Categoria(s) do post: Diário da Thais

Gosto sempre de avaliar os meus meses me perguntando se termino o mês melhor do que quando o comecei. No caso de outubro, infelizmente isso não aconteceu. O mês começou animado e com boas perspectivas e, hoje, ao escrever este texto, talvez em clima de feriado de finados, realmente, não me sinto no melhor dos momentos. Mas todos esses sentimentos fazem parte da vida e isso não é uma reclamação, mas uma percepção, e sempre gosto de compartilhar com vocês por aqui. No limite da privacidade, faço o possível para trazer como estou tocando a minha vida e lidando com essas adversidades.

Eu queria comentar sobre um fato, e não sei se o tema demandaria um post inteiro para isso, então me atenho a um pequeno comentário neste resumo do mês mesmo, por hora. Mas o fato é o seguinte: eu me sinto cansada. Cansada num nível diferente. É um cansaço físico real. Desde que completei 40 anos, parece que meu corpo deu uma desabada. Ok, a idade não é uma sentença, mas uso como marco no tempo. Estou sim sentindo uma necessidade fora do normal de descansar mais, como se realmente me sentisse mais velha. Não consigo manter o ritmo de antes. Me sinto cansada realmente.

Claro que tudo isso reflete um ano e meio em casa de quarentena, com o retorno agora. O reflexo no corpo vem, é claro. Por mais que eu tenha pego ali o início da quarentena para organizar o meu sono, estruturar uma rotina bonitinha dentro do Ayurveda, me alimentar corretamente e fazer exercícios, eu sinto que chegou a hora de mudar. Preciso fazer algo mais. Considero pilates. Yoga eu continuo, mas em casa. Quando preciso de aula, uso um aplicativo muito bom chamado “Yoga Down Dog”. Mas, de modo geral, gosto de montar minha sequência de maneira intuitiva, de acordo com o que sinto que meu corpo precisa.

Quando nova, eu amava esportes de competição e times. Hoje, o caráter competitivo (ex: futebol) ou agressivo (ex: kung fu) já não me soam coerentes com a pessoa que eu me tornei. Não me sinto bem praticando. Kung fu teve seu papel quando eu era jovem. E, apesar de continuar gostando demais da filosofia por trás da prática, não estou em um momento de voltar a praticá-lo. Talvez, se conhecer algum professor em uma linha um pouco menos de combate, em que possa treinar individualmente… Quem sabe. No entanto, não estou procurando. Deixa rolar. Por hora, penso que me beneficiaria de algumas aulas de pilates. Portanto, deve ser meu projeto para os próximos meses.

Sinto que preciso fazer isso para voltar a ter mais energia e um corpo saudável que reflita como me sinto por dentro, cheia de ideias e vontade de tocar projetos.

Vale citar que, ao realizar exames no mês passado, para um tratamento dermatológico que iniciei, eu descobri uma anemia fortíssima. Claro que isso reflete o que estou comentando aqui. Então já iniciei meu tratamento com esse foco para ficar bem disso o quanto antes. Devo realizar novos exames antes de o ano acabar. Minha nutricionista entrou em licença maternidade e, nesse meio tempo, estou implementando as mudanças que ela me pediu.

Eu comento isso porque afetou a quantidade de coisas que eu faço. Estou bem com isso, mas sinto que precisava comentar com vocês. Vocês devem ter notado que eu publiquei menos no blog, no Insta, e até no YouTube. Não vou parar de criar conteúdo, mesmo porque é uma das coisas que eu mais amo fazer, mas estou em um momento de realmente repensar essa rotina de criação, para ver como ela se adequa a esse momento que eu estou vivendo. Estou nessa reestruturação e fazendo tentativas. Peço a paciência de vocês nesse meio tempo.

Coisas muito legais estão acontecendo no trabalho e, aos poucos, à medida que forem se concretizando, eu compartilharei por aqui com vocês.

