Categoria(s) do post: Dicas de produtividade, Planejamentos, Vida Organizada

A leitora Karoline deixou esse comentário outro dia num post e eu percebi que, apesar de já ter explicado essa diferença em outros posts informalmente, não tinha nenhum post no blog explicando apenas isso, para ficar como referência. Então aqui está! Obrigada, Karoline, por me ajudar a trazer este conteúdo.

Eu entendo como projeto algo que eu quero concluir no ano em questão, relacionado a alguma área da vida. É o recorte que faço da área para algo que quero resolver, de modo que a área se aproxime mais do que me deixará satisfeita com ela no momento.

Uma área pode ter mais de um projeto por ano. Na verdade, é até natural que tenha vários. Assim como podemos ter áreas que não tenham nenhum projeto em andamento, porque não precisa ou porque não queremos fazer nada naquela área mesmo, ela tá bem, e é isso.

Já os objetivos, que podem ser de curto, médio e longo prazo, são cenários que estou construindo para a minha vida.

Os objetivos de curto prazo podem acontecer de hoje até dois anos. Ou seja, ele tem uma dimensão maior que a dos projetos, talvez porque levem mais tempo mesmo. Podem ser alcançados antes, ou não. Mas, para que sejam alcançados, é necessário criar projetos. E aí chegamos na dúvida específica da Karoline, que foi: “vejo que um dos seus projetos é o emagrecimento. Este não pode ser lido como objetivo do ano?”

Esse objetivo PODE ser alcançado este ano. Até dois anos significa exatamente isso – pode ser alcançado em uma semana, em um mês, em um ano, ou até dois anos. No entanto, vejo o emagrecimento como uma questão um pouco diferente. Emagrecer é uma coisa. Manter o emagrecimento com saúde é outra. É isso que levo em conta quando penso em “até dois anos”. Porque já emagreci muito nos últimos anos, mas teve um ano que meu organismo meio que deu um “pane”, talvez pela perda de peso rápida? Não sei. Mas eu mudei completamente a minha alimentação e para mim o foco na saúde é uma questão mais integrada mesmo, que envolve outros ajustes na rotina.

Para alcançar esse objetivo, eu tenho projetos. Implementar uma nova rotina de atividade física, programação atual feita pela minha terapeuta de Ayurveda, o novo plano alimentar feito pela minha nutricionista, novo batalhão de exames, suplementos e vitaminas reajustados, entre outros fatores. Esses sim são projetos, e pensar assim me ajuda com o recorte apenas, entende?

Claro que toda definição é muito sutil e pessoal, e para outra pessoa o emagrecimento pode entrar como projeto do ano. Por isso que o processo de organização precisa ser pessoal – adaptado a cada um. Os nomes são apenas formalizações que nos ajudam a pensar, mas são apenas nomes. O importante é alcançar o resultado desejado por você, seja chamando de projeto, seja chamando de objetivo. 😉 Os nomes apenas nos ajudam a refletir melhor sobre o que podemos ou não fazer.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.

Deixe seu comentário

3 comentários

  1. Lívia dos Santos Couto comentou:

    Refletindo sobre essa colocação, veio em minha mente a situação da Simone Biles. Dizer não para um objetivo e dizer sim para si mesma. Que corojosa!!!! Americanos relutam em desistir das coisas. É da natureza deles. Seria a atitude da Biles um “sim” para um novo objetivo? Estou até agora impactada com a atitude dela. Acho que isso vai fazer muita gente parar pra (re)pensar.

  2. ranne comentou:

    engraçado, já eu tenho dúvidas sobre a diferença entre objetivos e metas.. já li mtas definições, mas não consegui visualizar a diferença na prática!
    adorei o post.. mto obrigada

    1. A meta é um marco.
      Mas, na real, são apenas palavras. O importante é fazer o que precisa ser feito, dando o nome que for. 😉