Categoria(s) do post: Diário da Thais, Carreira, Estudos

Quando eu comecei o meu mestrado, entre 2017 e 2018, eu sabia que seria uma iniciativa nova volumosa na minha vida, e que eu precisaria fazer ajustes. O que eu não contava era com o problema de saúde da minha avó, que culminou na morte dela, no primeiro semestre. Isso impactou demais todo e qualquer planejamento de rotina que eu tenha feito antes.

Agora, para o início do Doutorado, eu me planejei com algumas coisas, que quero compartilhar com vocês neste post, mas lembrando que imprevistos podem acontecer e, quando acontecerem, todo o planejamento precisará ser revisto. Normal!

Bem, as aulas acontecerão por hora no formato online. Já esperado, visto que não estamos vacinados. Isso me permitiu planejar que nos dois dias da semana em que terei aula eu preciso estar em casam de preferência, por conta da minha biblioteca. Eu já tinha pensado nisso antes mas, com o aperto da situação da pandemia, já nem é mais questão de escolha (estamos fazendo quarentena restrita novamente).

Para participar das aulas, filhote e marido sabem que preciso ficar concentrada, como se não estivesse em casa, então eu fecho a porta e mergulho aqui nas aulas, de modo a ficar concentrada. Tem funcionado.

Outra coisa que tenho feito é planejar semana a semana o que preciso ler e fazer com relação ao Doutorado. Nem tudo precisa ser feito entre uma semana e outra. Por exemplo: para a aula da semana que vem, preciso ler um capítulo do livro X, mas não preciso ler o livro inteiro. Caso eu queira lê-lo inteiro, tenho até o final do semestre, da disciplina, para fazê-lo, pois isso me ajudará no trabalho de conclusão da mesma também.

Pensar, desde o início, em como cada trabalho de cada disciplina pode contribuir para o meu projeto. Estar com esse princípio em mente tem me ajudado. Tudo o que leio ou a professora ensina em sala eu me pergunto isso e faço anotações.

Apesar de eu gostar de estudar à noite, no momento minha família tem demandado bastante de mim e, por isso, precisei mudar meus estudos para de manhã e, de noite, deixo para fazer revisões, quando dá. O fato é que estamos em um período sensível da pandemia, e minha família precisa de mim, especialmente o filhote. Isso me fez rever ainda mais as minhas prioridades e, portanto, com o Doutorado, tive que tirar iniciativas de outras áreas, tanto pessoais quanto profissionais.

Muitas vezes, as pessoas acham que a Thais “faz tudo” quando, na verdade, eu apenas tenho as prioridades muito claras e não tenho receio de “passar a faca” naquilo que conflita com as prioridades verdadeiras.

Eu basicamente trabalho com o seguinte planejamento, então:

Fechamento da disciplina (1 semestre)

\/

Foco do trimestre: finalizar certas leituras da ementa (prioridade: as leituras que tenham a ver com a minha tese)

\/

Foco do mês: planejo o mês vendo o foco do trimestre e me perguntando o que posso concluir daquilo no mês em questão

\/

No planejamento semanal, estabeleço as leituras que preciso fazer com base no foco do mês e também das próximas aulas (que textos preciso ler para as próximas aulas?)

\/

Todos os dias, eu leio e estudo um pouco. Podem ser duas horas, podem ser 40 minutos. Dentro dessa disponibilidade de tempo que eu tenho, eu avalio as leituras prioritárias a fazer no dia em questão e simplesmente me dedico a elas.

Faz cerca de uma semana que eu iniciei nas aulas do Doutorado. Ainda estou me acostumando com a rotina, mas estou achando parecida com a do Mestrado, pelo menos nesta fase inicial das disciplinas. Um dos grupos de pesquisa já voltou às atividades, enquanto que o outro ainda não começou (o novo). Vamos que vamos.

Como estão as coisas todas relacionadas à vida acadêmica no momento:

  • Duas disciplinas no Doutorado que demandam leituras e trabalhos ao final do semestre;
  • Dois grupos de pesquisa, que demandam leituras e apresentações, com encontros uma vez por mês, em média;
  • Leituras para a tese;
  • Orientação para a pesquisa como um todo (geralmente uma reunião a cada 15 dias);
  • Cronograma para participação em eventos e publicação de artigos.

Nesse último tópico ainda tenho um pouco de dúvidas, pois estou em outra área (fiz mestrado em Comunicação e agora estou no doutorado em Ciências Sociais) e não conheço os eventos e publicações legais para apresentar e publicar. Mas é um tema que estou explorando e conversando com a minha orientadora. Gostaria de submeter de dois a quatro artigos este ano, pois as publicações demoram. Ao mesmo tempo, o fato de estarmos em isolamento social facilita a participação em eventos acadêmicos que sejam em outros estados sem precisar viajar.