Em 29 de novembro nós faremos o nosso workshop de Planejamento de Vida gratuitamente online, para ajudar a galera com o planejamento de modo geral, pensando também em 2022. Caso você queira participar, basta se inscrever. Realizaremos ações ao longo do mês – que já é tradicionalmente o “mês de planejamento” há alguns anos aqui no Vida Organizada – então, se você se cadastrar, você em breve começará a receber algumas atividades, informações e materiais algumas semanas antes do evento em si. Não perca. 😉

Algumas outras coisas que aconteceram este mês e que vou compartilhar em formato de tópicos:

  • Fizemos uma reunião de revisão e planejamento de projetos no início do mês, em equipe, que foi muito legal. Reestruturamos o nosso Asana, redistribuímos responsabilidades e foi ótimo.
  • No início do mês rolou também a INTERCOM Nacional – maior evento acadêmico de Comunicação do país – e eu participei pela primeira vez, apresentando o resultado da minha dissertação do mestrado, com o objetivo de transformá-la em um artigo. Foi uma experiência muito legal e adorei ter participado.
  • Em outubro eu também fui convidada pelo Prof. Frank Usarski, que é referência na área, para participar de suas aulas sobre História das Religiões lá no departamento de Ciências da Religião da PUC-SP, especialmente as aulas sobre Budismo. Foram aulas enriquecedoras demais para a minha pesquisa e só tenho a agradecer a generosidade do Prof. Frank pelo convite e espaço.
  • Faço parte de dois grupos grandes de mentoria para quem trabalha com negócios no digital, e em uma delas o meu mentor me deu de presente uma sessão de coaching de carreira com o Eric Arruda. Apesar de de ter feito o curso de formação lá atrás, em 2016, eu nunca tinha participado de um processo de coaching com alguém. A sessão foi mais na linha diagnóstica, para identificar talentos, características, pontos a melhorar etc. Mas foi REALMENTE um presente! Foi maravilhosa. Aprendi coisas fundamentais sobre a minha personalidade e qual deveria ser o meu foco de trabalho para dali em diante. (se quiserem, posso fazer um post falando mais sobre isso!)
  • Falando ainda em seminários e eventos acadêmicos, no dia 14/10 eu apresentei o meu trabalho no seminário do grupo de pesquisa de Política & Cultura na Sociedade do Espetáculo, da Cásper Líbero. Esse trabalho é uma introdução a uma pesquisa que iniciei recentemente sobre trabalho e tempo livre durante a pandemia. Ainda se darão alguns anos para conseguirmos olhar com distanciamento e entender como foi para todos nós que “nos fechamos” privilegiadamente em casa para trabalhar e os efeitos que isso teve na nossa cabeça, mas já iniciei o tema. E o trabalho foi bem elogiado, o que indica que está no caminho certo!
  • Aliás, o foco no “tempo livre” tem sido um princípio na minha pesquisa de vida como um todo. Se reflete também no Doutorado. Tanto que, no momento, estou estudando um montão de referências sobre sociologia do lazer. Vocês sabem que tudo isso se reflete em conteúdos por aqui, então em algum momento entrarão na pauta. Só aguardar.
  • No final do mês, eu apresentaria em um terceiro evento acadêmico, que felizmente foi adiado (ufa!). De qualquer maneira, por já iniciar o trabalho, na metade do mês eu o apresentei para o núcleo de pesquisa de Sociologia do Trabalho na PUC para que meus colegas pesquisadores e professores pudessem me dar um feedback sobre o caminho que eu estava tomando. E foi ótimo. Eu consegui recortar ainda mais, com a ajuda da minha professora orientadora, e agora eu preciso finalizar esse artigo até o dia 16/11. No artigo, eu estou falando sobre imanência (budismo), alienação (Marx) e teoria do fluxo (Mihaly). Estou empolgadíssima! Sempre quis relacionar esses três temas. Eu também prometo compartilhar mais sobre isso em breve. (sim, quanta coisa, não?)
  • Mudanças e decisões internas aqui na empresa foram muito importantes, mas são vários tópicos que não me sinto confortável para compartilhar no momento.
  • Não posso deixar de comentar que o grande tema do mês aqui em casa foi a volta do Paul às aulas presenciais, o que me deixou preocupada um tempão e ainda deixa.
  • Nós também evoluímos com o assunto “mudança de escola”. Ele visitou a escola nova e amou. Isso foi uma grande conquista pessoal para mim como mãe.
  • Furei meu dedo com um lápis de cor afiado e ele infeccionou. Estou tomando antibiótico!
  • Fiquei preocupada com a minha mãe, que teve uma crise no nervo ciático bem na semana que o Paul voltou às aulas presencialmente e eu tive que “gerenciar” a situação de longe, morando em outra cidade, e isso tomou bastante do meu foco naquele momento. Ela está melhor agora, mas foram umas duas semanas preocupada com isso e “na função”. Só reforçou, para mim, a importância de providenciar um espaço em São Paulo para ela vir morar em algum momento. Ela é teimosa e, no que depender dela, “não precisa fazer nada”. Então eu decidi que vou providenciar algo assim sozinha e, SE ela precisar, e QUANDO quiser, está aqui. E pronto. Pelo menos assim criarei uma estrutura para tomar providências rápidas quando algo urgente assim acontecer.
  • Reorganizei meu quarto e o meu home-office para que atendam melhor as minhas necessidades de trabalho e estudo e estou muito satisfeita com o resultado. Estou amando trabalhar em casa.
  • Na última semana do mês, eu precisei apresentar, na disciplina de Teoria e Método, como estou trabalhando na minha tese. A apresentação foi das 13h às 17h – pensem nisso. Quatro horas falando, apresentando, recebendo feedback, sugestões, explicando por que isso e não aquilo. Apesar de ficar cansada, foi muito satisfatório. Uma tarde rica mesmo, um privilégio poder contar com a minha professora e os outros colegas, muitos deles também professores, ouvindo atentamente sobre o meu trabalho e me ajudando com ele. Por esse motivo, a tese andou bastante este mês, com tantos trabalhos em andamento.
  • Também fiz uma reunião bacana com o pessoal da Call Daniel para retomar algumas atividades do GTD depois de dois anos afastada, para me dedicar a outros projetos. Estava com saudades. 🙂

