Categoria(s) do post: Diário da Thais, Vida Organizada, Mensal

Primeiro dia do mês é dia de tirar uma fotografia do meu nível de satisfação com relação às áreas da minha vida. Também reflito sobre qual delas precisa mais da minha atenção no momento. Faço algumas anotações (pessoais, escondidas na imagem) sobre o que estou insatisfeita nas áreas em que não preenchi totalmente. Essa análise não é sobre estar “ruim” ou “bom”, ou sobre a completude das áreas. É sobre como me sinto com relação a elas no dia de hoje. Gosto de fazer no primeiro dia do mês apenas porque é um ritual de passagem de um mês para o outro, mas você pode fazer sempre que sentir necessidade ou vontade.

Saúde foi meu foco porque (agora posso falar) fiz duas biópsias no final de agosto… eu sempre tenho que acompanhar algumas questões minhas há algum tempo, especialmente porque meu pai morreu de câncer, e eu confesso que estava muito preocupada. Isso acabou tirando o meu foco de outras coisas, mas aceitei o sentimento. Tirei alguns dias de férias no final do mês / início de setembro e foi bom. Consegui descansar e, ontem, saiu o resultado: tá tudo bem. Uma pessoa tinha comentado no post: “bom pra ver que até quem é organizado descuida da saúde”. A gente tem que tomar cuidado com as coisas que comenta na Internet e não se deixar impôr ao outro suas próprias percepções, pois não sabe-se as batalhas que o outro está travando.

O emocional foi afetado por conta dessa preocupação, por isso não dei nota máxima de satisfação.

Carreira eu dei essa nota porque estou conciliando duas carreiras e esse período é sempre meio nebuloso. Vou escrever um post sobre as responsabilidades profissionais, onde contarei mais sobre isso.

Finanças “tá indo”. São muitas providências e resoluções este ano, mas coisas de backstage, de organização mesmo. Como todo mundo, também vivo em um país que passa por uma crise, e como “CEO” da empresa eu preciso tomar decisões responsáveis.

Amor não dei nota máxima porque estou sentindo falta de fazer coisas que eu fazia antes da pandemia com o meu marido. Sair para jantar, ir ao cinema. Esse mês “bateu” mais.

Espiritualidade também não dei nota máxima porque ainda não implementei minha nova rotina depois dos ensinamentos do Festival de Verão e já queria ter implementado – porém fiquei feliz por ter voltado ao curso do Centro Budista.

Tudo isso impacta em plenitude e em como eu me sinto.

O nome dessa ferramenta de reflexão é “roda da vida” e você pode baixar modelos da Internet ou desenhar, como eu fiz (desta vez no Samsung Notes, que me dei de presente de aniversário para ajudar nos estudos do Doutorado).

Deixe seu comentário

12 comentários

  1. Lucà comentou:

    Ufa, Thais!!!!!!!!!

    Seguimos caminhando, s2!

  2. Ana Elisa Gomes comentou:

    Sempre inspirando.

  3. Tamiris comentou:

    Que você fique bem, Thais!!!
    Parabéns pelo seu trabalho, coerente e sensível. Um beijo.

  4. Luciane comentou:

    “A gente tem que tomar cuidado com as coisas que comenta na Internet e não se deixar impôr ao outro suas próprias percepções, pois não sabe-se as batalhas que o outro está travando.” Melhor colocação Thais, devia fazer parte do “Manual da Vida Digital” de cada um.

  5. Fernanda Tavares comentou:

    oi Thais !!

    Talvez nem queira que esse comentário seja postado é somente para te agradecer pela generosidade. Vc contribui muito para minha qualidade de vida e esses dias me vi orientando um outro ser de apenas 9 anos com as suas orientações, percebi como o legado vai se ampliando.
    Paz e Bem !

  6. Karina comentou:

    Querida, que boa notícia os seus exames! Também estou aguardando o resultado de uma biópsia depois de uma cirurgia de pele. Mesmo confiante de que vai estar tudo bem, isso nos abala. Somos humanas. Ainda bem! Muita paciência, paz e saúde pra ti 🌿

  7. Luana Pereira comentou:

    Thaís, sua mimosa! Amo quando tu escreve no blog. Sou muito fã! Sobre esse sair com o marido e ter esses momentos, eu sei que tu é super cuidadosa com a pandemia e que cada um sabe o risco que deseja correr, mas aqui na minha cidade (Porto Alegre) tem opções de bares/restaurantes ao ar livre que me sinto segura. Rola priorizar dias bem vazios, ficar sem máscara só quando for consumir. Já fui em um bar aqui, em um dia frio (então ninguém queria estar na rua) e eu e meu namorado éramos literalmente os únicos clientes. Foi bem bom. Fiz também um encontro com meus amigos que eu não via há quase dois anos em um parque, todos de máscara pff2. Esse tipo de coisa acho um risco aceitável, depois de dois anos de pandemia. Acho que é uma forma responsável de atender a demanda emocional por socializar. Enfim, quis compartilhar um pouco da minha experiência, porque para mim chegou um ponto que era um sofrimento muito grande estar 100% isolada. Beijos e fica bem!!!

  8. Aline Gonçalves de Oliveira Valentim comentou:

    Vindo aqui comentar só pra dizer como você é inspiradora!

  9. Glaucia comentou:

    Compartilho da sua franqueza e honestidade… e tendo aplicar a mim mesma esses princípios. Esconder-se atrás de desculpas e escapismos acaba piorando a saúde e a vida como um todo do que realmente resolvendo os revezes que a vida trás.
    Gratidão por fazer parte da minha vida! Depois que você chegou, nunca mais fui a mesma!

  10. Wandercilia comentou:

    Nossa, que chato esse comentário dessa pessoa. Porque será que as pessoas gostam tanto de encontrar “defeitos” nas outras? Quando você comentou que tinha uma questão de saúde, só torci para que não fosse nada grave. Enfim, o importante é que você esteja bem. Me alegro muito em saber.