Categoria(s) do post: Rotinas, Plenitude & Felicidade, Criatividade

Eu conheci essa analogia em um livro de Budismo do Geshe Kelsang Gyatso, da Nova Tradição Kadampa, pois ele a faz diversas vezes para explicar como nos relacionamos com os “prazeres enganosos deste mundo”.

A analogia é a seguinte: chocolate é gostoso! Mas, se você comer demais, vai te fazer mal. Você fica com for de barriga, enjoado e por aí vai.

O mesmo acontece com as atividades que consideramos boas e prazerosas. E isso inclui o trabalho.

Por que estou falando isso?

Porque mesmo um trabalho que você ame fazer, o planejamento de um projeto que esteja incrível, uma reunião em que todos estejam engajados – tudo isso tem um timing. E, se você exagerar, as coisas legais passam a ser chatas.

Quantas e quantas vezes eu aqui não entro na minha “Thaisolândia” e fico totalmente imersa escrevendo algum texto, planejando um projeto, desenhando estratégias, elaborando cronogramas? Várias vezes. E, quando a gente está fazendo alguma atividade que é gostosa de fazer, a gente não quer parar. Mas sabe a ideia do “gostinho de quero mais”? Eu acredito que, quando a gente para enquanto ainda poderia fazer um pouco mais, a gente tem ainda energia para anotar os próximos passos e organizá-los no sistema, e também teremos tempo para nos dedicarmos a outras atividades também importantes naquele dia.

Em resumo, é o excesso que atrapalha. E o excesso vai prejudicar a sua relação com todas as suas atividades.

Eu tenho usado muito essa analogia ultimamente para me referir à sobrecarga pelo excesso de trabalho GOSTOSO. Não é por que eu trabalho com algo que eu amo que a sobrecarga não vá existir e pode me prejudicar. Então a gente tem que tomar cuidado para não “comer chocolate demais”.

Será que você vem exagerando nos “chocolates” aí da sua rotina?
Que “chocolates” você poderia comer menos para reduzir a sensação de enjôo?

Deixe nos comentários, se quiser. 😉 Obrigada por estar aqui.