Categoria(s) do post: Diário da Thais

Todo mês eu gosto de fazer um post de resumo para compartilhar como foram os meus últimos 30 dias em termos pessoais e profissionais. O intuito ao fazer isso é organizar meus pensamentos sobre a minha própria revisão mas também mostrar para vocês a “vida real” de uma pessoa que trabalha com organização e produtividade. Compartilhar que há realizações mas também tem descanso e perrengues como todo mundo. Espero que goste e que, de alguma maneira, seja útil para você esse compartilhamento.

Viagens de avião a trabalho: considerações 🛩

O meu mês de novembro foi muito cheio e eu não gosto disso. Me lembrou da época em que eu viajava bastante a trabalho, entre 2017 e 2019, e que me deixou doente! Era um ritmo intenso de trabalho, necessário naquela época, mas que felizmente eu identifiquei que não estava me fazendo bem e, num espaço de dois a três anos, consegui mudar. Depois de dois anos (desde o final de 2019) sem fazer uma viagem a trabalho, ou uma viagem de avião, em novembro agora eu tive a oportunidade de fazer isso duas vezes, para dois encontros de grupos de mentoria que faço parte – no Rio e em Brasília. Não deu para encontrar ninguém por lá, pois a rotina era bastante intensa com o evento e os jantares diversos.

Meus sentimentos a respeito são paradoxais. Por mais que tenha sido bom sair, viajar, ficar em um hotel legal, comer em restaurantes gostosos, interagir com pessoas de verdade ao vivo, meu saldo final é de que não vale a pena esse esforço. Não vale a pena 1) liberar viagens de avião desse jeito ainda, no momento que vivemos do Corona Vírus, sequer eventos (a sensação é de uma falsa segurança), assim também não vale a pena, para mim, 2) deixar a minha vida em casa pelos ganhos que terei participando de eventos como esses.

Eu senti demais essas viagens tanto físico quanto emocionalmente. Na primeira viagem, eu fiquei muito “pra baixo” no primeiro dia. Isso se refletiu no meu corpo. Dor de cabeça, dor de estômago, tudo junto. Na segunda viagem, que aconteceu duas semanas depois, a mesma coisa. Não me senti bem. A sensação geral era: “eu não deveria estar aqui” e “eu queria estar com a minha família em casa”. E isso é bem ruim porque eu estava com pessoas incríveis, que admiro, e óbvio que vejo a importância de estar lá, participar e aprender. Mas se teve uma coisa que eu aprendi nesses últimos anos é sobre olhar a minha saúde e as necessidades da minha família em primeiro lugar. É aquela famosa diferença entre identificar o que é desejável daquilo que a gente realmente precisa.

Não quero de maneira nenhuma desmerecer as pessoas e os eventos. Foi incrível estar lá, todos os aprendizados e conversas. Mas… tudo isso que escrevi acima.

Eu em 2019, magra e doente embarcando em mais uma viagem

Em algum momento, nos últimos anos, eu decidi que não queria mais ter essa rotina de viagens para ficar mais perto do meu filho e também para ter uma rotina de saúde melhor. Vivenciar esse mês intenso com duas viagens de uma vez me fez ver com certeza que eu tomei a decisão certa lá atrás e do contraste que essa vida de viagens tem com a vida que eu vivo agora.

Mas veja: eu sei que a vida acontece independente do que a gente acha certo internamente. Os grupos vão continuar se reunindo. Os encontros continuarão acontecendo e as pessoas podem achar “frescura” eu tomar essa decisão e ter esses cuidados. Elas continuarão viajando normalmente, o que fará com que os eventos aconteçam de maneira presencial e não online ou híbrida. Haverá perdas para mim, sem dúvidas. Mas é aquilo: a gente só consegue dizer não quando a gente tem um sim bem grandão dentro da gente. E eu tenho que fazer escolhas com base no sim, senão a sensação de agressão interna será diária.

O que alivia um pouco é que os dois grupos de mastermind que faço parte têm, cada um, “apenas” três encontros presenciais ao ano, com dois dias cada. Mas isso dá seis viagens no total. Fora uma provável viagem internacional para o encontro das franquias do GTD, que pode voltar a ser presencial em 2022. Sete viagens. Março, Abril, Junho (2), Agosto, Novembro (2). Valem a pena? Ainda refletindo por aqui, mas minha intuição está batendo forte em: Thais, de boa, não precisa, fica em casa, foca em outros projetos. Então vamos ver. Compartilharei com vocês.

Eu, Thais, como indivíduo 🧘🏻‍♀️

E aí minha saúde desandou geral neste mês. Toda essa mudança de rotina – por mais que eu procure me ancorar no horário de sono e boa alimentação em todos os dias – influenciou demais em mim. Por isso, estou iniciando um novo desafio aqui até o Natal para voltar ao meu eixo. Se vocês quiserem, posso compartilhar em outro post específico sobre o assunto, explicando melhor.

Mal consegui estudar e me dedicar ao Doutorado e às leituras de Ciências Sociais. Isso não me deixa feliz, porque é uma parte importante da minha rotina e que me deixa bem.

Uma coisa boa foi ter tocado em uma jam em um dos eventos que participei e isso me mostrou o quanto eu sinto falta de ter uma banda e ensaiar, que seja. Música é parte importante da minha vida e, por mais que não seja algo em que eu atue profissionalmente, é um hobby “mais sério” que eu simplesmente deixei de lado há alguns anos. Meu marido e eu conversamos e pretendemos fazer algo juntos nos próximos meses. Confesso que o documentário dos Beatles feito pelo Peter Jackson nos deixou emocionalmente mais propensos a essa decisão!