Outra coisa que estou voltando a fazer é organizar a semana por contextos. Um tema por dia, dividindo o meu trabalho e o que eu estudo. Sobre isso, ainda estou formatando, e em breve faço um post só sobre isso explicando direitinho. 😉

Vejo a minha carreira como um grande todo. Tenho um propósito profissional que conversa com todas as frentes que tenho de trabalho, que envolve o que as pessoas fazem da vida e como elas podem fazê-lo sem tanto estresse. Então o Vida Organizada, a minha pesquisa, o meu próximo livro, tudo conversa com isso. E a ideia é buscar essa coerência sempre, ano após ano, década após década, e ir apenas ajustando as diversas atividades e a minha dedicação a elas no decorrer da vida.

Deixe seu comentário

10 comentários

  1. Renata comentou:

    Como sempre, suas publicações sobre vida acadêmica são muito legais (e, particularmente, bem angustiantes, porque eu gostaria de estar no doutorado, mas não está “cabendo” muito, ultimamente).
    Acho muito interessante que você coloca como vê as coisas como um todo: o doutorado contribuindo para o seu trabalho, e vice-versa. Fiquei pensando que seria interessante você fazer algum post, dividir ideias (se é que já não fez) com quem está numa situação mais de transição.
    Vá lá, estou falando de mim: trabalho numa determinada área, que foi a área para a qual minha carreira se direcionou, mas, a longo prazo, quero mudar, seguir carreira acadêmica, ser consultora em outra área. Ou seja: são duas áreas que não se conversam.
    A questão, então, acho que é: como começar a priorizar o que eu quero a longo prazo sem deixar a peteca cair (falando de empregabilidade e $$) na área em que já estou, mas que não me interessa tanto?
    Obrigada!

    1. Vou falar sobre isso na aula aberta de hoje no YouTube. 🙂 Te convido a participar. Se estiver lá, você me dá um alô?

  2. Julia Garani Franco comentou:

    Oi Thais. Tenho algumas dúvidas e não sabia qual canal seria melhor colocá-las. (1) Eu estou em uma fase “preciso decidir o que vou fazer da vida”, acabo a faculdade ano que vem. Sei que nada é escrito em pedra, mas ainda assim, com esse cenário tão amplo (ex. prestar para o mestrado, mas e se eu não passar? / continuar na empresa que estou trabalhando, mas e se eu não for efetivada?). Queria ajuda para esse tipo de planejamento.
    Outra dúvida seria sobre material de revisão. O que exatamente você revisa? Partes grifadas de um texto? O commonplace book?
    Obrigada!

    1. Vou falar sobre isso na aula aberta de hoje no YouTube. 🙂 Te convido a participar. Se estiver lá, você me dá um alô?

      1. Julia Garani Franco comentou:

        Não estou conseguindo entrar ao vivo nas lives por conta de tempo – acabo ouvindo durante o trabalho ou final de semana -, mas se quiser combinar uma data para entrarmos, eu topo!

  3. Ana Paula Magri comentou:

    Eu estou em home office, mas os filhos não respeitam muito meu espaço/momento de trabalho. Estou pensando em ocupar a edícula da casa, onde está a lavanderia e tem espaço sobrando se eu destralhar as coisas que estão lá, fazendo um “escritório/refúgio” pra mim. Ao menos terão que atravessar o quintal pra me achar rs.
    Brincadeiras à parte, tem sido difícil para todos manter a sanidade mental. Filha entrando na adolescência, filho entrando na fase adulta, marido trabalhando fora todos os dias (é administrativo da área da saúde), então a gente vai levando.
    Estou na turma 6 do MVO, num ritmo bem mais lento do que eu gostaria, mas estou gostando muito do curso, embora ainda no início.
    Grande abraço e bons estudos!

  4. Geovane Dias comentou:

    Essa página apareveu pra mim, que bom que parei pra ler. Me identifiquei muito com essa história, passei por certas coisas durante o mestrado e não consegui me organizar. Precisar fazer terapia, e hoje no Doutorado comsigo me organizar melhir e dar prioridades aos devidos assuntos. Muito obrigado!

  5. Nicole Fusco comentou:

    Obrigada, Thais, por compartilhar um pouco da sua rotina com o mestrado. Gostaria de pedir, se possível, um outro post sobre um dia seu. Como você usa suas 24 horas? Obrigada!

  6. Meire Mercês Gonzaga comentou:

    Estou tentando ser organizada mas nao consigo e me matriculei no mestrado mas vou desistir por ser desorganizada