Categoria(s) do post: GTD™, Métodos, Vida Organizada

Muitas vezes me fazem essa pergunta e eu percebi que não tinha um post no blog com a resposta, por isso estou escrevendo.

Por serem métodos diferentes, para mim era óbvio que isso por si só fosse suficiente para entender cada um deles e saber suas diferenças, mas como várias pessoas me perguntam, percebi que valia a pena trazer então as diferenças explícitas neste conteúdo.

Trabalhar com organização pessoal, realização, criatividade com projetos, produtividade é ter um campo de estudo e de atuação com infinitas possibilidades. De modo geral, todos os autores e especialistas acabam estudando os mesmos temas.

Quando eu comecei o meu blog, em 2006, eu era apaixonada (e ainda sou) por dois métodos: GTD™ (Getting Things Done) e FLY Lady (para a casa). Esses dois métodos formaram o caráter do Vida Organizada, e tenho muito respeito aos autores, sempre citando-os quando faço referência a algo que vem dos métodos em si.

Mas, com o passar do tempo, minhas práticas, experiências e estudos, eu comecei a desenhar o que seria o método de organização do Vida Organizada. Ele começou a ser apresentado para o mundo no livro Casa Organizada (2016) e continua em desenvolvimento. Hoje, cinco anos depois do lançamento do livro, vejo o quanto ele amadureceu mas também o quanto ainda existe de terreno para amadurecer. É um método novo.

O David, lá no início dos anos 1980, começou a ministrar treinamentos e a realizar coaching (antes até de ter esse nome) em empresas sobre produtividade, o que ele amadureceu ao longo de duas décadas até publicar o livro sobre o método GTD em 2001! Então o método GTD está super maduro, tem anos de estrada, testado, validado, em todo o mundo. Mas ele representa um momento específico de tempo e condições também, que é a vida do workaholic norte-americanos dos anos 1980, 1990 etc.

Na edição de 2015 do livro, que o David reescreveu, ele quis mostrar como, do contrário da “impressão” inicial, o método GTD era para todos os tipos de pessoas – não só o executivo, mas também artistas, donas de casa, estudantes etc. E ele vem amadurecendo tudo isso desde então.

O Método Vida Organizada, como falei, começou a se estruturar como método a partir de 2016, apesar de eu já ter elementos essenciais implementados antes, de maneira esparsa. Ele está em construção, e eu o vejo como um legado de 50 anos, é isso.

Tudo o que eu estou fazendo hoje, de desenho de um método, o David fez lá atrás, no final dos anos 1970. Só em 2001 ele publicou o livro. Durante todos esses anos, ele desenvolveu e testou o método. Depois da publicação, e de virar best-seller no NY Times, obviamente a coisa toda estourou e a empresa dele cresceu. E ele teve a oportunidade de testar muitas coisas, e então reescrever o livro 14 anos depois, em 2015.

Ao mesmo tempo, no evento em 2019, o GTD Summit, eu pude conhecer muitas pessoas excepcionais que usam o método GTD™ e mesmo assim têm suas carreiras em paralelo a ele. Têm um trabalho autoral sendo desenvolvido, muitas vezes relacionado e apoiando o que o GTD™ propõe. Daniel Pink, Charles Duhitt e, até, o próprio Tiago Forte, com o método PARA. Foi quando caiu a minha ficha de que eu poderia ser uma autora, desenvolver o meu método, e que esse método poderia não apenas apoiar o GTD™ como complementá-lo nos anos que virão.

Comparado ao GTD™, o método Vida Organizada é o irmãozinho mais novo. É como se o GTD™ fosse o cara de 45 anos, colhendo tudo o que plantou até então em uma vida que ainda é cheia de possibilidades, e ele olha com carinho o irmão mais novo que recém aprendeu a andar. Está descobrindo o mundo. Ainda tem muito a aprender. É assim que eu me vejo como autora, desenvolvendo um método de organização.

Photo by Dan Taylor

Porque o que o método Vida Organizada traz de proposta é exatamente ser um caminho para organizar a tríade (opa, outro método!  branding é tudo, ChristianVIDA, CASA e TRABALHO. Não porque sejam áreas diferentes, mas porque têm naturezas diferentes de exteriorização do próprio “eu”. Quando eu falo em VIDA, me refiro ao indivíduo. Quando falo em CASA, me refiro aos relacionamentos pessoais e ao âmbito doméstico. Quando falo em TRABALHO, falo do legado, da criação que a gente coloca no mundo.

O fato de o método ter 5 passos é apenas uma coincidência se comparado ao GTD™.  Gosto de números ímpares, e 3 passos eram pouco – 7 eram muitos. 5 passos me pareceram o ideal, e testando-os nos últimos anos eu pude garantir que sejam uma sequência legal, que funciona.

E o diferencial aqui é que são 5 passos para organizar QUALQUER área da vida. Trabalho, carreira, finanças, saúde, lazer, família, casa. Escolha como quiser. Ou, em vez e áreas, escolha temas. Guarda-roupa, armário, despensa, brinquedos. Ou até mesmo ferramentas. Agenda, lista de tarefas, arquivos. A proposta dos 5 passos é justamente a de poderem ser aplicados a qualquer coisa.