Outra boa notícia é que tenho lido muito, muito mesmo, naturalmente, sem colocar qualquer tipo de meta de leitura ou coisa do tipo. Li muitos livros em novembro e, até aqui, neste ano de 2021 eu já li 70 livros – acho que é o meu recorde de todos os tempos – e no ano em que comecei o meu Doutorado! Cara, isso é uma marca e tanto. E foi totalmente não intencional. Simplesmente aconteceu, resultado de uma rotina matinal gostosa que incorporei, de ler ao acordar.

Além de ter desandado com a saúde, eu sinto que também desandei com outras áreas, como espiritualidade e finanças. Não que “desandei” – acho que não é a palavra certa. Acho que a palavra mais apropriada é “não cuidei tanto” ou “deixei meio de lado”, mas porque simplesmente não deu mesmo. Era muita coisa acontecendo. E a vida é isso, um eterno reequilíbrio de movimento. Tá tudo bem.

Aliás, você comprou alguma coisa na Black Friday? Eu comprei apenas o que planejei: uma cafeteira nova da Nespresso porque a minha era de 2019 e estava com o recipiente de água meio quebrado. Paguei menos que a metade do preço na Fast Shop. <3

Saúde mental também afetada, obviamente. Meu médico mudou a dose do meu remédio no final de outubro e eu dei uma regredida com a TAG… ainda mais em um mês tão cheio de emoções. Cheguei a ter uma crise de ansiedade no aeroporto, voltando do Rio, porque ele estava muito cheio etc etc. Mas já estou conversando com ele para fazer reajustes. Mas olha.. mês complicado!

Estou na vibe do planejamento para o ano novo, então, para mim, é momento de reflexões e de entender o que vou destralhar da minha vida como um todo para entrar no ano novo civil me sentindo, de certa maneira, renovada como todo mundo. Então esse final de novembro é meio que “um lusco fusco” do ano para mim até agora. O resumo de dezembro será melhor. 🙏🏻

Moral da história: para viver a vida que a gente quer viver, tem que fazer escolhas difíceis. E é isso. Não dá pra fazer tudo.

Thais Godinho

Vamos falar um pouco sobre trabalho.

Trabalho! 👩🏻‍💻

Nós estamos em um período de reestruturações importantes por aqui e o mês de novembro refletiu isso. Conteúdo, equipe, projetos, cursos – tudo em reestruturação MESMO. E, justamente por isso, eu decidi pegar mais leve comigo mesma e não ficar me cobrando tanto, especialmente com a produção de conteúdo, porque além de estarmos nos reestruturando, também tive um mês complicado. Mas mesmo assim a gente teve bastante coisa legal, tanto no blog quanto em outros canais. E eu sei que sempre tem milhares de conteúdos a serem revisitados quando alguém precisar.

De qualquer maneira, esta semana estamos realizando a nossa Semana de Planejamento e tem sido muito legal e gostosa de fazer! Ontem foi a primeira aula e a gente manteve 1.700 pessoas ao vivo do começo ao fim! Eu fiquei muito maravilhada com essa métrica, pois significa que o conteúdo estava legal! Fiquei feliz!

Não posso dizer o quão aliviada estou por poder contar com uma equipe incrível que tem cada vez mais cuidado de tudo para que eu fique dedicada ao que faço de melhor: dar aulas. Com a entrada da Jen em outubro, apoiando no suporte aos alunos, da Simone agora em novembro, apoiando o design instrucional, o fomento das comunidades e o projeto de gamificação, e a entrada do Rafa na parte do design, sinto que estamos crescendo de uma maneira mais assertiva do que antes.

Nós tivemos uma grande conquista este mês que foi ter o nosso curso do Método Vida Organizada validado pelo MEC! Agora ele te dá um diploma validado pelo Ministério da Educação para você compôr o seu currículo como um curso de extensão universitária, de atualização profissional. Isso deixou a gente feliz demais e abriu uma nova era do Vida Organizada como uma empresa de educação e conteúdo educacional mesmo. Nós estamos trabalhando com uma consultoria que está fazendo esse intermédio e nos ajudando a nos estruturarmos como uma universidade corporativa (ou seja, vêm mais novidades por aí!).

Família ❤️

A maior conquista deste mês foi alcançar um objetivo de médio prazo (e, por isso, de construção de estilo de vida), que foi matricular o Paul na “escola dos sonhos”, perto de casa. Essa escola trabalha com lista de espera de anos, e finalmente ele foi chamado e passou por todo o processo. A mudança de escola do Paul não envolvia apenas a parte logística da mudança em si, mas o processo interno dele de entender por que seria legal ele ir para essa escola. Levamos anos nesse processo e eu acredito de verdade que só estará concluído 100% quando ele efetivamente começar as aulas e nos dizer como ele se sente (“nenhum plano sobrevive ao campo de batalha”). Mas ele ter curtido a mudança, ter entendido por que ela era necessária, ter curtido a escola, os novos colegas, enfim… tudo isso foi uma grande conquista para nós como família e, para mim, valeu o mês.

Minha roda da vida feita em 30/11/21, desta vez no site da Slac

Saúde sem dúvida é o foco do momento. No resumo do mês de dezembro eu contarei para você como foi e, ao longo do mês, compartilharei por aqui as ideias e, nos stories do Instagram @vidaorganizadaoficial, minha rotina. Acompanhe, se quiser! Obrigada por estar aqui mais um mês comigo. <3 Espero que seu mês de novembro tenha sido mais tranquilo. 🙂

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais

Em 2016, eu escrevi esse tipo de post pela primeira vez, refletindo sobre a pessoa que eu gostaria de ser em 2017. Recomendo a leitura porque mostra a Thais de uma outra era. Eu acho incrível ver o poder da mudança em ação com o tempo. Me emociono sempre que leio, e é um exercício tão simples!

