Categoria(s) do post: Diário da Thais, Plenitude & Felicidade, Lifestyle

De acordo com a numerologia cabalística, nós vivenciamos ciclos de nove anos em nossas vidas, desde o ano em que nascemos.

Não nascemos necessariamente em um “ano 1”. Não é essa a conta. Os números são símbolos. Para saber qual o seu ano pessoal, você deve somar o dia, mês e ano do seu último aniversário para saber em que etapa desse ciclo de nove anos você está. Em 25 de setembro de 2019, eu entrei em um ano 1, pois: 2 + 5 + 0 + 9 + 2 + 0 + 1 + 9 = 28 = 2 + 8 = 10 = 1 + 0 = 1

Pelo que aprendi com a minha amiga Wanice (especialista em numerologia cabalística), esse ciclo de nove anos representa uma etapa na nossa vida. O que você começa no ano 1 é aquilo que você vai concluir até o ano 9. Gosto de pensar assim pois me dá perspectiva de médio prazo.

Somos bem grandinhos e respeitosos por aqui mas sempre vale lembrar que não “acredito” em numerologia, astrologia, tarô ou áreas do tipo. Não estamos falando sobre crenças, mas sobre ferramentas esotéricas, holísticas e até lúdicas para o auto-conhecimento. Se você não vê interesse nisso, tá tudo bem. Cada um, cada um.

Com base nisso, agora no dia 25 de setembro de 2021 entrei no meu ano 3 que, segundo a Wan, as energias já estão manifestadas até uns três meses antes, desde junho. Mas, antes de falar sobre o ano 3, gostaria de fazer uma reflexão sobre como foi esse ano 2 para mim.

Minhas amoras <3

O ano 2 é um ano de regar a plantinha. De não ver a plantinha saindo da terra, nascendo, mas de confiar que, se você está regando e cuidando dela, ela está crescendo bonitinha. Esse último ano foi definitivamente um ano de ajustes. De tentar me entender como criadora e testar soluções, ver o que funciona ou não nessa nova realizada.

O 2 também se refere à relação com o outro. Não é só você, o 1. É você e o outro. O 2 representa as relações. Como você se relaciona com as pessoas. as parcerias. E definitivamente esse foi o tom do ano em questão, como mostra a foto acima, registro de um momento fofo de todas nós aqui na equipe juntas.

Como parte dessa reflexão está também pensar onde me encontro nesse ciclo de 9 anos. É praticamente uma era. Comecei com 38 e terminará com 47. É um período-chave da vida, em que estou concentrada em diversos assuntos específicos, como a consolidação da minha carreira e a educação do filhote. O que eu quero trazer com este post é uma inspiração para que você faça o mesmo tipo de reflexão que eu fiz. Essa reflexão foi transformada em um mapa mental com objetivos de médio prazo, que está no Mind Meister.

A Wan ano passado também me disse: “o ano 2 é uma ponte, um ano de transição”. Hoje eu consigo entender perfeitamente o que isso quer dizer. Foi um ano de reconexão comigo mesma, no sentido de aprender a respeitar cada vez mais a Thais que mudou, que iniciou aquele novo ciclo no ano 1. Eu precisei fazer a ponte entre um antigo modo de viver, trabalhar e fazer algumas coisas com esse novo ritmo de vida que a Thais estabeleceu por ser o melhor para ela. Que ano intenso, sabe? Que ano cheio de aprendizados.

Acho interessante observar o que aconteceu nos “outros anos 2” anteriores da minha vida. Inclusive, é um exercício que recomendo. Meus anos 2 foram correspondentes aos anos de 1984-1985 (infância), 1993-1994 (adolescência), 2002-2003 (mudança de jornalismo para publicidade na faculdade), 2011-2012 (mudança para Campinas) e agora 2020-2021. Os anos 2 dos ciclos anteriores foram transições que, além de externas, foram significativamente internas, no sentido de que eu mudei muito internamente. E o mesmo eu vi acontecer nesse último ano.

O número 2 também se relaciona com o feminino universal, com A Sacerdotisa no tarô, com o útero que vai germinar as sementes que eu plantei no ano 1. É a água. São as águas internas. É um tempo de reflexão, de certa espera, de deixar o pãozinho no forno assando, observar, refletir, esperar com atenção. Parece que nada acontece, mas tem TUDO sendo gerado. É um processo de preparação para algo novo. E eu sinto que esse meu último ano foi exatamente isso.

Gostei demais de fazer essa análise sobre o ano que passou, do ponto de vista da numerologia. Pretendo escrever ainda um post sobre minhas perspectivas para o ano pessoal 3, trazendo alguns significados interessantes para vocês.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Deixe seu comentário

5 comentários

  1. Bárbara Souza comentou:

    Adoro que a minha numerologia pessoal é quase perfeitamente sincronizada com a tua, Thais! Me vejo muito nos teus processos.

  2. Edna Santos comentou:

    Faz tempo que não leio sobre numerologia, mas pensando como foi meu último ano – um ano 2 também, pois acabei de notar que nascemos no mesmo dia ! – foi um ano de transição, talvez a maior da minha vida até agora.

  3. Maria comentou:

    Oi, Thaís! Fazendo cálculos, pensei estar em um ano 2, mas, pesquisando, soube que quando a soma do dia e mês, acrescida do ano (11/4/2021=6 + 5=11, no meu caso) dá exatamente 11, não devemos reduzir para 2, pois o 11 é número autônomo na numerologia. Que interessante!

    1. Jorge comentou:

      É possível reduzir qualquer número através do cálculo direto ou linear, sendo que depende do propósito do cálculo. O que você deseja alcançar? O que você quer descobrir? Alguns desses números são especiais e ajudam a entender o comportamento da natureza e do universo. O número 11 é considerado sagrado e pode ser usado tanto para fazer o bem quanto o mal (princípio da dualidade), vide o 11/09/2001 e o 11/03/2011. A divina proporção (sucessão de Fibonacci) nos mostra como a natureza cria padrões. Já a tabela pitagórica pode ser usada para desvendar os mistérios do Cristo, do calendário solar e do mitraísmo.