Os 5 passos são:

  1. DESTRALHAR. Não é possível organizar tralha. Livre-se do que não faz mais sentido na sua vida e abra espaço para o que faz.
  2. SOLUCIONAR. O verbo antes estava “organizar”, o que não deixa de continuar porque, para mim, organizar é encontrar soluções que funcionem em termos de espaço na sua vida. Mas eu quis mudar o verbo depois de alguns anos porque acredito que ele descreva melhor o que esse passo propõe.
  3. ARRUMAR. Apenas depois de encontrar soluções apropriadas é que eu vou colocar as coisas nos lugares certos.
  4. MANTER. Se eu encontrei soluções e arrumei as coisas, ficará muito mais fácil de manter. E existem técnicas de manutenção que dão apoio ao dia a dia como um todo, para todas as áreas.
  5. CURTIR. A organização não é um fim, mas um meio. Ela deve ser usada para que você possa curtir, não engessar a sua vida. Se não estiver sendo legal, não está sendo certo. Esse é o meu lema.

A ideia então é que você possa aplicar esses 5 passos a qualquer área da sua vida, tema ou ferramenta. A um projeto. Enfim, a qualquer coisa que você queira organizar. E funciona. Tenho testado nos últimos anos, e minha visão para os próximos 10 é fazer pesquisas e trazer métricas e resultados para dar mais respaldo a esse trabalho, além de elementos de gamificação para facilitar a implementação de hábitos.

Veja, um trabalho autoral está sempre em desenvolvimento. Por mais que um livro seja publicado sobre o assunto, o autor continua desenvolvendo o tema, praticando, obtendo experiências com ele. E é muito bacana ter esse novo ponto de vista para o meu trabalho, porque me dá perspectiva e também clareza sobre a relação que tenho com o outro método que é tão parte de mim, como o GTD™. O objetivo não é separar, mas encontrar a interseção entre o que os dois têm de melhor.

Se fosse para resumir de maneira simplista, eu diria que o GTD™ é um template para o raciocínio, enquanto que o MVO te ajuda a povoar esses templates com conteúdos. GTD™ diz: “um projeto é tal coisa”. MVO diz: “analise isto, isto e aquilo para descobrir o que é prioridade para você e povoar sua lista de projetos”.

O MVO busca complementar (humildemente) o método GTD™ especialmente na parte dos horizontes mais elevados e planejamento de vida, além de trazer orientações para auto-conhecimento e organização para todas as áreas da vida.

Desenvolver um método é entender que você tem um trabalho autoral, seu, rico, com muitas referências, todas respeitadas, e que leva tempo para ser estudado, pesquisado, desenvolvido, testado, e essa é a parte mais enriquecedora de todas. <3

Muito obrigada.

Deixe seu comentário

10 comentários

  1. Eliana comentou:

    Oi, Thais! Achei muito bonita essa reflexão sobre a diferença entre o MVO e o GTD. Um verdadeiro gesto de respeito e afeto em relação ao GTD e de afirmação de autonomia e originalidade do MVO. Eu uso GTD e sou aluna MVO turma 5 e sinto essa complentaridade entre os dois métodos, do jeitinho que você diz no post. Então, minha gratidão pelo seu trabalho contínuo! <3 Tenho aprendido mto a me respeitar e a me incentivar através do MVO. Grande abraço!! 🙂

  2. Anna Amelia Dias Carcanholo comentou:

    Gratidão por tudo que você me trouxe na vida. Comecei com o GTD inspirada em você e seguindo você em todos esses anos, estou incorporando o MVO!!! E a cada dia, me sinto mais apaixonada pela organização que você me ensinou e que venho desenvolvendo desde então!!! Porque organização é um processo para a vida inteira!!!

  3. Tati Liroa comentou:

    Thaís, a coerência do seu trabalho, o respeito com os métodos que te inspiram (e também a quem acompanha o seu trabalho) me faz, a cada dia, admirar mais a construção do seu legado.

    Sou sua aluna. Amo todos os passos.
    E o curtir está relacionado de forma tão interessante com o “rotina tranquila” e o “produtividade compassiva” que tenho certeza que esses dois termos vão brilhar ainda mais ainda no Método Vida Organizada.

    Vida longa ao MVO! ♥

  4. ANA PAULA DE MORAES MARINHO comentou:

    Olá Thais, conheci o GTD através do seu canal e me encantei! Pra melhorar: me apaixonei pelo MVO. Seu trabalho vem mudando a minha relação com a organização como um todo! É UM PRIVILÉGIO ser sua aluna (T4/MVO).

    Isso de mudar o nome do passo 2 também foi formidável: tem tudo a ver com a proposta do método. Você é brilhante!

  5. ANA PAULA DE MORAES MARINHO comentou:

    Olá Thaís. Eu conheci o GTD por meio do seu canal e fiquei muito encantada. Pra melhorar conheci também o MVO e me apaixonei. É um grande privilégio ser sua aluna (MVO /T4). Conhecer seu trabalho mudou muito a minha percepção sobre o que é organização e como passei a me relacionar com tudo isso.

    Isso de alterar o verbo do passo dois foi genial, tem tudo a ver com a proposta do método. Você é mesmo brilhante!

  6. Anne Carvalho comentou:

    Adorei o post, Thais. Estou aqui com todos os seus livros e com o livro do GTD estudando para montar de forma incremental o meu sistema de organização com foco em uma rotina tranquila. Para quem está começando, como é o meu caso, esse tipo de reflexão ajuda bastante. Parabéns por todo o trabalho desenvolvido! Sou muito grata por sua ajuda, tem feito muita diferença na minha vida. Em breve pretendo compor uma turma do MVO, após a conclusão do estudo dos livros : )

    Vida longa ao MVO! ♥

  7. Adriana Dias comentou:

    Querida, já falei outras vezes. Precisamos falar como tornar acessível a mulheres com deficiência. Bjs. Sou doutora pela Unicamp, pesquisadora do tema. Bjs