Estou reformulando a produção editorial de todos os canais do Vida Organizada, inclusive do blog, então os textos, quando entram, estão entrando aqui de maneira orgânica e espontânea, quando sinto a urgência não apenas de escrevê-los mas de logo publicá-los, quase que como se fossem um manifesto. E hoje eu parei o que estava fazendo e vim escrever, porque precisava.

Recife, 2016

Foram diversos os acontecimentos no último mês que me fizeram chegar a um ponto de suposta conclusão sobre a pessoa que eu quero ser em 2022. Só para constar, aqui vão as minhas previsões para o ano como um todo:

  • Individual: O Paul vai mudar de escola e eu continuarei no Doutorado, conciliando com projetos grandes no trabalho, e tudo isso já tomará a maior parte do meu tempo e atenção. Minha saúde deu uma desandada este ano. Fiquei mais relapsa com alimentação e atividade física, mas já retomei meu eixo e estou “em estado de cruzeiro” para continuar em 2022. Será uma prioridade (falarei mais sobre as prioridades em outro futuro post). Minha mãe está finalmente se aposentando, o que significa que demandará minha atenção ano que vem. E meu marido e eu resolvemos retomar nossos projetos de “banda”, o que é divertidíssimo para nós dois e eu – particularmente – não vejo a hora. Isso no nosso âmbito micro por aqui. Certo.
  • País: No Brasil, teremos eleições, e eleições animadas, o que garantem pelo menos o entretenimento dos debates e discussões diversas sobre assuntos fundamentais. Eu gosto de política. Gosto de me envolver, gosto de exercer a minha cidadania e educar o nosso filho. A escola nova dele é muito engajada socialmente, em um modelo construtivista. Quero fazer parte, ajudar, construir. Além disso, nosso país continuará com problemas na economia e em outros setores, e o vírus ainda está por aí. Para mim, será um ano de “calma, gente”, com muitas “caídas na real” depois do desbunde que serão as festas de final de ano e o possível carnaval. Eu estou com o pé super atrás e mais adiante no texto vou explicar melhor como me sinto.
  • Humanidade: No mundo, nem preciso dizer sobre a nova variante identificada pela África do Sul, os países fechando e restringindo novamente porque muitas pessoas que não se vacinaram estão se infectando e espalhando a doença. Enquanto muitos estão engajados querendo saber se teremos ou não Carnaval, do meu ponto de vista o mundo todo deveria estar engajado para erradicarmos esse vírus e garantir as vidas das pessoas. Acredito de verdade que, após um susto, infelizmente, as pessoas cairão na real de que não dá para sair fazendo as coisas com a liberdade de antes. Não tem nada de “novo normal”. O mundo mudou e mudou MESMO. Precisamos sim aprender a lidar com ele, mas não “soltando geral” como tem se pensado. Acho que muita gente está equivocada quanto a isso.

Dito tudo isso, aqui vão as minhas questões pessoais. Afinal, o post é sobre a pessoa que eu quero ser em 2022.

O que eu NÃO quero fazer

Pode ser um exercício mais fácil de começar pensar não no que você quer ser, mas naquilo que NÃO quer ser, não quer fazer. Que já não faz parte da sua vida ou você não vê mais sentido em deixar que faça parte.

Para mim, e acho que esse é um dos pontos mais importantes aqui, é que eu descobri que não sou mais aquela pessoa que viajava a trabalho antes da pandemia, que vivia em aeroportos, participava de eventos, dava palestras, participava de jantares de networking e outros relacionados.

Em novembro, eu precisei fazer duas viagens assim. E foi importante vivê-las.

É óbvio que estar com as pessoas é legal. A interação não é substituída pelo digital. Mas, sinceramente, não acho que seja o momento ainda. Eu fiquei muito “na bad” nas duas viagens, chateada por ter deixado a minha família, a minha rotina, os cachorros. Nada parecia justificar estar longe, em um hotel, com pessoas que não eram a minha família. Nada parecia valer a pena, quando comparado com o que eu estava deixando em casa.

Não era sobre o que valia estar ali, mas sobre o que não valia deixar em casa para ir viajar.

Eu tenho outros pontos a falar sobre a segurança nos aeroportos e viagens com relação ao COVID, mas deixarei para outro post. O fato, aqui, é essa percepção de que não me sinto mais essa pessoa nem tenho interesse nela. Eu amo a minha rotina, amo estar em casa, e não tenho mais essa ânsia por viajar como eu tinha antes. Felicidade para mim eu encontro na minha casa e na minha rotina e, se não tem, busco trazer a ela. Pois felicidade é acima de tudo um estado mental e estar com as pessoas que você ama.

Outra coisa que eu definitivamente não quero mais fazer é gastar dinheiro com investimentos exagerados no trabalho. É difícil explicar aqui o que isso significa mas quem trabalha no marketing digital pode entender o que eu estou falando. Por exemplo, investimento em anúncios. Investimento em mentorias. Claro que tudo isso é válido, mas eu quero repensar muitas coisas, pois tenho outras prioridades, inclusive a remuneração da equipe e processos internos nossos. Enfim, papo para reflexões que ainda preciso amadurecer mais, mas é isso.

