Categoria(s) do post: Tecnologia, Dicas de produtividade, Vida Organizada

Existem práticas que se tornam hábitos e, como hábitos, podemos nos sentir tão seguros com elas que essa sensação de segurança nos deixa confortáveis para achar que elas não são mais tãooo necessárias.

“Quando tudo vai mal, leia o manual” – já dizia um mentor meu.

E, no manual do MVO, tem um princípio bem básico, que é: desligue as notificações. Apenas desligue.

“Ah, mas eu não posso desligar o WhatsApp porque recebo chamadas de trabalho e sou freelancer.” Beleza – deixe o Whats ligado e desligue o resto. Deu pra sacar a recomendação? Mantenha o necessário e desligue as notificações do resto. Não é um máquina que te diz o que você deve fazer. É você que coloca limites e estabelece os horários que vai verificar as ferramentas no melhor horário para você.

Se você se sente sobrecarregada/o porque muitas pessoas te mandam mensagens, o erro não está na pessoa que trabalha no melhor horário para ela, mas no muro que você não estabeleceu para trabalhar no melhor horário PARA VOCÊ. Reflita sobre isso.

É claro que depende muito da sua autonomia e hierarquia da empresa como um todo. O post traz uma reflexão para você ver se pode se aplicar à sua realidade atual ou não, e como fazer isso. Se sentir que pode contribuir, deixa um comentário aqui embaixo dizendo como essa recomendação se aplica a você. Obrigada!

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Deixe seu comentário

8 comentários

  1. Renata comentou:

    Eu deixo as notificações desligadas há muito tempo. É uma paz!
    O whats, confesso, sempre foi o app mais desafiador de lidar justamente por conta dos grupos relacionados ao trabalho etc. Mas, vou te dizer uma coisa: essa nova atualização (que permite que as conversas arquivadas continuem arquivadas mesmo com mensagens novas) é puro amor!!! Fora do horário do expediente, eu simplesmente arquivo os grupos e, como num passe de mágica, esqueço que eles existem rsrsrsrs

    Beijos!!!!!

    1. kaka comentou:

      eu faço o mesmo, inclusive peguei um segundo chip apenas para o trabalho e os chefes não sabem o número que uso como pessoal, foi libertador, encerrou o expediente eu desativo o whatsapp desse novo número e só vou ver as mensagens fora de horário quando começo a trabalhar no dia seguinte.. foi a minha maneira de sobreviver ao homeoffice…

  2. ANA PAULA MAGRI MOREIRA comentou:

    Faz tempo que desliguei as notificações de todos os grupos do whatsapp (pessoal). Uma paz…
    Se recebo uma notificação é porque alguém quer realmente falar comigo e não porque mandaram no grupo uma figurinha de Bom dia (por mais fofinha que seja). na verdade, nem baixo esses arquivos, vídeos só se alguém me pedir pra ver por algum motivo.

    No meu trabalho, usamos a ferramenta Teams da Microsoft, mas eu só abro durante o horário de trabalho mesmo. Não me chamam muito por lá, então é tranquilo.

    Há pouco “ganhei” um número de whatsapp Business do trabalho, mas é só pra eu fazer meus agendamentos quando necessário. Pouquíssimas pessoas tem esse número, que também só consulto durante o expediente.

    Escrevendo isso, me senti numa situação bem privilegiada e tranquila em relação a esse tipo de distração, embora ainda ocorram alguns inconvenientes de vez em quando.

  3. Sonia Schneider comentou:

    Oi Thais
    Tenho o hábito de ver duas vezes ao dia o Whatsaap. E só leio as msgs se for responder na hora. Senão estiver com tempo deixo pra depois pq já li msg e acabei me esquecendo de responder. Pasmem no meu niver 😁

