encomendei pelo Mercado Livre também. Serão seis dias fora.

Comprei um vôo direto porque achei que seria menos propenso a riscos que um vôo com escalas. E paguei a mais para despachar bagagem e conseguir viajar mais confortavelmente. Não gosto da ansiedade que dá ficar tentando entrar logo no avião pra encaixar a mala no compartimento superior. Gosto de viajar numa boa, tranquila, e só com a minha mochilinha com o notebook embaixo do assento e a minha bolsa a tiracolo pequena com a carteira e o celular.

Vou dar um pulo na farmácia para comprar lenços com álcool para levar no avião. Também pretendo comprar itens de higiene pessoal menores. Como serão duas viagens, a compra vale a pena. Se sobrar, uso o restante em casa. Ao chegar na cidade de destino, vou comprar álcool gel para levar para o hotel e o evento que participarei.

Pelo que entendi, o vôo terá um assento de espaçamento entre uma pessoa e outra, o que me deixa menos desconfortável.

Quando vou viajar, procuro antecipar o máximo possível de coisas para deixar a semana da viagem mais dedicada ao que farei lá. Uma das coisas que faço é antecipar pagamento de contas, por exemplo, para não correr o risco de ficar sem conseguir pagar lá ou ter que correr no dia a dia para pagar no vencimento.

Será a primeira vez que vou ficar fora de casa depois de mais de dois anos. Será diferente para mim e para os meninos, com certeza, mas também para os cachorros. Então estamos montando toda uma operação-carinho aqui para eles não sentirem tanto a minha falta.

Segue minha checklist para bolsa e mochila de bordo:

  • Mochila de bordo
    • [ ] mochila para notebook
    • [ ] bolsa menor para documentos
    • [ ] jaqueta ou blusa se esfriar (vestida)
    • [ ] documentos de viagens (bolsa)
    • [ ] carteira com dinheiro, cartões etc. (bolsa)
    • [ ] chave de casa (bolsa)
    • [ ] celular (bolsa)
    • [ ] carregador (mochila)
    • [ ] fone de ouvido – air pods (bolsa)
    • [ ] fone de ouvido – noise cancelling (vestida)
    • [ ] garrafa de água (mochila)
    • [ ] lanche (mochila)
    • [ ] pacote de lenços com álcool (mochila)
    • [ ] máscara (vestida)
    • [ ] máscara extra (mochila)
    • [ ] bloco de notas (mochila)
    • [ ] canetas (mochila)
    • [ ] kindle (mochila)
    • [ ] carregador do kindle (mochila)
    • [ ] notebook (mochila)
    • [ ] carregador do notebook (mochila)
    • [ ] necessaire com remédios básicos (mochila)
    • [ ] óculos (bolsa)

Eu não pretendo levar commonplace book, nem caderno grande, nem livro de papel, porque quero ir mais light.

Para a mala de roupas, eu sempre busco inspiração no Pinterest. De modo geral, em viagens a trabalho eu busco me “uniformizar” para ser mais prática mas, sinceramente, eu quis dar uma mudada agora, especialmente porque vai estar calor para onde vou viajar. Então eu achei esse conjunto de outfits no Pinterest (fonte) que vou usar para me inspirar.

Pretendo fazer algumas alterações, mas as combinações estão bem bonitinhas e prevêem todo tipo de evento na viagem – do dia de trabalho ao possível jantar que deve rolar. A lista está mais ou menos assim:

  • camiseta branca
  • camiseta preta
  • blusa clara
  • blusa escura
  • camisa clara
  • camisa escura
  • suéter fino de manga comprida escuro
  • suéter mais grossinho claro
  • blazer
  • vestido
  • calça jeans
  • calça preta
  • calça clara
  • casaco
  • óculos escuros
  • lenço
  • bijous (colar, relógio, brincos)
  • ankle boot preta
  • algum sapato baixo a definir
  • tênis preto glove

A roupa da viagem sempre é confortável e, se possível, escura, pois sei que estou mais propensa a me sujar. Então a calça preta + tênis será indispensável pelo menos na ida (na volta tudo bem se sujar porque estarei voltando para casa e vou colocar a peça para lavar).

Para viajar na ida
calça preta + tênis + camiseta + casaco

Para viajar na volta
calça jeans + tênis + camiseta + suéter

Jantar
camisa preta + jeans + bota
blusa clara + calça preta + bota
vestido + bota

Trabalho
camiseta branca + jeans + blazer + bota
camiseta preta + calça preta + tênis + jaqueta
camisa clara + calça clara + sapato baixo
blusa escura + calça preta + sapato baixo
suéter fino + jeans + tênis
vestido + tênis

Tem muitas opções para ir brincando.