Foi um mês muito produtivo e que, vendo assim, com um panorama geral, me mostra como evoluí com muitos assuntos e fiquei bem. No final das contas, estava um pouco impressionada por alguns acontecimentos, e ainda estou, mas o balanço geral foi de um mês positivo. Já aconteceu isso com você? Por isso que registrar as coisas, registrar o que você fez, o que conquistou, é tão importante. A gente tende a esquecer e desanimar, achando que não fez o que poderia. Me deixou em paz fazer essa revisão. Espero que o seu mês de outubro tenha sido legal também.

Deixe seu comentário

26 comentários

  1. Juliana comentou:

    Oi, Thais. A anemia fortíssima não seria por causa do seu veganismo?

    1. Isso foi considerado. O problema não é o veganismo em si, que comprovadamente é sustentável. O problema é o vegetarianismo estrito depois de uma cirurgia bariátrica modelo by-pass, que prejudica a absorção dos nutrientes pelo organismo. Algumas pessoas operadas se dão melhor com isso, mas a maioria tem problemas de absorção que a suplementação por vitaminas não é suficiente.

      1. Marina Maria Teixeira da Silva comentou:

        Nossa, estou nos mesmos 40 anos e sentindo o mesmo cansaço. Tenho sentido que é impossível ter o ritmo de trabalho que eu gerenciava b antes da pabdemia. Muito pelos motivos que você citou, só que, no meu caso, o achado dos exames não foi anemia, mas deficiência em vitamina D. Estou com várias consultas médicas em andamento, algo que ficou represado na pabdemia, e espero que no desenrolar disso, com as recomendações e tratamentos, eu fique melhor. Mas já tenho redesenhado minha estratégia, porque sinto que ao ritmo anterior, não volto mais.

  2. Elaine Silva comentou:

    Seu conteúdo é maravilhoso. Outubro pra mim também não foi dos melhores. Gratidão por partilhar suas experiências aqui. Deixei as redes sociais (só tenho WhatsApp _ para trabalho_ e Telegram) e sigo te acompanhando aqui e no YouTube.

    Muita luz no teu caminho. Abração!

  3. Ana comentou:

    Que mês bacana!! É sempre inspirador acompanhar você.
    Não tive um outubro tão produtivo, mas o que consegui fazer já foi muito bom.
    Conta mais sobre o coaching sim!

  4. Taty comentou:

    Olá Thais
    Como é bom ler conteúdo como esse q vc dividiu conosco, ver que com vc, que é alguém que pra nós leitores é nosso exemplo a seguir , tb tem seus meses não tão bons é de certa forma nos fazer ver que tá tudo bem não ser sempre tdo bem!!
    Obrigada por dividir !!
    Ahh Quero mto me inscrever no seu workshop, por favor como faço?