  4. Laís Helena comentou:

    Já tive muito estresse com o WhatsApp quando trabalhei como “clt” uma vez. Me mandavam mensagens fora do horário de trabalho e se eu não respondesse na hora ficavam mandando mensagens do tipo ‘oi, você não vai responder?’. Uma vez, quando estava ocupada e não respondi na hora, ligaram na minha casa. Quando fui ver, não era nada sério (uma colega queria saber se eu queria participar de um bolão, mesmo sabendo que eu nunca participava de nada, rs). Ainda por cima havia grupos, que eu era orientada a não silenciar porque poderia haver avisos importantes (mas em meio a um monte de memes e mensagens de bom dia). Agora confesso que o WhatsApp chegou a melhorar muito com a função de arquivar conversas. Arquivo todas aquelas que não são importantes, então sei que quando recebo notificação é algo realmente importante (mas que pode esperar terminar a atividade do momento).
    Sobre o telegram, confesso que esqueço dele, então quando lembro de abrir tem umas 20 mil mensagens por lá (que marco como lida sem ler).
    Por isso que gosto do e-mail: fica o assunto todo numa mensagem só e ele força a pessoa a ir direto ao ponto, então você não tem que ficar caçando mensagens importantes no meio de um monte de memes (nada contra memes, mas se eu tivesse uma empresa criaria um grupo separado, porque são propósitos diferentes). Também gosto de receber newsletters e leituras por e-mail, então mantenho um pessoal e um profissional.

  5. Rafaella comentou:

    Essa foi uma das recomendações sua que segui e achei libertador. Iniciei de forma sutil, tirei notificações de apps gerais pouco usados, segui para o insta, telegram e demais. O único que ainda ficou ativo foi o whatsapp por ser a ferramenta mestre no meu trabalho. Mas, só em tirar os demais, a ansiedade de saber o que é tal notificação já acabou. Isso é libertador
    Claro, que demandou certo tempo para as pessoas entenderem isso, sempre ouvia “mas pq vc está demorando tanto a visualizar a msg no insta?”, “pq você não responde mais o e-mail de imediato?”, enfim, tudo é aprendizado, tudo é questão de adaptação. E, assim sigo fazendo, me adaptando e também adaptando as pessoas ao meu redor, que se for questão de urgência, me ligue.

  6. Marcela Vianna comentou:

    Muita gente fica chocada quando digo que sou médica psiquiatra e não recebo absolutamente nenhuma notificação, nem toque do celular. Mas é o bom e velho “o combinado não sai caro”: SEMPRE aviso a todos os meus pacientes que mensagens serão respondidas no meu tempo, que eu jamais interromperei atendimentos para mexer no celular e que em casos de urgência de verdade, eu não tenho como resolver pelo telefone, tem que ir para um hospital. Nas verdadeiras exceções, de crises que exigem monitoramento contínuo, eu adiciono o contato nos favoritos e aí uso aquela configuração que notifica chamadas desse número. A real é que vivemos numa época em que o crivo de “emergência” está muito pouco exigente, e ficar esperando que os outros respeitem nossos limites sem os deixarmos claros é a receita para a frustração. É óbvio que eu checo o celular com uma periodicidade bacana (nem que seja uma espiada a cada 2 horas), mas ainda assim é muito menos distrator e gerador de ansiedade que ficar ouvindo “plim-plim” o tempo todo ou olhar pra tela do celular e estar alagada de notificações. No fim das contas, nunca deixo de prestar nenhuma assistência necessária, não fico estressada o tempo todo (ou ressentida com as demandas, como muitos colegas) e ainda escuto relatos positivos de pacientes que ficam mais à vontade de me acionar porque sabem que não estão incomodando é daqueles que conseguiram levar essa prática para a própria vida e trabalho.

  7. Eduardo comentou:

    Oi Thaís,
    estou colocando em prática essa dica e tem me deixado bem menos ansioso. Comecei pelas notificações de aplicativos gerais (como você recomendou) e depois de algumas semanas passei para o Instagram e E-mail. Hoje começo com o Whatsapp. Sou professor de reforço escolar e os pais, professores e grupos de atividades dos meus alunos costumam entrar em contato comigo ao longo do dia nos horários mais inusitados, então sempre senti que não deveria deixar eles esperando pela minha resposta (afinal, são meus clientes), mas atrapalha muito a minha rotina fora do expediente.
    Obrigado pela dica! 😀