Uma terceira coisa que não quero mais na minha vida é perder tempo com picuinha que não leva a lugar nenhum. A focar no que é o certo, sabe? Parece abstrato aqui, mas em diversas situações do meu dia a dia eu fiquei ponderando sobre fazer isso ou aquilo, quando a pergunta “o que é simplesmente O CERTO a se fazer?” resolvia os meus problemas. Então estou aplicando essa questão a absolutamente TUDO. Tem me ajudado a ter mais foco.

Missão pessoal

Essa reflexão para o ano seguinte sempre é boa para revisar a minha missão pessoal. Aqui vai a minha, para quem nunca viu:

Ser uma pessoa criativa, leve e bem-humorada por meio da escrita, da conversa e do ensino, para deixar um legado ajudando as pessoas a encontrarem os seus dons e, com eles, planejarem suas vidas e fazerem acontecer com coerência e significado em todas as suas atividades e projetos.

Eu também vejo muito a questão de contribuir com o lance da cultura do trabalho no mundo, mas talvez isso seja mais um objetivo de longo prazo que a missão em si. Bem, são reflexões que estou fazendo!

Quando eu penso em 2022, revisando a minha missão pessoal, eu consigo identificar atividades e formatos que contribuam com essa missão, como por exemplo:

  • Estou sendo criativa, leve e bem-humorada na escrita, conversa e ensino com a minha família? Estou ajudando nosso filho, meu marido, minha mãe, nossos familiares, a encontrarem seus dons, planejarem suas vidas e fazerem acontecer com coerência e significado?
  • Estou sendo criativa, leve e bem-humorada na escrita, conversa e ensino com a equipe do Vida Organizada? Estou ajudando cada um deles a encontrar seus dons, planejar suas vidas e fazer acontecer com coerência e significado?
  • Estou sendo criativa, leve e bem-humorada na escrita, conversa e ensino na minha vida acadêmica?
  • E assim vai, em todos os setores da minha vida.

Me faz refletir sobre como eu ajo diariamente, e eu sinto que estou vivendo essa missão, apesar de obviamente sempre precisar de chacoalhões e ajustes de vez em quando.

Horizonte 5

Revisar tudo o que envolve não apenas a minha missão pessoal, mas os meus valores, meus princípios, quem eu sou, independente do que está acontecendo na minha vida – tudo isso me ajuda a me reconectar com o meu eixo.

Quando eu paro para pensar “na pessoa que eu quero ser em 2022”, sei que isso faz parte de toda uma construção que não envolve necessariamente uma separação ano a ano, mas de me entender no sentido de: o que aprendi sobre mim nos últimos anos que me permite ser cada vez mais a pessoa que eu sou agora e que eu quero ser daqui em diante?

A Thais que eu quero ser em 2022 é:

  • Mais low-profile (ainda)
  • Frugal
  • Focada no que pode dar certo
  • Serena
  • Calma
  • Criativa
  • Amorosa
  • Engajada
  • Intelectualizada
  • Assertiva

E quanto a você?

Quando eu trago um post que tenha essa provocação, meu intuito é apenas encorajar uma reflexão saudável sobre essa construção que você está fazendo de você mesma/o.

  • Tudo o que você acha que não tem mais nada a ver com você e que você quer tirar da sua vida
  • Tudo o que você acha que tem tudo a ver com você e que você quer trazer mais para a sua vida

Novamente: talvez você não consiga implementar todas essas mudanças de imediato, mas as respostas que você obtiver a partir desse exercício já podem te ajudar a saber para onde você quer direcionar a sua vida daqui em diante. E, como eu disse naquele outro post, de 2016: qualquer mudança em direção à sua essência já trará um impacto gigantesco à sua vida como um todo, porque é um tijolo sobre o outro que você está colocando (ou, se quiser seguir na analogia da escalada, um passo após o outro).

A parte tática do planejamento – aquele em que você desenha cronogramas etc. – é puramente técnica. Mas a parte estratégica, que na verdade é o que importa, você não pode atribuir técnica nem delegar para ninguém. É um raciocínio pessoal, um processo íntimo de reflexão, que só você pode fazer. A grande pergunta é: você está fazendo?

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Lifestyle, Vida Organizada

Falar sobre produtividade pode trazer aquele estigma da canseira. Com tanta coisa acontecendo no mundo, além de tudo essa moça quer que eu seja produtiva/o?

Para mim, produtividade é aproveitar bem o tempo de vida que se tem, para todas as áreas e não apenas trabalho. Muitas vezes, a melhor maneira de aproveitar melhor o tempo é descansar, ficar no ócio, não fazer nada.

Sei que isso vai na contramão do que se coloca como produtividade desde o início da era industrial – fazer mais com menos tempo e recursos. Mas vivemos em outros tempos. Ninguém é uma máquina nem deve buscar ser. Tentar correr no ritmo das máquinas – ou do volume de mensagens – nos deixa doentes.

O indivíduo também não é o responsável por problemas sistêmicos. Ele vive no sistema. Mas o indivíduo sempre é responsabilizado na falácia da meritocracia. Se você não conseguiu, foi porque não se esforçou o bastante. Isso é errado em tantos níveis.

Se você vive do seu trabalho – ou seja, precisa trabalhar para viver – você é classe trabalhadora. E o conceito que eu trago de produtividade compassiva é justamente pensando em trazer um pouco de sanidade em meio a toda essa loucura, pressão e desigualdade. É permitir às pessoas, mesmo nas condições mais complexas, pelo menos perceberem o impacto do sono (ou falta dele) na sua rotina. Saber identificar um possível burn-out antes de ele chegar. Lutar por condições melhores. É isso.