    1. Você pode usar o link que está no post direcionando para a página de inscrição.

  5. Ruth comentou:

    seus textos sempre trazem um quentinho no meu coração. particularmente hj lembrei da sua curadoria de domingo que sempre foram pequenos momentos de restauração para mim. desejo muito conhecimento e aprendizado para os 40.

    1. Simone comentou:

      Ah, eu também amava a “linkagem de domingo”.

  6. Sonia Schneider comentou:

    Gratidão sempre Thais por tudo.
    Vc sempre autêntica conosco. E estamos sempre querendo que vc fique super bem!!! Abraços

  7. Fernanda comentou:

    Oi Thais!

    Queria começar falando que amo seu trabalho e acompanho há muito tempo!
    Parabéns pelo tanto de coisa que produziu academicamente! Este mês de outubro finalmente um artigo meu foi aceito numa revista ótima e consegui agendar a qualificação do meu doutorado, então entendo muito sobre o quanto isso demanda, mas, na balança, também é muuuuito prazeroso!

    Se possível, fale mais sim sobre o processo de coach.
    Acredito que muitas pessoas, assim como eu, tenham um certo preconceito visto o número de “coaches” que surgiram recentemente e a forma que isso é divulgado e trabalhado por ai!

    Um ótimo novembro de planejamento para nós <3

  8. Daniele comentou:

    Quem sabe esse cansaço não tenha a ver com a anemia ou talvez o início de uma depressão? No meu caso descobri que o meu cansaço era tireóide. Se cuide direitinho. Gosto de vc!

  9. Manu comentou:

    Thais, esse cansaço deve muito vir da anemia, eu tive uma deficiência de ferro que descobri ano passado, e a reposição deu uma diferença de 50%. Ainda preciso repor por mais 2 meses, mas já me sinto um tanto melhor

  10. Ana Rosa Bulhões comentou:

    Oi, Thais! Já pensou que esse cansaço pode ter relação com o Covid? Você teve, não foi? Por aqui observo que me canso infinitamente mais depois de ter tido essa doença estranha. Boa recuperação aí de toda e qq mazela e um novembro cheio de luz pra você!

    1. Sim, penso todos os dias. Infelizmente não temos como saber ainda. Mas também acho que tenha relação.

  11. Antonia Rodrigues comentou:

    Querida, Thais,
    Um mês muito produtivo!
    Obrigada, por compartilhar.
    Realmente e necessário desacelerar …
    Bjs

  12. Leticia comentou:

    Oi Thais!

    Eu recomendo muito o pilates! Faço desde os 15 anos (hoje tenho 29) e amo. É um ótimo exercício de força e elasticidade que respeita seu corpo e seu ritmo e não é tão repetitivo como musculação, por exemplo, então acho bem divertido!

  13. Ana Festucci comentou:

    definitivamente me fez repensar a necessidade de um registro (diário?! talvez) para olhar o todo do mês.. as vezes fico com essa sensação de “o que foi q fiz” mas na vdd tanta coisa aconteceu!!! obrigada por compartilhar!

    Melhoras pra vc (com relação a anemia, disposição) e que se encontre com o Pilates, por hora, mesmo q mude depois, hehe.

    E conta mais sobre o coaching.. haha #curiosa aqui!

  14. Isa comentou:

    Thais, querida, como eu adoro esse tipo de post! Me sinto motivada a pensar no que tenho feito por aqui também (estou passando por um momento delicado da vida. Faz parte, mas às vezes me sinto desanimada até com o que gosto). Se me permite, meus dois centavos sobre os aspectos de saúde que mencionou: Eu faço pilates há uns 5 anos e foi a melhor atividade física para mim. Me ajuda enormemente a controlar as dores na coluna e eu realmente saio muito bem da aula. Acho que você também vai gostar 🙂 Quanto ao cansaço, entendo que a pandemia nos deixou todos muito assoberbados. A volta “ao normal” vem depois de muita coisa, né? Mas, só para compartilhar uma experiência: Ano passado eu estava me sentindo anormalmente cansada. Era um cansaço muito diferente, uma prostração mesmo, como se estivesse doente. Fiz exames e acusou uma anemia. Com uns meses de tratamento esse cansaço passou. Conto isso a você porque, talvez, você se sinta melhor também logo mais, já que já iniciou seu tratamento. Eu não tinha ideia de que a anemia pudesse me deixar tão caidinha rsrsrs, sério mesmo! Mas é isso! Só queria agradecer e compartilhar experiências. Forte abraço!

