Categoria(s) do post: Finanças

Vou compartilhando aos poucos, à medida que for concluindo, alguns projetos relacionados às finanças que tenho feito este ano. Hoje gostaria de comentar sobre a mudança que fiz referente à reserva de emergência.

A reserva de emergência não é um dinheiro para você rentabilizar apenas, e sim ter facilidade de resgate, liquidez imediata, justamente para casos de emergência.

Ao colocar o dinheiro da reserva de emergência em um fundo de investimentos, mesmo que seja o Tesouro SELIC, eu era a única responsável por ele. Meu marido não tem facilidade com finanças e, se algo acontecer comigo, todo fundo de investimento é bloqueado e só pode ser acessado por via judicial ou após a conclusão do inventário. Não é o que queremos para um fundo de emergência.

O ideal, para nós, seria colocar esse fundo de emergência em um investimento em uma conta corrente conjunta. Como não tenho interesse nem disponibilidade de ir ao banco fechar uma conta para abrir outra e pagar mais taxas, eu tenho uma conta em um banco do Governo (prefiro não dizer qual é por motivos de segurança) onde deixo o fundo emergência, e meu marido tem acesso a essa conta. Se algo acontecer, ele consegue resgatar o dinheiro. Esse investimento está dividido em: fundos, poupança e LCI.

Vale dizer que não estou dizendo que é a melhor opção do mercado, mas a escolha que fizemos aqui com base em diversos fatores.

São duas as fases do fundo de emergência, para mim.

A primeira é ter um valor investido para alguma emergência do dia a dia, tipo: quebrou a geladeira e precisa de outra pra ontem, alguma consulta médica ou exame que o convênio não cobre e é urgente, algum falecimento na família, situações do tipo. Eu tinha em mente o valor de 15 mil reais para esse tipo de coisa. Alcançado esse valor, eu comecei a ter uma segunda meta.

A segunda meta é ir colocando dinheiro até termos 6 meses de despesas pessoas pagas. Mais uma vez: o propósito dessa conta é ter liquidez e resgate imediato em caso de emergência. Não rentabilidade. Isso eu busco em outras aplicações. Então agora meu objetivo é, mensalmente, endereçar uma parte do que ganho para esse fundo, de modo que possamos ter essa tranquilidade com relação a qualquer tipo de emergência que acontecer.

Claro que pretendo falar em posts futuros como tenho feito com outros investimentos. 🙂 Vou avisando vocês.

Meu nome é Thais Godinho e eu estou aqui para te inspirar a ter uma rotina mais tranquila através da organização pessoal.