Ser compassivo não significa ser “mosca morta”. Você pode alcançar seus resultados de uma maneira mais leve. Talvez leve mais tempo – talvez não. Mas tão importante quanto o resultado é o percurso. Quer dizer: para mim, o percurso importa ainda mais. Porque é como a gente vive o nosso dia a dia que é o que vai fazer diferença em todas as outras coisas.

Rotina tranquila, mente tranquila. E vice-versa.

Tenha um bom dia.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Planejamentos, Lifestyle

Trazendo para cá uma pergunta que recebi no Instagram e achei daria um post interessante.

O simples ato de viajar, hoje em dia, mexe muito com o meu corpo. Primeiro, que existem todos os cuidados e a segurança relacionada à pandemia. O fato de ter ficado praticamente dois anos em casa sem viajar a trabalho é significativo. Mexe com o emocional de todos – meu, Paul, marido, até os cachorros. Eu, que sou uma pessoa preocupada com todo mundo por natureza, fico pensando em tudo o tempo todo.

Tirando isso, que já é parte significativa de todos os efeitos, ainda tem as características do meu biotipo (vata, de acordo com o Ayurveda). Ele fica muito mais sensível e propenso a desequilíbrios ao mudar de ambiente e rotina quando viaja. É difícil de explicar. Mas o fato é que, justamente por isso, quanto mais próxima da minha rotina em casa eu conseguir me manter, melhor! Por isso, meu foco quando viajo está nos pilares: sono, alimentação, atividade física, meditação. Esse é o principal.

Além disso, as horas de trabalho. Faço meu planejamento semanalmente e, com isso, tenho uma noção da disposição de tempo na agenda e o que será prioridade. Sempre que possível, adianto algumas coisas (como pagamentos) ou adio outras (como reuniões). Como nem tudo é adiável, ainda tem coisa para fazer mesmo viajando. Como eu acordo cedo, consigo fazer tudo antes dos meus compromissos.

Eu me organizo para chegar com antecedência ao evento, pois assim consigo me ambientar melhor e já me acostumar com a nova rotina.

Trata-se acima de tudo de um gerenciamento dos níveis de energia. Não tem por que mudar isso só porque estou viajando. Pela manhã, faço minha rotina ao acordar… depois resolvo o que for prioridade, busco fazer o trabalho mais concentrado até a hora do almoço. O período da tarde fica para responder e-mails, mensagens, demandas, fazer reuniões… e, de noite, offline. Descansar. Procuro manter, dentro do possível frente à programação do evento que vim participar, essas mesmas práticas.

Fácil não é! Demanda dizer não, restringir algumas vontades. Mas ficar bem é o que importa.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais

Oi, tudo bem?

Talvez você tenha notado o meu sumiço aqui no blog na última semana.

Se você me acompanha há algum tempo, sabe como gosto de escrever e publicar diariamente aqui, justamente para te ajudar com o hábito da organização.

No entanto, eu estou em um momento de repensar muitas atividades e, em especial, o modelo de criação de conteúdo.

Calma! Não precisa se preocupar: eu não vou deixar de escrever no blog! Só preciso de um tempo para ter mais clareza sobre como fazer isso, qual será o foco, levando em conta todas as redes sociais e outros canais em que crio conteúdo.

Vale lembrar que o blog tem MUITO conteúdo publicado desde 2006 e eu quero te encorajar a revisitar esses textos, buscando por palavras-chave de assuntos que você precise mais nesse momento. Tenho certeza que fará bom proveito.

Obrigada por continuar por aqui e confiando neste trabalho. <3 Este recado vale não apenas para o blog, mas para todas as outras redes sociais.

Bom sábado.

Categoria(s) do post: GTD™, Plenitude & Felicidade, Ferramentas de organização

A sua lista de coisas a fazer representa um grupo de lembretes.

Lembretes do quê? De coisas que você não pode deixar de fazer.

Claro que essa lista terá itens que são meio burocráticos e obrigatórios, pois todos nós temos que fazer coisas que, muitas vezes, não são as melhores coisas do mundo.

Massssss

A reflexão que não pode deixar de ser feita é: por que as coisas estão na sua lista?

Por que ESTA tarefa está na sua lista? Por que ela é importante? Por que você precisa fazê-la?

Pensar sobre isso não é “perda de tempo”. Na verdade, a sua lista representa a sua vida. Quando você dá “check” em algo que concluiu, significa que dedicou tempo àquela atividade. O que FOI essa atividade? Por que ela foi tão importante a ponto de você trocar tempo de vida por ela? O que isso significa?

Significa que sua lista de afazeres representa a sua vida. Se te incomoda, pode ser que esse incômodo venha da vida como um todo, não da lista em si. Se te deixa com ansiedade, que tal refletir sobre essa raiz um pouco mais?

Listas são apenas ferramentas. Ótimas ferramentas, diga-se de passagem. Permitem que a gente deixe a nossa mente livre, sem ter a preocupação de “ficar lembrando” o que fazer. Mas ela não é um amontoado de itens que você despeja ali sem pensar. Ou não era para ser!

Existe uma diferença enorme entre esvaziar a mente no papel e o que efetivamente você organiza em uma lista. O que você organiza em uma lista foi o que você decidiu fazer a respeito daquilo que capturou antes. Você refletiu e decidiu se demanda ação ou não.

Quando você anota e já considera aquilo a sua lista, não há qualquer filtro. Significa então que você abriga de tudo na sua vida, sem pensar?

Vale a reflexão.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Rotinas, Plenitude & Felicidade

Eu percebi que faz exatamente um ano que eu publiquei um post aqui no blog compartilhando um pouco sobre como é a minha rotina diária, com foco na organização das atividades recorrentes.