Enfim… o negócio é ficar bem, usar máscara, abusar de todos os potinhos de álcool pelo aeroporto, evitar situações que demandem tirar a máscara (comer no aeroporto, por exemplo), evitar aglomerações, e sempre torcer pelo melhor.

Você já precisou fazer alguma viagem de avião nesses novos tempos? Como foi?

Deixe seu comentário

14 comentários

  1. Letícia comentou:

    Viajei de avião duas vezes durante a pandemia. No sentido sanitário mesmo da coisa, dentro do avião é estressante mas isso a gente já espera – no meu caso nem sempre teve a coisa de pular uma cadeira, infelizmente, pessoas não querendo usar máscara direito, enfim. Concordo com você que o melhor é pegar voo direto se ele for rápido. O que me surpreendeu foi que aeroporto é muito estressante. Guarulhos é inviável, me estressou demais e eu precisei fazer conexão lá da primeira vez. Gente demais, não tem organização de fluxo (ou pelo menos não tinha, quando eu fui) todo mundo se amontoando pra ver os painéis de vôos, o caos. Se você for passar por lá, vá psicologicamente preparada. De resto, boa viagem, Thaís!

      1. ANA PAULA comentou:

        Congonhas estava super tranquilo em junho/2021! Espero que continue.

  2. ANA PAULA comentou:

    Eu fui de São Paulo a Porto Velho/RO em junho com minha filha, com escala em Brasília tanto na ida como na volta.
    O voo de Congonhas para Brasília foi bem tranquilo, com assentos vazios entre os passageiros. Infelizmente, os demais estavam lotados. Aeroporto de Brasília supercheio!
    A gente teve que comer em Brasília (muito tempo para ficar sem comer), mas procuramos guardar distância dentro do possível (no avião não tinha como – deixei minha filha na janela para protegê-la um pouco mais) e usar máscara e álcool gel.
    Não nos contaminamos, porém fiquei decepcionada e preocupada porque também havia entendido que haveria assentos vagos entre as pessoas em todos os voos…

  3. Marcia comentou:

    Oi, Thais

    Viajei duas vezes de avião durante a pandemia. Ambos voos internos, um rapidinho (SP/Rio, por Congonhas) e outro mais longo (SP/Manaus, por GRU). O voo de Manaus foi vazio (voltou cheio). Rio, sempre cheio.

    A coisa que decididamente não rolou no voo para Manaus foi usar aquela máscara mais “parruda” da 3M; atrapalha para respirar dentro do avião. Usei uma intermediária. Algo a se considerar, Thais, a depender do tempo de voo e da sua resistência respiratória.

    Os voos de/para Manaus foram à noite. A luz foi o tempo todo apagada, tipo escurão já na hora de taxiar, de uma forma que só tinha visto naqueles voos internacionais que duram a madrugada toda. Minha suspeita: evitar que os comissários de bordo “vejam” quem está ou não de máscara, isentando-os de cobrar o uso da máscara e eventuais atritos dentro do avião. Talvez seja leviano eu falar isso, mas me deu essa sensação porque já fiz esses mesmos voos em outras ocasiões e não tinha lembrança desse breu todo. Me incomodou, mas resolvi que não seria eu a fiscal do avião.

    Não tirei a máscara para nada, nem para água. Como meu marido e eu usamos companhias aéreas diferentes, percebi diferença em relação à questão da alimentação (própria, não serviço de bordo, que não tem). Em uma cia, era liberada só para menores de 12 anos. Em outra, não havia essa restrição (tanto que, salvo engano, acho que até distribuíram um pacote de bolachinhas).

    Enfim, vá preparada. É hora de retomarmos a vida. Mas desconfio que as pessoas podem estar até mais displicentes nos cuidados em razão do pior já ter passado.

  4. Thais comentou:

    Ainda não fui, mas tenho uma viagem de férias em dezembro, e confesso que já estou com algumas ideias na manga: também priorizei um voo direto, e vou administrar não beber água para não precisar usar o banheiro, levar minha garrafinha e um canudo para o caso de sentir sede e ir “molhando o bico”, mas pensei até em comprar chiclete para ir salivando, e não mexer na máscara.

    A que eu usar no voo, pretendo jogar fora assim que sair do aeroporto. Gostei da ideia dos lencinhos com álcool, que pretendo comprar também, e vou anotar na minha mão “não tocar em nada” pois ajuda a me lembrar, hehehe (eu escrevo guarda-chuva na mão e me ajuda)…

    Estar com as vacinas completas tranquiliza, confesso que já tive muito mais receio. Espero que tudo isso seja suficiente.