  15. Jéssica Lima comentou:

    Oi Thaís,
    Primeiro queria falar que gosto muito de você, não só do seu trabalho, mas de você, te acompanho desde 2010, então você deve ser uma das minhas amigas mais antigas kkkk
    Torço muito para que você fique bem e feliz 😊

    Em segundo lugar, novembro é meu mês favoritos do ano, e um dos motivos é o mês do planejamento 😍

    Se cuida!

  16. Regina comentou:

    Me identifiquei muito com o que contou sobre o seu cansaço, também terminei o mes de outubro me sentindo assim. Acho que com a sede de “retomar” a vida me envolvi em muitas atividades e isso me deixou muito abatida. Fora que também tenho um anemia, que sempre causa um desânimo, cansaço, apatia… é isso. Que você melhore logo!

  17. Lucà comentou:

    Oi, Thais!

    Eu tive anemia em 2017 após doar sangue, e descobri após fazer um monte de exames por conta de um cansaço “inexplicável”, então, às vezes a resposta mais óbvia e simples, é a “correta! 🙂

    Quero saber mais dessa questão de personalidade, foco, etc, SIIIIMMM!

    Vai contar pra gente sobre essas atividades do GTD? =)))

    Se cuida, beijos!! <3

  18. Layana comentou:

    Thais, eu leio seu blog TODOS OS DIAS há mais de 5 anos e sempre revisito algum post quando preciso.
    quanto ao cansaço, uma amiga nutricionista me disse uma vez que o que preserva nosso corpo é o treino de força. que aeróbico é importante, mas é o treino de força que vai nos deixar “bem ” a medida que envelhecemos.
    Obrigada por sempre compartilhar assuntos tão interessantes. até um resumo do seu mês é inspiração para eu refletir como foi o meu e como posso melhorar dia após dia!

  19. Júlia comentou:

    Oi Thaís! puxa, deu para sentir daqui o quanto seu mês foi cheio de compromissos. acho que o mais importante é sempre nos respeitarmos e ir adequando a vida conforme nossas fases mudam. sou fã demais do seu trabalho e da sua linha de pesquisa, aprendo demais com tudo que você posta. O fato de ser casperiana e ex-aluna do luís mauro faz com que eu sinta uma conexão especial com seu conteúdo. Sonho em seguir a vida acadêmica também e antes isso era quase uma neurose para mim. Acompanhar seu conteúdo fez eu me localizar melhor no espaço-tempo da minha vida, me sentindo mais compassiva quanto a isso. Primeiro uma pós, depois um mestrado, e assim por diante, sem desespero. Queria só fazer um pequeníssimo apontamento (e espero que você não se ofenda): acredito que você confunda “por hora” com “por ora”. Como é uma expressão recorrente no seu vocabulário e textos, acho que vale a indiscrição da minha parte. Saúde para os seus e que esse mês de novembro te seja mais gentil <3 abraços!

  20. Fernanda comentou:

    Obrigada pela generosidade em compartilhar. Você me inspira 🙂

  21. Renata Mioshi comentou:

    Nossa Thais, como é delicioso ler o que fez em outubro !! tantas ações, planejamento, acontecimentos. Vendo a forma que colocou me animou em fazer isso todos os meses. Acredito que pode gerar uma ideia mais concreta do que avançamos ou estamos presos.
    Em relação ao cansaço, estou com 51 anos e vejo a cada dia uma dorzinha que aparece e outra que desaparece. No periodo da pandemia, consegui me disciplinar e comecei a caminhar diariamente, andar de bicicleta e fazer ioga. Mas como voce mencionou estou pensando em considerar pilates também, porque precisamos fortalecer os músculos, com isso a dorzinha “some”. Sou o tipo alta e magra, mas sem musculatura nenhuma, ou seja, muito trabalho pela frente para ter mais autonomia quando ficar mais velha. Adoro ler tudo que escreve e sempre que posso te acompanho!!