Revisando esse conteúdo, tive vontade de postar uma atualização. E, para fazê-la, precisei repensar a minha rotina atualmente para ver se ela representava quem eu sou hoje e o que eu queria compartilhar com vocês. Então foi um exercício muito interessante, que recomendo a todos!

Um ponto importante nessa rotina diária é ela trazer aquilo que você faz de maneira recorrente no seu dia a dia. Ou seja, não “tudo o que posso fazer”, mas “pelo menos o mínimo que deve ser feito”.

Essa rotina não só pode como deve ser sempre adaptada à sua nova realidade, toda vez que você sentir a necessidade de ajustes. Você deve repensá-la sempre, pois é a espinha dorsal do seu dia. Logo, ela deve ser adaptada a todas as suas circunstâncias e será diferente de pessoa para pessoa.

Como estou em um movimento de testar os afazeres novamente no Notion, eu aproveitei a revisão para criar a minha rotina diária lá. E, modéstia a parte, ficou bem legal.

Dentro de uma página geral para listas de afazeres, criei um toggle para Rotina diária e, dentro dele, o database correspondente. Em vez de deixar em formato de lista ou tabela, me inspirei para usar o formato de galeria e colocar imagens. Eu amei! Acho que representa bem a minha rotina e eu consigo visualizar bem tudo o que preciso fazer ao longo de um dia inteiro.

Ao mesmo tempo, me permitiu agrupar itens semelhantes. Não que eu faça em determinado horário, mas muitas vezes ajuda. Por exemplo, eu prefiro cuidar da correspondência na parte da tarde. Isso não significa que eu sempre vou cuidar disso na parte da tarde. É só uma preferência. O importante mesmo é que seja feito diariamente, seja qual for o horário.

E aí, dentro de cada card, eu coloquei o mínimo que preciso fazer diariamente e também o ideal. Isso me ajuda a ter noção de prioridades.

Mais uma vez: é um exercício excelente e que recomendo a todos que façam Sua rotina diária representa as coisas que você quer ou precisa fazer todos os dias para viver uma vida feliz. Refletir sobre a sua não é perda de tempo, mas dar valor ao seu tempo de vida. Que tal fazer isso hoje?

Categoria(s) do post: Viagens

“Pós” não, né, porque ele ainda existe. Mas o fato é que eu precisarei fazer duas viagens a trabalho este mês, ambas em estados diferentes, ambas de avião, e aparentemente eu me esqueci de como fazer isso porque estou me reorganizando praticamente do zero para essa primeira viagem.

Minha mala estava guardada no armário embaixo da escada. Foi bom abrir e pegá-la, porque aproveitei e reorganizei o armário em si. Nele ficam basicamente malas de viagem, itens sazonais (enfeites de Natal, barraca de camping, itens de viagens) e coisas que eu separo para doação. Meu marido também deixa uma caixa com documentos ali e uma mala com artefatos de música diversos (pedais, cabos etc).

Dei uma olhada geral na mala para ver se ela estava ok (me parece que sim) e providenciei um novo cadeado (pelo Mercado Livre) porque o que estava nela estava dando problema na hora de destravar (taí um problema que você não quer arriscar ter em uma viagem a trabalho). Eu também separei alguns acessórios úteis para viagens como filtro de linha, organizador de mala (aqueles de PVC, para roupas) e necessaires.

Vou levar duas máscaras da 3M por dia e, como eu não tinha essa quantidade em casa, encomendei pelo Mercado Livre também. Serão seis dias fora.

Comprei um vôo direto porque achei que seria menos propenso a riscos que um vôo com escalas. E paguei a mais para despachar bagagem e conseguir viajar mais confortavelmente. Não gosto da ansiedade que dá ficar tentando entrar logo no avião pra encaixar a mala no compartimento superior. Gosto de viajar numa boa, tranquila, e só com a minha mochilinha com o notebook embaixo do assento e a minha bolsa a tiracolo pequena com a carteira e o celular.

Vou dar um pulo na farmácia para comprar lenços com álcool para levar no avião. Também pretendo comprar itens de higiene pessoal menores. Como serão duas viagens, a compra vale a pena. Se sobrar, uso o restante em casa. Ao chegar na cidade de destino, vou comprar álcool gel para levar para o hotel e o evento que participarei.

Pelo que entendi, o vôo terá um assento de espaçamento entre uma pessoa e outra, o que me deixa menos desconfortável.

Quando vou viajar, procuro antecipar o máximo possível de coisas para deixar a semana da viagem mais dedicada ao que farei lá. Uma das coisas que faço é antecipar pagamento de contas, por exemplo, para não correr o risco de ficar sem conseguir pagar lá ou ter que correr no dia a dia para pagar no vencimento.

Será a primeira vez que vou ficar fora de casa depois de mais de dois anos. Será diferente para mim e para os meninos, com certeza, mas também para os cachorros. Então estamos montando toda uma operação-carinho aqui para eles não sentirem tanto a minha falta.

Segue minha checklist para bolsa e mochila de bordo:

  • Mochila de bordo
    • [ ] mochila para notebook
    • [ ] bolsa menor para documentos
    • [ ] jaqueta ou blusa se esfriar (vestida)
    • [ ] documentos de viagens (bolsa)
    • [ ] carteira com dinheiro, cartões etc. (bolsa)
    • [ ] chave de casa (bolsa)
    • [ ] celular (bolsa)
    • [ ] carregador (mochila)
    • [ ] fone de ouvido – air pods (bolsa)
    • [ ] fone de ouvido – noise cancelling (vestida)
    • [ ] garrafa de água (mochila)
    • [ ] lanche (mochila)
    • [ ] pacote de lenços com álcool (mochila)
    • [ ] máscara (vestida)
    • [ ] máscara extra (mochila)
    • [ ] bloco de notas (mochila)
    • [ ] canetas (mochila)
    • [ ] kindle (mochila)
    • [ ] carregador do kindle (mochila)
    • [ ] notebook (mochila)
    • [ ] carregador do notebook (mochila)
    • [ ] necessaire com remédios básicos (mochila)
    • [ ] óculos (bolsa)

Eu não pretendo levar commonplace book, nem caderno grande, nem livro de papel, porque quero ir mais light.