    Boa viagem!

  5. Bia Almeida Paiva comentou:

    Precisei viajar pela primeira de vez de avião em fevereiro desse ano (bem no meio do caos). O voo foi pela Azul, direto, Rio x Brasília.

    Sinceramente, pra mim foi a mesma coisa que pegar um ônibus na Novo Rio. Muita gente, eles mandando não formar filas e todo mundo fez as tais filas. A saída atrasou um pouco e disseram que foi, entre outras coisas, porque limparam o avião entre um voo e outro, mas dá uma sensação de que não fizeram nada… Nada úmido, nenhum cheiro de algum produto, um ar meio abafado. Sei lá, achei estranho.

    Não teve cadeira de espaçamento, mas eu e o marido compramos as passagens pulando a cadeira do meio. Então, assim que foi possível, o passageiro que estava entre nós trocou de lugar.

    Não serviram nenhum lanche dizendo que era pra evitar a retirada das máscaras, mas serviram água à vontade (?). Entregaram álcool gel para cada pessoa, num sachê igual aos de ketchup. Não despachei malas e chegamos em Brasília bem tarde, então o aeroporto lá não estava cheio.

    A volta não foi de avião, então foi só essa experiência mesmo. Boa sorte.

  6. ROSANGELA SILVA MIRANDA comentou:

    Thaís, viajei de avião uma vez, em novembro/2021, e foi surreal: no aeroporto, protocolos pra lá de rígidos, dentro do avião TODAS as cadeiras estavam ocupadas, o desembarque foi remoto e só mandaram dois ônibus, sendo que seriam necessários pelo menos três… Enfim, acho que os protocolos de prevenção contra a covid às vezes são só pra inglês ver! pra inglês ver!

    1. ROSANGELA SILVA MIRANDA comentou:

      quero dizer, novembro/2020.

  7. Carolina comentou:

    Oi Thais, viajei algumas vezes e não tem nada de distanciamento entre 1 assento e outro… todo o distanciamento da fila termina a hora que vc entra na aeronave.

  8. Georgia Padiar comentou:

    Oi Thais, boa tarde!
    Voltei de viagem no sábado, após 14 dias em outro estado.
    Deixo como dica comprar um lysoform aerosol pequeno (tem em farmácia) para que vc possa usar para limpar a mala e o hotel quando chegar, além de tb usar nas coisas que ficarão contigo ao longo do dia qdo chegar para dormir.
    Não estão permitindo comer nos aviões, apenas crianças até 12 anos e adultos acima de 60, exceções para pessoas com dietas específicas, então deixo a sugestão de levar algo prático para comer como uvas, ou snacks pequenos. Pela Latam não estão fazendo serviço de bordo, apenas água para quem pedir.
    Meus 4 voos foram tranquilos (1 conexão na ida e uma na volta), muita gente nos aeroportos e quase nenhum controle, os cuidados acabam sendo mesmo os individuais.
    Sábado de manhã congonhas estava insuportável de cheio, assustador.
    Muitos com uso inadequado da máscara, nos voos os comissários estavam mais atentos e a todo momento falavam pelo autofalante sobre uso adequado da mascara cobrindo nariz e boca, mas no aeroporto não tem nada…
    Que bom que seus voos são diretos, os riscos ficam menores.
    ótima viagem pra vc!!
    Abraços.

  9. Amanda Viana comentou:

    Oi, Thaís!

    Ainda não tive coragem de viajar neste período mais calmo da pandemia, mas estou planejando uma viagem pra Disney ano que vem, mais para o final do ano.
    Tenha uma ótima viagem e que tudo dê certo!

  10. Anita comentou:

    Viajei em outubro/2020 para ver minha mãe no sul do país, ida Azul e volta Gol. Todos lotados, nenhum assento livre entre poltronas, filas enormes sem distanciamento para sair da aeronave. Achei péssimo. Esse ano não fui ainda…além dos preços que pipocaram nas passagens. Curiosidade: vens para o Nordeste?hahaha

  11. Thamires comentou:

    Viajei uma vez, em dezembro/20. É como o pessoal já comentou, o distanciamento termina quando entra no avião, nunca ouvi isso de pular assento, se acontecer no seu voo nos conte e conte a companhia, por gentileza 🙂
    Mas vá preparada para a lotação máxima.
    Vai dar tudo certo, boa viagem!