Para a mala de roupas, eu sempre busco inspiração no Pinterest. De modo geral, em viagens a trabalho eu busco me “uniformizar” para ser mais prática mas, sinceramente, eu quis dar uma mudada agora, especialmente porque vai estar calor para onde vou viajar. Então eu achei esse conjunto de outfits no Pinterest (fonte) que vou usar para me inspirar.

Pretendo fazer algumas alterações, mas as combinações estão bem bonitinhas e prevêem todo tipo de evento na viagem – do dia de trabalho ao possível jantar que deve rolar. A lista está mais ou menos assim:

  • camiseta branca
  • camiseta preta
  • blusa clara
  • blusa escura
  • camisa clara
  • camisa escura
  • suéter fino de manga comprida escuro
  • suéter mais grossinho claro
  • blazer
  • vestido
  • calça jeans
  • calça preta
  • calça clara
  • casaco
  • óculos escuros
  • lenço
  • bijous (colar, relógio, brincos)
  • ankle boot preta
  • algum sapato baixo a definir
  • tênis preto glove

A roupa da viagem sempre é confortável e, se possível, escura, pois sei que estou mais propensa a me sujar. Então a calça preta + tênis será indispensável pelo menos na ida (na volta tudo bem se sujar porque estarei voltando para casa e vou colocar a peça para lavar).

Para viajar na ida
calça preta + tênis + camiseta + casaco

Para viajar na volta
calça jeans + tênis + camiseta + suéter

Jantar
camisa preta + jeans + bota
blusa clara + calça preta + bota
vestido + bota

Trabalho
camiseta branca + jeans + blazer + bota
camiseta preta + calça preta + tênis + jaqueta
camisa clara + calça clara + sapato baixo
blusa escura + calça preta + sapato baixo
suéter fino + jeans + tênis
vestido + tênis

Tem muitas opções para ir brincando.

Enfim… o negócio é ficar bem, usar máscara, abusar de todos os potinhos de álcool pelo aeroporto, evitar situações que demandem tirar a máscara (comer no aeroporto, por exemplo), evitar aglomerações, e sempre torcer pelo melhor.

Você já precisou fazer alguma viagem de avião nesses novos tempos? Como foi?

Categoria(s) do post: Checklists

Todo mês, eu trago alguns lembretes de coisas que você pode querer ter no seu radar para organizar. Você pode usar essa checklist para organizar em seu próprio sistema de organização como preferir.

Alguns itens serão projetos, enquanto outros demandarão apenas simples ações, e outros podem virar compromissos em sua agenda.

Você também pode imprimir essa lista e ir riscando à medida que for fazendo. Não existe certo ou errado na organização, contanto que a usemos para a realização.

Faltam menos de dois meses para o final do ano e, em média, uns 35 dias úteis, pois todos sabemos que, quando chega a segunda quinzena do ano, todo mundo está pensando nas festas, nas férias e nos dias de folga. Afinal, é verão, estamos no Brasil, a abertura pós pandemia está aí, e todo mundo está sentindo a necessidade urgente de sair um pouco. Como aproveitar novembro, então?

Primeira coisa: inscreva-se na nossa semana especial de planejamento de vida e planejamento 2022 que acontecerá nos dias 29/11, 1/12 e 3/12! As inscrições são gratuitas, o workshop será online, um chuchuzinho preparado para você fazer uma imersão e começar desde já essa reflexão sobre a vida que você quer viver e entrar em 2022 com “outra vibe”.

Abaixo, vão sugestões de coisas que você pode querer levar em consideração este mês também:

  • Fazer uma lista real de coisas que está precisando para a sua casa (ou para você) para ficar de olho nas ofertas da Black Friday
  • Planejar, se ainda não planejou, as festas de final de ano
  • Destralhar a papelada de arquivos em casa
  • Preparar a casa para a chegada do calor (faxina, cortinas mais leves, lavar tapetes etc.)
  • Comprar os presentes de Natal (eu sempre compro na Black Friday)
  • Se você gostar dessa tradição, montar a árvore de Natal 
  • Reorganizar o seu arquivo de referência em pastas físicas ou digitais
  • Rever os planos de assinaturas
  • Doar livros lidos e que não pretende mais reler
  • Fazer uma revisão das suas áreas da vida para ver onde precisa equilibrar
  • Fazer uma análise honesta dos projetos que ainda pretende concluir este ano
  • Planejar o que vai deixar para o começo do ano que vem
  • Planejar os gastos com as contas de fim e início de ano
  • Planejar o ano que vem de maneira geral!
  • Deixar cada vez mais para trás coisas que não te fazem bem e não acrescentam absolutamente nada!

E você, o que pretende fazer em novembro?

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, GTD™, Tecnologia

Na minha última Revisão Semanal, tive vontade de reestruturar a organização dos meus projetos no Notion e assim o fiz. Passei a lista do Asana para lá, revisando cada nome de projeto e refletindo sobre as minhas prioridades, e nessa revisão eu arquivei, incubei e deletei vários. Toda revisão sempre é muito boa por conta disso e, ao migrar de ferramentas, você consegue filtrar ainda mais a maneira como quer se relacionar com as suas informações.

No Notion, basicamente criei uma página para Projetos e, dentro dela, toggles por ano, com 2021 sendo representado por “current”, que basicamente mostra que é o ano em que estou no momento.

Coloquei 2020 também porque talvez eu passe para cá o arquivamento de projetos de anos anteriores. Vamos ver.

Tanto em 2021 quanto em 2022 eu criei databases para os projetos com o nome do ano. “Projetos 2021”, por exemplo.

A visualização é por tabela e traz o nome do projeto, o status, a área da vida relacionada e se tem alguma data crucial. Vou explicar cada item.

Ah, vale dizer que está em inglês porque assim eu treino meu raciocínio com o idioma. É um exercício que faço.

Uma boa prática para o nome do projeto é sempre associar um verbo a ele, para saber qual a sua responsabilidade relacionada ao projeto em si. A maioria dos projetos pode ser “concluir” algo. Quando é assim, deixo apenas o nome, pois o verbo está implícito. Mas, de modo geral, quando são verbos diferentes, ou quando o nome não é tão dedutivo assim, eu coloco o verbo – nesta versão, no final do nome do projeto. Pois assim, quando acessar a página pelo celular, por exemplo, consigo encontrar facilmente os projetos que procuro, pois no começo da linha estão as palavras-chave e não os verbos dos projetos.

Status tem as opções: ativo (para projetos em andamento), incubado (para projetos que não estão em andamento) e concluído.

A propriedade de áreas da vida está linkada ao database das áreas. Isso permite que eu visualize os projetos por área e também todas as áreas relacionadas a cada projeto (eu busco associar apenas uma para não ficar poluído visualmente).

Data crucial não é o prazo, mas uma data crucial do projeto em si. Por exemplo, uma apresentação que eu vá fazer em um evento. A data crucial é o dia da apresentação, mas não necessariamente o projeto será finalizado nesse dia. Pode ser que eu tenha coisas a fazer ainda depois da apresentação com relação a ele. Então a data crucial fica ali apenas para que eu não perca pontos importantes relacionados ao projeto.

Dentro do projeto, além das propriedades citadas, eu tenho também uma que linka com a database de tarefas. Assim, ao revisar o projeto, eu já consigo visualizar se ele tem uma próxima ação definida. Sim, de modo geral as minhas ações estão no Todoist, mas na revisão diária estou fazendo a migração para o Notion também. Vamos ver se vai funcionar. Minha ideia é ter essa central de controle no Notion mesmo, mas precisa de mais tempo de teste.

As diferentes visualizações que uso para projetos são:

  • Datas cruciais com visualização de calendário
  • Concluídos mostra em formato de lista e agrupado por área
  • Incubados mostra uma lista agrupada por área
  • Só os projetos em andamento me mostra o que está em andamento – útil durante a Revisão Semanal
  • Por área mostra os projetos em formato de quadro, por área

Esse novo recurso de agrupar nos databases do Notion tem sido muito útil para mim e me animou a trazer as listas para cá de novo.

Bem. Lista de projetos migrada, agora é ir alimentando e revisando semanalmente. Caso tenha alguma dúvida sobre esse processo, por gentileza, deixe um comentário neste post. 😉 Obrigada!

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Categoria(s) do post: Diário da Thais, Vida Organizada, Mensal

Toda virada de mês eu gosto de fazer uma revisão das áreas da minha vida e das minhas responsabilidades profissionais. É uma maneira de garantir uma olhada em tudo o que preciso cuidar com carinho para manter a minha vida acontecendo da melhor maneira possível.

As últimas revisões tinham acontecido usando o Mind Meister (uma ferramenta para mapas mentais) mas, recentemente, surgiu a vontade de levar essa revisão para o Notion novamente. Não há “motivos” para isso – só a vontade mesmo.

Revisar as áreas da vida uma vez por mês, pelo menos, me permite pensar em como estou me relacionando com cada uma delas, se há providências a serem tomadas, projetos, coisas para destralhar, enfim. É uma revisão que simplesmente vale a pena ser feita mensalmente.

Bem, basicamente foi criada uma página para as áreas da vida e um database com visualização em galeria como padrão. Nessa visualização, há um card para cada área da minha vida e também um card para cada responsabilidade profissional. Na visualização padrão, chamo de ALL porque vejo todas juntas.

Criei outras visualizações, de modo que consiga fazer reflexões diversas. São elas:

  • Lista com todas
  • Quadro separando pessoal de profissional
  • Só áreas da vida pessoal
  • Só responsabilidades profissionais

Você pode configurar essas opções alterando a opção de visualização e utilizando filtros na visualização selecionada.

Abaixo, vou mostrar uma área “por dentro”, para você entender como está no momento (eu mudo e atualizo a cada revisão conforme as minhas necessidades):

  • Data em que a nota foi criada
  • Data da última atualização
  • Propósito da área (por que ela é importante)
  • Tipo (se é pessoal ou profissional, para fazer o filtro nas visualizações)
  • Relação com projetos (link com databases que estão em outra página)

Embaixo, são colocadas informações diversas que facilitem a revisão e a reflexão sobre a área em si.

Estou reestruturando meu sistema de modo geral e sempre compartilhando com vocês por aqui porque sei que vocês gostam de ver como eu estou fazendo. Caso você tenha alguma dúvida sobre as áreas da vida, por favor, deixe um comentário. No meu canal no YouTube eu vou publicando vídeos demonstrando como faço essa análise, se você quiser ver com mais detalhes.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.